Posted on janeiro 19, 2021

O Horizonte Distante

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Para ter uma ideia da lição de liderança única da parashá desta semana, costumo pedir ao público que realize um experimento mental. Imagine que você é o líder de um povo que está escravizado e oprimido, que está exilado há mais de dois séculos. Agora, após uma série de milagres, está prestes a se libertar. Você os reúne e se levanta para enfrentá-los. Eles estão esperando ansiosamente por suas palavras. Este é um momento decisivo que eles nunca esquecerão. Sobre o que você vai falar?

A maioria das pessoas responde: liberdade. Essa foi a decisão de Abraham Lincoln no Discurso de Gettysburg, quando ele invocou a memória de “uma nova nação, concebida em liberdade” e ansiava por “um novo nascimento de liberdade”. [1] Alguns sugerem que inspirariam as pessoas falando sobre o destino que estava por vir, a “terra que mana leite e mel”. Ainda outros dizem que alertariam as pessoas sobre os perigos e desafios que enfrentariam no que Nelson Mandela chamou de “a longa caminhada para a liberdade”. [2]

Qualquer um desses teria sido o grande discurso de um grande líder. Guiado por D-s, Moisés não fez nenhuma dessas coisas. Isso é o que o tornou um líder único. Se você examinar o texto da parashá Bô, verá que três vezes ele voltou ao mesmo tema: filhos, educação e futuro distante.

E quando seus filhos lhe perguntam: “O que você quer dizer com este serviço?” vocês dirão: “É o sacrifício pascal ao Senhor, porque Ele passou pelas casas dos israelitas no Egito quando feriu os egípcios, mas salvou nossas casas”. (Ex. 12: 26-27)

E você deve explicar ao seu filho naquele dia: “É por causa do que o Senhor fez por mim quando eu fui libertado do Egito.” (Ex. 13: 8)

E quando, no futuro, seu filho lhe perguntar, dizendo: “O que isso significa?” dirás a ele: “Foi com mão poderosa que o Senhor nos tirou do Egito, a casa da servidão”. (Ex. 13:14)

É um dos atos mais contra-intuitivos da história da liderança. Moisés não falou sobre hoje ou amanhã. Ele falou sobre o futuro distante e o dever dos pais de educar seus filhos. Ele até sugeriu – como a tradição judaica entendia – que devemos encorajar nossos filhos a fazer perguntas, de modo que a transmissão da herança judaica não seja uma questão de aprendizado mecânico, mas de diálogo ativo entre pais e filhos.

Assim, os judeus se tornaram o único povo na história a basear sua própria sobrevivência na educação. O dever mais sagrado dos pais era ensinar os filhos. O próprio Pessach tornou-se um seminário contínuo na transmissão da memória. O Judaísmo se tornou a religião cujos heróis eram professores e cuja paixão era o estudo e a vida da mente. Os mesopotâmicos construíram zigurates. Os egípcios construíram pirâmides. Os gregos construíram o Partenon. Os romanos construíram o Coliseu. Os judeus construíram escolas. É por isso que só eles, de todas as civilizações do mundo antigo, ainda estão vivos e fortes, ainda continuam a vocação de seus ancestrais, com sua herança intacta e inalterada.

A percepção de Moisés foi profunda. Ele sabia que você não pode mudar o mundo apenas por externalidades, por arquitetura monumental, ou exércitos e impérios, ou pelo uso de força e poder. Quantos impérios surgiram e desapareceram enquanto a condição humana permanece não transformada e não redimida?

Só existe uma maneira de mudar o mundo: pela educação. Você tem que ensinar às crianças a importância da justiça, retidão, bondade e compaixão. Você precisa ensiná-los que a liberdade só pode ser sustentada pelas leis e hábitos de autocontenção. Você deve lembrá-los continuamente das lições da história: “Éramos escravos do Faraó no Egito”, porque aqueles que se esquecem da amargura da escravidão acabam perdendo o compromisso e a coragem de lutar pela liberdade. E você tem que capacitar as crianças para perguntar, desafiar e discutir. Você tem que respeitá-los se quiserem respeitar os valores que deseja que adotem.

Esta é uma lição que a maioria das culturas ainda não aprendeu depois de mais de três mil anos. Revoluções, protestos e guerras civis ainda ocorrem, encorajando as pessoas a pensar que remover um tirano ou realizar uma eleição democrática acabará com a corrupção, criará liberdade e levará à justiça e ao estado de direito – e ainda assim as pessoas ficam surpresas e desapontadas quando isso não acontece. Tudo o que acontece é uma mudança de rostos nos corredores do poder.

Em um dos grandes discursos do século XX, um distinto juiz americano, o Juiz Learned Hand, disse:

“Muitas vezes me pergunto se não depositamos nossas esperanças muito nas constituições, nas leis e nos tribunais. Essas são falsas esperanças; acredite em mim, essas são falsas esperanças. A liberdade está no coração de homens e mulheres; quando morre ali, nenhuma constituição, nenhuma lei, nenhum tribunal pode salvá-lo; nenhuma constituição, nenhuma lei, nenhum tribunal pode fazer muito para ajudá-lo.” [3]

O que D-s ensinou a Moisés foi que o verdadeiro desafio não está em ganhar a liberdade; consiste em sustentá-la, mantendo o espírito da liberdade vivo nos corações das gerações sucessivas. Isso só pode ser feito por meio de um processo contínuo de educação. Nem é algo que pode ser delegado a professores e escolas. Parte disso deve ocorrer dentro da família, em casa e com a sagrada obrigação que vem do dever religioso. Ninguém jamais viu isso com mais clareza do que Moisés, e somente por causa de seus ensinamentos os judeus e o judaísmo sobreviveram.

O que torna os líderes excelentes é que eles pensam no futuro, preocupando-se não com o amanhã, mas com o ano que vem, ou a próxima década, ou a próxima geração. Em um de seus melhores discursos, Robert F. Kennedy falou sobre o poder dos líderes para transformar o mundo quando têm uma visão clara de um futuro possível:

Alguns acreditam que não há nada que um homem ou uma mulher possa fazer contra a enorme variedade de males do mundo – contra a miséria, contra a ignorância ou a injustiça e a violência. No entanto, muitos dos grandes movimentos do mundo, de pensamento e ação, resultaram do trabalho de um único homem. Um jovem monge deu início à reforma protestante, um jovem general estendeu um império da Macedônia até as fronteiras da Terra e uma jovem reclamou o território da França. Foi um jovem explorador italiano que descobriu o Novo Mundo, e Thomas Jefferson, de 32 anos, que proclamou que todos os homens são criados iguais. “Dê-me um ponto de apoio”, disse Arquimedes, “e eu moverei o mundo.” Esses homens moveram o mundo, e todos nós também podemos.” [4]

A liderança visionária forma o texto e a textura do judaísmo. Foi o livro de Provérbios que disse: “Sem uma visão [chazzon] o povo perece”. (Prov. 29:18) Essa visão na mente dos Profetas sempre foi de um futuro de longo prazo. D-s disse a Ezequiel que um Profeta é um vigia, alguém que sobe a um ponto de visão elevado e, portanto, pode ver o perigo à distância, antes que qualquer outra pessoa perceba no nível do solo. (Ezek. 33: 1-6) Os Sábios disseram: “Quem é sábio? Aquele que vê as consequências a longo prazo [ha-nolad].” [5] Dois dos maiores líderes do século XX, Churchill e Ben Gurion, também foram historiadores ilustres. Conhecendo o passado, eles podiam antecipar o futuro. Eram como os mestres do xadrez que, por terem estudado milhares de jogos, reconhecem quase imediatamente os perigos e possibilidades em qualquer configuração das peças do tabuleiro. Eles sabem o que acontecerá se você fizer este movimento ou aquele.

Se você quer ser um grande líder em qualquer área, do primeiro-ministro aos pais, é essencial pensar a longo prazo. Nunca escolha a opção mais fácil porque é simples ou rápida ou traz satisfação imediata. Você vai pagar um preço alto no final.

Moisés foi o maior líder porque ele pensou mais à frente do que qualquer outra pessoa. Ele sabia que a mudança real no comportamento humano é obra de muitas gerações. Portanto, devemos colocar como nossa maior prioridade educar nossos filhos em nossos ideais para que o que começamos eles continuem até que o mundo mude porque nós mudamos. Ele sabia que se você planeja por um ano, plante arroz. Se você planeja para uma década, plante uma árvore. Se você planeja para a posteridade, eduque uma criança. [6] A lição de Moisés, de trinta e três séculos, ainda é convincente hoje.

NOTES
[1] Abraham Lincoln, “The Gettysburg Address” (Soldiers ‘National Cemetery em Gettysburg, Penn., 19 de novembro de 1863).
[2] Nelson Mandela, Long Walk to Freedom: The Autobiography of Nelson Mandela (Back Bay Books, 1995).
[3] Learned Hand, “The Spirit of Liberty” – discurso na cerimônia “I Am an American Day”, Central Park, Nova York (21 de maio de 1944).
[4] The Poynter Institute, The Kennedys: America’s Front Page Family (Kansas City, Mo.: Andrews McMeel, 2010), 112.
[5] Tamid 32a.
[6] Uma declaração atribuída a Confúcio.

 

Texto original “The Far Horizon” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

EKEV

Liderar é Ouvir O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu ...

Leia mais →

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS