CHAYÊ SARA

Posted on outubro 26, 2021

CHAYÊ SARA

A Bondade de Estranhos

Em 1966, um menino negro de onze anos mudou-se com seus pais e família para um bairro branco em Washington. Sentado com seus dois irmãos e duas irmãs no degrau da frente da casa, ele esperou para ver como seriam recebidos. Eles não foram. Os transeuntes se viraram para olhá-los, mas ninguém lhes deu um sorriso ou mesmo um olhar de reconhecimento. Todas as histórias terríveis que ouvira sobre como os brancos tratavam os negros pareciam estar se tornando realidade. Anos depois, escrevendo sobre aqueles primeiros dias em sua nova casa, ele disse: “Eu sabia que não éramos bem-vindos aqui. Eu sabia que não gostariam de nós aqui. Eu sabia que não teríamos amigos aqui. Eu sabia que não deveríamos ter mudado para cá…”

Enquanto ele estava pensando esses pensamentos, uma mulher branca voltando do trabalho passou do outro lado da rua. Ela se virou para as crianças e com um largo sorriso disse: “Bem-vindos!” Desaparecendo dentro de casa, ela emergiu minutos depois com uma bandeja cheia de bebidas e sanduíches que ela trouxe para as crianças, fazendo-as se sentirem em casa. Aquele momento – escreveu o jovem mais tarde – mudou sua vida. Isso lhe deu uma sensação de pertencimento onde não havia nenhuma antes. Isso o fez perceber, em uma época em que as relações raciais nos Estados Unidos ainda eram tensas, que uma família negra poderia se sentir em casa em uma área branca e que poderia haver relacionamentos que não distinguiam as cores. Com o passar dos anos, aprendeu a admirar muito na mulher do outro lado da rua, mas foi aquele primeiro ato espontâneo de saudação que se tornou, para ele, uma lembrança definitiva.

O jovem, Stephen Carter, acabou se tornando professor de direito em Yale e escreveu um livro sobre o que aprendeu naquele dia. Ele chamou isso de Civilidade. [1] O nome da mulher, ele nos diz, era Sara Kestenbaum, e ela morreu muito jovem. Ele acrescenta que não foi por acaso que ela era uma judia religiosa. “Na tradição judaica”, observa ele, tal civilidade é chamada de chessed – “a prática de atos de bondade – que, por sua vez, é derivada do entendimento de que os seres humanos são feitos à imagem de D-s”. Civilidade, acrescenta ele, “em si pode ser vista como parte do chessed: realmente requer gentilezas para com os nossos concidadãos, incluindo os que são estranhos, e mesmo quando é difícil.” Até hoje, ele acrescenta: “Posso fechar os olhos e sentir na língua a doçura suave e escorregadia dos sanduíches de cream cheese e geleia que engoli naquela tarde de verão, quando descobri como um único ato de civilidade genuína e despretensiosa pode mudar uma vida para sempre.” [2]

Nunca conheci Sara Kestenbaum, mas anos depois de ler o livro de Carter, dei uma palestra para a comunidade judaica na parte de Washington onde ela havia morado. Eu contei a eles a história de Carter, que eles não tinham ouvido antes. Mas eles acenaram com a cabeça em reconhecimento. “Sim”, disse um, “esse é o tipo de coisa que Sara faria”.

Algo como esse pensamento estava com certeza na mente do servo de Abraham, sem nome no texto, mas tradicionalmente identificado como Eliezer, quando ele chegou a Nahor em Aram Naharaim, noroeste da Mesopotâmia, para encontrar uma esposa para o filho de seu mestre. Abraham não lhe disse para procurar traços específicos de caráter. Ele simplesmente lhe disse para encontrar alguém de sua própria família. Eliezer, no entanto, formulou um teste:

Senhor, D-s de meu mestre Abraham, faça-me bem-sucedido hoje e mostre bondade para meu mestre Abraham. Veja, estou de pé ao lado desta fonte, e as filhas do povo da cidade estão saindo para tirar água. Que seja, quando eu digo a uma jovem: ‘Por favor, abaixe sua jarra para que eu possa beber um pouco’, e ela diga: ‘Beba e eu darei água aos seus camelos também’ – deixe-a ser aquela que Você escolheu para o seu servo Isaac. Com isso, saberei que você mostrou bondade [ chessed ] para o meu mestre.” (Gen. 24: 12-14)

Seu uso da palavra chessed aqui não é por acaso, pois é a própria característica que ele está procurando na futura esposa do primeiro filho judeu, Isaac, e ele a encontrou em Rivka.

É o tema, também, do livro de Ruth. É a gentileza de Ruth para Noemi, e Boaz para Ruth, que o Tanach procura enfatizar ao esboçar o pano de fundo para David, seu bisneto, que se tornaria o maior Rei de Israel. Na verdade, os Sábios disseram que as três características mais importantes para o caráter judeu são modéstia, compaixão e bondade. [3] Chessed, o que eu defini em outro lugar como “amor como ação”, [4]  é central para o sistema de valores judaico.

Os Sábios basearam-se nos atos do próprio D-s. Rav Simlai ensinou:

“A Torá começa com um ato de bondade e termina com um ato de bondade.  Começa com D-s vestindo os nus – “O Senhor D-s fez para Adam e sua esposa roupas de pele e os vestiu” (Gênesis 3:21) – e termina com Ele cuidando dos mortos: “E Ele [D-s] sepultou [Moisés] no Vale.” (Deut. 34: 6). (Talmud Bavli, Sotah 14a)

Chessed – providenciar abrigo para os sem-abrigo, comida para os famintos, assistência aos pobres; visitar os doentes, confortar os enlutados e providenciar um sepultamento digno para todos – tornou-se constitutivo da vida judaica. Durante os muitos séculos de exílio e dispersão, as comunidades judaicas foram construídas em torno dessas necessidades. Havia chevrot, “sociedades amigáveis”, para cada um deles.

Na Roma do século XVII, por exemplo, havia sete sociedades dedicadas ao fornecimento de roupas, sapatos, lençóis, camas e cobertores quentes de inverno para crianças, pobres, viúvas e prisioneiros. Havia duas sociedades que forneciam enxovais, dotes e empréstimo de joias para noivas pobres. Havia uma para visitar os enfermos, outra para levar ajuda às famílias que haviam sofrido luto e outras para realizar os últimos ritos pelos que haviam morrido – a purificação antes do sepultamento e o próprio serviço fúnebre. Onze bolsas existiam para fins educacionais e religiosos, estudo e oração, outra levantava esmolas para os judeus que viviam na Terra Santa, e outras estavam envolvidas nas várias atividades associadas à circuncisão de meninos recém-nascidos. Ainda outras forneceram aos pobres os meios para cumprir mitzvot como mezuzot para as portas, óleo para as luzes de Chanucá e velas para o Shabat. [5]

Chessed, disseram os Sábios, é em alguns aspectos mais elevado até do que a tsedacá:

Nossos mestres ensinaram: a benevolência [chessed] é maior do que a caridade [tzedakah] de três maneiras. A caridade é feita com o dinheiro, enquanto a benevolência pode ser feita com o dinheiro ou com a própria pessoa. A caridade é feita apenas para os pobres, enquanto a benevolência pode ser dada tanto aos pobres quanto aos ricos. A caridade é concedida apenas aos vivos, enquanto a benevolência pode ser demonstrada aos vivos e aos mortos. (Talmud Bavli, Sucá 49b)

Chessed em suas muitas formas tornou-se sinônimo de vida judaica e um dos pilares sobre o qual se apoiava. Os judeus eram bondosos uns com os outros porque era “o caminho de D-s” e também porque eles ou suas famílias haviam passado por uma experiência íntima de sofrimento e sabiam que não tinham a quem recorrer. Forneceu um acesso de graça em tempos sombrios. Isso suavizou o golpe da perda do Templo e seus ritos:

Certa vez, quando R. Yohanan estava saindo de Jerusalém, R. Joshua o seguiu. Vendo o Templo em ruínas, R. Josué gritou: “Ai de nós que este lugar está em ruínas, o lugar onde foi feita expiação pelas iniquidades de Israel”. R. Yohanan disse a ele: “Meu filho, não se aflija, pois temos outro meio de expiação que não é menos eficaz. O que é? São atos de benevolência, sobre os quais as Escrituras dizem: ‘Desejo benevolência e não sacrifício’ ”. (Oseias 6: 6) [6]

Por meio do chessed, os judeus humanizaram o destino, pois, eles acreditavam, o chessed de D-s humaniza o mundo. Assim como D-s age conosco com amor, somos chamados a agir com amor uns para com os outros. O mundo não opera apenas com base em princípios impessoais como poder ou justiça, mas também na base profundamente pessoal de vulnerabilidade, apego, cuidado e preocupação, reconhecendo-nos como indivíduos com necessidades e potencialidades únicas.

Ele também acrescentou uma palavra ao idioma inglês. Em 1535, Myles Coverdale publicou a primeira tradução da Bíblia Hebraica para o inglês (a obra foi iniciada por William Tyndale, que pagou por isto com sua vida, queimado na fogueira em 1536). Foi quando ele chegou à palavra chessed que percebeu que não havia nenhuma palavra em inglês que capturasse seu significado. Foi então que, para traduzi-la, ele cunhou a palavra “bondade amorosa”.

O falecido rabino Abraham Joshua Heschel costumava dizer: “Quando eu era jovem, admirava a inteligência. Agora que estou velho, acho que admiro mais a bondade.” Há profunda sabedoria nessas palavras. Foi o que levou Eliezer a escolher Rivka para se tornar a esposa de Isaac e, portanto, a primeira noiva judia. A bondade traz redenção ao mundo e, como no caso de Stephen Carter, pode mudar vidas. Wordsworth estava certo quando escreveu que:

“A melhor parte da vida de um bom homem [e mulher]” são seus “pequenos atos, sem nome e esquecidos de bondade e de amor.” [7]

 

NOTAS
[1] Stephen Carter,  Civility,  Nova York: Basic Books, 1999, pp. 61-75.
[2] Ibid., Pp. 71-72.
[3] Bamidbar Rabbah 8: 4 .
[4] Jonathan Sacks,  To Heal a Fractured World , pp. 44-56.
[5] Israel Abrahams,  Vida Judaica na Idade Média , Londres, Edward Goldston, 1932, pp. 348-363.
[6] Avot de-Rabbi Natan, 4.
[7] Do poema de Wordsworth, ‘Tintern Abbey’.

 

Texto original “The Kindness of Strangers” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS