EKEV

Posted on agosto 19, 2019

EKEV

A Política da Memória

Em Ekev, Moisés expõe uma doutrina política de tal sabedoria que nunca pode tornar-se redundante ou obsoleta. Ele faz isso por meio de um contraste preciso entre o ideal ao qual Israel é chamado e o perigo com o qual se defronta. Este é o ideal:

Observe as ordens do Senhor teu D-s, andando nos seus caminhos e reverenciando-o. Porque o Senhor vosso D-s vos está introduzindo numa boa terra – uma terra com rios e lagoas de água, com nascentes que fluem nos vales e montes; uma terra com trigo e cevada, videiras e figueiras, romãs, azeite e mel; uma terra onde o pão não será escasso e nada te faltará nela; uma terra onde as rochas são de ferro e você pode cavar cobre nas colinas. Quando você tiver comido e estiver satisfeito, abençoe o Senhor seu D-s pela boa terra que Ele lhe deu. (Deuteronômio 8: 6–10)

E esse é o perigo:

Tenha cuidado para não esquecer o Senhor seu D-s, deixando de observar Seus mandamentos, Suas leis e Seus decretos que Eu estou lhe dando neste dia. Caso contrário, quando você comer e ficar satisfeito, quando você construir belas casas e se estabelecer, e quando seus rebanhos crescerem em grande número e seu aumento de prata e ouro e tudo que você tem é multiplicado, então seu coração se tornará orgulhoso e você vai esquecer o Senhor teu D-s, que te tirou do Egito, da terra da escravidão. Você pode dizer a si mesmo: “Meu poder e a força de minhas mãos produziram essa riqueza para mim.” Mas lembre-se do Senhor seu D-s, pois é Ele quem dá a você a capacidade de produzir riquezas, e assim confirma Sua aliança, que Ele jurou a seus antepassados, como é hoje. (Deuteronômio 8: 11–17)

As duas passagens seguem diretamente uma da outra. Elas estão ligadas pela frase “quando você comeu e está satisfeito”, e o contraste entre elas é um contraponto entre os verbos “lembrar” e “esquecer”.

Boas coisas, diz Moisés, acontecerão com você. Tudo, no entanto, dependerá de como você responde. Ou você vai comer e ficar satisfeito e abençoar a D-s, lembrando que todas as coisas vêm Dele – ou você vai comer e se satisfazer e esquecer a quem você deve tudo isso. Você vai pensar que isso vem inteiramente de seus próprios esforços: “Meu poder e a força de minhas mãos produziram essa riqueza para mim”. Embora isso possa parecer uma pequena diferença, ela fará, diz Moisés, toda a diferença. Só isso vai transformar o seu futuro como uma nação em sua própria terra.

O argumento de Moisés é brilhante e contra intuitivo. Você pode pensar, ele diz, que os tempos difíceis ficaram atrás de você. Você vagou por quarenta anos sem um lar. Houve momentos em que você não tinha água, nem comida. Você foi exposto aos elementos. Você foi atacado por seus inimigos. Você pode pensar que isso foi o teste de sua força. Não era. O verdadeiro desafio não é a pobreza, mas a riqueza, não é a escravidão, mas a liberdade, não é a falta de moradia, mas o lar.

Muitas nações foram levadas a grandes alturas quando enfrentaram dificuldades e perigos. Elas lutaram batalhas e venceram. Elas passaram por crises – secas, pragas, recessões, derrotas – e foram endurecidas por estas. Quando os tempos são difíceis, as pessoas crescem. Elas enterram suas diferenças. Há um senso de comunidade e solidariedade, de vizinhos e estranhos se unindo. Muitas pessoas que viveram uma guerra sabem disso.

O verdadeiro teste de uma nação não é se ela pode sobreviver a uma crise, mas se pode sobreviver à falta de uma crise. Pode permanecer forte durante os momentos de facilidade e abundância, poder e prestígio? Esse é o desafio que derrotou toda civilização conhecida na história. Não deixe, diz Moisés, derrotar você.

A previsão de Moisés era pouco menos que deslumbrante. As páginas da história estão repletas de relíquias de nações que pareciam inexpugnáveis ​​em seus dias, mas que finalmente sofreram declínio, queda e caíram no esquecimento – e sempre pela razão que Moisés profeticamente previu. Eles se esqueceram. [1] As memórias desaparecem. As pessoas perdem de vista os valores pelos quais uma vez lutaram – justiça, igualdade, independência, liberdade. A nação, com suas primeiras batalhas, se fortalece. Alguns de seus membros ficam ricos. Eles se tornam frouxos, autoindulgentes, excessivamente sofisticados, decadentes. Eles perdem o senso de solidariedade social. Não sentem mais o dever de cuidar dos pobres, dos fracos, dos marginais, dos perdedores. Eles começam a sentir que tal riqueza e posição como eles têm é deles por direito. Os laços de fraternidade e responsabilidade coletiva começam a se desgastar. Os menos favorecidos sentem um agudo senso de injustiça. A cena está marcada para revolução ou conquista. As sociedades sucumbem às pressões externas quando há muito se enfraqueceram pela decadência interna. Esse foi o perigo que Moisés previu e sobre o qual ele advertiu.

Sua análise provou ser real e verdadeira, e foi reafirmada por vários grandes analistas da condição humana. No século XIV, o estudioso islâmico Ibn Khaldun (1332-1406) argumentou que quando uma civilização se torna grande, suas elites se acostumam ao luxo e conforto, e as pessoas como um todo perdem o que ele chamava de asabiyyah, sua solidariedade social. As pessoas, então, tornam-se vítimas de um inimigo conquistador, menos civilizados do que são, mas mais coesos e motivados.

O filósofo político italiano Giambattista Vico (1668-1744) descreveu um ciclo similar: As pessoas, ele disse, “primeiro sondam o que é necessário, então consideram o que é útil, depois atendem ao conforto, depois deleitam-se nos prazeres, logo se tornam dissolutas no luxo, e finalmente enlouquecem desperdiçando suas propriedades.” [2] A riqueza gera decadência.

No século XX, poucos disseram melhor que Bertrand Russell em sua History of Western Philosophy. Ele acreditava que os dois grandes picos da civilização foram alcançados na Grécia antiga e na Itália da Renascença, mas ele foi honesto o suficiente para ver que as mesmas características que os tornavam grandes continham as sementes de sua própria morte:

O que aconteceu na grande era da Grécia aconteceu de novo na Itália da Renascença: as restrições morais tradicionais desapareceram, porque eram vistas como associadas à superstição; a libertação dos grilhões tornava os indivíduos enérgicos e criativos, produzindo uma rara fluorescência de gênio; mas a anarquia e a traição que inevitavelmente resultaram da decadência da moral tornaram os italianos coletivamente impotentes, e caíram, como os gregos, sob o domínio de nações menos civilizadas que elas, mas não tão desprovidas de coesão social. [3]

Moisés, no entanto, fez mais do que profetizar e advertir. Ele também ensinou como o perigo poderia ser evitado, e aqui também sua percepção é tão relevante agora como era então. Ele falou do significado vital da memória para a saúde moral de uma sociedade.

Ao longo da história tem havido muitas tentativas de fundamentar a ética em atributos universais da humanidade. Alguns, como Immanuel Kant, basearam-se na razão. Outros basearam-se no dever. Bentham enraizou isso em consequências (“a maior felicidade para o maior número” [4]). David Hume atribuiu a certas emoções básicas: simpatia, empatia, compaixão. Adam Smith pressupôs isso na capacidade de se afastar das situações e julgá-las com desapego (“o espectador imparcial”). Cada um deles tem suas virtudes, mas nenhum deles provou ser à prova de falhas.

O judaísmo tomou e assume uma visão diferente. O guardião da consciência é a memória. De tempos em tempos, o verbo zachor, “lembre-se”, ressoa através dos discursos de Moisés em Deuteronômio:

Lembre-se de que você era um escravo no Egito… portanto, o Senhor seu D-s ordenou que você observasse o dia do Shabat. (Deuteronômio 5:15)
Lembra-te de como o Senhor teu D-s te conduziu por todo o caminho nestes quarenta anos… (Deuteronômio 8: 2)
Lembre-se disto e nunca esqueça como você provocou o Senhor seu D-s a ira no deserto… (Dt 9: 7)
Lembre-se do que o Senhor seu D-s fez para Miriam ao longo do caminho depois que você saiu do Egito. (Deuteronômio 24: 9)
Lembre-se do que os amalequitas fizeram a você ao longo do caminho quando você saiu do Egito. (Deuteronômio 25:17)
Lembre-se dos dias antigos, considere os anos de eras passadas. (Deuteronômio 32: 7)

Como Yosef Hayim Yerushalmi observa em seu grande tratado, Zakhor: História Judaica e Memória Judaica, “Somente em Israel e em nenhum outro lugar a injunção de lembrar é sentida como um imperativo religioso para todo um povo”. [5] Civilizações começam a morrer quando esquecem. Israel foi ordenado a nunca esquecer.

Em uma passagem eloquente, o estudioso americano Jacob Neusner escreveu uma vez:

A civilização está suspensa, de geração em geração, pelo fio da memória. Se apenas um grupo de mães e pais não consegue transmitir a seus filhos o que aprendeu com seus pais, então a grande corrente de aprendizado e sabedoria se quebra. Se os guardiões do conhecimento humano tropeçam apenas uma vez, em sua queda colapsam todo o edifício do conhecimento e da compreensão. [6]

A política das sociedades livres depende da entrega da memória. Esse foi o insight de Moisés, e que nos fala com poder não diminuído hoje.

Shabat Shalom

 

 

NOTAS
[1] Para um estudo recente desta ideia aplicada à política contemporânea, veja David Andress, Dementia Cultural: Como o Ocidente Perdeu sua História e Riscos Perdendo Todas as Coisas (London: Head of Zeus, 2018).[2] Giambattista Vico, Nova Ciência: Princípios da Nova Ciência Relativa à Natureza Comum das Nações (London: Penguin, 1999), 489.
[3] Bertrand Russell, História da Filosofia Ocidental (London: Routledge, 2004), 6.
[4] As obras coletadas de Jeremy Bentham: Um comentário sobre os comentários e um fragmento sobre o governo, ed. James Henderson Burns e Herbert Lionel Adolphus Hart (Londres: Athlone Press, 1977), 393.
[5] Yosef Hayim Yerushalmi, Zachor: História Judaica e Memória Judaica (Seattle: University of Washington Press, 1982), 11.
[6] Jacob Neusner, conservador, americano e judeu (Lafayette, LA: Huntington House, 1993), 35.

 

Texto original “THE POLITICS OF MEMORY” por Rabino Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

EKEV

Liderar é Ouvir O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu ...

Leia mais →

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS