EMOR

Posted on maio 3, 2018

EMOR

No Diário

O gerenciamento do tempo é mais do que gerenciamento e maior que o tempo. É sobre a própria vida. D-us nos dá uma coisa acima de tudo: a própria vida. E Ele dá a todos nós em igualdade de condições. Por mais ricos que sejam, ainda são apenas 24 horas por dia, 7 dias por semana e um período de anos que, por mais longo que seja, ainda é muito curto. Quem quer que sejamos, o que quer que façamos, quaisquer presentes que tenhamos, o fato mais importante sobre a nossa vida, do qual tudo depende, é como gastamos nosso tempo.(1)

“O período da nossa vida é de setenta anos, ou se formos fortes, oitenta anos”, diz o Salmo 90, e apesar da redução maciça de mortes prematuras no século passado, a expectativa de vida média em todo o mundo, de acordo com os números mais recentes das Nações Unidas (2010-2015) são 71,5 anos.(2) Assim, conclui o Salmo: “Ensina-nos a contar os nossos dias para que tenhamos um coração de sabedoria”, lembrando-nos que a administração do tempo não é simplesmente uma ferramenta de produtividade. É, de fato, um exercício espiritual.

Daí a seguinte ideia de mudança de vida, que parece simples, mas não é. Não confie exclusivamente nas listas de tarefas. Use um diário. As pessoas mais bem sucedidas agendam suas tarefas mais importantes em seu diário.(3) Eles sabem que, se não estiverem lá, não serão concluídas. As listas de tarefas são úteis, mas não suficientes. Elas nos lembram do que temos que fazer, mas não quando. Elas não conseguem distinguir entre o que é importante e o que é simplesmente urgente. Elas bagunçam a mente com trivialidades e nos distraem quando devemos nos concentrar nas coisas que mais importam em longo prazo. Apenas um diário conecta o quê com quando. E o que se aplica aos indivíduos aplica-se às comunidades e culturas como um todo.

Isso é sobre o que é o calendário judaico. É por isso que o capítulo 23, na parashá desta semana, é tão fundamental para a vitalidade contínua do povo judeu. Estabelece uma programação semanal, mensal e anual dos tempos sagrados. Isto é continuado e estendido na parashá Behar para horários de sete e cinquenta anos. A Torá nos obriga a lembrar o que a cultura contemporânea esquece regularmente: que nossas vidas devem ter momentos dedicados quando nos concentramos nas coisas que dão sentido à vida. E porque somos animais sociais, os momentos mais importantes são aqueles que compartilhamos. O calendário judaico é precisamente isso: uma estrutura de tempo compartilhado.

Todos nós precisamos de uma identidade e toda identidade vem com uma história. Então, precisamos de um tempo em que nos lembremos da história de onde viemos e por que somos quem somos. Isso acontece em Pessach, quando reencenamos o momento de fundação de nosso povo quando começaram sua longa caminhada pela liberdade.

Precisamos de um código moral, um sistema de navegação por satélite internalizado para nos guiar através do deserto do tempo. É isso que celebramos em Shavuot quando revivemos o momento em que nossos ancestrais permaneceram no Sinai, fizeram sua aliança com D-us e ouviram o Céu declarar os Dez Mandamentos.

Precisamos de um lembrete regular da brevidade da própria vida e, portanto, da necessidade de usar o tempo com sabedoria. Isso é o que fazemos em Rosh Hashaná quando estamos diante de D-us em julgamento e oramos para sermos escrito no Livro da Vida.

Precisamos de um tempo quando enfrentamos nossas falhas, pedimos desculpas pelo erro que cometemos, fazemos as pazes, resolvemos mudar e pedir perdão. Esse é o trabalho do Yom Kippur.

Precisamos nos lembrar de que estamos em uma jornada, que somos “estrangeiros e peregrinos” na Terra, e que onde vivemos é apenas uma morada temporária. Isso é o que nós experimentamos em Sucot.

E precisamos, de tempos em tempos, afastar-nos das pressões incessantes do trabalho e encontrar o descanso no qual possamos celebrar nossas bênçãos, renovar nossos relacionamentos e recuperar o pleno vigor do corpo e da mente. Isso é o Shabat.

Sem dúvida, a maioria das pessoas – pelo menos, a maioria das pessoas reflexivas – sabe que essas coisas são importantes. Mas saber não é suficiente. Estes são elementos de uma vida que se tornam reais quando os vivemos, não apenas quando os conhecemos. É por isso que eles precisam estar no diário, não apenas em uma lista de tarefas.

Como Alain de Botton aponta em Religião para Ateus, todos nós sabemos que é importante consertar relacionamentos quebrados. Mas sem Yom Kipur, existem pressões psicológicas que podem nos fazer atrasar sem prazo tal conserto(4). Se formos a parte ofendida, podemos não querer mostrar às outras pessoas nossa mágoa. Isso nos faz parecer frágeis, vulneráveis. E se formos a parte ofensora, pode ser difícil admitir nossa culpa, até porque nos sentimos tão culpados. Como ele diz: “Podemos nos arrepender quando nos sentimos incapazes de pedir desculpas.” O fato de que o Yom Kipur existe significa que há um dia no diário em que temos que consertar – e isso é facilitado pelo conhecimento de que todos estão fazendo o mesmo. Em suas palavras:

“É o próprio dia que está nos fazendo sentar aqui e falar sobre o incidente peculiar de seis meses atrás, quando você mentiu e eu briguei e você me acusou de insinceridade e eu te fiz chorar, um incidente que nenhum de nós pode esquecer, mas que nós também não podemos mencionar e que vem lentamente corroendo a confiança e o amor que um dia tivemos um pelo outro. É o dia que nos deu a oportunidade, na verdade a responsabilidade, de parar de conversar sobre nossos negócios habituais e reabrir um caso que fingimos ter deixado de lado. Não estamos nos satisfazendo, estamos obedecendo às regras.” (5)

Exatamente assim: estamos obedecendo as regras. Estamos seguindo o calendário judaico, que toma muitas das verdades mais importantes sobre nossas vidas e, em vez de colocá-los em uma lista de tarefas, as escreve no diário.

O que acontece quando você não tem esse tipo de diário? A sociedade secular ocidental contemporânea é um estudo de caso sobre as consequências. As pessoas não contam mais a história da nação. Portanto, as identidades nacionais, especialmente na Europa, são quase uma coisa do passado – uma razão para o retorno da extrema direita em países como a Áustria, a Holanda e a França.

As pessoas não compartilham mais um código moral, e é por isso que os estudantes das universidades procuram banir os palestrantes cujos pontos de vista eles discordam. Quando não há código compartilhado, não pode haver argumento fundamentado, apenas o uso da força.

Quanto a lembrar a brevidade da vida, Roman Krznaric nos lembra que a sociedade moderna é “voltada para nos distrair da morte. A publicidade cria um mundo onde todos são eternamente jovens. Nós afastamos os idosos em casas de repouso, longe da vista e da mente ”. A morte se tornou “um tópico tão tabu quanto o sexo durante a era vitoriana”.(6)

A expiação e o perdão foram expulsos da vida pública, para serem substituídos pela vergonha pública, cortesia das mídias sociais. Quanto ao Shabat, em quase todo o Ocidente, o dia de descanso foi substituído pelo dia sagrado das compras e o descanso foi substituído pela implacável tirania dos smartphones.

Cinquenta anos atrás, a previsão mais difundida era que até agora quase tudo teria sido automatizado. A semana de trabalho seria de até 20 horas e nosso maior problema seria o que fazer com todo o nosso lazer. Em vez disso, a maioria das pessoas hoje se vê trabalhando mais do que nunca com menos e menos tempo para buscar as coisas que tornam a vida significativa. Como Leon Kass disse recentemente, as pessoas “ainda esperam encontrar um significado em suas vidas”, mas estão cada vez mais confusas sobre “como uma vida digna pode parecer e como elas podem viver uma”.(7)

Daí a magia transformadora de vida do calendário judaico. Filosofia procura verdades eternas. O judaísmo, em contraste, toma verdades e as traduz no tempo na forma de momentos sagrados e compartilhados, quando experimentamos as grandes verdades vivendo-as. Então, o que você quiser, escreva no diário ou não acontecerá. E viva pelo calendário judaico se você quiser experimentar, não apenas pensar ocasionalmente, as coisas que dão sentido à vida.

Shabat Shalom.

 

NOTAS
1)Para um excelente sobre a maneira nosso comportamento  é governado pelo tempo, vejaFor an excellent recent book about the way our behaviour is governed by tempo, veja Daniel Pink, When: The Scientific Secrets of Perfect Timing, Riverhead Books, 2018.
2) https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_life_expectancy.
3) See Kevin Kruse, 15 Secrets Successful People Know about Time Management, 2017
4) Of course, Yom Kippur atones only for sins between us and God, not for those between us and our fellows. But it is a day when, traditionally, we seek to make amends for the latter also. Indeed most of the sins we confess in the long list, Al Cheit, are sins between humans and other humans.
5) Alain De Botton, Religion for Atheists, Hamish Hamilton, 2012, 55 – 56.
6) Roman Krznaric, Carpe Diem Regained, Unbound, 2017, 22
7) Leon Kass, Leading a Worthy Life: Finding Meaning in Modern Times, Encounter Books, 2018, 9.

 

Texto original: “IN THE DIARY” por Rabino Jonathan Sacks
Tradução Rachel Klinger Azulay para a Sinagoga Edmond J. Safra – Ipanema

PARASHIOT MAIS RECENTES

EKEV

Liderar é Ouvir O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu ...

Leia mais →

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS