MISHPATIM

Posted on janeiro 30, 2019

MISHPATIM

Amando o Estrangeiro

Existem mandamentos que saltam da página pelo seu poder moral absoluto. Assim é no caso da legislação social em Mishpatim. Em meio as complexas leis relativas ao tratamento de escravos, danos pessoais e propriedades, um mandamento em particular se destaca, em virtude de sua repetição (aparece duas vezes em nossa parashá) e do raciocínio histórico-psicológico que está por trás disso:

Não maltrate um estrangeiro ou o oprima, pois você era estrangeiro no Egito.  Êxodo 22:20)

Não oprima um estrangeiro; vocês mesmos sabem como é ser um estrangeiro [literalmente, “você conhece a alma de um estrangeiro”], porque vocês foram estrangeiros no Egito. (Êxodo 23: 9)

Mishpatim contém muitas leis de justiça social – contra tirar proveito de uma viúva ou órfão, por exemplo, ou cobrar juros sobre um empréstimo a um companheiro membro da comunidade da aliança, contra suborno e injustiça, e assim por diante. A primeira e a última dessas leis, no entanto, é a ordem repetida contra o dano a um guer, um “estrangeiro”. É evidente que algo fundamental está em jogo na visão da Torá de uma ordem social justa e benevolente.

Se uma pessoa era filho de prosélitos, não se deve insultá-lo dizendo: “Lembre-se dos feitos de seus antepassados”, porque está escrito “Não maltrate um estrangeiro ou o oprima”.

Os Sábios notaram a repetida ênfase no estrangeiro na lei bíblica. Segundo o rabino Eliezer, a Torá “adverte contra a injustiça com um guer em trinta e seis lugares; outros dizem, em quarenta e seis lugares. ” [1]

Qualquer que seja o número exato, a repetição nos livros Mosaicos é notável. As vezes o estrangeiro é mencionado junto com os pobres; em outros, com a viúva e órfão. Em várias ocasiões, a Torá especifica: “Você terá a mesma lei para o estrangeiro que para o nativo”. [2] Não apenas o estrangeiro não deve ser injustiçado; ele ou ela deve ser incluído nas provisões de bem-estar positivo da sociedade israelita / judaica. Mas a lei vai além disso; o estrangeiro deve ser amado:

Quando um estrangeiro viver com você em sua terra, não o maltrate. O estrangeiro que viver com você deve ser tratado como um dos seus nativos. Ame-o como a você mesmo, pois você era um estrangeiro no Egito. Eu sou o Senhor seu D-s. (Levítico 19: 33-34)

Esta disposição aparece no mesmo capítulo como o mandamento: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Levítico 19:18). Mais tarde, no livro de Deuteronômio, Moisés deixa claro que esse é o atributo do próprio D-s:

“Porque o Senhor teu D-us é D-us dos deuses e Senhor dos senhores, o grande D-us, poderoso e temível, que não demonstra parcialidade e não aceita propinas. Ele defende a causa do órfão e da viúva e ama o estrangeiro, dando-lhe comida e roupas. E vocês devem amar aqueles que são estrangeiros, pois vocês mesmos eram estrangeiros no Egito.” (Deut. 10: 17–19)

Qual é a lógica do mandamento? O comentário mais profundo é o de Nachmanides:

A interpretação correta me parece ser que Ele está dizendo: não seja injusto com um estrangeiro ou oprima-o, pensando como você tem poder que ninguém possa livrá-lo da sua mão; porque sabes que fostes estrangeiros na terra do Egito, e Eu vi a opressão com que o Egito te oprimia, e Eu vinguei-te da causa deles, porque vejo as lágrimas dos que são oprimidos e não têm conforto. Da mesma forma você não deve afligir a viúva e o órfão, pois Eu ouvirei seu clamor, pois todas essas pessoas não confiam em si mesmas, mas confiam em Mim.

E em outro verso ele acrescentou esta razão: pois você sabe o que é ser um estrangeiro, porque você era um estrangeiro na terra do Egito. Ou seja, você sabe que todo estrangeiro se sente deprimido, e está sempre suspirando e chorando, e seus olhos estão sempre voltados para D-s, portanto Ele terá misericórdia dele, assim como Ele mostrou misericórdia a você [e da mesma forma Ele tem piedade de todos os que são oprimidos]. [3]

Segundo Nachmanides, o mandamento tem duas dimensões. A primeira é a relativa impotência do estrangeiro. Ele ou ela não está cercado por familiares, amigos, vizinhos, uma comunidade de pessoas prontas para vir em sua defesa. Portanto, a Torá adverte contra o mal porque D-s se fez protetor daqueles que não têm mais ninguém para protegê-los. Essa é a dimensão política do mandamento. A segunda razão, como já observamos, é a vulnerabilidade psicológica do estrangeiro (lembramos as próprias palavras de Moisés no nascimento de seu primeiro filho, enquanto ele vivia entre os midianitas: “Eu sou um estrangeiro em uma terra estranha”. (Ex. 02:22) O estrangeiro é aquele que vive fora dos valores normais da casa e de pertencimento. Ele ou ela está, ou sente-se, sozinho – e, em toda a Torá, D-s é especialmente sensível ao suspiro dos oprimidos, aos sentimentos dos rejeitados, ao grito dos que não são ouvidos. Essa é a dimensão emotiva do mandamento.

O rabino Chayim ibn Attar (Or HaChaim) acrescenta mais uma visão fascinante. Pode ser, diz ele, que a própria santidade que os israelitas sentem como filhos da aliança pode levá-los a desprezar aqueles que não têm uma linhagem semelhante. Portanto, eles são ordenados a não se sentirem superiores ao guer, mas, em vez disso, devem lembrar-se da degradação que seus antepassados ​​experimentaram no Egito. [4] Como tal, torna-se um mandamento de humildade em face de estrangeiros.

Seja qual for a forma como olhamos para isso, há algo surpreendente sobre essa preocupação quase interminável pelo estrangeiro – junto com a lembrança histórica de que “vocês mesmos foram escravos no Egito”. É como se, nesta série de leis, estivéssemos nos aproximando do núcleo do mistério da própria existência judaica. O que a Torá está sugerindo?

A preocupação com a justiça social não era exclusiva de Israel. [5] O que sentimos, no entanto, ao longo da narrativa bíblica primitiva, é a falta de direitos básicos aos quais as pessoas de fora pudessem recorrer. Não por acaso é o destino de Sodoma e as cidades da planície seladas quando eles tentam atacar os dois visitantes de Lot. Nem podemos deixar de sentir o risco ao qual Abraão e Isaac acreditam estar expostos quando são forçados a sair de casa e se refugiarem no Egito ou na terra dos filisteus. Em cada um dos três episódios (Gênesis capítulos 12, 20, 26), eles estão convencidos de que suas vidas estão em risco; que eles podem ser assassinados para que suas esposas possam ser levadas para o harém real.

Há também repetidas implicações, no curso da história de José, de que no Egito os israelitas eram considerados párias (a palavra “hebreu”, como o termo hapiru encontrado na literatura não-israelita do período, parece ter uma forte conotação negativa). Um verso em particular – quando os irmãos visitam José uma segunda vez – indica o desagrado com o qual eles foram considerados:

Eles serviram ele [José] sozinho, os irmãos sozinhos e os egípcios que comiam com ele por si mesmos, porque os egípcios não podiam comer com os hebreus, pois isso é detestável para os egípcios. (Gênesis 43:32)

Assim foi no mundo antigo. O ódio do estrangeiro é a mais antiga das paixões, remontando ao tribalismo e a pré-história da civilização. Os gregos chamavam estranhos de “bárbaros” por causa de sua (como lhes parecia) fala extravagante que soava como o balido das ovelhas. [6] Os romanos eram igualmente indiferentes às raças não helenísticas. As páginas da história estão manchadas de sangue derramado em nome do conflito racial ou étnico. Foi precisamente isso que o Iluminismo, a nova “era da razão”, prometeu um fim. Isso não aconteceu. Em 1789, na França revolucionária, quando os Direitos do Homem estavam sendo pronunciados, tumultos irromperam contra a comunidade judaica na Alsácia. O ódio contra os trabalhadores imigrantes ingleses e alemães persistiu ao longo do século XIX. Em 1881, em Marselha, uma multidão de dez mil pessoas atacou os italianos e suas propriedades. O desagrado do diferente é tão antigo quanto a humanidade. Este fato está no coração da experiência judaica. Não é por acaso que o judaísmo nasceu em duas viagens fora das duas maiores civilizações do mundo antigo: Abraão da Mesopotâmia, Moisés e os israelitas do Egito faraônico. A Torá é o grande protesto do mundo contra os impérios e o imperialismo. Existem muitas dimensões para este protesto. Uma dimensão é o protesto contra a tentativa de justificar a hierarquia social e o poder absoluto dos governantes em nome da religião. Outra é a subordinação das massas ao Estado – sintetizada pelos vastos projetos de construção, primeiro de Babel, depois do Egito, e da escravidão que acarretavam. Um terceiro é a brutalidade das nações no curso da guerra (o tema dos oráculos de Amós contra as nações). Sem dúvida, porém, a ofensa mais séria – tanto para os profetas quanto para os livros mosaicos – foi o uso do poder contra os impotentes: a viúva, o órfão e, acima de tudo, o estrangeiro.

Ser judeu é ser um estrangeiro. É difícil evitar a conclusão de que foi por isso que Abraão foi ordenado a deixar sua terra, casa e casa paterna; porque, muito antes de José nascer, já se dizia a Abraão que seus descendentes seriam estrangeiros em uma terra que não era deles; porque Moisés teve que sofrer exílio antes de assumir a liderança do povo; porque os israelitas sofreram perseguição antes de herdarem sua própria terra; e porque a Torá é tão insistente que essa experiência – a recontagem da história sobre Pessach, juntamente com o sabor nunca esquecido do pão da aflição e as ervas amargas da escravidão – devem se tornar uma parte permanente de sua memória coletiva.

É aterrorizante, em retrospecto, entender como a Torá levou a sério o fenômeno da xenofobia, o ódio do estrangeiro. É como se a Torá estivesse dizendo com a maior clareza: a razão é insuficiente. A simpatia é inadequada. Apenas a força da história e da memória são fortes o suficiente para formar um contrapeso ao ódio.

A Torá pergunta: por que você não deveria odiar o estrangeiro? Porque você já esteve onde ele está agora. Você conhece o coração do estrangeiro porque você já foi um estrangeiro na terra do Egito. Se você é humano, ele também é. Se ele é menos que humano, você também é. Você deve lutar contra o ódio em seu coração, como Eu lutei contra o maior governante e o império mais forte do mundo antigo em seu favor. Eu te fiz entrar nos estranhos arquetípicos do mundo para lutar pelos direitos de estrangeiros – para os seus e os dos outros, onde quer que estejam, quem quer que sejam, qualquer que seja a cor de sua pele ou a natureza de sua cultura, porque eles não são à sua imagem, diz D-s, eles ainda são à Minha. Há apenas uma resposta forte o suficiente para responder a pergunta: por que eu não deveria odiar o estrangeiro? Porque o estrangeiro sou eu.

Shabat Shalom

 

NOTES
[1] Bava Metzia 59b .
[2] Êxodo 12:49 ; Levítico 24:22 ; Números 15:16 , 29.
[3] Ramban, comentário para Êxodo 22:22 .
[4] Ohr HaĤayim, comentário a Êxodo 22:20 .
[5] Ver Moshe Weinfeld, Justiça Social na Antiga Israel e no Antigo Oriente Próximo (Jerusalém: Magnes Press, 1995).
[6] O verbo barbarízein no grego antigo significava imitar os sons linguísticos que os não-gregos faziam, ou cometer erros gramaticais em grego.

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS