ROSH HASHANÁ 5781

Posted on setembro 16, 2020

ROSH HASHANÁ 5781

O Que Rosh Hashaná Diz Para Nós

A genialidade do Judaísmo foi pegar verdades eternas e traduzi-las no tempo, em experiências vividas. Outras culturas construíram filosofias e teologias, elaboraram sistemas de pensamento abstrato. O judaísmo prefere a verdade vivida à verdade meramente pensada. A Grécia antiga produziu a imaginação lógica. O judaísmo produziu a imaginação cronológica, verdade transposta para o calendário. Rosh Hashaná, aniversário da criação da humanidade, nos convida a viver e sentir a condição humana de forma gráfica.

Aqui estão 10 mensagens de Rosh Hashaná que falam diretamente às nossas vidas hoje.

 

  1. A vida é curta

Por mais que a expectativa de vida tenha aumentado, não seremos, em uma só vida, capazes de alcançar tudo o que desejaríamos. Esta vida é tudo o que temos. Como devemos usá-la bem? Sabemos que não terminaremos a tarefa, mas também não somos livres para ficar de fora dela.

REFLETIR: O que você tentará alcançar hoje depois de refletir sobre isso?

 

  1. A vida é um presente de D-s

A própria vida, cada dia, cada respiração que fazemos, é um presente de D-s. A vida não é algo que possamos considerar como garantido. Se o fizermos, não conseguiremos comemorar. D-s nos dá um presente acima de todos os outros, disse Rambam (Maimônides): “a própria vida, ao lado da qual tudo o mais é secundário”. Outras religiões buscaram D-s no céu, ou na vida após a morte, no passado distante ou no futuro distante. Aqui há sofrimento, há recompensa; aqui caos, há ordem; aqui dor, ali bálsamo; aqui pobreza, há abundância. O judaísmo tem buscado implacavelmente a D-s no aqui e agora da vida na Terra. Sim, acreditamos na vida após a morte, mas é na vida antes da morte que verdadeiramente encontramos a grandeza humana.

REFLETIR: Como a compreensão disso muda a maneira como você vai viver?

 

  1. Somos livres

O judaísmo é a religião do ser humano livre respondendo livremente ao D-s da liberdade. Não estamos nas garras do pecado. Não somos determinados por forças econômicas ou impulsos psicológicos ou impulsos geneticamente codificados aos quais somos incapazes de resistir. O próprio fato de podermos fazer teshuvá, de agirmos de maneira diferente amanhã do que agimos ontem, nos diz que somos livres. Os filósofos acharam essa ideia difícil. Os cientistas também. Mas o judaísmo insiste nisso, e nossos ancestrais o provaram desafiando todas as leis da história, sobrevivendo contra todas as probabilidades, recusando-se a aceitar a derrota.

REFLETIR: Onde encontramos este conceito refletido nas orações de Rosh Hashaná?

 

  1. A vida é significativa

Não somos meros acidentes da matéria, gerados por um universo que surgiu sem motivo e um dia, sem motivo, deixará de existir. Estamos aqui porque um D-s amoroso trouxe o universo, a vida e nós à existência – um D-s que conhece nossos medos, ouve nossas orações, acredita em nós mais do que acreditamos em nós mesmos, nos perdoa quando falhamos, nos eleva quando caímos e nos dá força para superar o desespero. O historiador Paul Johnson escreveu uma vez: “Nenhum povo jamais insistiu com mais firmeza do que os judeus que a história tem um propósito e a humanidade um destino”. Ele concluiu: “Os judeus, portanto, estão bem no centro da tentativa perene de dar à vida humana a dignidade de um propósito.” Esta é uma das verdades de Rosh Hashaná.

REFLETIR: Você tem uma noção do significado de sua vida?

 

  1. A vida não é fácil

O judaísmo não vê o mundo através de lentes cor de rosa. O sofrimento de nossos ancestrais assombra nossas orações. O mundo em que vivemos não é o mundo como deveria ser. É por isso que, apesar de todas as tentações, o judaísmo nunca foi capaz de dizer que a Era Messiânica chegou, embora a esperemos diariamente. Mas não perdemos a esperança porque não estamos sozinhos. Quando os judeus foram para o exílio, a Shechiná, a presença divina, foi com eles. D-s está sempre lá, “perto de todos os que o invocam na verdade” (Tehilim 145: 18). Ele pode esconder Seu rosto, mas Ele está lá. Ele pode estar em silêncio, mas está nos ouvindo, nos ouvindo e nos curando de maneiras que talvez não entendamos na época, mas que se tornam claras em retrospecto.

REFLETIR: Esta mensagem de Rosh Hashaná ressoa especialmente este ano? Por que?

 

  1. A vida ainda é doce

A vida pode ser difícil, mas ainda pode ser doce, como a chalá e a maçã são em Rosh Hashaná quando as mergulhamos no mel. Os judeus nunca precisaram de riqueza para ser ricos ou de poder para ser fortes. Ser judeu é viver para coisas simples: o amor entre marido e mulher, o vínculo sagrado entre pais e filhos, o dom da comunidade onde ajudamos os outros e os outros nos ajudam e onde aprendemos que a alegria é duplicada e a tristeza reduzida pela metade sendo compartilhada. Ser judeu é dar, seja na forma de tzedaka ou gemilut chasadim (atos de bondade amorosa). É aprender e nunca parar de buscar, orar e nunca parar de agradecer, fazer teshuvá e nunca parar de crescer. Nisso reside o segredo da alegria. Ao longo da história, houve culturas hedonistas que adoram o prazer e culturas ascéticas que o negam, mas o judaísmo tem uma abordagem totalmente diferente: santificar o prazer tornando-o parte da adoração a D-s. A vida é doce quando tocada pelo Divino.

REFLETIR: Onde está a doçura em sua vida?

 

  1. Nossa vida é uma obra de arte

Nossa vida é a maior obra de arte que jamais faremos. O rabino Joseph Soloveitchik, em uma de suas primeiras obras, falou sobre Ish Hahalachah, a personalidade haláchica e seu desejo de criar, de fazer algo novo, original. D-s deseja muito que criemos e, assim, nos tornemos Seu parceiro na obra de renovação. “O princípio mais fundamental de todos é que o homem deve criar a si mesmo.” Isso é teshuvá, um ato de nos tornarmos novos. Em Rosh Hashaná, recuamos de nossa vida como um artista recuando de sua tela, vendo o que precisa ser mudado para que a pintura seja concluída.

REFLETIR: Se você fosse criar uma expressão de sua vida usando qualquer meio com o qual se sinta confortável (por exemplo, artes visuais, poesia, prosa, música, etc.), como você faria isso?

 

  1. Somos o que somos por causa daqueles que vieram antes de nós

Nossas vidas não são partículas desconectadas. Cada um de nós é uma letra no Livro da Vida de D-s. Mas letras isoladas, embora sejam veículos de significado, não têm significado quando estão sozinhas. Para ter significado, elas devem ser unidas a outras letras para formar palavras, frases, parágrafos, uma história, e ser judeu é fazer parte da história mais estranha, mais antiga, mais inesperada e contra-intuitiva que já existiu: a história de pessoas minúsculas, nunca grandes e muitas vezes sem teto, que, no entanto, sobreviveram aos maiores impérios que o mundo já conheceu – os egípcios, assírios, babilônios, gregos e romanos, os impérios medievais do cristianismo e do islamismo, até o Terceiro Reich e a União Soviética. Cada um, por sua vez, se considerava imortal. Cada um se foi. O povo judeu ainda vive. Mas não começamos do nada. Herdamos riqueza, não material, mas espiritual. Somos herdeiros da grandeza de nossos ancestrais.

REFLETIR: Pense em todas as maneiras como sua vida foi enriquecida por seus pais, avós e bisavós (e além).

 

  1. O Judaísmo exige grandes coisas de nós e, ao fazer isso, nos torna grandes.

Caminhamos tão altos quanto os ideais pelos quais vivemos, e os da Torá são muito elevados. Somos, disse Moshe, filhos de D-s (Devarim 14: 1). Somos chamados, disse o profeta Yishayahu, para sermos Suas testemunhas, Seus embaixadores na terra (Yishayahu 43:10). Repetidamente, os judeus faziam coisas consideradas impossíveis. Eles lutaram contra o poder em nome do direito. Eles lutaram contra a escravidão. Eles mostraram que era possível ser uma nação sem terra, ter influência sem poder, ser rotulados de párias do mundo sem perder o respeito próprio. Eles acreditavam com convicção inabalável que um dia voltariam para sua terra, e embora a esperança parecesse absurda, aconteceu. O judaísmo eleva o alto padrão e, embora possamos falhar várias vezes, Rosh Hashaná e Yom Kipur nos permite começar de novo, perdoados, limpos, destemidos, prontos para o próximo desafio, no próximo ano.

REFLETIR: O que você acha que o Judaísmo está pedindo de você em sua vida?

 

  1. Nós somos pó da terra, mas dentro de nós está o sopro de D-s

E finalmente vem o som do shofar, perfurando nossas defesas, um grito sem palavras em uma religião de palavras, um som produzido pela respiração como se para nos dizer que isso é tudo que a vida é – uma mera respiração – ainda que a respiração seja nada menos que o espírito de D-s em nós: “Então o Senhor D-s formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego da vida, e o homem se tornou um ser vivente” (Bereshit 2: 7). E se o shofar é nosso clamor a D-s ou o clamor de D-s por nós, de alguma forma naquele tekiah, shevarim, teruah – o chamado, o soluço, o lamento – é toda a emoção do encontro divino-humano quando D-s nos pede para recebermos Seu presente, a própria vida, e fazer dela algo sagrado, agindo assim para honrar a D-s e Sua imagem na terra, a humanidade. Pois derrotamos a morte, não vivendo para sempre, mas vivendo de acordo com valores que vivem para sempre; fazendo obras e criando bênçãos que viverão depois de nós, e ligando-nos no meio do tempo a D-s que vive além do tempo, “o Rei – o D-s vivo e eterno”.

REFLETIR: Feche os olhos e ouça o shofar. O que isso está dizendo para você? O que você quer dizer a D-s em seu nome?

 

 

 

Texto original por Rabbi Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS