SHELACH

Posted on junho 24, 2019

SHELACH

Medo da Liberdade

O episódio dos espiões foi um dos mais trágicos em toda a Torá. Quem os enviou e para que fim não está totalmente claro. Na parashá desta semana, o texto diz que foi D-s quem disse a Moisés que fizesse isso (Nm 13: 1-2). Em Deuteronômio (1:22), Moisés diz que foram as pessoas que fizeram o pedido. De qualquer forma, o resultado foi um desastre. Uma geração inteira foi privada da chance de entrar na Terra Prometida. A entrada em si foi adiada por quarenta anos. De acordo com os Sábios, lançou sua sombra no futuro. [1]

Moisés disse aos espiões para irem ver a terra e trazer de volta um relatório sobre ela: as pessoas são muitas ou poucas, fortes ou fracas? Como é a terra em si? As cidades são abertas ou fortificadas? O solo é fértil? Eles também foram encarregados de trazer de volta algumas de suas frutas. Os espiões retornaram com um relato positivo sobre a própria terra: “Realmente fluem leite e mel, e este é o seu fruto”. Então, seguiu-se um dos mais famosos “mas” da história judaica: “Mas – as pessoas que vivem na terra são poderosas e as cidades são fortificadas e muito grandes. Nós ainda vimos descendentes de Anak [o “gigante”] lá.”(Números 13:28)

Sentindo que suas palavras estavam desmoralizando o povo, Caleb, um dos espiões, interrompeu com uma mensagem de segurança: ~Devemos subir e tomar posse da terra, pois certamente podemos fazê-lo”. No entanto, os outros espiões insistiram: “Não podemos atacar essas pessoas; eles são mais fortes do que nós somos… Todas as pessoas que vimos lá são de grande tamanho… Parecíamos gafanhotos… ”(Núm. 13: 30–33). No dia seguinte, o povo persuadiu-se de que o desafio estava completamente além deles, lamentando que eles tivessem embarcado no Êxodo e dizendo: “Vamos nomear um líder e voltar para o Egito” (Números 14: 4).

Até agora a narrativa. No entanto, é monumentalmente difícil de entender. Foi isso que levou o Lubavitcher Rebe a dar uma interpretação radicalmente revisionista do episódio. [2] Ele fez a pergunta óbvia. Como dez espiões poderiam voltar com um relatório tão derrotista? Eles viram com seus próprios olhos como D-s havia enviado uma série de pragas que levaram o Egito, o mais forte e longevo de todos os impérios do mundo antigo, a se ajoelhar. Eles tinham visto o exército egípcio com sua tecnologia militar de ponta, a carruagem puxada a cavalo, afundar no mar enquanto os israelitas passavam por ele em terra seca. O Egito era muito mais forte que os cananeus, perizeus, jebuseus e outros reinos menores que eles teriam que enfrentar na conquista da terra. Tampouco essa era uma lembrança antiga. Isso acontecera pouco mais de um ano antes.

Além disso, eles estavam totalmente errados sobre o povo da terra. Descobrimos isso do livro de Josué, na passagem lida como haftará para Shelach Lecha. Quando Josué enviou espiões a Jericó, a mulher que os abrigou, Rahab, descreveu para eles o que seu povo sentiu quando souberam que os israelitas estavam a caminho:

Eu sei que o Senhor deu esta terra para vocês. Um grande temor de vocês caiu sobre nós… Ouvimos como o Senhor secou a água do Mar Vermelho para vocês quando sairam do Egito… Quando ouvimos falar disso, nossos corações se derreteram e a coragem de todos falhou por causa de vocês porque o Senhor teu D-s é D-s no céu acima e na terra abaixo. (Josué 2: 9-11)

O povo de Jericó não era gigantesco. Eles estavam com tanto medo dos israelitas quanto os israelitas estavam deles. Nem isso foi algo que foi divulgado apenas mais tarde. Os israelitas dos dias de Moisés já haviam cantado no Cântico no Mar:

Os povos ouviram; eles tremem;
As dores tomaram os habitantes da Filisteia.
Agora os chefes de Edom estão desanimados;
Tremor apreende os líderes de Moab;
Todos os habitantes de Canaã se derreteram.
Terror e pavor caem sobre eles;
Por causa da grandeza do Seu braço, eles ainda são como uma pedra.
(Êxodo 15: 14-16)

Como foi que eles esqueceram o que, não muito antes, eles sabiam?

Além disso, continuou o Rebe, os espiões não eram pessoas arrancadas ao acaso dentre a população. A Torá afirma que eles eram “homens que eram cabeças do povo de Israel”. Eles eram líderes. Eles não eram pessoas dadas com leveza ao medo. As perguntas são diretas, mas a resposta que o Rebe deu foi totalmente inesperada. Os espiões não tinham medo do fracasso, ele disse. Eles estavam com medo do sucesso.

Nunca um povo viveu tão perto de D-s.

Se eles entrassem na terra, seu estilo de vida de acampar ao redor do Santuário, comer maná do céu, vivendo em contato contínuo com a Shechiná iria desaparecer. Eles teriam que lutar batalhas, manter um exército, criar uma economia, cultivar a terra, se preocupar com o clima e suas plantações, e todas as outras milhares de distrações que vêm de viver no mundo. O que aconteceria com a proximidade deles com D-s? Eles estariam preocupados com atividades mundanas e materiais. Aqui eles poderiam passar suas vidas inteiras aprendendo Torá, iluminados pelo esplendor do Divino. Lá eles seriam mais uma nação em um mundo de nações com o mesmo tipo de problemas econômicos, sociais e políticos que todas as outras nações têm que lidar.

Eles tinham medo do sucesso e da mudança subsequente que isso traria. Eles queriam passar suas vidas na proximidade mais próxima possível de D-s. O que eles não entenderam foi que D-s procura, na frase midrashica, “uma morada nos mundos inferiores”. [3] Uma das grandes diferenças entre o judaísmo e outras religiões é que enquanto outros procuram levar as pessoas ao céu, o judaísmo procura trazer o céu para a terra.

Grande parte da Torá é sobre coisas não convencionalmente vistas como religiosas: relações de trabalho, agricultura, provisões de bem-estar social, empréstimos e dívidas, propriedade da terra, e assim por diante. Não é difícil ter uma intensa experiência religiosa no deserto, em um retiro monástico ou em um ashram. A maioria das religiões tem lugares sagrados e pessoas santas que vivem longe das tensões e pressões da vida cotidiana. Isso não é incomum.

Mas esse não é o projeto judaico, a missão judaica. D-s queria que os israelitas criassem uma sociedade modelo onde os seres humanos não fossem tratados como escravos, onde os governantes não fossem adorados como semideuses, onde a dignidade humana fosse respeitada, onde a lei fosse administrada imparcialmente a ricos e pobres, onde ninguém fosse destituído, ninguém fosse abandonado ao isolamento, ninguém estivesse acima da lei e nenhuma esfera da vida fosse uma zona livre-de-moralidade. Isso requer uma sociedade e uma sociedade precisa de uma terra. Requer uma economia, um exército, campos e rebanhos, trabalho e empresas. Tudo isto, no judaísmo, tornam-se maneiras de trazer a Shechiná para os espaços compartilhados de nossa vida coletiva.

Os espiões não duvidaram que Israel poderia vencer suas batalhas com os habitantes da terra. Sua preocupação não era física, mas espiritual. Eles não queriam deixar o deserto. Eles não queriam se tornar apenas outra nação entre as nações da terra. Eles não queriam perder sua relação única com D-s no silêncio reverberante do deserto, longe da civilização e de seus descontentamentos. Este foi o erro de homens profundamente religiosos – mas foi um erro.

Claramente, esse não é o sentido claro da narrativa, mas não devemos descartá-lo por conta disso. É, por assim dizer, uma leitura psicanalítica da mentalidade inconsciente dos espiões. Eles não queriam deixar de lado a intimidade e a inocência do tempo fora do tempo e do lugar-fora-do-lugar que era a experiência do deserto. Em última análise, os espiões temiam a liberdade e suas responsabilidades.

Mas a Torá é sobre as responsabilidades da liberdade. O judaísmo não é uma religião de retirada monástica do mundo. É uma religião de compromisso com o mundo. D-s escolheu Israel para tornar visível a Sua presença no mundo. Portanto, Israel deve viver no mundo. O povo judeu não pode ficar sem seus habitantes do deserto e ascetas. O Talmud fala de R. Shimon bar Yochai vivendo por treze anos em uma caverna. Quando ele emergiu, ele não suportou ver pessoas engajadas em atividades terrenas como arar um campo (Shabat 33b). Ele sustentou que o envolvimento com o mundo era fundamentalmente incompatível com as alturas da espiritualidade (Brachot 35b). Mas a corrente dominante manteve o contrário. [4] Eles sustentavam que “o estudo da Torá sem uma ocupação, no final, falhará e levará ao pecado” (Mishná Avot 2: 2).

Maimônides fala de pessoas que vivem como eremitas no deserto para escapar das corrupções da sociedade. [5] Mas estas foram as exceções, não a regra. Não é o destino de Israel viver fora do tempo e do espaço como reclusos do mundo. Longe de ser a altura suprema da fé, tal medo da liberdade e suas responsabilidades é, de acordo com o Lubavitcher Rebe, o pecado dos espiões.

Eles não queriam contaminar o judaísmo, colocando-o em contato com o mundo real. Eles procuraram a eterna dependência da proteção de D-s e o abraço infinito de Seu amor abrangente. Há algo de nobre nesse desejo, mas também algo profundamente irresponsável. Os espiões desmoralizaram o povo e provocaram a ira de D-s. O projeto judaico – a Torá como a constituição da nação judaica sob a soberania de D-s – é sobre construir uma sociedade na terra de Israel que honre a dignidade humana e a liberdade que um dia levará o mundo a dizer: “Certamente esta grande nação é um povo sábio e compreensivo”. (Deut. 4: 6)

A tarefa judaica não é temer o mundo real, mas inseri-lo e transformá-lo, curando algumas de suas feridas e trazendo-o para lugares muitas vezes envoltos em fragmentos da escuridão da luz divina.

Shabat Shalom

 

Notas
[1] Na frase “o povo chorou naquela noite” ( Num. 14: 1 ), o Talmude diz que D-s prometeu: “Eu farei deste um dia de pranto por todas as gerações.” Esse dia foi Tisha B’Av , em que, nos séculos posteriores, o Primeiro e o Segundo Templos foram destruídos ( Taanit 29a ; Sota 35a ).
[2] Uma tradução pode ser encontrada no Rabino Menachem M. Schneerson, Estudos da Torá, adaptado por Jonathan Sacks (Londres: Fundação Lubavitch, 1986), 239-245.
[3] Ver Midrash Tanchuma, parshat Naso 16.
[4] Brachot 35b cita a visão de R. Ishmael como avaliada por Abaye.
[5] Maimônides, Mishneh Torá, Hilchot Deot 6: 1; Shemoneh Perakim, cap. 4

 

Texto original “Fear of Freedom” por Rabino Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

EKEV

Liderar é Ouvir O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu ...

Leia mais →

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS