SHEMOT

Posted on janeiro 13, 2020

SHEMOT

Fé no Futuro

Alguma medida do radicalismo que é introduzida no mundo pela história do Êxodo pode ser vista na tradução incorreta sustentada das três palavras-chave com as quais D-s se identificou a Moisés na sarça ardente.

A princípio, Ele se descreveu da seguinte maneira: “Eu sou o D-s de seu pai, o D-s de Abraham, o D-s de Isaac e o D-s de Jacob.” Mas, depois que Moisés ouviu a missão em que deveria ser enviado, ele disse a D-s: “Suponha que eu vá aos israelitas e diga a eles: ‘O D-s de seus pais me enviou a você’, e eles me perguntam: ‘Qual é o nome dele?’ Então, o que devo dizer a eles? ”Foi quando D-s respondeu, enigmaticamente, Ehyeh asher ehyeh”. (Êxo. 3:14)

Isso foi traduzido para o grego como ego eimi ho on, e para o latim como ego sum qui sum, que significa “Eu sou quem Eu sou” ou “Eu sou aquele que é”. Os teólogos cristãos primitivos e medievais entenderam que a frase estava falando sobre ontologia, a natureza metafísica da existência de D-s como a base de todo ser. Isso significava que Ele era “Ser em si, atemporal, imutável, incorpóreo, entendido como o ato de subsistência de todos os existentes”. Agostinho define D-s como aquilo que não muda e não pode mudar. Tomás de Aquino, continuando a mesma tradição, lê a fórmula do Êxodo como dizendo que D-s é “verdadeiro ser, isto é, ser eterno, imutável, simples, auto-suficiente e a causa e dirigente de toda criatura”. [1]

Mas este é o D-s de Aristóteles e os filósofos, não o D-s de Abraham e os Profetas. Ehyeh asher ehyeh não significa nenhuma dessas coisas. Significa “eu serei o que, onde ou como serei”. O elemento essencial da frase é a dimensão omitida por todas as primeiras traduções cristãs, ou seja, o tempo futuro. D-s está se definindo como o Senhor da história que está prestes a intervir de uma maneira sem precedentes, para libertar um grupo de escravos do império mais poderoso do mundo antigo e levá-los a uma jornada em direção à liberdade. Já no século XI, reagindo contra o neo-aristotelianismo que ele viu se infiltrar no judaísmo, Judah Halevi afirmou que D-s se apresenta no início dos dez mandamentos, sem dizer: “Eu sou o Senhor, seu D-s, que criou o céu e terra”, mas antes:“ Eu sou o Senhor, teu D-s, que te tirei do Egito, da terra da escravidão.” [2]

Longe de ser atemporal e imutável, D-s na Bíblia Hebraica é ativo, engajado, em constante diálogo com Seu povo, chamando, insistindo, advertindo, desafiando e perdoando. Quando Malaquias diz em nome de D-s: “Eu, o Senhor, não mudo” (Malaquias 3: 6), ele não está falando sobre Sua essência como ser puro, o motor imóvel, mas sobre Seus compromissos morais. D-s cumpre Suas promessas mesmo quando Seus filhos quebram as deles. O que não muda sobre D-s são as alianças que ele faz com Noach, Abraham e os israelitas no Sinai.

Tão remoto é o D-s do ser puro – o legado de Platão e Aristóteles – que a distância é superada no cristianismo por uma figura que não tem contrapartida no judaísmo, o filho de D-s, uma pessoa que é humana e divina. No judaísmo, somos todos humanos e divinos, poeira da terra, mas respirando o fôlego de D-s e trazendo a imagem de D-s. Essas são teologias profundamente diferentes.

“Serei o que serei” significa que entrarei na história e a transformarei. D-s estava dizendo a Moisés que não havia como ele ou qualquer outra pessoa saber com antecedência o que D-s estava prestes a fazer. Ele disse a ele em termos gerais que estava prestes a resgatar os israelitas das mãos dos egípcios e levá-los a uma terra que corria com leite e mel. Mas, quanto a detalhes, Moisés e o povo conheceriam a D-s não por meio de Sua essência, mas por Seus atos. Portanto, o tempo futuro é a chave aqui. Eles não poderiam conhecê-Lo até que Ele agisse.

Ele seria um D-s de surpresas. Ele faria coisas nunca vistas antes, criaria sinais e maravilhas que seriam comentadas por milhares de anos. Eles colocariam em movimento onda após onda de repercussões. As pessoas aprenderiam que a escravidão não é uma condição inevitável, que talvez não esteja certa, que impérios não são inexpugnáveis ​​e que um pequeno povo como os israelitas poderia fazer grandes coisas se anexasse seu destino ao céu. Mas nada disso poderia ser previsto com antecedência. D-s estava dizendo a Moisés e ao povo: Você terá que confiar em Mim. O destino para o qual estou chamando você está além do horizonte visível.

É muito difícil entender o quão revolucionário isso foi. As religiões antigas eram profundamente conservadoras, projetadas para mostrar que a hierarquia social existente era inevitável, parte da estrutura profunda da realidade, atemporal e imutável. Assim como havia uma hierarquia nos céus e outra dentro do reino animal, também havia uma hierarquia na sociedade humana. Isso era ordem. Qualquer coisa que o desafiasse representava caos. Até Israel aparecer em cena, a religião era uma maneira de consagrar o status quo.

Isso é o que a história de Israel derrubaria. O maior império da terra estava prestes a ser derrubado. As pessoas mais impotentes – estrangeiros, escravos – iriam libertar-se. Isso não foi simplesmente um golpe no Egito. Embora demorasse milhares de anos, foi um golpe mortal no próprio conceito de sociedade hierárquica, ou no tempo como Platão chamou de “uma imagem em movimento da eternidade”, uma série de sombras passageiras em uma parede da realidade que nunca muda.

Em vez disso, a história se tornou uma arena de mudança. O tempo tornou-se algo entendido como uma narrativa, uma jornada ou uma busca. Tudo isso é sugerido nessas três palavras: “Eu serei o que serei.” Eu sou o D-s do tempo futuro.

Assim, o judaísmo, no conceito de era messiânica, tornou-se a única civilização cuja idade de ouro está no futuro. E por toda a Torá, a terra prometida está no futuro. Abraham não a adquire. Isaac também não. Jacob também não. Mesmo Moisés, que passa quarenta anos liderando o povo para lá, não consegue entrar. É sempre um pouco além. Em breve, mas ainda não.

Eu acho que essa é uma das ideias mais importantes do judaísmo. Eu escrevi um livro sobre isso, chamado Future Tense. [3] Lembro-me de uma noite em que Elaine e eu tivemos o privilégio de discutir isso com o fundador da psicologia positiva, Martin Seligman, em sua casa na Filadélfia. Ele estava brincando com uma ideia semelhante. Depois de anos praticando psicologia, ele chegou à conclusão de que as pessoas com uma psicologia positiva tendiam a ser orientadas para o futuro, enquanto aquelas com uma mentalidade negativa – ele chamou isso, em uma frase brilhante, de “desamparo aprendido” – frequentemente se fixavam no passado.

Alguns anos depois, ele e três outros estudiosos publicaram um livro sobre o assunto, chamado Homo Prospectus. [4] O que é, ele perguntou, que torna o Homo sapiens diferente de outras espécies? Resposta, temos uma capacidade incomparável de “ser guiados imaginando alternativas que se estendem para o futuro – prospecção”. Somos o animal orientado para o futuro.

Eu gostaria que isso fosse entendido mais profundamente, porque é fundamental. Há muito tempo argumentei que uma falácia domina o estudo científico da humanidade. A ciência procura por causas; uma causa sempre precede seu efeito; portanto, a ciência sempre procurará explicar um fenômeno no presente, referindo-se a algo que aconteceu no passado – qualquer coisa, desde o genoma até as experiências da primeira infância, a química cerebral e os estímulos recentes. A seguir, a ciência negará inevitavelmente a existência do livre arbítrio humano. A negação pode ser suave ou dura, gentil ou brutal, mas virá. A liberdade será vista como uma ilusão. O melhor que podemos esperar é a definição de liberdade de Karl Marx como “consciência da necessidade”.

Mas isso é uma falácia. A ação humana é sempre orientada para o futuro. Coloquei a chaleira porque quero uma xícara de café. Eu trabalho duro porque quero passar no exame. Eu ajo para trazer um futuro que ainda não é. A ciência não pode dar conta do futuro, porque algo que ainda não aconteceu não pode ser uma causa. Portanto, sempre haverá algo sobre a ação humana intencional que a ciência não pode explicar completamente.

Quando D-s disse: “Eu serei o que serei”, Ele estava nos dizendo algo não apenas sobre D-s, mas sobre nós quando estamos abertos a D-s e temos fé em Sua fé em nós.

Podemos ser o que seremos se escolhermos o certo e o bom. E se falhamos e caímos, podemos mudar porque D-s nos eleva e nos dá força.

E se pudermos mudar a nós mesmos, juntos podemos mudar o mundo. Não podemos acabar com o mal e o sofrimento, mas podemos diminuí-lo. Não podemos eliminar a injustiça, mas podemos combatê-la. Não podemos abolir a doença, mas podemos tratá-la e procurar curas.

Sempre que visito Israel, fico impressionado com a maneira como esse povo antigo em sua terra saturada de história é uma das nações mais orientadas para o futuro do mundo, buscando constantemente novos avanços em tecnologia médica, da informação e nanotecnologia. Israel escreve sua história no futuro.

E o futuro é a esfera da liberdade humana, porque não posso mudar ontem, mas posso mudar amanhã pelo que faço hoje. Portanto, porque o judaísmo é uma religião do futuro, é uma religião da liberdade humana, e porque Israel é uma nação orientada para o futuro, permanece no Oriente Médio um oásis de liberdade em um deserto de opressão. Tragicamente, a maioria dos inimigos de Israel está fixada no passado, e enquanto permanecerem, seu povo nunca encontrará liberdade e Israel nunca encontrará paz.

Acredito que devemos honrar o passado, mas não viver nele. A fé é uma força revolucionária.  D-s está nos chamando assim como uma vez Ele chamou a Moisés, pedindo que tivéssemos fé no futuro e depois, com Sua ajuda, construí-lo.

Shabat shalom

 

NOTAS
[1] Veja o estudo perspicaz de Richard Kearney, O D-s que pode ser: Uma hermenêutica da religião , Bloomington, Indiana University Press, 2001, pp. 20–38, a partir do qual essas referências são tiradas.
[2] Judah Halevi, The Kuzari (Kitab Al Khazari): Um Argumento para a Fé de Israel , Nova York, Schocken, 1964, Livro I, p. 25)
[3] Jonathan Sacks, Future Tense , Hodder e Stoughton, 2009, especialmente o último capítulo, 231-52.
[4] Martin Seligman, et al., Homo Prospectus,  Oxford University Press, 2017.

 

Texto original “Faith in the Future” por Rabino Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

KI TISSÁ

Como os Líderes Falham O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

TETZAVÊ

O Contraponto da Liderança O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, base...

Leia mais →

TERUMÁ

A Casa que Construímos Juntos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, b...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS