VAYKRÁ

Posted on março 12, 2019

VAYKRÁ

A Busca do Significado

A Declaração Americana da Independência fala dos direitos inalienáveis ​​da vida, da liberdade e da busca da felicidade. Recentemente, seguindo o trabalho pioneiro de Martin Seligman, fundador da Positive Psychology, tem havido centenas de livros publicados sobre a felicidade. No entanto, ainda há algo mais fundamental no sentido de uma vida bem vivida, ou seja, o significado. Os dois parecem semelhantes. É fácil supor que as pessoas que encontram significado são felizes e as pessoas felizes têm sentido. Mas os dois não são o mesmo, nem sempre se sobrepõem.

A felicidade é, em grande parte, uma questão de satisfazer necessidades e desejos. O significado, em contraste, é sobre um senso de propósito na vida, especialmente fazendo contribuições positivas para a vida dos outros. A felicidade é em grande parte sobre como você se sente no presente. O significado é sobre como você julga sua vida como um todo: passado, presente e futuro.

A felicidade está associada ao receber, significado, ao dar. Indivíduos que sofrem estresse, preocupação ou ansiedade não são felizes, mas podem estar vivendo vidas ricas de significado. Os infortúnios passados reduzem a felicidade presente, mas as pessoas muitas vezes conectam esses momentos com a descoberta do significado. Além disso, a felicidade não é exclusiva dos seres humanos. Os animais também experimentam contentamento quando seus desejos e necessidades são satisfeitos. Mas o significado é um fenômeno distintamente humano. Não tem que ver com a natureza, mas com a cultura. Não é sobre o que acontece conosco, mas sobre como interpretamos o que nos acontece. Pode haver felicidade sem significado, e pode haver significado na ausência de felicidade, mesmo no meio da escuridão e da dor. [1]

Em um artigo fascinante no The Atlantic, “Há mais na vida do que ser feliz” [2], Emily Smith argumentou que a busca da felicidade pode resultar em uma vida relativamente superficial, egocêntrica e até mesmo egoísta. O que torna a busca do significado diferente é que se trata da busca de algo maior que o eu.

Ninguém fez mais para colocar a questão do significado no discurso moderno do que o falecido Viktor Frankl. Nos três anos que passou em Auschwitz, Frankl sobreviveu e ajudou outros a sobreviver, inspirando-os a descobrir um propósito na vida, mesmo no meio do inferno na Terra. Foi lá que ele formulou as ideias que mais tarde se transformaram em um novo tipo de psicoterapia baseado no que ele chamou de “busca do homem por significado”. Seu livro com esse título, escrito ao longo de nove dias em 1946, vendeu mais de dez milhões de cópias em todo o mundo e é considerado uma das obras mais influentes do século XX.

Frankl sabia que nos campos, aqueles que perderam a vontade de viver morreram. Ele conta como ajudou dois indivíduos a encontrarem uma razão para sobreviver. Um, uma mulher, tinha uma criança esperando por ela em outro país. Outro escrevera os primeiros volumes de uma série de livros de viagem e ainda havia outros por escrever. Ambos, portanto, tinham uma razão para viver.

Frankl costumava dizer que a maneira de encontrar significado não era perguntar o que queremos da vida. Em vez disso, devemos perguntar o que a vida quer de nós. Somos todos, disse ele, únicos: em nossos dons, nossas capacidades, nossas habilidades e talentos e nas circunstâncias de nossa vida. Para cada um de nós, então, existe uma tarefa que só nós podemos fazer. Isso não significa que somos melhores que os outros. Mas se acreditamos que estamos aqui por uma razão, então há um tikkun, um reparo, que só nós podemos realizar, um fragmento de luz que só nós podemos redimir, um ato de bondade ou coragem, generosidade ou hospitalidade, até mesmo uma palavra de encorajamento ou um sorriso, que só nós podemos realizar, porque estamos aqui, neste lugar, neste momento, encarando essa pessoa neste momento de suas vidas.

“A vida é uma tarefa”, ele costumava dizer, e acrescentou: “O homem religioso difere do homem aparentemente não religioso apenas experimentando sua existência não simplesmente como uma tarefa, mas como uma missão”. Ele ou ela está ciente de ser convocado, chamado por uma fonte. “Por milhares de anos essa fonte tem sido chamada de D-s.” [3]

Esse é o significado da palavra que dá a nossa parashá, e ao terceiro livro da Torá, seu nome: Vaykrá, “E Ele chamou”. O significado preciso deste versículo de abertura é difícil de entender. Literalmente traduzido, lê-se: “E Ele chamou a Moisés, e D-s falou com ele da Tenda do Encontro, dizendo…” A primeira frase parece ser redundante. Se nos é dito que D-s falou com Moisés, por que dizer além disso, “E Ele chamou”? Rashi explica o seguinte:

E Ele chamou a Moisés: Todo [tempo em que D-s se comunicava com Moisés, sinalizado pela expressão] “E falava”, ou “e disse”, ou “e mandou”, sempre foi precedido por [D-s] chamando [Moisés pelo nome]. [4] “Chamar” é uma expressão de carinho. É a expressão empregada pelos anjos ministradores, como diz: “E um chamado ao outro…” (Isaías 6: 3).

Vayikrá, Rashi está nos dizendo, significa ser chamado para uma tarefa no amor. Esta é a fonte de uma das ideias-chave do pensamento ocidental, ou seja, o conceito de uma vocação ou chamado, ou seja, a escolha de uma carreira ou modo de vida não apenas porque você quer fazê-lo, ou porque oferece certos benefícios, mas porque você se sente convocado para isso. Você sente que este é o seu significado e missão na vida. Isto é para o que você foi colocado na terra para fazer.

Existem muitos chamados desse tipo no Tanach. Houve o chamado que Abraão recebeu, dizendo para deixar sua terra e família. Houve o chamado para Moisés na sarça ardente (Ex. 3: 4). Houve aquele experimentado por Isaías quando ele viu em uma visão mística D-s entronizado e cercado por anjos:

Então ouvi a voz do Senhor dizendo: “A quem enviarei? E quem irá por nós?” E eu disse: “Eis-me aqui. Manda-me!” (Isaías 6: 8)

Um dos mais tocantes é a história do jovem Samuel, dedicado por sua mãe Hannah a servir no santuário de Siloh, onde ele atuou como assistente de Eli, o sacerdote. Na cama à noite, ele ouviu uma voz chamando seu nome. Ele assumiu que era Eli. Ele correu para ver o que queria, mas Eli disse que ele não tinha chamado. Isso aconteceu uma segunda vez e depois uma terceira, e então Eli percebeu que era D-s chamando a criança. Ele disse a Samuel que na próxima vez que a voz chamasse o nome dele, ele deveria responder: “Fala, Senhor, porque Teu servo está ouvindo”. Não ocorreu à criança que poderia ser D-s convocando-o para uma missão, mas foi. Assim começou sua carreira como profeta, juiz e ungidor dos dois primeiros reis de Israel, Saul e David. (1 Samuel 3)

Quando vemos um erro a ser corrigido, uma doença para ser curada, uma necessidade a ser satisfeita, e sentimos que isso nos fala, é quando chegamos tão perto quanto podemos em uma era pós-profética de ouvir Vaykrá, o chamado de D-s. E por que a palavra aparece aqui, no começo do terceiro e central livro da Torá? Porque o livro de Vaykrá é sobre sacrifícios, e uma vocação é sobre sacrifícios. Estamos dispostos a fazer sacrifícios quando sentimos que fazem parte da tarefa que somos chamados a fazer.

Da perspectiva da eternidade, às vezes podemos ser subjugados por uma sensação de nossa própria insignificância. Não somos mais do que uma onda no oceano, um grão de areia na praia do mar, uma partícula de poeira na superfície do infinito. No entanto, estamos aqui porque D-s quer que estejamos, porque há uma tarefa que Ele quer que realizemos. A busca por significado é a busca por essa tarefa.

Cada um de nós é único. Mesmo gêmeos geneticamente idênticos são diferentes. Há coisas que só nós podemos fazer, nós que somos o que somos, neste tempo, neste lugar e nestas circunstâncias. Para cada um de nós, D-s tem uma tarefa: trabalhar para realizar, uma bondade para mostrar, um presente para dar, amor para compartilhar, solidão para aliviar, dor para curar ou vidas quebradas para ajudar a consertar. Discernindo essa tarefa, ouvir Vaykrá, o chamado de D-s, é um dos grandes desafios espirituais para cada um de nós.

Como sabemos o que é isso? Há alguns anos, em Para Curar um Mundo Fraturado, ofereci isso como um guia, e ainda me parece fazer sentido: onde o que queremos fazer satisfaz o que precisa ser feito, aí é onde D-s quer que você esteja.

Shabat shalom

 

NOTAS
[1] ee Roy F. Baumeister, Kathleen D. Vohs,  Jennifer Aaker e Emily N. Garbinsky, “Algumas diferenças-chave entre uma vida feliz e uma vida significativa”, Journal of Positive Psychology 2013, vol. 8, edição 6, páginas 505-516.
[2] Emily Smith, “Há mais na vida do que ser feliz”, The Atlantic , 9 de janeiro de 2013.
[3] Viktor Frankl, O Doutor e a Alma: da Psicoterapia à Logoterapia, Nova York: AA Knopf, 1965, 13.
[4] Rashi a Vayikra 1: 1.

 

Texto original “The Pursuit of Meaning” por Rabino Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

MATOT – MASSEI

Resolução de Conflitos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS