VAYSHLACH

Posted on dezembro 10, 2019

VAYSHLACH

Você Não Será Mais Chamado De Jacob

Um fato sobre a parashá desta semana deixou perplexos os comentaristas. Após sua luta com o adversário sem nome, foi dito a Jacob: “Seu nome não será mais Jacobmas Israel, pois você lutou com os seres Divinos e humanos e prevaleceu”. (Gênesis 32:29, tradução da JPS) Ou “Seu nome não será mais chamado de Jacob, mas de Israel. Você se tornou grande (sar) diante de D-s e do homem. Você ganhou.” (tradução de Aryeh Kaplan)

Essa mudança de nome ocorre não uma vez, mas duas vezes. Após o encontro com Esaú e o episódio de Dina e Siquém, D-s disse a Jacob que fosse a Beth El. Depois lemos: “Depois que Jacob voltou de Paddan Aram, D-s apareceu novamente e o abençoou. D-s lhe disse: “Seu nome é Jacob, mas você não será mais chamado Jacob; seu nome será Israel. Por isso o chamou Israel”. (Gênesis 35: 9-10)

Observe, primeiro, que esse não é um ajuste de um nome existente pela mudança ou adição de uma letra, como quando D-s mudou o nome de Abram para Abraham ou Sarai para Sara. É um nome inteiramente novo, como se quisesse sinalizar que o que representa é uma completa mudança de caráter. Segundo, como vimos, a mudança de nome não aconteceu uma vez, mas duas. Terceiro – e este é o quebra-cabeça dos quebra-cabeças – tendo dito duas vezes que seu nome não será mais Jacob, a Torá continua a chamá-lo de Jacob. O próprio D-s faz isso. Nós também, toda vez que oramos ao D-s de Abraham, Isaac e Jacob. Como assim, quando a Torá nos diz duas vezes que seu nome não será mais Jacob?

Radak sugere que “seu nome não será mais chamado de Jacob” significa “seu nome não será mais apenas chamado de Jacob”. Você também terá outro nome. Isso é engenhoso, mas dificilmente o sentido claro do verso. Sforno diz: “Na era messiânica, seu nome não será mais chamado de Jacob”. Isso também é difícil. O tempo futuro, como usado na Torá, significa o futuro próximo, não o distante, a menos que seja explicitamente especificado.

Este é apenas um mistério entre muitos quando se trata do caráter de Jacob e de seu relacionamento com seu irmão Esaú. Tão difícil é entender as histórias sobre eles que, para entendê-las, elas foram revestidas na tradição judaica com uma espessa camada de Midrash que torna Esaú quase perfeitamente mau e Jacob quase perfeitamente justo. Existe uma clara necessidade desse Midrash, para fins educacionais. Esaú e Jacob, como retratados na Torá, são sutis e complexos demais para serem objeto de simples lições morais para as mentes jovens. Então o Midrash nos dá um mundo de preto e branco, como Maharatz Chajes explicou. [1]

O próprio texto bíblico, porém, é muito mais sutil. Não afirma que Esaú é ruim e Jacob é bom. Pelo contrário, mostra que são dois tipos diferentes de ser humano. O contraste entre eles é como o de Nietzsche entre as figuras gregas de Apolo e Dionísio. Apolo representa razão, lógica, ordem, autocontrole; Dionísio significa emoção, paixão, natureza, impetuosidade e caos. As culturas apolonianas valorizam contenção e modéstia; os dionisíacos buscam ostentação e excesso. Jacob é apolíneo, Esaú, dionisíaco.

Ou pode ser que Esaú represente o Caçador, considerado um herói em muitas culturas antigas, mas não na Torá, que representa a ética agrária e pastoral de agricultores e pastores. Com a transição de caçador-coletor para agricultor e pastor, o Caçador não é mais um herói e, em vez disso, é visto como uma figura de violência, especialmente quando combinada, como no caso de Esaú, com um temperamento mercurial. Não é tanto que Esaú é mau e Jacob é bom, mas que Esaú representa o mundo que era, enquanto Jacob representa, se às vezes hesitante e com medo, um novo mundo prestes a ser criado, cuja espiritualidade seria radicalmente diferente, nova. e desafiadora.

O fato de Jacob e Esaú serem gêmeos é fundamental. O relacionamento deles é um dos casos clássicos de rivalidade entre irmãos. [2] A chave para entender a história deles é o que René Girard chamou de desejo mimético: o desejo de ter o que os outros têm, porque eles têm. Em última análise, este é o desejo de ser outra pessoa.

É isso que o nome Jacob significa. É o nome que ele adquiriu porque nasceu segurando o calcanhar de seu irmão Esaú. Essa era consistentemente sua postura durante os principais eventos de sua infância. Ele comprou o direito de nascença de seu irmão. Ele usava as roupas de seu irmão. A pedido de sua mãe, ele recebeu a bênção de seu irmão. Quando perguntado pelo pai: “Quem é você, meu filho?” Ele respondeu: “Eu sou Esaú, seu primogênito.”

Jacob era o homem que queria ser Esaú. Por quê? Porque Esaú tinha uma coisa que ele não tinha: o amor de seu pai. “Isaac, que gostava de caça selvagem, amava Esaú, mas Rebecca amava Jacob.”

Tudo isso mudou na grande luta entre Jacob e o desconhecido estrangeiro. Nossos Sábios nos ensinam que esse estrangeiro era um anjo disfarçado. Depois que eles brigam, ele diz a Jacob que seu nome agora seria Israel. A explicação declarada para esse nome é: “porque você lutou com D-s e com o homem e prevaleceu”. Também ressoa com outros dois sentidos. Sar significa “príncipe, realeza”. Yashar significa “vertical”. Ambos estão em nítido contraste com o nome “Jacob”, alguém que “se agarra ao calcanhar de seu irmão”.

Como então devemos entender o que, primeiro o estrangeiro, depois D-s, disse a Jacob? Não como uma declaração, mas como um pedido, um desafio, um convite. Leia não como: “Você não será mais chamado de Jacob, mas de Israel.” Em vez disso, leia como: “Deixe seu nome não ser mais Jacob, mas Israel”, ou seja, “Aja de maneira que seja assim que as pessoas o chamem.” Seja um príncipe. Seja realeza. Fique de pé. Seja você mesmo. Não anseie por ser outra pessoa. Isso acabaria sendo um desafio não apenas naquele momento, mas muitas vezes no futuro judaico.

Muitas vezes, os judeus se contentam em ser eles mesmos. Mas, de tempos em tempos, eles entram em contato com uma civilização cuja sofisticação intelectual, cultural e até espiritual era inegável. Isso os fez sentir-se constrangidos, inferiores, como um aldeão que chega a uma cidade pela primeira vez. Os judeus caíram na condição de Jacob. Eles queriam ser outra pessoa.

A primeira vez que ouvimos isso é nas palavras do profeta Ezequiel: “Você diz: ‘Queremos ser como as nações, como os povos do mundo, que servem madeira e pedra’. Mas o que você tem em mente nunca acontecerá” (Ez. 20:32). Na Babilônia, o povo encontrou um império impressionante, cujo sucesso militar e econômico contrastava radicalmente com sua própria condição de exílio e derrota. Alguns queriam deixar de ser judeus e se tornar outra pessoa, qualquer outra pessoa.

Ouvimos novamente nos dias dos gregos. Alguns judeus tornaram-se helenizados. Reconhecemos isso em nomes de sumos sacerdotes, como Jason e Menelau. A batalha contra isso é a história de Chanucá. Algo semelhante aconteceu nos dias de Roma. Josefo foi um dos que foram para o outro lado, embora ele permanecesse defensor do judaísmo.

Aconteceu novamente durante o Iluminismo. Os judeus se apaixonaram pela cultura europeia. Com filósofos como Kant e Hegel, poetas como Goethe e Schiller e músicos como Mozart e Beethoven. Alguns foram capazes de integrar isso à fidelidade ao judaísmo como credo e ação – figuras como os Rabinos Samson Raphael Hirsch e Nehemiah Nobel. Mas alguns não. Eles cederam. Eles mudaram de nome. Eles esconderam sua identidade. Nenhum de nós tem o direito de criticar o que eles fizeram. O impacto combinado de desafio intelectual, mudança social e antissemitismo incendiário foi imenso. No entanto, essa foi uma resposta de Jacob, não de Israel.

Isso está acontecendo hoje em grandes áreas do mundo judaico. Os judeus superaram. O judaísmo, com algumas exceções notáveis, foi insuficiente. Atualmente, existem judeus no topo de quase todos os campos do empreendimento humano, mas muitos abandonaram sua herança religiosa ou são indiferentes a ela. Para eles, ser judeu é uma etnia esbelta, magra demais para ser transmitida para o futuro, oca demais para inspirar.

Esperamos tanto tempo pelo que temos hoje e que nunca tivemos simultaneamente em toda a história judaica: independência e soberania no estado de Israel, liberdade e igualdade na diáspora. Quase tudo pelo que cem gerações de nossos ancestrais oraram nos foi dado. Nós realmente (na frase de Lin-Manuel Miranda) jogaremos fora nosso tiro? Seremos Israel? Ou mostraremos, para nossa vergonha, que ainda não ultrapassamos o nome de Jacob, a pessoa que queria ser outra pessoa? Jacob muitas vezes estava com medo porque não tinha certeza de quem ele queria ser, ele ou seu irmão. Foi por isso que D-s lhe disse: “Não seja seu nome Jacob, mas Israel.” Quando você tem medo e não tem certeza de quem você é, você é Jacob. Quando você é forte em si mesmo, como você, você é Israel.

O fato de a Torá e a tradição ainda usarem a palavra Jacob, não apenas Israel, nos diz que o problema não desapareceu. Jacob parece ter lutado com isso ao longo de sua vida, e ainda o fazemos hoje. É preciso coragem para ser diferente, uma minoria, contra-cultural. É fácil viver o momento como Esaú ou “ser como os povos do mundo”, como disse Ezequiel.

Eu acredito que o desafio lançado pelo anjo ainda ecoa hoje. Nós somos Jacob, envergonhados por quem somos? Ou somos Israel, com a coragem de ficar de pé e andar alto no caminho da fé?

Shabat shalom

 

Notas
[1] No Mavo ha-Aggadot impresso no início de Eyn Yaakov.
[2] Para ler mais sobre os temas da rivalidade entre irmãos na Bíblia, consulte Jonathan Sacks, Não em nome de D-s: Confrontando a violência religiosa, 2015.

 

Texto original “No Longer Shall You Be Called Jacob” por Rabino Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

KI TISSÁ

Como os Líderes Falham O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

TETZAVÊ

O Contraponto da Liderança O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, base...

Leia mais →

TERUMÁ

A Casa que Construímos Juntos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, b...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS