HUKAT

Posted on julho 5, 2022

HUKAT

Controle de Raiva

Há alguns, diz o Talmud, que adquirem seu mundo em uma hora e outros que o perdem em uma hora. Nenhum exemplo deste último é mais impressionante e desconcertante do que o famoso episódio da parashá desta semana. O povo pediu água. D-s diz a Moisés para pegar um cajado e falar com a rocha e a água aparecerá. Isto então segue:

Ele e Aharon reuniram a assembleia diante da rocha e Moisés lhes disse: ‘Ouçam, rebeldes, devemos tirar água desta rocha?’ Então Moisés levantou o braço e golpeou a rocha duas vezes com seu cajado. A água jorrou, e a comunidade e seu gado beberam.

Mas o Senhor disse a Moisés e Aharon: ‘Porque vocês não confiaram em Mim o suficiente para Me honrar como santo aos olhos dos israelitas, vocês não levarão esta comunidade para a terra que lhes dou. (Números 20:10-12)

“Esta é a Torá e esta é a sua recompensa?” somos tentados a dizer. Qual foi o pecado de Moisés que mereceu tal punição? Em anos anteriores, expressei minha opinião de que Moisés não pecou, ​​nem foi punido. Era simplesmente que cada geração precisa de seus próprios líderes. Moisés era o líder certo, de fato o único, capaz de tirar os israelitas do Egito. Eles precisavam de outro tipo de líder e de um estilo diferente de liderança para levar a próxima geração à Terra Prometida.

No âmbito da série deste ano, porém, ao discutirmos a ética da Bíblia, parece mais apropriado olhar para uma explicação diferente, aquela dada por Maimônides em Shemoneh Perakim, os “Oito Capítulos” que formam o prefácio de seu comentário à Mishná, Tratado Avot, a Ética dos Pais.

No decorrer desses capítulos, Maimônides apresenta um relato surpreendentemente contemporâneo do judaísmo como treinamento em inteligência emocional. [1] Emoções saudáveis ​​são essenciais para uma vida boa e feliz, mas temperamento não é algo que escolhemos. Algumas pessoas são mais pacientes, calmas, generosas ou otimistas do que outras. Em um estágio, as emoções foram chamadas de “paixões”, uma palavra que vem da mesma raiz de “passivo”, o que implica que são sentimentos que acontecem conosco, e não reações que escolhemos. Apesar disso, Maimônides acreditava que com treinamento suficiente é possível superar nossas emoções destrutivas e reconfigurar nossa vida afetiva.

Em geral, Maimônides, como Aristóteles, acreditava que a inteligência emocional existe no equilíbrio entre excesso e deficiência, muito e pouco. Muito medo me torna um covarde, muito pouco me torna irritado e imprudente, correndo riscos desnecessários. O caminho do meio é a coragem. Há, no entanto, duas exceções, diz Maimônides: orgulho e raiva. Mesmo um pouco de orgulho (alguns Sábios sugeriram “um oitavo de oitavo”) é demais. Da mesma forma, até mesmo um pouco de raiva é errado.

É por isso, diz Maimônides, que Moisés foi punido: porque ele perdeu a paciência com o povo quando disse: “Ouçam, vocês rebeldes”. Com certeza, houve outras ocasiões em que ele perdeu a paciência – ou pelo menos pareceu perdê-la. Sua reação ao pecado do Bezerro de Ouro, que incluiu quebrar as Duas Tábuas, dificilmente foi pacifica ou relaxada. Mas esse caso foi diferente. Os israelitas cometeram um pecado. O próprio D-s estava ameaçando destruir o povo. Moisés teve que agir de forma decisiva e com força suficiente para restaurar a ordem a um povo totalmente fora de controle.

Aqui, porém, o povo não havia pecado. Eles estavam com sede. Eles precisavam de água. D-s não estava zangado com eles. A reação intempestiva de Moisés foi, portanto, errada, diz Maimônides. Com certeza, a raiva é algo a que todos nós somos propensos. Mas Moisés era um líder, e um líder deve ser um modelo. É por isso que Moisés foi punido tão pesadamente por um fracasso que poderia ter sido punido mais levemente em alguém menos exaltado.

Além disso, diz Maimônides, ao perder a calma, Moisés deixou de respeitar o povo e pode tê-lo desmoralizado. Sabendo que Moisés era o emissário de D-s, o povo poderia ter concluído que se Moisés estava zangado com eles, D-s também estava. No entanto, eles não fizeram mais do que pedir água. Dar ao povo a impressão de que D-s estava zangado com eles era uma falha em santificar o Nome de D-s. Assim, um momento de raiva foi suficiente para privar Moisés da recompensa certamente mais preciosa para ele, de ver o culminar de seu trabalho ao conduzir o povo através do Jordão até a Terra Prometida.

Os Sábios foram francos em sua crítica à raiva. Eles teriam aprovado completamente o conceito moderno de controle da raiva. Eles não gostavam nada da raiva e reservavam um pouco de sua linguagem mais afiada para descrevê-la.

“A vida daqueles que não conseguem controlar sua raiva não é uma vida”, disseram eles. (Pesachim 113b)

Reish Lakish disse: “Quando uma pessoa fica com raiva, se é um sábio, sua sabedoria se afasta dela; se é um profeta, sua profecia se afasta dela”. (Pesachim 66b)

Maimônides disse que quando alguém fica com raiva é como se ele se tornasse um idólatra. (Hilchot Deot 2:3)

O que é perigoso na raiva é que ela nos faz perder o controle. Ativa a parte mais primitiva do cérebro humano que ignora os circuitos neurais que usamos quando refletimos e escolhemos em bases racionais. Enquanto estamos sob o domínio de um temperamento quente, perdemos a capacidade de dar um passo atrás e julgar as possíveis consequências de nossas ações. O resultado é que em um momento de irascibilidade podemos fazer ou dizer coisas das quais podemos nos arrepender pelo resto de nossas vidas.

Por essa razão, rege Maimônides, não há “caminho do meio” quando se trata de raiva (Hilchot Deot 2:3). Em vez disso, devemos evitá-lo em qualquer circunstância. Devemos ir ao extremo oposto. Mesmo quando a raiva é justificada, devemos evitá-la. Pode haver momentos em que seja necessário parecer que estamos com raiva. Foi isso que Moisés fez quando viu os israelitas adorando o Bezerro de Ouro e quebrou as Tábuas de pedra. No entanto, mesmo quando externamente demonstramos raiva, diz Maimônides, interiormente devemos estar calmos.

Orchot Tzaddikim (um comentarista do século XV) observa que a raiva destrói os relacionamentos pessoais. [2] As pessoas de pavio curto assustam os outros, que, portanto, evitam se aproximar delas. A raiva expulsa as emoções positivas – perdão, compaixão, empatia e sensibilidade. O resultado é que pessoas irascíveis acabam solitárias, evitadas e decepcionadas. Pessoas mal-humoradas não conseguem nada além de seu mau humor (Kiddushin 40b). Elas perdem todo o resto.

O modelo clássico de paciência diante da provocação foi Hillel. O Talmud diz que uma vez duas pessoas fizeram uma aposta uma com a outra, dizendo: “Aquele que irritar Hillel receberá quatrocentos zuz”. Um disse: “Eu irei provocá-lo”. Era Erev Shabat e Hillel estava lavando o cabelo. O homem parou na porta de sua casa e chamou: “O Hillel está aqui? Hillel está aqui? Hillel vestiu-se e saiu, dizendo: “Meu filho, o que você procura?”

“Tenho uma pergunta a fazer”, disse ele.

“Pergunte, meu filho”, respondeu Hillel.

Ele disse: “Por que as cabeças dos babilônios são redondas?”

“Meu filho, você fez uma boa pergunta”, disse Hillel. “A razão é que eles não têm parteiras qualificadas.”

O homem saiu, fez uma pausa, depois voltou, gritando: “O Hillel está aqui? Hillel está aqui?

Mais uma vez, Hillel abandonou o banho, vestiu o manto e saiu, dizendo: “Meu filho, o que você procura?”

“Eu tenho outra pergunta.”

“Pergunte, meu filho.”

“Por que os olhos dos palmirenses estão turvos?”

Hillel respondeu: “Meu filho, você fez uma boa pergunta. A razão é que eles vivem em lugares arenosos.”

Ele saiu, esperou e voltou pela terceira vez, chamando: “Hillel está aqui? Hillel está aqui?

Novamente, Hillel se vestiu e saiu, dizendo: “Meu filho, o que você procura?”

“Eu tenho outra pergunta.”

“Pergunte, meu filho.”

“Por que os pés dos africanos são largos?”

“Meu filho, você fez uma boa pergunta. A razão é que eles vivem em pântanos aquáticos.”

“Tenho muitas perguntas a fazer”, disse o homem, “mas estou preocupado que você possa ficar com raiva.”

Hillel então se sentou e disse: “Faça todas as perguntas que você tiver que fazer”.

“Você é o Hillel que é chamado de nasi [líder, príncipe] de Israel?”

“Sim”, disse Hillel.

“Nesse caso, disse o homem, “que não haja muitos como você em Israel”.

“Por que, meu filho?” ele perguntou.

“Porque acabei de perder quatrocentos zuz por sua causa!”

“Cuidado com seu humor”, disse Hillel. “Você pode perder quatrocentos zuz e ainda outros quatrocentos zuz por meio de Hillel, mas Hillel não perderá a paciência.” (Shabat 30b-31ª)

Foi essa qualidade de paciência sob provocação que foi um dos fatores, de acordo com o Talmud (Eruvin 13b), que levou os Sábios a governar quase inteiramente de acordo com a Escola de Hillel e não de Shammai.

A melhor maneira de derrotar a raiva é fazer uma pausa, parar, refletir, refrear, contar até dez e respirar profundamente. Se necessário, saia da sala, dê um passeio, medite ou desabafe seus sentimentos tóxicos sozinho. Diz-se que um dos Rebes de Lubavitch sempre que sentia raiva, ele mergulhava no Shulchan Aruch para ver se a raiva era permitida naquelas circunstâncias. Quando terminava de estudar, sua raiva havia desaparecido.

A vida moral é aquela em que lutamos contra a raiva, mas nunca a deixamos vencer. O veredicto do judaísmo é simples: ou derrotamos a raiva ou a raiva nos derrotará.

 

NOTAS
[1] O termo foi introduzido por Peter Salovey e John Mayer. Ver Peter Salovey, Marc A. Brackett e John D. Mayer, Emotional Intelligence: Key Readings on the Mayer and Salovey Model (Port Chester, NY: Dude Pub., 2004), posteriormente popularizado por Daniel Goleman em, por exemplo, seu livro Inteligência Emocional (Nova York: Bantam, 1995).
[2] Orchot Tzaddikim, Shaar Kaas, “O Portão da Ira”.

 

Texto original “Anger Management” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT MAIS RECENTES

VAETCHANAN

O Certo e o Bom Enterrado entre as passagens épicas do Vaetchanan – entre elas o Shemá e os Dez Mandamentos – está uma brev...

Leia mais →

DEVARIM

Por Que Existem Tantos Advogados Judeus? No início do livro de Devarim, Moisés recapitula a história da experiência dos israel...

Leia mais →

MATOT–MASSEI

Juramentos e Votos A parashá de Matot começa com uma passagem sobre votos e juramentos e sua anulação. Usa vocabulário que ma...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS