MIKETZ

MIKETZ

Aparência e Realidade

Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimos o drama do momento. Na última vez em que estiveram juntos, os irmãos planejaram matar Yossef e eventualmente o venderam como escravo. Uma das razões pelas quais o fizeram é que estavam zangados com seus relatos sobre seus sonhos; ele havia sonhado duas vezes que seus irmãos se curvariam diante dele. Para eles, isso soava como arrogância, confiança excessiva e vaidade. Continue lendo MIKETZ

Continue lendo %s

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar

Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Diretor do Jews’ College, o seminário de treinamento rabínico em Londres onde eu era aluno e professor, foi abordado por uma organização que teve uma oportunidade incomum de se engajar no diálogo inter-religioso. Um grupo de bispos africanos queria entender mais sobre o judaísmo. O diretor estaria disposto a enviar seus alunos mais velhos para se engajarem em tal diálogo, em um castelo na Suíça? Continue lendo VAYESHEV

Continue lendo %s

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos

Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a única filha judia mencionada em toda a narrativa patriarcal – deixa a segurança de casa para sair para “olhar as filhas da terra”. (Gênesis 34: 1) Ela é estuprada e raptada por um príncipe local, filho do rei da cidade conhecida como Siquém. Continue lendo VAYSHLACH

Continue lendo %s

VAYETSÊ

Tempo para Amor, Tempo para Justiça

O Judaísmo é supremamente uma religião de amor: três amores.

“Amarás o Senhor teu D-s com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças.” (Deut. 6: 5);

“Você deve amar o seu próximo como a si mesmo.” (Lev. 19:18); e

“Você amará o estrangeiro, pois você já foi um estrangeiro em uma terra estranha.” (Deut.10:19) [1]

Continue lendo VAYETSÊ

Continue lendo %s

TOLEDOT

Jacob estava certo em receber as bênçãos?

Jacob estava certo em aceitar a bênção de Esaú disfarçada? Ele estava certo em enganar seu pai e tirar de seu irmão a bênção que Isaac procurava dar a ele? Rebeca estava certa em conceber o plano em primeiro lugar e encorajar Jacob a executá-lo? Essas são questões fundamentais. O que está em jogo não é apenas a interpretação bíblica, mas a própria vida moral. A maneira como lemos um texto molda o tipo de pessoa que nos tornamos. Continue lendo TOLEDOT

Continue lendo %s

CHAYÊ SARA

A Bondade de Estranhos

Em 1966, um menino negro de onze anos mudou-se com seus pais e família para um bairro branco em Washington. Sentado com seus dois irmãos e duas irmãs no degrau da frente da casa, ele esperou para ver como seriam recebidos. Eles não foram. Os transeuntes se viraram para olhá-los, mas ninguém lhes deu um sorriso ou mesmo um olhar de reconhecimento. Todas as histórias terríveis que ouvira sobre como os brancos tratavam os negros pareciam estar se tornando realidade. Anos depois, escrevendo sobre aqueles primeiros dias em sua nova casa, ele disse: “Eu sabia que não éramos bem-vindos aqui. Eu sabia que não gostariam de nós aqui. Eu sabia que não teríamos amigos aqui. Eu sabia que não deveríamos ter mudado para cá…” Continue lendo CHAYÊ SARA

Continue lendo %s

VAYERÁ

A Amarração de Isaac

“Pegue seu filho, seu único filho, aquele que você ama – Isaac – e vá para a terra de Moriá. Ofereça-o lá como um holocausto na montanha que eu mostrarei a você.” (Gênesis 22: 2)

Assim começa um dos episódios mais famosos da Torá, mas também um dos mais moralmente problemáticos. A leitura convencional dessa passagem é que Abraham estava sendo solicitado a mostrar que seu amor por D-s era supremo. Ele mostraria isso estando disposto a sacrificar o filho pelo qual passou a vida inteira esperando. Continue lendo VAYERÁ

Continue lendo %s

LECH LECHA

Quão Perfeitos eram as Matriarcas e Patriarcas?

Em uma série extraordinária de observações sobre a parashá desta semana, Ramban (Nachmanides, 1194 – 1270) faz duras críticas a Abraham e Sarah. A primeira tem a ver com a decisão de Abraham de deixar a terra de Canaã e ir para o Egito porque “havia fome na terra” (Gen. 12: 1). Nesta Ramban diz:

Saiba que Abraham, nosso pai, sem querer cometeu um grande pecado ao levar sua esposa justa a uma pedra de tropeço pelo pecado por temer por sua vida. Ele deveria ter confiado que D-s o salvaria e a sua esposa e a todos os seus pertences, pois D-s certamente tem o poder de ajudar e salvar. O fato de ele ter deixado a terra a respeito da qual ele havia sido ordenado desde o início, por causa da fome, também foi um pecado que ele cometeu, pois na fome D-s o redimiria da morte. Foi por causa desse feito que o exílio na terra do Egito pelas mãos de Faraó foi decretado para seus filhos. [1]

Continue lendo LECH LECHA

Continue lendo %s

NOACH

Além da Natureza

Somos naturalmente bons ou naturalmente maus? Sobre isso, grandes mentes têm argumentado por um longo tempo, de fato. Hobbes acreditava que temos naturalmente “um desejo perpétuo e inquieto de poder após poder, que só cessa na morte”. [1] Somos maus, mas os governos e a polícia podem ajudar a limitar os danos que causamos. Rousseau, ao contrário, acreditava que somos naturalmente bons. É a sociedade e suas instituições que nos tornam maus. [2] Continue lendo NOACH

Continue lendo %s

BERESHIT

A Gênese da Justiça

Existem palavras que mudam o mundo, e nada mais do que duas frases assim aparecem no primeiro capítulo da Torá:

Então D-s disse: “Façamos o homem à nossa imagem, à nossa semelhança, para que governe sobre os peixes do mar e os pássaros do céu, sobre o gado e todos os animais selvagens, e sobre todas as criaturas que se movem ao longo do solo.”
Então D-s criou a humanidade à Sua própria imagem, à imagem de D-s os criou; homem e mulher os criou. (Gen. 1: 26-27)

Continue lendo BERESHIT

Continue lendo %s

HORÁRIOS DAS REZAS