VAYKRA

Posted on março 19, 2024

VAYKRA

As Dimensões do Pecado

Nossa parashá, que trata de uma variedade de sacrifícios, dedica uma seção extensa ao chattat, a oferta pelo pecado, trazida por diferentes indivíduos: primeiro o Sumo Sacerdote (Lev. 4:3-12), depois a comunidade como um todo (Lev. 4:13-21), depois um líder (Lev. 4:22-26) e finalmente um indivíduo comum (Lev. 4:27-35).

Toda a passagem soa estranha aos ouvidos modernos, não só porque os sacrifícios não foram oferecidos durante quase dois milénios desde a destruição do Segundo Templo, mas também porque é difícil para nós compreendermos os próprios conceitos de pecado e expiação tal como são tratados na Torá.

O enigma é que os pecados pelos quais uma oferenda tinha que ser trazida eram aqueles cometidos inadvertidamente,  beshogeg. Ou o pecador havia esquecido a lei, ou algum fato relevante. Para dar um exemplo contemporâneo: suponha que o telefone toque no Shabat e você atenda. Você só seria responsável por uma oferta pelo pecado se esquecesse a lei que proíbe atender o telefone no Shabat ou se esquecesse o fato de que aquele dia era Shabat. Se, por um momento, você pensou que era sexta ou domingo. Então o seu pecado foi inadvertido.

Este é o tipo de ato que não tendemos a ver como pecado. Isso foi um erro. Você esqueceu. Você não queria fazer nada de errado. E quando você percebe que inadvertidamente violou o Shabat, é mais provável que sinta arrependimento do que remorso. Você sente muito, mas não se sente culpado.

Pensamos em pecado como algo que fizemos intencionalmente, talvez cedendo à tentação, ou num momento de rebelião. Isto é o que a lei judaica chama de be-zadon em hebraico bíblico ou be-mezid em hebraico rabínico. Esse é o tipo de ato que teríamos pensado que exigia uma oferta pelo pecado. Mas, na verdade, tal ato não pode ser expiado por meio de uma oferenda. Então, como devemos entender a oferta pelo pecado?

A resposta é que existem três dimensões de injustiça entre nós e D-s. O primeiro é culpa e vergonha. Quando pecamos deliberada e intencionalmente, sabemos interiormente que erramos. A nossa consciência – a voz de D-s dentro do coração humano – diz-nos que erramos. Foi isso que aconteceu com Adam e Chava no Jardim do Éden depois de terem pecado. Eles sentiram vergonha. Eles tentaram se esconder. Para esse tipo de pecado deliberado, consciente e intencional, a única resposta moral adequada é a teshuvá, arrependimento. Isto envolve (a) remorso, charatah, (b) confissão, vidui, e (c) kabbalat he-atid, uma resolução de nunca mais cometer o pecado novamente. O resultado é selichah umechilah, D-s nos perdoa. Um mero sacrifício não é suficiente.

No entanto, existe uma segunda dimensão. Independentemente da culpa e da responsabilidade, se cometermos um pecado, transgredimos objetivamente um limite. A palavra chet  significa errar o alvo, afastar-se, desviar-se do caminho correto. Cometemos um ato que de alguma forma perturba o equilíbrio moral do mundo. Para dar outro exemplo secular, imagine que seu carro tem um velocímetro com defeito. Você foi pego dirigindo a 80 km por hora em uma zona de 60 km por hora. Você diz ao policial que o detém que você não sabia. Seu velocímetro mostrava apenas 60 km por hora. Ele pode simpatizar, mas você ainda infringiu a lei. Você transgrediu o limite de velocidade, ainda que sem saber, e terá que pagar a multa.

Isso é o que é uma oferta pelo pecado. Segundo o Rabino Shimshon Raphael Hirsch, é uma penalidade por descuido. Segundo o Sefer Ha-Chinuch é uma medida educativa e preventiva. As ações, no Judaísmo, são a forma como treinamos a mente. O fato de você ter pago o preço ao fazer um sacrifício fará com que você tome mais cuidado no futuro.

O rabino Isaac Arama (que viveu na Espanha no século XV) diz que a diferença entre um pecado intencional e um pecado não intencional é que, no primeiro caso, tanto o corpo quanto a alma foram os culpados. No caso de um pecado não intencional, apenas o corpo era o culpado, não a alma. Portanto, um sacrifício físico ajuda, já que foi apenas o ato físico do corpo que estava errado. Um sacrifício físico não pode expiar um pecado deliberado, porque não pode corrigir um erro na alma.

O que o sacrifício alcança é  kapparah, não o perdão como tal, mas uma “cobertura” ou obliteração do pecado. Noé foi instruído a “cobrir” (ve-chapharta) a superfície da Arca com piche. (Gênesis 6:14) A tampa da Arca no Tabernáculo chamava-se kapporet. (Lev. 25:17) Uma vez que um pecado tenha sido simbolicamente encoberto, ele é perdoado, mas como aponta o Malbim, em tais casos o verbo para perdão, sl-ch, está sempre no passivo (venislach: Lev. 4:20, Lev. 4:26, Lev. 4:31). O perdão não é direto, como no caso do arrependimento, mas indireto, consequência do sacrifício.

A terceira dimensão do pecado é que ele contamina. Isso deixa uma mancha em seu personagem. Isaías, na presença de D-s, sente que tem “lábios impuros”. (Is 6.5) O rei David diz a D-s: “Lava-me completamente da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado” – “ me-chatati tahareni”. (Sal. 51:4)

Sobre Yom Kippur a Torá diz:

“Naquele dia será feita expiação por vós, para vos purificar [lether etchem]. Então, diante do Senhor, você estará limpo de todos os seus pecados”. Lev. 16:30

Ramban diz que esta é a lógica da oferta pelo pecado. Todos os pecados, mesmo aqueles cometidos inadvertidamente, têm consequências. Cada um deles “deixa uma mancha na alma e constitui um defeito nela, e a alma só está apta a encontrar seu Criador quando tiver sido purificada de todo pecado”. (Ramban para Lev. 4:2)

O resultado da oferta pelo pecado é tehora, limpeza, purificação. Portanto, a oferta pelo pecado não trata da culpa, mas de outras dimensões da transgressão. É uma das características mais estranhas da civilização ocidental, em parte devido ao cristianismo paulino, e em parte à influência do filósofo Immanuel Kant, que tendemos a pensar sobre a moralidade e a espiritualidade como questões quase exclusivamente relacionadas com a mente e os seus motivos. Mas os nossos atos deixam rastros no mundo. E mesmo os pecados não intencionais podem fazer com que nos sintamos contaminados.

A lei da oferta pelo pecado nos lembra que podemos causar danos involuntariamente, e isso pode ter consequências psicológicas. A melhor maneira de corrigir as coisas é fazer um sacrifício: fazer algo que nos custe alguma coisa.

Nos tempos antigos, isso assumia a forma de um sacrifício oferecido no altar do Templo. Hoje em dia a melhor maneira de fazer isso é doar dinheiro para caridade (tzedaká) ou realizar um ato de bondade para com os outros (chessed). O Profeta disse há muito tempo, em nome de D-s:

“Pois eu desejo benevolência, não sacrifício.” Oseias 6:6

Caridade e bondade são nossos substitutos para o sacrifício e, como a antiga oferta pelo pecado, ajudam a consertar o que está quebrado no mundo e em nossa alma.

 

 

Texto original “The Dimensions of Sin” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

TAZRIA

Otelo, WikiLeaks e paredes mofadas Foi a Septuaginta, a antiga tradução grega da Bíblia Hebraica, que traduziu tsara’at,...

Leia mais →

SHEMINI

Espontaneidade: Boa ou Ruim? Shemini conta a trágica história de como a grande inauguração do Tabernáculo, um dia sobre o qua...

Leia mais →

TZAV

Por Que as Civilizações Morrem Em The Watchman’s Rattle, com o subtítulo Thinking Our Way Out of Extinction, Rebecca Cos...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS