KI TETSÊ

Posted on agosto 18, 2021

KI TETSÊ

Contra o Ódio

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Ki Tetsê contém mais leis do que qualquer outra parashá na Torá, e é possível ser dominado por essa confusão de riqueza de detalhes. Um versículo, no entanto, se destaca por seu puro contra-senso:

Não despreze um edomita, porque ele é seu irmão. Não despreze o egípcio, porque você foi um estrangeiro em sua terra. (Deut. 23: 8)

Esses são comandos muito inesperados. Examiná-los e compreendê-los nos ensinará uma lição importante sobre a sociedade em geral e sobre liderança em particular.

Primeiro, um ponto mais amplo. Os judeus estão sujeitos ao racismo há mais e mais tempo do que qualquer outra nação do mundo. Portanto, devemos ser duplamente cuidadosos para nunca sermos culpados disso. Acreditamos que D-s criou cada um de nós, independentemente da cor, classe, cultura ou credo, à Sua imagem. Se desprezarmos as outras pessoas por causa de sua raça, estaremos degradando a imagem de D-s e deixando de respeitar kavod ha-briyot, a dignidade humana.

Se pensarmos menos de uma pessoa por causa da cor de sua pele, estamos repetindo o pecado de Aharon e Miriam – “Miriam e Aharon falaram contra Moisés por causa da mulher cushita[1] com quem ele se casou, pois ele se casou com uma mulher cushita”. (Num. 12: 1) Existem interpretações midráshicas que leem esta passagem de forma diferente, mas o sentido claro é que eles desprezaram a esposa de Moisés porque, como as mulheres cushitas em geral, ela tinha pele escura, tornando este um dos primeiros exemplos registrados de preconceito de cor. Por causa desse pecado, Miriam ficou com lepra.

Em vez disso, devemos nos lembrar da adorável frase de Cântico dos Cânticos: “Sou negra e linda, ó filhas de Jerusalém, como as tendas de Quedar, como as cortinas de Salomão. Não me encarem porque sou negra, porque o sol olhou para mim”. (Cântico dos Cânticos 1: 5)

Os judeus não podem reclamar que outros têm atitudes racistas em relação a eles, se eles mantiverem atitudes racistas em relação aos outros. “Primeiro corrija-se; então [procure] corrigir os outros”, diz o Talmud. (Baba Metzia 107b) O Tanach contém avaliações negativas de algumas outras nações, mas sempre e apenas por causa de suas falhas morais, nunca por causa da etnia ou da cor da pele.

Agora, as duas ordens de Moisés contra o ódio, [1] ambas as quais são surpreendentes. “Não despreze o egípcio, porque você foi um estranho em sua terra.” Isso é extraordinário. Os egípcios escravizaram os israelitas, planejaram um programa de genocídio lento contra eles e então se recusaram a deixá-los ir, apesar das pragas que estavam devastando a terra. São essas razões para não odiar?

Verdadeiro. Mas os egípcios inicialmente forneceram um refúgio para os israelitas em uma época de fome. Eles homenagearam José quando ele foi elevado como o segundo em comando do Faraó. Os males que cometeram contra os hebreus sob “um novo Rei que não sabia de José” (Ex. 1: 8) foram instigados pelo próprio Faraó, não pelo povo como um todo. Além disso, foi a filha desse mesmo Faraó que resgatou Moisés e o adotou.

A Torá faz uma distinção clara entre os egípcios e os amalequitas. Os últimos estavam destinados a ser inimigos perenes de Israel, mas os primeiros não. Mais tarde, Isaías faria uma profecia notável – que chegaria o dia em que os egípcios sofreriam sua própria opressão. Eles clamariam a D-s, que os resgataria assim como Ele resgatou os israelitas:

Quando clamarem ao Senhor por causa de seus opressores, Ele lhes enviará um salvador e defensor e os resgatará. Assim, o Senhor se dará a conhecer aos egípcios e, naquele dia, eles reconhecerão o Senhor. (Isaías 19: 20-21)

A sabedoria da ordem de Moisés de não desprezar os egípcios ainda brilha hoje. Se o povo tivesse continuado a odiar seus opressores de outrora, Moisés teria tirado os israelitas do Egito, mas teria falhado em tirar o Egito dos israelitas. Eles teriam continuado a ser escravos, não fisicamente, mas psicologicamente. Eles seriam escravos do passado, mantidos cativos pelas correntes do ressentimento, incapazes de construir o futuro. Para ser livre, você tem que abandonar o ódio. Essa é uma verdade difícil, mas necessária.

Não menos surpreendente é a insistência de Moisés: “Não desprezes o edomita, porque é teu irmão”. Edom era, é claro, o outro nome de Esaú. Houve um tempo em que Esaú odiava Jacó e jurou matá-lo. Além disso, antes de os gêmeos nascerem, Rebecca recebeu um oráculo que lhe dizia: “Duas nações estão em seu ventre, e dois povos de dentro de você serão separados; um povo será mais forte do que o outro, e o mais velho servirá ao mais jovem.” (Gênesis 25:23) O que quer que essas palavras signifiquem, elas parecem implicar que haverá conflito eterno entre os dois irmãos e seus descendentes.

Muito mais tarde, durante o período do Segundo Templo, o Profeta Malaquias disse: “’Não era Esaú irmão de Jacó?’ declara o Senhor. ‘Ainda assim, eu amei Jacó, mas a Esaú eu odiei…”. (Malaquias 1:2-3)

Séculos mais tarde, Rabi Shimon bar Yochai disse: “É uma halachá [regra, lei, verdade inescapável] que Esaú odeia Jacó.” [2] Por que então Moisés nos diz para não desprezar os descendentes de Esaú?

A resposta é simples. Esaú pode odiar Jacó, mas isso não quer dizer que Jacó deva odiar Esaú. Responder ao ódio com ódio é ser rebaixado ao nível de seu oponente. Quando, durante um programa de televisão, perguntei a Judea Pearl, pai do jornalista assassinado Daniel Pearl, por que ele estava trabalhando pela reconciliação entre judeus e muçulmanos, ele respondeu com uma lucidez de partir o coração: “O ódio matou meu filho. Portanto, estou determinado a lutar contra o ódio”. Como escreveu Martin Luther King Jr: “As trevas não podem expulsar as trevas; só a luz pode fazer isso. O ódio não pode expulsar o ódio, apenas o amor pode fazer isso.” [3] Ou, como disse Kohelet, há “um tempo para amar e um tempo para odiar, um tempo para a guerra e um tempo para a paz”. (Ec 3: 8)

Foi ninguém menos que Rabi Shimon bar Yochai que disse que quando Esaú encontrou Jacó pela última vez, ele o beijou e abraçou “de todo o coração”. [4] O ódio, especialmente entre a família, não é eterno e inexorável. Esteja sempre pronto, Moisés parece ter sugerido, para a reconciliação entre os inimigos.

A Teoria Contemporânea dos Jogos – o estudo da tomada de decisão – sugere o mesmo. O programa “Generoso olho por olho” de Martin Nowak é uma estratégia vencedora no cenário conhecido como o Dilema do Prisioneiro Iterado[2], um exemplo criado para o estudo da cooperação de dois indivíduos. Olho por olho diz: comece sendo legal com seu oponente, depois faça com ele o que ele faz com você (em hebraico, middah keneged middah) O Generoso olho por olho diz: nem sempre faça com eles o que eles fazem com você, pois você pode se ver preso em um ciclo mutuamente destrutivo de retaliação. De vez em quando, ignore (ou seja, perdoe) o último movimento prejudicial de seu oponente. Isso, grosso modo, é o que os Sábios quiseram dizer quando disseram que D-s originalmente criou o mundo sob o atributo da justiça estrita, mas viu que ele não poderia sobreviver somente por isso. Portanto, Ele construiu nele o princípio da compaixão. [5]

Os dois mandamentos de Moisés contra o ódio são um testemunho de sua grandeza como líder. É a coisa mais fácil do mundo se tornar um líder mobilizando as forças do ódio. Isso é o que Radovan Karadzic e Slobodan Milosevic fizeram na ex-Iugoslávia e isso levou a assassinatos em massa e limpeza étnica. É o que a mídia controlada pelo Estado fez – descrevendo os tutsis como inyenzi (“baratas”) – antes do genocídio de 1994 em Ruanda. É o que dezenas de pregadores do ódio estão fazendo hoje, muitas vezes usando a Internet para comunicar paranoia e incitar atos de terror. Finalmente, esta foi a técnica dominada por Hitler como um prelúdio para o pior crime de humanos contra a humanidade.

A linguagem do ódio é capaz de criar inimizade entre pessoas de diferentes crenças e etnias que viveram juntos em paz por séculos. Tem sido consistentemente a força mais destrutiva da história, e mesmo o conhecimento do Holocausto não pôs fim a isso, mesmo na Europa. É a marca inconfundível da liderança tóxica.

Em seu trabalho clássico, Liderança, James MacGregor Burns distingue entre líderes transacionais e transformacionais. Os primeiros atendem aos interesses das pessoas. Os últimos tentam elevar seus pontos de vista. “Transformar a liderança é elevar. É moral, mas não moralista. Os líderes se envolvem com os seguidores, mas a partir de níveis mais elevados de moralidade; no enredamento de objetivos e valores, tanto os líderes quanto os seguidores são elevados a níveis de julgamento com mais princípios”. [6]

A liderança em seu nível mais alto transforma aqueles que a exercem e aqueles que são influenciados por ela. Os grandes líderes tornam as pessoas melhores, mais gentis, mais nobres do que seriam de outra forma. Essa foi a conquista de Washington, Lincoln, Churchill, Gandhi e Mandela. O caso paradigmático foi Moisés, o homem que teve uma influência mais duradoura do que qualquer outro líder na história.

Ele fez isso ensinando os israelitas a não odiar. Um bom líder sabe: odeie o pecado, mas não o pecador. Não se esqueça do passado, mas não seja mantido cativo por ele. Esteja disposto a lutar contra seus inimigos, mas nunca se deixe ser definido por eles ou se torne como eles. Aprenda a amar e perdoar. Reconheça o mal que os homens fazem, mas mantenha o foco no bem que está em nosso poder fazer. Somente assim elevamos a visão moral da humanidade e ajudamos a redimir o mundo que compartilhamos.

 

[1] Cushita, do antigo império de Cush, localizado ao sul do Nilo, no atual Sudão.

[2] No dilema do prisioneiro iterado, a cooperação pode obter-se como um resultado de equilíbrio. Aqui joga-se repetidamente, e quando se repete o jogo, oferece-se a cada jogador a oportunidade de castigar o outro jogador pela não cooperação em jogos anteriores. Wikipédia

 

NOTAS
[1] Sempre que me refiro, aqui e em qualquer outro lugar, aos “comandos de Moisés”, quero dizer, é claro, que eles foram dados a Moisés por instrução e revelação divina, e assim ele os transmitiu a nós. Em um sentido profundo, é por isso que D-s escolheu Moisés, um homem que disse repetidamente de si mesmo que não era um homem de palavras. As palavras que Moisés falou eram de D-s. Isso, e somente isso, é o que lhes dá autoridade atemporal para o povo da aliança.
[2] Sifrei , Bamidbar, Beha’alotecha , 69.
[3] Strength to Love (Minneapolis, Minn.: Fortress Press, 1977), 53.
[4] Sifrei ad loc.
[5] Ver Rashi em Gênesis 1: 1, sv bara .
[6] James MacGregor Burns, Leadership , Harper Perennial, 2010, 455.

 

Texto original “Against Hate” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

HAAZINU

Chamado de um Líder para a Responsabilidade O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation ...

Leia mais →

VAYELECH

Consenso vs. Comando? O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em...

Leia mais →

TIO RICCO

SÉRIO OU SERIEDADE? Frequentemente vejo as pessoas reclamando de pequenas coisas da vida que deveríamos, se não ser gratos, ao ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS