TZAV

Posted on março 15, 2022

TZAV

Violência e o Sagrado

Por que sacrifícios? Certamente, eles não fazem parte da vida do judaísmo desde a destruição do Segundo Templo, há quase dois mil anos. Mas por que, se eles são um meio para um fim, D-s escolheu esse fim? Esta é, naturalmente, uma das questões mais profundas do judaísmo, e há muitas respostas. Aqui quero explorar apenas uma, dada pela primeira vez pelo pensador judeu do início do século XV, Rabi Joseph Albo, em seu Sefer HaIkkarim.

A teoria de Albo tomou como ponto de partida não sacrifícios, mas duas outras questões. A primeira: por que, após o dilúvio, D-s permitiu que os seres humanos comessem carne? (Gn 9:3-5) Inicialmente, nem os seres humanos nem os animais comiam carne. (Gn 1:29-30) O que fez com que D-s, por assim dizer, mudasse de ideia? A segunda: o que havia de errado com o primeiro ato de sacrifício, a oferta de Caim de “alguns dos frutos do solo”? (Gn 4:3-5) A rejeição de D-s dessa oferta levou diretamente ao primeiro assassinato, quando Caim matou Abel. O que estava em jogo na diferença entre as ofertas que Caim e Abel trouxeram a D-s?

Albo acreditava que matar animais por comida é inerentemente errado. Envolve tirar a vida de um ser senciente para satisfazer nossas necessidades. Caim também sabia que isso era verdade. Ele acreditava que havia um forte parentesco entre humanos e outros animais. É por isso que ele ofereceu não um sacrifício animal, mas vegetal. Seu erro, de acordo com Albo, é que ele deveria ter trazido frutas, não vegetais – o mais alto, não o mais baixo, dos produtos não carne. Abel, ao contrário, acreditava que havia uma diferença qualitativa entre pessoas e animais. Não havia D-s dito aos primeiros humanos: “Dominará sobre os peixes do mar e as aves do céu e sobre toda criatura vivente que se move na terra”? É por isso que Abel trouxe um sacrifício animal.

Uma vez que Caim viu que o sacrifício de Abel havia sido aceito enquanto o seu não o era, ele raciocinou assim: se D-s, que nos proíbe matar animais para comer, permite e até favorece matar um animal como sacrifício, e se, como Caim acreditava, não há não há diferença fundamental entre os seres humanos e os animais, então oferecerei o ser vivo mais elevado como sacrifício a D-s, ou seja, meu irmão Abel. Segundo esse raciocínio, diz Rabi Albo, Caim matou Abel como sacrifício humano.

É por isso que D-s permitiu o consumo de carne após o dilúvio. Antes do Dilúvio, o mundo estava “cheio de violência”. Talvez a violência seja uma parte inerente da natureza humana. Se fosse permitido à humanidade existir, D-s teria que diminuir Suas exigências. Deixe os humanos matarem animais, disse Ele, em vez de matar seres humanos – a única forma de vida que não é apenas criação de D-s, mas também à imagem de D-s. Daí a sequência quase ininteligível de versículos depois que Noach e sua família emergem em terra seca:

Então Noach construiu um altar ao Senhor e, tomando alguns de todos os animais limpos e aves limpas, ele ofereceu holocaustos sobre ele. O Senhor sentiu o aroma agradável e disse em Seu coração: “Nunca mais amaldiçoarei a terra por causa do homem, ainda que toda inclinação de seu coração seja má desde a infância…”

Então D-s abençoou Noach e seus filhos, dizendo-lhes…

“Tudo o que vive e se move será alimento para você. Assim como te dei as plantas verdes, agora te dou tudo…

Quem derramar o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado; pois à imagem de D-s D-s fez a humanidade”. Gn 8:29–9:6

Segundo Albo, a lógica da passagem é clara. Noach oferece um sacrifício animal em ação de graças por ter sobrevivido ao Dilúvio. D-s vê que os seres humanos precisam dessa forma de se expressar. Eles são geneticamente predispostos à violência (“toda inclinação de seu coração é má desde a infância”). Para que a sociedade sobreviva, os humanos precisarão ser capazes de direcionar sua violência contra animais não humanos, seja como comida ou oferendas de sacrifício. A linha crucial a ser traçada é entre o humano e o não-humano. A permissão para matar animais é acompanhada por uma proibição absoluta de matar seres humanos, “pois à imagem de D-s, D-s fez a humanidade”.

Não é que D-s aprove matar animais, seja para sacrifício ou comida, mas proibir isso aos seres humanos, dada sua predisposição genética ao derramamento de sangue, é utópico. Não é para agora, mas para o fim dos dias. Até então, a solução menos pior é deixar que as pessoas matem animais em vez de matar seus semelhantes. Os sacrifícios de animais são uma concessão à natureza humana. [1] Os sacrifícios são um substituto para a violência dirigida contra a humanidade.

O pensador contemporâneo que mais fez para reviver esse entendimento é o crítico literário e antropólogo filosófico franco-americano René Girard, em livros como Violência e o SagradoO Bode Expiatório e Coisas Ocultas Desde a Fundação do Mundo. O denominador comum em sacrifícios, ele argumenta, é:

…violência interna – todas as dissensões, rivalidades, ciúmes e brigas dentro da comunidade que os sacrifícios visam suprimir. O objetivo do sacrifício é restaurar a harmonia da comunidade, reforçar o tecido social. Todo o resto deriva disso. [2]

A pior forma de violência dentro e entre as sociedades é a vingança, “um processo interminável e infinitamente repetitivo”. Isso está de acordo com o ditado de Hillel, ao ver um crânio humano flutuando na água:

“Porque você afogou os outros, eles o afogaram, e aqueles que o afogaram acabarão por se afogar.” Mishná Avot 2:7

Não há fim natural para o ciclo de retaliação e vingança. Os Montecchios continuam matando e sendo mortos pelos Capuletos. Assim como os Tattaglias e os Corleones, e os outros grupos rivais na ficção e na história. É um ciclo destrutivo que devastou comunidades inteiras. Segundo Girard, esse foi o problema que o ritual religioso foi desenvolvido para resolver. O ato religioso primário, diz ele, é o sacrifício, e o sacrifício primário é o bode expiatório. Se as tribos A e B, que estiveram lutando, puderem sacrificar um membro da tribo C, então ambas terão saciado seu desejo de derramamento de sangue sem convidar à vingança, especialmente se a tribo C não estiver em posição de retaliar. Os sacrifícios desviam a energia destrutiva da reciprocidade violenta.

Por que então, se a violência está embutida na natureza humana, os sacrifícios são uma característica das sociedades antigas e não modernas? Porque, argumenta Girard, existe outra maneira mais eficaz de acabar com a vingança:

A vingança é um círculo vicioso cujo efeito sobre as sociedades primitivas só pode ser conjecturado. Para nós, o círculo foi quebrado. Devemos nossa sorte a uma de nossas instituições sociais acima de tudo: nosso sistema judicial, que serve para desviar a ameaça de vingança. O sistema não suprime a vingança; em vez disso, limita-se efetivamente a um único ato de represália, decretado por uma autoridade soberana especializada nessa função específica. As decisões do judiciário são invariavelmente apresentadas como a palavra final sobre a vingança. [3]

A terminologia de Girard aqui não é uma que possamos concordar. Justiça não é vingança. Retribuição não é vingança. A vingança é inerentemente Eu-Tu, ou Nós-Eles. É pessoal. A retribuição é impessoal. Já não são os Montecchios versus os Capuletos, mas ambos sob o julgamento imparcial da lei. Mas o ponto substantivo de Girard é correto e essencial. O único antídoto eficaz para a violência é o Estado de Direito.

A teoria de Girard confirma a visão de Albo. O sacrifício (como o consumo de carne) entrou no judaísmo como substituto da violência. Também nos ajuda a entender a profunda percepção dos Profetas de que os sacrifícios não são fins em si mesmos, mas parte do programa da Torá para criar um mundo redimido do ciclo interminável de vingança. A outra parte desse programa, e o maior desejo de D-s, é um mundo governado pela justiça. Isso, lembramos, foi Seu primeiro encargo a Abraham, para “instruir seus filhos e sua casa depois dele a guardar o caminho do Senhor, fazendo o que é certo e justo”. (Gn 18:19)

Temos, portanto, ultrapassado aquele estágio na história humana em que os sacrifícios de animais têm um ponto? A justiça se tornou uma realidade poderosa o suficiente para que não precisemos mais de rituais religiosos para desviar a violência entre os seres humanos? Infelizmente, a resposta é não. O colapso da União Soviética, a queda do Muro de Berlim e o fim da Guerra Fria levaram alguns pensadores a argumentar que havíamos chegado ao “fim da história”. Não haveria mais guerras ideológicas. Em vez disso, o mundo se voltaria para a economia de mercado e a democracia liberal. [4]

A realidade era radicalmente diferente. Houve ondas de conflito étnico e violência na Bósnia, Kosovo, Chechênia e Ruanda, seguidas por conflitos ainda mais sangrentos em todo o Oriente Médio, África Subsaariana e partes da Ásia. Em seu livro The Warrior’s Honor, Michael Ignatieff ofereceu a seguinte explicação de por que isso aconteceu:

O principal obstáculo moral no caminho da reconciliação é o desejo de vingança. Agora, a vingança é comumente considerada como uma emoção baixa e indigna, e porque é considerada como tal, seu profundo domínio moral sobre as pessoas raramente é compreendido. Mas a vingança – moralmente considerada – é um desejo de manter a fé com os mortos, honrar sua memória, retomando sua causa de onde pararam. A vingança mantém a fé entre gerações…

Este ciclo de recriminação intergeracional não tem um fim lógico… Mas é a própria impossibilidade de vingança intergeracional que prende as comunidades na compulsão de repetir…

A reconciliação não tem chance contra a vingança a menos que respeite as emoções que sustentam a vingança, a menos que possa substituir o respeito inerente à vingança por rituais em que as comunidades uma vez em guerra aprendem a chorar seus mortos juntas.

Michael Ignatieff, A Honra do Guerreiro: Guerra Étnica e a Consciência Moderna (Toronto: Penguin, 2006), pp. 188–190.

Longe de falar de uma época há muito perdida e esquecida, as leis do sacrifício nos dizem três coisas tão importantes agora quanto naquela época:

Primeiro, a violência ainda faz parte da natureza humana, nunca mais perigosa do que quando combinada com uma ética de vingança.

Em segundo lugar, em vez de negar sua existência, devemos encontrar maneiras de redirecioná-lo para que não reivindique ainda mais sacrifícios humanos.

Terceiro, a única alternativa definitiva aos sacrifícios, animais ou humanos, é a primeira proposta há milênios pelos Profetas do antigo Israel, poucos mais poderosamente do que Amós:

Ainda que você me traga holocaustos e ofertas de cereais, eu não os aceitarei…

Mas que a justiça corra como um rio,

E a justiça como um riacho que nunca falha. Amós 5:23–24

 

NOTAS
[1] Sobre por que D-s nunca escolhe mudar a natureza humana, veja Rambam, The Guide for the Perplexed , III:32.
[2] Rene Girard, Violência e o Sagrado (Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1977), p. 8.
[3] Ibid., pág. 15.
[4] Francis Fukuyama, The End of History and the Last Man (Nova York: Free Press, 1992).

 

Texto original “Violence and the Sacred” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

SHELACH

Montando Lembretes Imagine o seguinte: você está dirigindo um pouco acima do limite de velocidade. Você vê um carro de políci...

Leia mais →

BEHALOTCHA

Da Dor à Humildade David Brooks, em seu livro best-seller, The Road to Character, [1] traça uma nítida distinção entre o qu...

Leia mais →

NASSO

Sábios e Santos A Parshá Nasso contém as leis relativas ao nazireu – um indivíduo que se comprometeu a observar regras e...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS