VAYKRA

Posted on março 17, 2021

VAYKRA

Os Pecados de um Líder

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Como já discutimos tantas vezes neste ano, os líderes cometem erros. Isso é inevitável. Então, surpreendentemente, nossa parashá de Vayikra conclui. A verdadeira questão é como os líderes respondem aos seus erros.

O ponto é enfatizado pela Torá de uma forma muito sutil. Nossa parashá lida com as ofertas pelo pecado a serem trazidas quando as pessoas cometem erros. O termo técnico para isso é sheggagah, que significa irregularidades inadvertidas. (Lev. 4: 1-35) Você fez algo sem saber que era proibido, ou porque se esqueceu ou não conhecia a lei, ou porque não tinha conhecimento de certos fatos. Você pode, por exemplo, ter carregado algo em um local público no Shabat, talvez porque você não sabia que era proibido carregar, ou você esqueceu o que estava em seu bolso, ou porque esqueceu que era o Shabat.

A Torá prescreve diferentes ofertas pelo pecado, dependendo de quem cometeu o erro. Ele enumera quatro categorias. O primeiro é o Sumo Sacerdote, o segundo é “toda a comunidade” (entendida como significando o Grande Sinédrio, a Suprema Corte), o terceiro é “o líder” (Nasi) e o quarto é um indivíduo comum.

Em três dos quatro casos, a lei é introduzida pela palavra im, “se” – se tal pessoa comete um pecado. No caso do líder, no entanto, a lei é precedida pela palavra asher, “quando”. (Lev. 4:22) É possível que um Sumo Sacerdote, a Suprema Corte ou um indivíduo possa errar. Mas, no caso de um líder, é provável ou mesmo certo. Os líderes cometem erros. É inevitável, é o risco ocupacional de seu papel. Falando sobre o pecado de um Nasi, a Torá usa a palavra “quando”, não “se”.

Nasi é a palavra genérica para um líder: um governante, rei, juiz, ancião ou príncipe. Normalmente se refere ao detentor do poder político. Na época da Mishna, os Nasi, os mais famosos dos quais eram líderes da família de Hillel, tinham um papel quase governamental como representantes do povo judeu junto ao governo romano. O Rabino Moses Sofer (Bratislava, 1762-1839) em uma de suas responsa [1] examina a questão do porquê, quando as posições de liderança da Torá nunca são dinásticas (nunca passadas de pai para filho), o papel de Nasi foi uma exceção. Frequentemente, esse papel passou de pai para filho. A resposta que ele dá, e é historicamente perspicaz, é que com o declínio da monarquia no período do Segundo Templo e depois disso, o Nasi assumiu muitas das responsabilidades de um rei. Seu papel, interna e externamente, era tanto político e diplomático quanto religioso. Em geral, é isso que significa a palavra Nasi.

Por que a Torá considera este tipo de liderança particularmente sujeito a erros? Os comentaristas oferecem três explicações possíveis. R. Ovadiah Sforno (para Lev. 4: 21–22) cita a frase “Mas Yeshurun engordou e chutou”. (Deut. 32:15) Aqueles que têm vantagens sobre os outros, seja de riqueza ou poder, podem perder seu senso moral. Rabbeinu Bachya concorda, sugerindo que os governantes tendem a se tornar arrogantes e altivos. Implícita nesses comentários – na verdade é um tema importante do Tanach como um todo – está a ideia mais tarde declarada por Lord Acton no aforismo: “O poder tende a corromper, e o poder absoluto corrompe de maneira absoluta.” [2]

Elie Munk, citando o Zohar, oferece uma segunda explicação. O Sumo Sacerdote e o Sinédrio estavam em contato constante com o que era sagrado. Eles viviam em um mundo de ideais. O rei ou governante político, ao contrário, estava envolvido em assuntos seculares: guerra e paz, administração do governo e relações internacionais. Eles eram mais propensos a pecar porque suas preocupações do dia a dia não eram religiosas, mas pragmáticas. [3]

Meir Simcha ha-Cohen de Dvinsk [4] aponta que um rei era especialmente vulnerável a ser desencaminhado pelo sentimento popular. Nem um sacerdote nem um juiz no Sinédrio eram responsáveis perante o povo. O rei, porém, contava com o apoio popular. Sem isso, ele poderia ser deposto. Mas isso está carregado de riscos. Fazer o que as pessoas querem nem sempre é fazer o que D-s deseja. Isso, R. Meir Simcha argumenta, é o que levou David a ordenar um censo (2 Sam. 24), e Zedequias a ignorar o conselho de Jeremias e se rebelar contra o Rei da Babilônia (2 Cr 36). Assim, por uma série de razões, um líder político está mais exposto à tentação e ao erro do que um sacerdote ou juiz.

Existem outras razões. [5] Uma é que a política é uma arena de conflito. Ela trata de questões – especificamente de riqueza e poder – que são de curto prazo, jogos de soma zero[1]. ‘Quanto mais eu tenho, menos você tem. Procurando maximizar os benefícios para mim ou para o meu grupo, entro em conflito com outras pessoas que procuram maximizar os benefícios para si ou para o seu grupo. ‘A política das sociedades livres está sempre cheia de conflitos. As únicas sociedades onde não há conflito são as tirânicas ou totalitárias, nas quais as vozes dissidentes são suprimidas – e o judaísmo é um protesto permanente contra a tirania. Portanto, em uma sociedade livre, qualquer curso que um político adote irá agradar a alguns e irritar outros. Disto, não há como escapar.

A política envolve julgamentos difíceis. Um líder deve equilibrar reivindicações concorrentes e às vezes errará. Um exemplo – um dos mais fatídicos da história judaica – ocorreu após a morte do rei Salomão. As pessoas procuraram seu filho e sucessor, Roboão, reclamando que Salomão havia imposto fardos insustentáveis à população, principalmente durante a construção do Templo. Liderados por Jeroboão, eles pediram ao novo rei que reduzisse o fardo. Roboão pediu conselho aos conselheiros de seu pai. Disseram-lhe que cedesse à exigência do povo. Sirva-os, disseram, e eles servirão a você. Roboão voltou-se então para seus próprios amigos, que lhe disseram o contrário: Rejeite o pedido. Mostre às pessoas que você é um líder forte que não pode ser intimidado. (1 Reis 12: 1-15)

Foi um conselho desastroso e o resultado foi trágico. O reino se dividiu em dois, as dez tribos do norte seguindo Jeroboão, deixando apenas as tribos do sul, genericamente conhecidas como “Judá”, leais ao rei. Para Israel como um povo em sua própria terra, foi o começo do fim. Sempre um povo pequeno cercado por grandes e poderosos impérios, precisava de união, moral elevada e um forte senso de destino para sobreviver. Dividido, era apenas uma questão de tempo até que ambas as nações, Israel no norte, Judá no sul, caíssem nas mãos de outras potências.

A razão pela qual os líderes – ao contrário dos Juízes e Sacerdotes – não podem evitar cometer erros é que não existe um livro que ensine infalivelmente como liderar. Sacerdotes e juízes seguem as leis. Para a liderança, não existem leis porque cada situação é única. Como disse Isaiah Berlin em seu ensaio, ‘Julgamento político’ [6], no campo da ação política, existem poucas leis e, em vez disso, o que é necessário é habilidade para interpretar uma situação. Os estadistas de sucesso “captam a combinação única de características que constituem esta situação particular – esta e nenhuma outra”. Berlin compara isso ao dom de grandes romancistas como Tolstoi e Proust. [7] A aplicação de regras inflexíveis a um cenário político em constante mudança destrói as sociedades. O comunismo era assim. Em sociedades livres, as pessoas mudam, a cultura muda, o mundo além das fronteiras de uma nação não para. Portanto, um político descobrirá que o que funcionou há uma década ou um século não funciona agora. Na política, é fácil errar, difícil acertar.

Há mais um motivo pelo qual a liderança é tão desafiadora. É aludido pelo Sábio da Mishna, R. Nechemiah, comentando o versículo, “Meu filho, se você colocou segurança para o seu vizinho, se você deu a sua mão em penhor por outro” (Prov. 6: 1):

Enquanto um homem for um associado [isto é, preocupado apenas com a piedade pessoal], ele não precisa se preocupar com a comunidade e não é punido por causa dela. Mas, uma vez que um homem é colocado à frente e veste o manto do cargo, ele não pode dizer: ‘Tenho que cuidar do meu bem-estar, não estou preocupado com a comunidade.’ Em vez disso, todo o fardo dos assuntos comunitários repousa sobre ele. Se ele vir um homem agredindo seu próximo, ou cometendo uma transgressão, e não procurar impedi-lo, ele é punido por sua causa… você é responsável por ele. Você entrou na arena de gladiadores e quem entrar na arena será conquistado ou conquistará. [8]

Um indivíduo particular é responsável apenas por seus próprios pecados. Um líder é considerado responsável pelos pecados das pessoas que lidera: pelo menos aqueles que ele poderia ter evitado. [9] Com o poder vem a responsabilidade: quanto maior o poder, maior a responsabilidade.

Não existem regras universais, não existe um livro à prova de falhas para liderança. Cada situação é diferente e cada época traz seus próprios desafios. Um governante, no melhor interesse de seu povo, pode às vezes ter que tomar decisões que um indivíduo consciencioso evitaria tomar na vida privada. Eles podem ter que decidir travar uma guerra, sabendo que alguns morrerão. Eles podem ter que arrecadar impostos, sabendo que isso deixará alguns empobrecidos. Somente após o evento o líder saberá se a decisão foi justificada, e isso pode depender de fatores além de seu controle.

A abordagem judaica à liderança é, portanto, uma combinação incomum de realismo e idealismo – realismo em seu reconhecimento de que os líderes inevitavelmente cometem erros, idealismo em sua subordinação constante da política à ética, poder à responsabilidade, pragmatismo às demandas da consciência. O que importa não é que os líderes nunca errem – isso é inevitável, dada a natureza da liderança -, mas que eles estão sempre expostos à crítica profética e estudam constantemente a Torá para se lembrar de padrões transcendentes e objetivos finais. A coisa mais importante do ponto de vista da Torá é que um líder seja suficientemente honesto para admitir seus erros. Daí o significado da oferta pelo pecado.

Rabban Yochanan ben Zakkai resumiu com um brilhante duplo sentido na palavra asher, que significa “quando” na frase “quando um líder peca”. Ele relaciona isso com a palavra ashrei, “feliz”, e diz: Feliz é a geração cujo líder está disposto a trazer uma oferta pelo pecado por seus erros. [10]

A liderança exige dois tipos de coragem: a força para arriscar-se e a humildade para admitir quando fracassar.

[1] Jogos de soma zero – quando necessariamente um jogador ganhar implica em outro perder.

NOTAS
[1] Responsa Chatam Sofer, Orach Chayyim , 12.
[2] Esta frase famosa vem de uma carta escrita por Lord Acton em 1887. Ver Martin H. Manser e Rosalind Fergusson, The Facts on File Dictionary of Proverbs, New York: Facts on File, 2002, 225.
[3] Elie Munk, The Call of the Torah, Vayikra , New York, Mesorah Publications, 1992, 33.
[4] Meshech Chochmah para Lev. 4: 21-22.
[5] Isso, desnecessário dizer, não é o sentido claro do texto. Os pecados pelos quais os líderes traziam uma oferta eram ofensas espirituais, não erros de julgamento político.
[6] Isaiah Berlin, The Sense of Reality , Chatto e Windus, 1996, 40-53.
[7] Incidentalmente, isso responde ao ponto levantado pelo filósofo político Michael Walzer em seu livro sobre a política da Bíblia, In God’s Shadow . Ele está inegavelmente certo ao apontar que a teoria política, tão significativa na Grécia antiga, está quase completamente ausente da Bíblia Hebraica. Eu argumentaria, e Isaiah Berlin certamente o faria, que há uma razão para isso. Na política, existem poucas leis gerais, e a Bíblia Hebraica está interessada em leis. Mas quando se trata de política – para os reis de Israel, por exemplo – não há leis, mas, em vez disso, conta-se histórias.
[8] Êxodo Rabá, 27: 9.
[9] “Quem pode impedir os membros de sua casa de pecar e não o faz, é preso pelos pecados de sua casa. Se ele puder impedir seus concidadãos e não o fizer, será preso pelos pecados de seus concidadãos. Se ele pode impedir o mundo inteiro de pecar, e não o faz, ele é preso pelos pecados do mundo inteiro” (Shabat 54b).
[10] Tosefta Baba Kamma, 7: 5.

 

Texto original “Celebrate” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

HAAZINU

Chamado de um Líder para a Responsabilidade O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation ...

Leia mais →

VAYELECH

Consenso vs. Comando? O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em...

Leia mais →

TIO RICCO

SÉRIO OU SERIEDADE? Frequentemente vejo as pessoas reclamando de pequenas coisas da vida que deveríamos, se não ser gratos, ao ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS