BESHALACH

Posted on janeiro 26, 2021

BESHALACH

Olhando para Cima

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Os israelitas cruzaram o Mar Vermelho. O impossível havia acontecido. O exército mais poderoso do mundo antigo – os egípcios com seus carros de última geração puxados por cavalos – fora derrotado e afogado. Os filhos de Israel estavam agora livres. Mas o alívio deles durou pouco. Quase imediatamente, eles enfrentaram o ataque dos amalequitas e tiveram que lutar uma batalha, desta vez sem milagres aparentes de D-s. Eles fizeram isso e ganharam. Este foi um momento decisivo na história, não apenas para os israelitas, mas para Moisés e sua liderança no povo.

O contraste entre antes e depois do Mar Vermelho não poderia ser mais completo. Antes, enfrentando os egípcios que se aproximavam, Moisés disse ao povo: “Fiquem parados e verão a libertação que o Senhor hoje lhes trará… O Senhor lutará por vocês; vocês só precisam ficar em silêncio.” (Ex. 14:13) Em outras palavras: não faça nada. D-s fará isso por você. E Ele fez.

No caso dos amalequitas, porém, Moisés disse a Josué: “Escolha homens para nós e prepare-se para a batalha contra Amalek”. (Ex. 17: 9) Josué fez isso e o povo travou guerra. Esta foi a grande transição: os israelitas passaram de uma situação em que o líder (com a ajuda de D-s) fazia tudo pelo povo, para uma situação em que o líder capacitava o povo a agir por si mesmo.

Durante a batalha, a Torá concentra nossa atenção em um detalhe. Moisés sobe ao topo de uma colina com vista para o campo de batalha, com um cajado na mão:

Enquanto Moisés ergueu as mãos, os israelitas prevaleceram, mas quando ele baixou as mãos, os amalequitas prevaleceram. Quando as mãos de Moisés se cansaram, eles pegaram uma pedra e colocaram sob ele, para que ele pudesse se sentar nela. Aharon e Hur seguraram suas mãos, um de cada lado, e suas mãos permaneceram firmes até o pôr do sol. (Ex. 17: 11-12)

O que está acontecendo aqui? A passagem pode ser lida de duas maneiras: o bastão na mão levantada de Moisés – o próprio bastão que ele usou para realizar milagres poderosos no Egito e no mar – pode ser um sinal de que a vitória dos israelitas foi milagrosa. Alternativamente, pode ser simplesmente um lembrete aos israelitas de que D-s estava com eles, dando-lhes força.

Muito incomum – visto que a Mishná em geral é um livro de leis e não um comentário bíblico – uma Mishná resolve a questão:

As mãos de Moisés determinaram ou interromperam [o curso da] guerra? Em vez disso, o texto implica que sempre que os israelitas ergueram os olhos e dedicaram seus corações ao Pai celestial, eles prevaleceram, mas, do contrário, caíram. [1]

A Mishná é clara. Nem o cajado nem as mãos erguidas de Moisés estavam realizando um milagre. Eles estavam simplesmente lembrando os israelitas de olhar para o céu e lembrar que D-s estava com eles. Sua fé deu-lhes confiança e coragem para vencer.

Um princípio fundamental de liderança está sendo ensinado aqui. Um líder deve capacitar a equipe. Eles nem sempre podem fazer o trabalho para o grupo; eles devem fazer isso por si próprios. Mas o líder deve, ao mesmo tempo, dar a eles a confiança absoluta de que eles podem fazer isso e ter sucesso. O líder é responsável por seu humor e moral. Durante a batalha, um capitão não deve demonstrar nenhum sinal de fraqueza, dúvida ou medo. Isso nem sempre é fácil, como vemos no episódio desta semana. As mãos levantadas de Moisés “se cansaram”. Todos os líderes têm seus momentos de exaustão e, nessas ocasiões, o líder precisa de apoio – até mesmo Moisés precisava da ajuda de Aharon e Hur, que o ajudaram a manter sua posição. No final, porém, suas mãos levantadas eram o sinal de que os israelitas precisavam de que D-s estava lhes dando a força para prevalecer, e eles o fizeram.

Na terminologia atual, um líder precisa de inteligência emocional. Daniel Goleman, mais conhecido por seu trabalho nesta área, argumenta que uma das tarefas mais importantes de um líder é moldar e elevar o humor da equipe:

Grandes líderes nos movem. Eles acendem nossa paixão e inspiram o que há de melhor em nós. Quando tentamos explicar por que eles são tão eficazes, falamos de estratégia, visão ou ideias poderosas. Mas a realidade é muito mais primordial: a grande liderança funciona por meio das emoções. [2]

Os grupos têm uma temperatura emocional. Como indivíduos, eles podem ser felizes ou tristes, agitados ou calmos, amedrontados ou confiantes. Mas quando eles se reúnem como um grupo, um processo de sintonia – “contágio emocional” – ocorre, e eles começam a compartilhar o mesmo sentimento. Cientistas demonstraram experimentalmente como, quinze minutos após o início de uma conversa, duas pessoas começam a convergir nos marcadores fisiológicos do humor, como a pulsação. “Quando três estranhos se sentam frente a frente em silêncio por um minuto ou dois, aquele que é mais expressivo emocionalmente transmite seu humor para os outros dois – sem falar uma única palavra.” [3] A base fisiológica deste processo, conhecido como espelhamento, tem sido muito estudado nos últimos anos, e observado até mesmo entre primatas. É a base da empatia, por meio da qual entramos e compartilhamos os sentimentos das outras pessoas.

Esta é a base para uma das funções mais importantes de um líder. É ele quem, mais do que outros, determina o estado de espírito do grupo. Goleman relata vários estudos científicos que mostram como os líderes desempenham um papel fundamental na determinação das emoções compartilhadas do grupo:

Os líderes geralmente falavam mais do que qualquer outra pessoa, e o que eles diziam era ouvido com mais atenção… Mas o impacto nas emoções vai além do que o líder diz. Nesses estudos, mesmo quando os líderes não estavam falando, eles eram observados com mais cuidado do que qualquer outra pessoa do grupo. Quando as pessoas faziam uma pergunta para o grupo como um todo, elas mantinham os olhos no líder para ver sua resposta. Na verdade, os membros do grupo geralmente veem a reação emocional do líder como a resposta mais válida e, portanto, modelam a sua própria com base nela – particularmente em uma situação ambígua, onde vários membros reagem de maneira diferente. Em certo sentido, o líder estabelece o padrão emocional. [4]

Quando se trata de liderança, até mesmo dicas não verbais são importantes. Os líderes, pelo menos em público, devem projetar confiança mesmo quando interiormente estão cheios de dúvidas e hesitações. Se eles traírem seus medos pessoais com palavras ou gestos, correm o risco de desmoralizar o grupo.

Não há exemplo mais poderoso disso do que o episódio em que o filho do rei David, Absalom, dá um golpe de Estado contra seu pai, proclamando-se rei em seu lugar. As tropas de David reprimiram a rebelião, durante a qual o cabelo de Absalom se emaranhou em uma árvore e ele foi morto a facadas por Joab, o comandante-chefe de David.

Ao ouvir essa notícia, David fica com o coração partido. Seu filho pode ter se rebelado contra ele, mas ele ainda é seu filho e sua morte é devastadora. David cobre o rosto e clama: “Ó meu filho Absalom! Ó Absalom, meu filho, meu filho!” A notícia da dor de David se espalha rapidamente por todo o exército, e eles também – por contágio emocional – são vencidos pelo luto. Joab considera isso desastroso. O exército correu grandes riscos para lutar por David contra seu filho. Eles não podem agora lamentar sua vitória sem criar confusão e minar fatalmente seu moral:

Então Joab entrou na casa do Rei e disse: “Hoje você humilhou todos os seus homens, que acabaram de salvar a sua vida e a vida de seus filhos e filhas e a vida de suas esposas e concubinas. Você ama aqueles que o odeiam e odeia aqueles que o amam. Você deixou claro hoje que os comandantes e seus homens nada significam para você. Vejo que você ficaria satisfeito se Absalom estivesse vivo hoje e todos nós estivéssemos mortos. Agora saia e incentive seus homens. Juro pelo Senhor que, se você não sair, nenhum homem ficará com você ao anoitecer. Isso será pior para você do que todas as calamidades que aconteceram com você desde a sua juventude até agora.” (2 Samuel 19: 6-8)

O rei David faz o que Joab insiste. Ele aceita que há um tempo e um lugar para o luto, mas não agora, não aqui e, acima de tudo, não em público. Agora é a hora de agradecer ao exército por sua coragem na defesa do rei.

Um líder deve às vezes silenciar suas emoções privadas para proteger o moral de seus liderados. No caso da batalha contra Amalek, a primeira batalha que os israelitas tiveram que lutar por si mesmos, Moisés teve um papel vital a desempenhar. Ele tinha que dar confiança às pessoas fazendo-as olhar para cima.

Em 1875, um arqueólogo amador, Marcelino de Sautuola, começou a escavar o solo em uma caverna em Altamira, perto da costa norte da Espanha. A princípio, ele encontrou pouco que o interessasse, mas sua curiosidade foi reavivada por uma visita à exposição em Paris de 1878, onde uma coleção de instrumentos e objetos de arte da Idade do Gelo estava em exibição. Determinado a ver se poderia encontrar relíquias igualmente antigas, ele retornou à caverna em 1879.

Um dia ele levou sua filha Maria, de nove anos, com ele. Enquanto ele procurava nos escombros, ela vagou mais fundo na caverna e, para seu espanto, viu algo na parede acima dela. “Olha, papai, bois”, disse ela. Eles eram, na verdade, bisões. Ela havia feito uma das maiores descobertas da arte pré-histórica de todos os tempos. As magníficas pinturas rupestres de Altamira, entre 25.000 e 35.000 anos, foram uma descoberta tão inédita que levou 22 anos para que sua autenticidade fosse aceita. Por quatro anos, Sautoula estivera a poucos metros de um tesouro monumental, mas ele o perdera por um motivo. Ele tinha se esquecido de olhar para cima.

Este é um dos temas persistentes do Tanach: a importância de olhar para cima. “Levantai ao alto os vossos olhos e vede quem criou estas coisas”, diz Isaías. (Isaías 40:26) “Eu levanto meus olhos para as colinas. De lá virá minha ajuda”, disse o Rei David no Salmo 121 . Em Deuteronômio, Moisés diz aos israelitas que a Terra Prometida não será como a planície do Delta do Nilo, onde a água é abundante e em abastecimento regular. Será uma terra de colinas e vales, totalmente dependente de chuvas imprevisíveis. (Deut. 11: 10-11) Será uma paisagem que obriga os seus habitantes a olharem para cima. Isso é o que Moisés fez pelo povo em sua primeira batalha. Ele os ensinou a olhar para cima.

Nenhuma conquista política, social ou moral está isenta de obstáculos formidáveis. Existem interesses adquiridos a serem confrontados, atitudes a serem mudadas, resistências a serem superadas. Os problemas são imediatos, o objetivo final muitas vezes frustrantemente distante. Cada empreendimento coletivo é como conduzir uma nação através da selva em direção a um destino que está sempre mais distante do que parece quando você olha para o mapa.

Olhe para as dificuldades e você pode se desesperar. A única maneira de manter as energias, individuais ou coletivas, é voltar nosso olhar para o horizonte distante da esperança. O filósofo Ludwig Wittgenstein disse certa vez que seu objetivo na filosofia era “mostrar à mosca o caminho para fora da garrafa”. A mosca está presa na garrafa. Ele procura uma saída. Repetidamente bate a cabeça contra o vidro até que finalmente, exausto, morre. No entanto, a garrafa está aberta o tempo todo. A única coisa que a mosca se esquece de fazer é olhar para cima. Então, às vezes, nós olhamos.

É tarefa do líder capacitar, mas também é tarefa dele inspirar. Foi o que Moisés fez quando, no topo de uma colina, à vista do povo, ergueu as mãos e o cajado para o céu. Quando viu isso, o povo soube que poderia prevalecer. ”Não por força nem por poder, mas pelo Meu espírito”, disse o Profeta. (Zacarias 4: 6) A história judaica é um conjunto constante de variações desse tema.

Um povo pequeno que, diante das dificuldades, continua olhando para o alto, conquistará grandes vitórias e realizará grandes feitos.

 

NOTAS
[1] Mishnah Rosh Hashanah 3: 8.
[2] Daniel Goleman, Primal Leadership, (Boston: Harvard Business Review Press), 2002, 3.
[3] Ibid., 7.
[4] Ibid., 8.

 

Texto original “Looking Up” por Rabbi Lord Jonathan Sacks.

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS