EMOR

Posted on abril 27, 2021

EMOR

Não Tenha Medo da Grandeza

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Embutidos na parashá desta semana estão dois dos mandamentos mais fundamentais do Judaísmo – comandos que tocam na própria natureza da identidade judaica.

Não profanem Meu santo nome. Devo ser santificado entre os israelitas. Eu sou o Senhor, que te santificou e te tirou do Egito para ser o seu D-s. Eu sou o Senhor.’ (Levítico 22:32)

Os dois mandamentos são, respectivamente, a proibição de profanar o nome de D-s, Chilul Hashem, e o corolário positivo, Kidush Hashem, de que devemos santificar o nome de D-s. Mas em que sentido podemos santificar ou profanar o nome de D-s?

Primeiro, temos que entender o conceito de “nome” conforme se aplica a D-s. Um nome é como somos conhecidos pelos outros. O “nome” de D-s é, portanto, Sua posição no mundo. As pessoas O reconhecem, O respeitam, O Honram?

O comando de Kiddush Hashem e Chillul Hashem localizam essa responsabilidade na conduta e no destino do povo judeu. Isso é o que Isaías quis dizer quando falou: “Vós sois minhas testemunhas, diz D-s, de que eu sou D-s ”. (Isaías 43:10)

O D-s de Israel é o D-s de toda a humanidade. Ele criou o universo e a própria vida. Ele fez todos nós – judeus e não judeus – à sua imagem. Ele cuida de todos nós: “Sua terna misericórdia está em todas as suas obras”. (Salmos 145: 9) No entanto, o D-s de Israel é radicalmente diferente dos deuses em que os antigos acreditavam e da realidade em que os ateus científicos de hoje acreditam. Ele não é idêntico à natureza. Ele criou a natureza. Ele não é idêntico ao universo físico. Ele transcende o universo. Não somos capazes de mapear ou quantificá-lo pela ciência – por meio de observação, medição e cálculo – pois Ele não é esse tipo de coisa de forma alguma. Como então Ele é conhecido?

A afirmação radical da Torá é que Ele é conhecido, não exclusivamente, mas principalmente, por meio da história judaica e das formas de vida dos judeus. Como Moisés disse no final de sua vida:

Pergunte agora sobre os dias anteriores, muito antes do seu tempo, desde o dia em que D-s criou os seres humanos na Terra; pergunte de uma ponta a outra dos céus. Alguma coisa tão grande como essa já aconteceu, ou algo parecido já foi ouvido? Alguma outra pessoa ouviu a Voz de D-s falando do fogo, como você, e viveu? Algum D-s já tentou tirar para si uma nação de outra nação, por meio de testes, por sinais e maravilhas, pela guerra, por uma mão poderosa e um braço estendido, ou por grandes e terríveis feitos, como todas as coisas que o Senhor seu D-s fez por você no Egito diante de seus próprios olhos? (Deut. 4: 32-34)

Há trinta e três séculos, Moisés já sabia que a história judaica era e continuaria a ser única. Nenhuma outra nação sobreviveu a tais provações. A revelação de D-s a Israel foi única. Nenhuma outra religião é construída sobre uma revelação direta de D-s a um povo inteiro como aconteceu no Monte Sinai. Portanto, D-s – o D-s da revelação e redenção – é conhecido pelo mundo por meio do povo de Israel. Em nós mesmos, somos testemunhas de algo além de nós mesmos. Somos embaixadores de D-s no mundo.

Portanto, quando nos comportamos de forma a evocar admiração pelo Judaísmo como uma fé e um modo de vida, isso é um Kidush Hashem, uma santificação do nome de D-s. Quando fazemos o oposto – quando traímos essa fé e modo de vida, levando as pessoas a ter desprezo pelo D-s de Israel – isso é um Chilul Hashem, uma profanação do nome de D-s. Isso é o que Amos quis dizer quando falou:

Eles pisam na cabeça dos pobres como no pó da terra, e negam justiça aos oprimidos … então profanam o Meu santo nome. (Amós 2: 7)

Quando os judeus se comportam mal, de forma antiética, injusta, eles criam um Chilul Hashem. Eles fazem com que os outros digam: não posso respeitar uma religião, ou um D-s, que inspira as pessoas a se comportarem dessa maneira. O mesmo se aplica em uma escala maior e mais internacional. O Profeta que nunca se cansou de apontar isso foi Ezequiel, o homem que foi para o exílio na Babilônia após a destruição do Primeiro Templo. Isso é o que ele ouviu de D-s:

Eu os espalhei entre as nações e eles foram espalhados pelos países; Eu os julguei de acordo com sua conduta e ações. E aonde quer que eles fossem entre as nações, eles profanaram Meu santo nome, pois foi dito deles: “Este é o povo do Senhor, e ainda assim eles tiveram que deixar Sua terra”. (Ezequiel 36:19)

Quando os judeus são derrotados e enviados para o exílio, não é apenas uma tragédia para eles. É uma tragédia para D-s. Ele se sente como um pai se sentiria ao ver seu filho desonrado e enviado para a prisão. Um pai muitas vezes sente uma sensação de vergonha e, pior do que isso, de um fracasso inexplicável. “Como é que, apesar de tudo que fiz por ele, não consegui salvar meu filho de si mesmo?” Quando os judeus são fiéis à sua missão, quando vivem, lideram e inspiram como judeus, então o nome de D-s é exaltado. Isso é o que Isaías quis dizer quando disse, em nome de D-s: “Tu és o meu servo, Israel, em quem Eu serei glorificado”. (Isaías 49:3)

Essa é a lógica de Kidush Hashem e Chilul Hashem. O destino do “nome” de D-s no mundo depende de nós e de como nos comportamos. Nenhuma nação jamais recebeu uma responsabilidade maior ou mais fatídica. E isso significa que cada um de nós compartilha essa tarefa.

Quando um judeu, especialmente um judeu religioso, se comporta mal – age de forma antiética nos negócios, ou é culpado de abuso sexual, ou profere uma observação racista, ou age com desprezo pelos outros – isso reflete mal em todos os judeus e no próprio judaísmo. E quando um judeu, especialmente um judeu religioso, age bem – desenvolve uma reputação de agir com honra nos negócios, ou cuidar de vítimas de abuso, ou mostrar generosidade de espírito conspícua – não apenas reflete bem nos judeus. Aumenta o respeito que as pessoas têm pela religião em geral e, portanto, por D-s.

Maimônides acrescenta, na passagem de seu código legal que fala do Kidush Hashem:

Se uma pessoa foi escrupulosa em sua conduta, gentil em sua conversa, agradável para com seus semelhantes, afável nas maneiras de receber, não retrucando mesmo quando ofendida, mas mostrando cortesia a todos, mesmo para aqueles que a tratam com desdém, conduzindo seu negócios com integridade… E fazendo mais do que seu dever em todas as coisas, evitando extremos e exageros – tal pessoa santificou a D-s. [1]

O rabino Norman Lamm conta a divertida história do garçom Mendel. Quando chegou a notícia a um navio de cruzeiro sobre o ousado ataque israelense em Entebbe em 1976, os passageiros quiseram prestar homenagem, de alguma forma, a Israel e ao povo judeu. Uma busca foi realizada para ver se havia algum membro judeu a bordo do navio. Apenas um judeu foi encontrado: Mendel, o garçom. Assim, em uma cerimônia solene, o capitão do cruzeiro, em nome de todos os passageiros, ofereceu seus profundos parabéns a Mendel, que de repente se viu eleito de fato embaixador do povo judeu. Somos todos, goste ou não, embaixadores do povo judeu, e como vivemos, nos comportamos e tratamos os outros reflete não apenas em nós como indivíduos, mas no judaísmo como um todo e, portanto, no Judaísmo e no D-s de Israel.

“Não tenha medo da grandeza. Alguns nascem grandes, alguns alcançam a grandeza e outros têm a grandeza imposta a eles”, escreveu Shakespeare em Twelfth Night. Ao longo da história, os judeus tiveram grandeza imposta a eles. Como escreveu o falecido Milton Himmelfarb: “O número de judeus no mundo é menor do que um pequeno erro estatístico no censo chinês. No entanto, continuamos maiores do que nossos números. Coisas grandes parecem acontecer ao nosso redor e para nós.” [2]

D-s confiou em nós o suficiente para nos tornar Seus embaixadores em um mundo muitas vezes sem fé e brutal. A escolha é nossa. Nossas vidas serão um Kidush Hashem, ou D-s nos livre, o oposto? Ter feito algo, mesmo um ato na vida, para tornar alguém grato por haver um D-s no céu que inspira as pessoas a fazer o bem na terra, é talvez a maior conquista que qualquer um pode aspirar.

Shakespeare definiu corretamente o desafio: “Não tenha medo da grandeza”. Um grande líder tem a responsabilidade de ser um embaixador e também de inspirar seu povo a ser embaixador.

 

NOTAS
[1] Maimônides, Hilchot Yesodei ha-Torá, 5:11.
[2] Milton Himmelfarb, Judeus e Gentios , Encounter Books, 2007, 141.

 

Texto original “On Not Being Afraid of Greatness” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

MATOT – MASSEI

Resolução de Conflitos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS