KI TISSÁ

Posted on março 2, 2021

KI TISSÁ

Como os Líderes Falham

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Como vimos em Vayetsê e Vaerá, a liderança é marcada pelo fracasso. É a recuperação que é a verdadeira medida de um líder. Os líderes podem falhar por dois motivos. O primeiro é externo. O momento pode não estar certo. As condições podem ser desfavoráveis. Pode não haver ninguém do outro lado com quem conversar. Maquiavel chamou isso de Fortuna: o poder do azar que pode derrotar até mesmo o maior dos indivíduos. Às vezes, apesar de nossos melhores esforços, falhamos. Como a vida.

O segundo tipo de falha é interno. Um líder pode simplesmente não ter coragem para liderar. Às vezes, os líderes precisam se opor à multidão. Eles têm que dizer não quando todos estão gritando sim. Isso pode ser assustador. As multidões têm vontade e impulso próprios. Dizer não pode colocar sua carreira, ou mesmo sua vida, em risco. É quando a coragem é necessária, e não a demonstrar pode constituir uma falha moral da pior espécie.

O exemplo clássico é o Rei Saul, que falhou em seguir as instruções de Samuel em sua batalha contra os amalequitas. Saul foi instruído a não poupar ninguém e nada. Isso é o que aconteceu:

Quando Samuel o alcançou, Saul disse: “O Senhor o abençoe! Cumpri as instruções do Senhor”.

Mas Samuel disse: “O que é então esse balido de ovelhas nos meus ouvidos? O que é esse mugido de gado que eu ouço?”

Saul respondeu: “Os soldados os trouxeram dos amalequitas; eles pouparam o melhor das ovelhas e do gado para sacrificar ao Senhor vosso D-s, mas nós destruímos totalmente o resto.”

“O suficiente!” Samuel disse a Saul. “Deixe-me contar o que o Senhor me disse ontem à noite.”

“Diga-me”, respondeu Saul.

Samuel disse: “Embora você seja pequeno aos seus próprios olhos, você não é o chefe das tribos de Israel? O Senhor o ungiu Rei de Israel. E Ele o enviou em uma missão, dizendo: ‘Vá e destrua completamente aquelas pessoas más, os amalequitas; faça guerra contra eles até eliminá-los.’ Por que você não obedeceu ao Senhor? Por que você atacou o saque e fez o mal aos olhos do Senhor?”

“Mas eu obedeci ao Senhor”, disse Saul. “Fui na missão que o Senhor me designou. Destruí completamente os amalequitas e trouxe de volta Agague, seu rei. Os soldados tiraram ovelhas e gado da pilhagem, o melhor do que era dedicado a D-s, a fim de os sacrificar ao Senhor vosso D-s em Gilgal.” (I Sam. 15:13–21 )

Saul dá desculpas. O fracasso não foi dele; foi culpa de seus soldados. Além disso, ele e eles tinham as melhores intenções. As ovelhas e o gado foram poupados para serem oferecidos em sacrifícios. Saul não matou o rei Agague, mas o trouxe de volta como prisioneiro. Samuel não se comove. Ele diz: “Porque você rejeitou a palavra do Senhor, Ele rejeitou você como Rei.” (I Sam. 15:23). Só então Saul admite: “Eu pequei”. (I Sam 15:24) Mas agora é tarde demais. Ele provou ser indigno de começar a linhagem dos reis de Israel.

Há uma citação apócrifa atribuída a vários políticos: “Claro que sigo o partido. Afinal, eu sou o líder deles.” [1] Existem líderes que seguem em vez de liderar. Rabbi Yisrael Salanter os comparou a um cachorro passeando com seu dono. O cão corre na frente, mas continua se virando para ver se está indo na direção certa. O cão pode pensar que está liderando, mas na verdade está seguindo.

Esse, em uma leitura simples do texto, foi o destino de Aharon na parashá desta semana. Moisés subiu a montanha por quarenta dias. As pessoas estavam com medo. Ele morreu? Onde ele estava? Sem Moisés, eles se sentiram despojados. Ele era seu ponto de contato com D-s. Ele fez milagres, dividiu o Mar, deu-lhes água para beber e comida para comer. É assim que a Torá descreve o que aconteceu a seguir:

Quando o povo viu que Moisés demorou tanto em descer da montanha, reuniram-se em torno de Aaron e disseram: “Venha, faça-nos um deus que irá adiante de nós. Quanto a este homem, Moisés, que nos tirou do Egito, não sabemos o que aconteceu com ele”. Aharon respondeu-lhes: “Tirai os brincos de ouro que vossas mulheres, vossos filhos e vossas filhas estão usando e traga-os para mim”. Então todas as pessoas tiraram seus brincos e os trouxeram para Aharon. Ele pegou o que eles deram a ele e ele moldou com uma ferramenta e transformou em um bezerro derretido. Então eles disseram: “Este é o teu deus, Israel, que te tirou do Egito”. (Ex. 32: 1-4)

D-s fica com raiva. Moisés implora a Ele para poupar o povo. Ele então desce a montanha, vê o que aconteceu, quebra as Tábuas da Lei que trouxe consigo, queima o ídolo, transforma-o em pó, mistura-o com água e faz os israelitas beberem. Em seguida, ele se vira para Aharon, seu irmão, e pergunta: “O que você fez?”

– Não fique com raiva, meu senhor – Aharon respondeu. “Você sabe como essas pessoas são propensas ao mal. Eles me disseram: ‘Faça-nos um deus que irá antes de nós. Quanto a esse homem, Moisés, que nos tirou do Egito, não sabemos o que aconteceu com ele.’ Então eu disse a eles: ‘Quem tiver alguma joia de ouro, tire-a.’ Então eles me deram o ouro, e eu o joguei no fogo, e este bezerro saiu!” (Ex. 32: 22-24)

Aharon culpa as pessoas. Foram eles que fizeram o pedido ilegítimo. Ele nega a responsabilidade de fazer o bezerro. Simplesmente aconteceu. “Eu joguei no fogo, e este Bezerro saiu!” Esse é o mesmo tipo de negação de responsabilidade que lembramos na história de Adão e Eva. O homem diz: “Foi a mulher”. A mulher diz: “Foi a serpente”. Aconteceu. Não fui eu. Eu fui a vítima, não o perpetrador. Em qualquer pessoa, essa evasão é uma falha moral; em um líder como Saul, o Rei de Israel, e Aharon, o Sumo Sacerdote, ainda mais.

O estranho é que Aharon não foi punido imediatamente. De acordo com a Torá, ele foi condenado por outro pecado quando, anos depois, ele e Moisés falaram com raiva contra o povo reclamando da falta de água: “Aharon será reunido ao seu povo. Ele não entrará na terra que eu dou aos israelitas, porque vocês dois se rebelaram contra o Meu comando nas águas de Meribá”. (Num. 20:24)

Foi só mais tarde, no último mês de vida de Moisés, que Moisés contou ao povo um fato que ele havia escondido deles até aquele ponto: “Temi a ira e a ira do Senhor, pois Ele estava bastante zangado com vocês para destruir vocês. Mas novamente o Senhor me ouviu. E o Senhor estava com raiva de Aharon o suficiente para destruí-lo, mas naquela época eu orei por Aharon também.” (Deut. 9: 19-20) D-s, de acordo com Moisés, estava tão zangado com Aharon pelo pecado do Bezerro de Ouro que Ele estava prestes a matá-lo, e teria feito isso se não fosse pela oração de Moisés.

É fácil criticar as pessoas que falham no teste de liderança quando envolve se opor à multidão, desafiando o consenso, bloqueando o caminho que a maioria pretende seguir. A verdade é que é difícil se opor à turba. Eles podem ignorá-lo, removê-lo e até mesmo assassiná-lo. Quando uma multidão fica fora de controle, não há solução elegante. Mesmo Moisés estava desamparado em face das demandas do povo durante o episódio posterior dos espiões. (Num. 14:5)

Nem foi fácil para Moisés restaurar a ordem. Ele fez isso com o mais dramático dos atos: esmagar as Tábuas e transformar o Bezerro em pó. Ele então pediu apoio e foi dado por seus companheiros levitas. Eles sofreram represálias contra a multidão, matando três mil pessoas naquele dia. A história julga Moisés um herói, mas ele bem pode ter sido visto por seus contemporâneos como um autocrata brutal. Nós, graças à Torá, sabemos o que se passou entre D-s e Moisés na época. Os israelitas ao pé da montanha nada sabiam de quão perto estavam de serem totalmente destruídos.

A tradição tratou Aharon com gentileza. Ele é retratado como um homem de paz. Talvez seja por isso que ele foi feito sumo sacerdote. Existe mais de um tipo de liderança, e o sacerdócio envolve seguir regras, não assumir posições e influenciar multidões. O fato de Aharon não ser um líder no mesmo molde de Moisés não significa que ele foi um fracasso. Isso significa que ele foi feito para um tipo diferente de papel. Há momentos em que você precisa de alguém com coragem para enfrentar a multidão, outros quando você precisa de um pacificador. Moisés e Aharon eram tipos diferentes. Aharon falhou quando foi chamado para ser um Moisés, mas ele se tornou um grande líder por direito próprio em uma função diferente. E como dois líderes diferentes trabalhando juntos, Aharon e Moisés se complementaram. Ninguém pode fazer tudo.

A verdade é que, quando uma multidão fica fora de controle, não há uma resposta fácil. É por isso que todo o Judaísmo é um seminário extenso sobre responsabilidade individual e coletiva. Os judeus não formam, ou não devem, formar multidões. Quando o fizerem, pode ser necessário um Moisés para restaurar a ordem. Mas pode ser necessário um Aharon, em outras ocasiões, para manter a paz.

 

NOTA
[1] Esta declaração foi atribuída a Benjamin Disraeli, Stanley Baldwin e Alexandre Auguste Ledru-Rollin.

 

Texto original “How Leaders Fail” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

EKEV

Liderar é Ouvir O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu ...

Leia mais →

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS