MISHPATIM

Posted on fevereiro 9, 2021

MISHPATIM

Visão e Detalhes

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Nossa parashá nos leva por uma transição desconcertante. Até agora, o livro de Shemot nos levou junto com o alcance e o drama da narrativa: a escravidão dos israelitas, sua esperança de liberdade, as pragas, a obstinação do Faraó, sua fuga para o deserto, a travessia do Mar Vermelho, a jornada ao Monte Sinai e a grande aliança com D-s.

De repente, nos vemos diante de um tipo totalmente diferente de literatura: um código jurídico que cobre uma variedade desconcertante de tópicos, desde a responsabilidade por danos à proteção da propriedade, às leis da justiça, ao Shabat e aos festivais. Por que aqui? Por que não continuar a história, levando ao próximo grande drama, o pecado do Bezerro de Ouro? Por que interromper o fluxo? E o que isso tem a ver com liderança?

A resposta é esta: grandes líderes, sejam eles CEOs ou simplesmente pais, têm a capacidade de conectar uma grande visão com detalhes altamente específicos. Sem a visão, os detalhes são simplesmente cansativos. Há uma história bem conhecida de três trabalhadores que trabalham no corte de blocos de pedra. Quando questionados sobre o que estão fazendo, um diz: “Cortando pedra”, o segundo diz: “Ganhando a vida”, o terceiro diz: “Construindo um palácio”. Aqueles que têm uma visão mais ampla têm mais orgulho de seu trabalho e trabalham mais e melhor. Grandes líderes comunicam uma visão.

Mas eles também são meticulosos, até perfeccionistas, no que diz respeito aos detalhes. Thomas Edison disse a famosa frase: “O gênio é um por cento de inspiração, noventa e nove por cento de transpiração”. É a atenção aos detalhes que separa os grandes artistas, poetas, compositores, cineastas, políticos e chefes de corporações da mera média. Qualquer pessoa que tenha lido a biografia de Walter Isaacson do falecido Steve Jobs sabe que ele tinha uma atenção aos detalhes que beirava o obsessivo. Ele insistiu, por exemplo, que todas as lojas da Apple deveriam ter escadas de vidro. Quando foi informado de que não havia vidro forte o suficiente, ele insistiu para que fosse inventado, e foi o que aconteceu (ele ficou com a patente).

A genialidade da Torá foi aplicar este princípio à sociedade como um todo. Os israelitas passaram por uma série de eventos transformadores. Moisés sabia que não havia nada parecido antes. Ele também sabia, por D-s, que nada disso era acidental ou incidental. Os israelitas haviam experimentado a escravidão para valorizar a liberdade. Eles sofreram para saber o que é estar do lado errado do poder tirânico. No Monte Sinai, D-s, por meio de Moisés, deu-lhes uma declaração de missão: tornar-se “um Reino de Sacerdotes e uma nação santa”, sob a soberania de D-s somente. Eles deveriam criar uma sociedade construída sobre princípios de justiça, dignidade humana e respeito pela vida.

Mas nem eventos históricos, nem ideais abstratos – nem mesmo os princípios gerais dos Dez Mandamentos – são suficientes para sustentar uma sociedade no longo prazo. Daí o notável projeto da Torá: traduzir a experiência histórica em legislação detalhada, de modo que os israelitas vivessem o que aprenderam diariamente, entrelaçando-o na própria textura de sua vida social. Na parashá de Mishpatim, a visão se torna detalhe e a narrativa se torna lei.

Assim, por exemplo: “Se você comprar um servo hebreu, ele o servirá por seis anos. Mas, no sétimo ano, ele sairá de graça, sem pagar nada”. (Ex. 21: 2-3) De um só golpe, nesta lei, a escravidão é transformada de uma condição de nascimento para uma circunstância temporária – de quem você é para o que, por enquanto, você faz. A escravidão, a amarga experiência dos israelitas no Egito, não poderia ser abolida da noite para o dia. Não foi abolida nem mesmo nos Estados Unidos até a década de 1860 e, mesmo então, não sem uma guerra civil devastadora. Mas essa lei de abertura de nossa parashá é o início dessa longa jornada.

Da mesma forma, a lei que “Quem bater em seu escravo ou escrava com uma vara deve ser punido se o escravo morrer como resultado direto.” (Ex. 21:20) Um escravo não é mera propriedade. Cada um deles tem direito à vida.

Da mesma forma, a lei do Shabat que afirma: “Seis dias faça o seu trabalho, mas no sétimo dia não trabalhe, para que o seu boi e o seu jumento possam descansar, e para que o escravo nascido em sua casa e o estrangeiro que vive entre vocês possam ser revigorado.” (Ex. 23:12) Um dia em sete escravos deveriam respirar o ar da liberdade. Todas as três leis prepararam o caminho para a abolição da escravatura, mesmo que levasse mais de três mil anos.

Existem duas leis que têm a ver com a experiência dos israelitas de serem uma minoria oprimida: “Não maltrate nem oprima um estrangeiro, pois vocês foram estrangeiros no Egito”. (Ex. 22:21) e “Não oprima um estrangeiro; vocês mesmos sabem como é ser estrangeiro, porque vocês eram estrangeiros no Egito.” (Ex. 23: 9)

E há leis que evocam outros aspectos da experiência do povo no Egito, como: “Não tire vantagem da viúva ou do órfão. Se você fizer isso e eles clamarem por mim, certamente ouvirei seu clamor”. (Ex. 22: 21-22) Isso lembra o episódio no início do Êxodo, “Os israelitas gemeram em sua escravidão e clamaram, e seu clamor por ajuda por causa de sua escravidão subiu a D-s. D-s ouviu seus gemidos e lembrou-se de Sua aliança com Abraão, com Isaac e com Jacob. Então D-s olhou para os israelitas e se preocupou com eles”. (Ex. 2: 23-25)

Em um artigo famoso escrito na década de 1980, o professor de direito de Yale, Robert Cover, escreveu sobre “Nomos e narrativa”. [1] Com isso ele quis dizer que sob as leis de qualquer sociedade existe um nomos, ou seja, uma visão de uma ordem social ideal que a lei pretende criar. E por trás de cada nomos há uma narrativa, ou seja, uma história sobre por que os formadores e visionários daquela sociedade ou grupo passaram a ter aquela visão específica da ordem ideal que buscavam construir.

Os exemplos de Cover são em grande parte tirados da Torá, e a verdade é que sua análise soa menos como uma descrição da lei como tal do que uma descrição daquele fenômeno único que conhecemos como Torá. A palavra “Torá” é intraduzível porque significa várias coisas diferentes que só aparecem juntas no livro que leva esse nome.

Torá significa “lei”. Mas também significa “ensino, instrução, orientação” ou, mais geralmente, “direção”. É também o nome genérico dos cinco livros, de Gênesis a Deuteronômio, que abrangem tanto a narrativa quanto a lei.

Em geral, a lei e a narrativa são dois gêneros literários distintos que têm muito pouca sobreposição. A maioria dos livros jurídicos não contém narrativas e a maioria das narrativas não contém legislação. Além disso, como o próprio Cover observa, mesmo que as pessoas na Grã-Bretanha ou na América hoje conheçam a história por trás de uma dada lei, não existe um texto canônico que as reúna. Em qualquer caso, na maioria das sociedades, existem muitas maneiras diferentes de contar a história. Além disso, a maioria das leis é promulgada sem uma declaração de por que surgiram, o que pretendiam alcançar e que experiência histórica levou à sua promulgação.

Portanto, a Torá é uma combinação única de nomos e narrativa, história e lei, as experiências formativas de uma nação e a forma como essa nação buscou viver sua vida coletiva para nunca esquecer as lições que aprendeu ao longo do caminho. Ela reúne visão e detalhes de uma forma que nunca foi superada.

É assim que devemos liderar se quisermos que as pessoas venham conosco, dando o seu melhor. Deve haver uma visão que nos inspire, dizendo-nos por que devemos fazer o que nos é pedido. Tem que haver uma narrativa: isso é o que aconteceu, isso é quem somos e é por isso que a visão é tão importante para nós. Então, deve haver a lei, o código, a meticulosa atenção aos detalhes, que nos permite traduzir a visão em realidade e transformar a dor do passado em bênçãos do futuro. Essa combinação extraordinária, que não é encontrada em quase nenhum outro código legal, é o que dá à Torá seu poder duradouro. É um modelo para todos os que buscam levar as pessoas à grandeza.

 

 

NOTAS
[1] Robert Cover, “Nomos and Narrative” Prefácio para a Suprema Corte de 1982, Yale Faculty Scholarship Series, Paper 2705, 1983. O artigo pode ser encontrado em http://digitalcommons.law.yale.edu/fss_papers/2705.

 

Texto original “Vision and Details” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

MATOT – MASSEI

Resolução de Conflitos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS