TERUMÁ

Posted on fevereiro 17, 2021

TERUMÁ

A Casa que Construímos Juntos

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

A sequência de parashot que começa com Terumá e continua com Tetzavê, Ki Tissá, Vayakhel e Pekudei é intrigante de várias maneiras. Primeiro, ela descreve a construção do Tabernáculo (Mishkan), a Casa de Adoração portátil que os israelitas construíram e carregaram com eles pelo deserto, em detalhes exaustivos e esgotantes. A narrativa ocupa quase todo o último terço do livro do Êxodo. Por que tão demorado? Por que tantos detalhes? Afinal, o Tabernáculo era apenas um lar temporário para a Presença Divina, eventualmente substituído pelo Templo de Jerusalém.

Além disso, por que a criação do Tabernáculo no livro do Êxodo, afinal? Seu lugar natural parece estar no livro de Vayikrá, que é esmagadoramente dedicado a um relato do serviço do Tabernáculo e dos sacrifícios que ali eram oferecidos. O livro do Êxodo, ao contrário, poderia ter como subtítulo “o nascimento de uma nação”. É sobre a transição dos israelitas de uma família para um povo e sua jornada da escravidão para a liberdade. Chega ao clímax com a aliança feita entre D-s e o povo no Monte Sinai. O que o Tabernáculo tem a ver com isso? Parece uma maneira estranha de terminar o livro.

A resposta, parece-me, é profunda. Primeiro, relembre a história dos israelitas até agora. Foi uma longa série de reclamações. Eles reclamaram quando a primeira intervenção de Moisés piorou sua situação. Então, no Mar Vermelho, disseram a Moisés: “Foi porque não havia túmulos no Egito que nos trouxeste ao deserto para morrermos? O que você fez conosco ao nos tirar do Egito? Não dissemos a você no Egito: ‘Deixe-nos em paz; vamos servir aos egípcios? Teria sido melhor para nós servir aos egípcios do que morrer no deserto!” (Ex. 14: 11-12)

Depois de atravessarem o mar, continuaram a reclamar, primeiro da falta de água, depois de que a água era amarga, depois de falta de comida, depois de novo da falta de água. Então, semanas após a revelação no Sinai – a única vez na história em que D-s apareceu para uma nação inteira – eles fizeram um Bezerro de Ouro. Se uma sequência de milagres sem precedentes não pode produzir uma resposta madura por parte das pessoas, o que o fará?

Foi então que D-s disse: Deixe-os construir algo juntos. Essa simples ordem transformou os israelitas. Durante toda a construção do Tabernáculo não houve reclamações. O povo inteiro contribuiu – algum ouro, prata ou bronze, alguns trouxeram peles e cortinas, outros deram seu tempo e habilidade. Eles deram tanto que Moisés teve que ordenar que parassem. Uma proposição notável está sendo formulada aqui: Não é o que D-s faz por nós que nos transforma. É o que fazemos para D-s.

Enquanto cada crise foi tratada por Moisés e com milagres, os israelitas permaneceram em um estado de dependência. A resposta padrão deles era reclamar. Para que alcancem a maioridade e responsabilidade, deve haver uma transição de recipientes passivos das bênçãos de D-s para criadores ativos. O povo tinha que se tornar “parceiro de D-s na obra da criação”. (Shabat 10a) Isso, eu acredito, é o que os Sábios quiseram exprimir quando disseram: “Chame-os não de ‘seus filhos’, mas de ‘seus construtores’”. (Brachot 64a) As pessoas precisam se tornar construtoras se quiserem crescer da infância até a idade adulta.

O Judaísmo é o chamado de D-s para a responsabilidade. Ele não quer que dependamos de milagres. Ele não quer que dependamos de outros. Ele quer que nos tornemos Seus parceiros, reconhecendo que o que temos, temos dEle, mas o que fazemos do que temos depende de nós, nossas escolhas e nosso esforço. Este não é um equilíbrio fácil de alcançar. É fácil viver uma vida de dependência. É igualmente fácil, na direção oposta, cair no erro de dizer “Meu poder e a força de minhas mãos produziram esta riqueza para mim”. (Deut. 8:17) A visão judaica da condição humana é que tudo o que alcançamos é devido aos nossos próprios esforços, mas igual e essencialmente o resultado da bênção de D-s.

A construção do Tabernáculo foi o primeiro grande projeto que os israelitas empreenderam juntos. Envolveu sua generosidade e habilidade. Isso lhes deu a chance de devolver a D-s um pouco do que Ele lhes havia dado. Isso conferiu a eles a dignidade do trabalho e do esforço criativo. Isso encerrou seu nascimento como nação e simbolizou o desafio do futuro. A sociedade que eles foram convocados a criar na terra de Israel seria aquela na qual todos desempenhariam sua parte. Ele se tornaria – na frase que usei como título de um dos meus livros – “a casa que construímos juntos”. [1]

A partir disso, vemos que um dos maiores desafios da liderança é dar às pessoas a chance de dar, contribuir, participar. Isso requer autocontrole, tzimtzum, por parte do líder, criando espaço para outros liderarem. Como diz o ditado: um líder é melhor quando as pessoas mal precisam reconhecê-lo. Quando seu trabalho estiver concluído, seu objetivo alcançado, eles dirão: ‘nós mesmos fizemos’. [2]

Isso nos leva à distinção fundamental na política entre Estado e Sociedade. O Estado representa o que é feito por nós pela máquina do governo, por meio de leis, tribunais, tributação e gastos públicos. Sociedade é o que fazemos uns pelos outros por meio de comunidades, associações voluntárias, instituições de caridade e organizações de bem-estar. O Judaísmo, creio, tem uma preferência marcante pela Sociedade em vez do Estado, precisamente porque reconhece – e este é o tema central do livro do Êxodo – que é o que fazemos pelos outros, não o que os outros ou D-s faz por nós, que nos transforma. A fórmula judaica, acredito, é: pequeno Estado, grande Sociedade.

A pessoa que teve a visão mais profunda da natureza da sociedade democrática foi Alexis de Tocqueville. Visitando a América na década de 1830, ele viu que sua força estava no que ele chamou de “arte da associação”, a tendência dos americanos de se unirem em comunidades e grupos voluntários para ajudar uns aos outros, em vez de deixar a tarefa para um governo centralizado. Se fosse o contrário, se os indivíduos dependessem totalmente do Estado, a liberdade democrática estaria em risco.

Em uma das passagens mais perturbadoras de sua obra-prima, Democracia na América, ele diz que as democracias correm o risco de uma forma completamente nova de opressão para a qual não há precedentes no passado. Isso vai acontecer, diz ele, quando as pessoas existirem apenas por e para si mesmas, deixando a busca do bem comum para o governo. Assim seria a vida:

Acima desta raça de homens está um poder imenso e tutelar, que se encarrega apenas de garantir suas gratificações e zelar por seu destino. Esse poder é absoluto, minucioso, regular, previdente e suave. Seria como a autoridade de um pai se, como essa autoridade, seu objetivo fosse preparar os homens para a maturidade; mas procura, ao contrário, mantê-los na infância perpétua: fica bem contente que o povo se regozije, desde que não pense em nada além de alegria. Para sua felicidade, tal governo trabalha de bom grado, mas escolhe ser o único agente e árbitro dessa felicidade; provê sua segurança, prevê e supre suas necessidades, facilita seus prazeres, administra suas principais preocupações, dirige sua indústria, regula a descendência de propriedade e subdivide suas heranças:[3]

Tocqueville escreveu essas palavras há quase 200 anos, e há o risco de que isso esteja acontecendo com algumas sociedades europeias hoje: todo Estado, nenhuma Sociedade; todo governo, pouca ou nenhuma comunidade. [4] Tocqueville não era um escritor religioso. Ele não faz referência à Bíblia hebraica. Mas o medo que ele tem é exatamente o que o livro do Êxodo documenta. Quando um poder central – mesmo quando é o próprio D-s – faz tudo em nome do povo, ele permanece em um estado de desenvolvimento interrompido. Eles reclamam em vez de agir. Eles cedem facilmente ao desespero. Quando o líder, neste caso Moisés, está faltando, eles fazem coisas tolas, nada mais do que fazer um Bezerro de Ouro.

Só há uma solução: fazer com que as pessoas sejam co-arquitetas de seu próprio destino, fazer com que construam algo juntos, formá-las em equipe e mostrar-lhes que não são desamparadas, que são responsáveis e capazes de ação colaborativa. Gênesis começa com D-s criando o universo como um lar para os seres humanos. O Êxodo termina com os seres humanos criando o Tabernáculo, como um ‘lar’ para D-s.

Daí o princípio básico do Judaísmo, que somos chamados a nos tornarmos co-criadores com D-s. E daí, também, o corolário: que os líderes não fazem o trabalho em nome do povo. Eles ensinam as pessoas a fazer o trabalho sozinhas.

Não é o que D-s faz por nós, mas o que fazemos por D-s que nos permite alcançar dignidade e responsabilidade.

 

NOTAS
[1] Jonathan Sacks, The Home We Build Together: Recreating Society (Bloomsbury Academic, 2009).
[2] Atribuído a Lao-Tsu.
[3] Alexis De Tocqueville, Democracy in America , resumido e com uma introdução de Thomas Bender (The Modern Library, Nova York, 1981), 584.
[4] Isso não significa que não haja um papel para os governos; que tudo deve ser deixado para associações voluntárias. Longe disso. Existem coisas – desde o estado de direito até a defesa do reino, a aplicação de padrões éticos e a criação de uma distribuição equitativa dos bens necessários para uma existência digna – que somente os governos podem alcançar. A questão é o equilíbrio.

 

Texto original “The Home We Build Together” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

KI TISSÁ

Como os Líderes Falham O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

TETZAVÊ

O Contraponto da Liderança O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, base...

Leia mais →

TERUMÁ

A Casa que Construímos Juntos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, b...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS