SHELACH

Posted on junho 21, 2022

SHELACH

Montando Lembretes

Imagine o seguinte: você está dirigindo um pouco acima do limite de velocidade. Você vê um carro de polícia em seu espelho retrovisor. Você desacelera. Você sabe muito bem que é errado ultrapassar o limite de velocidade, esteja alguém assistindo ou não, mas, sendo humano, a probabilidade de ser descoberto e penalizado faz a diferença.

Recentemente, uma série de experimentos foi conduzida por psicólogos para testar o impacto da sensação de ser observado no comportamento pró-social. Chenbo Zhong, Vanessa Bohns e Francesca Gino construíram um teste para ver se a sensação de anonimato fazia diferença. Eles atribuíram aleatoriamente a um grupo de alunos óculos de sol ou óculos transparentes, dizendo-lhes que estavam testando reações a uma nova linha de produtos. Eles também receberam, em uma tarefa aparentemente não relacionada, seis dólares e a chance de compartilhar qualquer quantia com um estranho. Aqueles que usavam óculos transparentes deram em média US$ 2,71, enquanto aqueles que usavam óculos escuros deram uma média de US$ 1,81. O simples fato de usar óculos escuros e, assim, sentir-se irreconhecido e irreconhecível, reduzia a generosidade. Em outro experimento [1], Quanto mais pensamos que podemos ser observados, mais morais e generosos nos tornamos.

Kevin Haley e Dan Fessler testaram os alunos no chamado Jogo do Ditador, no qual você recebe, digamos, dez dólares, juntamente com a oportunidade de compartilhar um ou nenhum com um desconhecido anônimo. De antemão, e sem perceber que fazia parte do experimento, alguns alunos viram brevemente um par de olhos como protetor de tela do computador, enquanto outros viram uma imagem diferente. Aqueles expostos aos olhos deram 55% a mais para o estranho do que os outros. Em outro estudo, os pesquisadores colocaram uma cafeteira no corredor da universidade. Os transeuntes podiam tomar café e deixar dinheiro na caixa. Em algumas semanas um pôster com olhos atentos estava pendurado na parede próxima, em outras uma foto de flores. Nas semanas em que os olhos foram exibidos, as pessoas deixaram em média 2,76 vezes mais dinheiro do que em outras ocasiões. [2]

Ara Norenzayan, autor do livro Big Gods, do qual esses estudos são retirados, concluiu que “as pessoas observadas são boas pessoas”. [3] Isso é parte do que torna a religião uma força para um comportamento honesto e altruísta: a crença de que D-s vê o que fazemos. Não é coincidência que, como a crença em um D-s pessoal diminuiu no Ocidente, a vigilância por CCTV (do inglês: closed-circuit television – circuito fechado de televisão) e outros meios teve que ser aumentada. Voltaire disse uma vez que, quaisquer que fossem suas opiniões pessoais sobre o assunto, ele queria que seu mordomo e outros servos acreditassem em D-s porque assim ele seria menos enganado. [4]

Menos óbvia é a descoberta experimental de que o que faz a diferença na maneira como nos comportamos não é simplesmente o que acreditamos, mas o fato de sermos lembrados disso. Em um teste, conduzido por Brandon Randolph-Seng e Michael Nielsen, os participantes foram expostos a palavras piscadas por menos de 100 milissegundos, ou seja, tempo suficiente para serem detectadas pelo cérebro, mas não o suficiente para a percepção consciente. Eles foram então submetidos a um teste no qual eles tiveram a oportunidade de trapacear. Aqueles a quem foram mostradas palavras relacionadas a D-s eram significativamente menos propensos a fazê-lo do que as pessoas a quem foram mostradas palavras neutras. O mesmo resultado foi obtido por outro teste em que, previamente, alguns dos participantes foram solicitados a relembrar os Dez Mandamentos enquanto outros foram solicitados a lembrar os últimos dez livros que haviam lido. O simples fato de ser lembrado dos Dez Mandamentos reduzia a tendência de trapacear.

Outro pesquisador, Deepak Malhotra, pesquisou a disposição dos cristãos de doar para apelos de caridade online. A resposta foi 300% maior se o apelo fosse feito em um domingo do que em qualquer outro dia da semana. Claramente, os participantes não mudaram de opinião sobre a crença religiosa ou a importância de doações de caridade entre os dias da semana e os domingos. Simplesmente, aos domingos, era mais provável que pensassem em D-s. Um teste semelhante foi realizado entre os muçulmanos no Marrocos, onde se descobriu que as pessoas eram mais propensas a doar generosamente para caridade se morassem em um lugar onde pudessem ouvir o chamado para a oração de um minarete local.

A conclusão de Nazorayan é que “a religião está mais na situação do que na pessoa”, [5] ou, dito de outra forma, o que faz a diferença em nosso comportamento é menos o que acreditamos do que o fenômeno de ser lembrado, mesmo subconscientemente, de o que acreditamos.

Essa é precisamente a psicologia por trás da mitsvá de tsitsit na parashá desta semana de Shelach Lecha:

Este será o seu tzitzit e você o verá e se lembrará de todos os mandamentos do Senhor e os guardará, não se desviando de seu coração e de seus olhos, seguindo seus próprios desejos pecaminosos. Assim, você será lembrado de guardar todos os Meus mandamentos e ser santo para o seu D-s. (Número 15:39)

O Talmud (Menachot 44a) conta a história de um homem que, em um momento de fraqueza moral, decidiu visitar uma certa cortesã. Ele estava tirando suas roupas quando viu seu tzitzit e imediatamente congelou. A cortesã perguntou-lhe qual era o problema, e ele lhe contou sobre o tzitzit, dizendo que as quatro franjas haviam se tornado testemunhas acusadoras contra ele pelo pecado que estava prestes a cometer. A mulher ficou tão impressionada com o poder desse simples comando que se converteu ao judaísmo.

Às vezes deixamos de entender a conexão entre religião e moralidade. Dizem que Dostoiévski disse ter dito que se D-s não existisse, tudo seria permitido. [6] Esta não é a visão judaica dominante. De acordo com o rabino Nissim Gaon, os imperativos morais acessíveis à razão são obrigatórios desde os primórdios da humanidade. [7] Temos um senso moral. Sabemos que certas coisas estão erradas. Mas também temos desejos conflitantes. Somos levados a fazer o que sabemos que não devemos fazer, e muitas vezes cedemos à tentação. Quem já tentou perder peso sabe exatamente o que isso significa. No domínio moral, é o que a Torá quer dizer quando fala de “perseguir seu coração e seus olhos, seguindo seus próprios desejos pecaminosos”. (Números 15:39)

O senso moral, escreveu James Q. Wilson, “não é um farol forte irradiando para fora para iluminar em contornos nítidos tudo o que toca”. É, antes, “uma pequena chama de vela, lançando sombras vagas e múltiplas, bruxuleando e crepitando nos fortes ventos do poder e da paixão, da ganância e da ideologia”. Ele acrescentou: “Mas, aproximado do coração”, “dissipa as trevas e aquece a alma”. [8]

Wittgenstein disse uma vez que “o trabalho do filósofo consiste em montar lembretes”. [9] No caso do judaísmo, o propósito dos sinais exteriores – tzitzit , mezuzá e tefilin – é precisamente este: reunir lembretes, em nossas roupas, nossas casas, nossos braços e nossa cabeça, que certas coisas estão erradas, e que mesmo se nenhum outro ser humano nos vê, D-s nos vê e nos chamará a prestar contas. Como resultado de pesquisas recentes, agora temos a evidência empírica de que os lembretes fazem uma diferença significativa na forma como agimos.

“Enganoso é o coração mais do que todas as coisas e desesperadamente perverso; quem o conhecerá?” disse Jeremias. (Jeremias 17:9)

Uma das bênçãos e maldições da natureza humana é que usamos nosso poder da razão nem sempre e apenas para agir racionalmente, mas também para racionalizar e dar desculpas para as coisas que fazemos, mesmo quando sabemos que não deveríamos tê-las feito. Essa talvez seja uma das lições que a Torá deseja que tiremos da história dos espiões. Se tivessem se lembrado do que D-s havia feito ao Egito, o império mais poderoso do mundo antigo, não teriam dito: “Não podemos atacar esse povo; eles são mais fortes do que nós.” (Número 13:31) Mas foram dominados pelo medo. Emoções fortes – especialmente o medo – distorcem nossa percepção. Elas ativam a amígdala, a fonte de nossas reações mais primitivas, fazendo com que ela anule o córtex pré-frontal que nos permite pensar racionalmente sobre as consequências de nossas decisões.

Tzitzit, com seu fio azul, nos lembra o céu, e é disso que mais precisamos se quisermos agir consistentemente de acordo com os melhores anjos de nossa natureza.

 

NOTAS
[1] Chen-Bo Zhong, Vanessa K. Bohns e Francesca Gino, Boas lâmpadas são a melhor polícia: A escuridão aumenta a desonestidade e o comportamento de interesse próprio, Psychological Science 21 (2009), pp. 311–314.
[2] Este e os parágrafos seguintes são baseados em Ara Norenzayan, Big Gods: How Religion Transformed Cooperation and Conflict , Princeton University Press, 2013, pp. 13-54.
[3] Ibid., pág. 19.
[4] Voltaire, Escritos Políticos, ed. David Williams (Cambridge, NY: Cambridge University Press, 1994), p. 190.
[5] Norenzayan,  Big Gods, p. 39.
[6] Ele não disse essas palavras precisas, mas disse algo semelhante em Os Irmãos Karamazov (1880).
[7] Comentário a Brachot , introdução.
[8] James Q. Wilson, The Moral Sense , Free Press, 1993, p. 251.
[9] Investigações filosóficas , §127.

 

Texto original “Assembling Reminders” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT MAIS RECENTES

VAETCHANAN

O Certo e o Bom Enterrado entre as passagens épicas do Vaetchanan – entre elas o Shemá e os Dez Mandamentos – está uma brev...

Leia mais →

DEVARIM

Por Que Existem Tantos Advogados Judeus? No início do livro de Devarim, Moisés recapitula a história da experiência dos israel...

Leia mais →

MATOT–MASSEI

Juramentos e Votos A parashá de Matot começa com uma passagem sobre votos e juramentos e sua anulação. Usa vocabulário que ma...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS