SUCOT 5781

Posted on outubro 1, 2020

SUCOT 5781

Sucot em Poucas Palavras

A TORÁ nos diz para: “Viver em sucot por sete dias: Todos os israelitas nativos devem viver em sucot para que seus descendentes saibam que Eu fiz os israelitas viverem em sucot quando Eu os tirei do Egito: Eu sou o Senhor seu D-s”. (Vayikra 23: 42-43)

Existem duas opiniões na Mishná. O rabino Eliezer afirmava que a sucá representa as Nuvens de Glória que cercaram os israelitas durante os anos de deserto, protegendo-os do calor durante o dia e do frio durante a noite, e banhando-os com o brilho da presença Divina. O rabino Akiva, por outro lado, disse: “Sucot mammash”, significando que uma sucá é uma sucá, nem mais nem menos: é uma cabana, uma barraca, uma habitação temporária. Não tem simbolismo. É o que é.

Se seguirmos o Rabino Eliezer, então é óbvio porque celebramos fazendo uma sucá. Ela existe para nos lembrar de um milagre. Todos os três festivais de peregrinação são sobre milagres. Pessach é sobre o milagre do Êxodo, Shavuot é sobre o milagre da revelação no Monte Sinai e Sucot é sobre o cuidado terno de D-s por Seu povo, durante a jornada através do deserto. Mas de acordo com Rabi Akiva, uma sucá é meramente uma cabana, então qual foi o milagre? Não há nada de incomum em viver em uma cabana se você está vivendo uma existência nômade no deserto. Por que deveria haver um festival dedicado a algo comum, comum e não milagroso?

Rashbam (neto de Rashi) diz que a sucá estava lá para lembrar aos israelitas de seu passado, de forma que no exato momento eles sentissem a maior satisfação de viver em Israel – na época da colheita dos produtos da terra – eles deveriam se lembrar suas origens humildes. Eles já foram um grupo de refugiados sem casa, sem saber quando teriam que seguir em frente. O festival de Sucot, segundo Rashbam, existe para nos lembrar de nossas origens humildes para que nunca caiamos na complacência de tomar a liberdade, a terra de Israel e as bênçãos que ela produz, como certas.

No entanto, existe uma outra maneira de entender o Rabino Akiva. A sucá representa a coragem que os israelitas tiveram de viajar, se mover, deixar a segurança para trás e seguir o chamado de D-s, como fizeram Avraham e Sarah no início de nossa história. De acordo com o Rabino Akiva, a sucá é o lar temporário de um desabrigado temporariamente. Simbolizou a coragem de uma noiva disposta a seguir seu marido em uma jornada cheia de riscos a um lugar que ela nunca tinha visto antes – um amor que se mostrou no fato de que ela estava disposta a viver em uma cabana, confiando na promessa de seu marido de que um dia eles teriam uma casa permanente.

O que é realmente notável é que Sucot é chamado, por tradição, zeman simchateinu, “nosso tempo de alegria”. Essa, para mim, é a maravilha no cerne da experiência judaica: que os judeus ao longo dos tempos foram capazes de experimentar riscos e incertezas em todos os níveis de sua existência e ainda assim foram capazes de se alegrar. Isso é coragem espiritual de alto nível. A fé não é certeza; a fé é a coragem de viver com a incerteza. Fé é a capacidade de se alegrar em meio à instabilidade e à mudança, viajando pelo deserto do tempo em direção a um destino desconhecido.

 

SUCOT PARA O NOSSO TEMPO

DE TODOS OS FESTIVAIS, Sucot é certamente aquele que fala mais fortemente para o nosso tempo. O kohelet (que lemos em Sucot) quase poderia ter sido escrito no século XXI. Aqui está o sucesso final, o homem que tem tudo – as casas, os carros, as roupas, as mulheres que a adoram, a inveja de todos os homens – que buscou tudo que este mundo pode oferecer desde o prazer às posses ao poder à sabedoria e, ainda assim, quem, examinando a totalidade de sua vida, só posso dizer: “Sem sentido, sem sentido, tudo é sem sentido.”

O fracasso de Kohelet em encontrar um significado está diretamente relacionado à sua obsessão com o “Eu” e “Mim”: “Eu construí para mim mesmo. Eu juntei para mim. Eu adquiri para mim.” Quanto mais ele persegue seus desejos, mais vazia se torna sua vida. Não há crítica mais poderosa à sociedade de consumo, cujo ídolo é o eu, cujo ícone é a “selfie” e cujo código moral é “O que funciona para você”. Isso se reflete na sociedade de hoje que alcançou uma afluência sem precedentes, dando às pessoas mais opções do que jamais haviam conhecido, e ainda, ao mesmo tempo, viu um aumento sem precedentes no uso de álcool e drogas, distúrbios alimentares, síndromes relacionadas ao estresse, depressão, tentativa de suicídio e suicídio real. Uma sociedade de turistas, não de peregrinos, não produz a sensação de uma vida que valha a pena. De todas as coisas que as pessoas escolheram adorar, o eu é o menos realizador. Uma cultura de narcisismo rapidamente dá lugar à solidão e ao desespero.

No final do livro, Kohelet encontra significado em coisas simples. “Doce é o sono de um trabalhador. Aproveite a vida com a mulher que você ama. Coma, beba e aproveite o sol.” Esse, em última análise, é o significado de Sucot como um todo. É um festival de coisas simples. É, judaicamente, o momento em que nos aproximamos da natureza do que qualquer outro, sentando numa cabana com apenas folhas para telhado, e levando nas mãos os frutos não processados ​​e a folhagem do ramo da palmeira, a cidra, os ramos de murta e as folhas de salgueiro. É uma época em que nos libertamos brevemente dos prazeres sofisticados da cidade e dos artefatos processados ​​de uma era tecnológica, e recapturamos um pouco da inocência que tínhamos quando éramos jovens, quando o mundo ainda tinha o brilho do deslumbramento.

——————–

O PODER DO SUCOT é que ele nos leva de volta às raízes mais elementares do nosso ser. Você não precisa morar em um palácio para estar cercado por Nuvens de Glória. Você não precisa ser rico para comprar as mesmas folhas e frutas que um bilionário usa para adorar a D-s. Vivendo na sucá e convidando pessoas para sua refeição, você descobre – essa é a premissa de Ushpizin, os convidados místicos – que as pessoas que vieram visitá-lo são ninguém menos que Avraham, Yitzchak e Ya’akov e suas esposas. O que torna uma cabana mais bonita do que uma casa é que, quando se trata de Sucot, não há diferença entre os mais ricos dos ricos e os mais pobres dos pobres. Somos todos estranhos na terra, residentes temporários no universo quase eterno de D-s. E, quer sejamos capazes de ter prazer ou não, quer tenhamos encontrado a felicidade ou não, todos podemos sentir alegria.

——————-

SUCOT É O MOMENTO em que fazemos a pergunta mais profunda sobre o que torna uma vida digna de ser vivida. Tendo orado no Rosh Hashaná e no Yom Kipur para ser inscrito no Livro da Vida, Sucot e Kohelet nos forçam a lembrar como a vida realmente é breve e como é vulnerável. “Ensina-nos a contar corretamente os nossos dias, para que tenhamos um coração sábio” (Tehilim 90:12). O que importa não é quanto tempo vivemos, mas com que intensidade sentimos que a vida é um presente que retribuímos dando aos outros. Alegria, o tema irresistível do festival, é o que sentimos quando sabemos que é um privilégio simplesmente estar vivo, inalando a beleza inebriante deste momento em meio a profusão da natureza, a diversidade abundante da vida e o senso de comunhão com aqueles muitos outros com quem compartilhamos uma história e uma esperança.

MAJESTICAMENTE DE TODOS, Sucot é o festival da insegurança. É o reconhecimento sincero de que não existe vida sem risco, mas podemos enfrentar o futuro sem medo quando sabemos que não estamos sozinhos. D-s está conosco, na chuva que traz bênçãos à terra, no amor que trouxe o universo e a nós à existência, e na resiliência do espírito que permitiu a um povo pequeno e vulnerável sobreviver aos maiores impérios que o mundo já conheceu. Sucot nos lembra que a glória de D-s estava presente no pequeno Tabernáculo portátil que Moshe e os israelitas construíram no deserto de forma ainda mais enfática do que no Templo de Salomão com toda sua grandeza. Um templo pode ser destruído. Mas uma sucá, quebrada, pode ser reconstruída amanhã. Segurança não é algo que podemos alcançar fisicamente, mas é algo que podemos adquirir mental, psicologicamente e espiritualmente. Tudo o que precisa é coragem e vontade de sentar-se sob a sombra das asas protetoras de D-s.

A sucá tornou-se com o passar do tempo um símbolo, não apenas de quarenta anos no deserto, mas de séculos de exílio e dispersão. Só na Idade Média, os judeus foram expulsos da Inglaterra em 1290, da França várias vezes (1182, 1322, 1394), de Viena em 1421, Colônia em 1424, Baviera em 1442, Milão em 1489 e o mais traumaticamente, da Espanha em 1492. Na década de 1880, uma onda de pogroms no Leste da Europa enviou milhões de judeus em fuga para o Ocidente, e essas migrações continuam até hoje. A história judaica parece uma vasta continuação das etapas da jornada dos israelitas no capítulo trinta e dois do livro de Bamidbar: “Eles viajaram… e acamparam… Eles viajaram… e eles acamparam.” Muitas vezes, o lar não passava de uma morada temporária, uma sucá. Mais do que a maioria, seja na terra de Israel ou em qualquer outro lugar, os judeus conheceram toda a força da insegurança.

Ainda assim, com sua genialidade para o inesperado e sua capacidade de resgatar a esperança da tragédia, o judaísmo declarou este festival de insegurança como zeman simchateinu, a época de nossa alegria. Para a sucá, aquele símbolo quintessencial de vulnerabilidade, acaba por ser a personificação da fé, a fé de um povo que há quarenta séculos partiu em uma jornada carregada de riscos através de um deserto de espaço e tempo, sem mais proteção do que o presença protetora da Shechiná. Sentado na sucá sob sua copa de folhas,

Sempre penso em meus ancestrais e em suas peregrinações pela Europa em busca de segurança e começo a entender como a fé era seu único lar. Era frágil, assustadoramente exposto às tempestades de preconceito e ódio. Mas provou ser mais forte do que superpotências e sobreviveu a todos eles.

Perto do final de seu grande livro, A History of the Jewish, Paul Johnson escreveu:

Os judeus não eram apenas inovadores. Eles também foram exemplares e epitomizadores da condição humana. Eles pareciam apresentar todos os dilemas inescapáveis ​​do homem de uma forma intensificada e esclarecida… Os judeus eram o emblema da humanidade desabrigada e vulnerável. Mas não é toda a terra nada mais do que um acampamento temporário de trânsito?

Essas palavras vão ao coração de Sucot. Saber que a vida é cheia de riscos e ao mesmo tempo afirmá-la, sentir a plena insegurança da situação humana e ainda assim alegrar-se: isso, para mim, é a essência da fé. O Judaísmo não é uma ilusão reconfortante de que tudo está bem neste mundo escuro. Em vez disso, é a coragem de celebrar em meio à incerteza e se alegrar até mesmo no abrigo transitório da sucá, o símbolo judaico do lar.

 

Texto original por Rabbi Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

KI TISSÁ

Como os Líderes Falham O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

TETZAVÊ

O Contraponto da Liderança O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, base...

Leia mais →

TERUMÁ

A Casa que Construímos Juntos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, b...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS