VAERÁ

Posted on dezembro 30, 2021

VAERÁ

Livre Arbítrio

A questão é antiga. Se D-s endureceu o coração do Faraó, então foi D-s quem fez Faraó se recusar a deixar os israelitas irem, não o próprio Faraó. Como isso pode ser justo? Como poderia ser certo punir Faraó e seu povo por uma decisão – uma série de decisões – que não foram tomadas livremente? A punição pressupõe culpa. A culpa pressupõe responsabilidade. Responsabilidade pressupõe liberdade. Não culpamos os pesos por cair, ou o sol por brilhar. As forças naturais não são escolhas feitas refletindo sobre alternativas. O Homo sapiens sozinho é livre. Tire essa liberdade e você tira nossa humanidade. Como então pode se dizer, como ocorre em nossa parashá (Ex. 7: 3) que D-s endureceu [1] o coração do Faraó?

Todos os comentaristas são exercitados por esta questão. Maimônides e outros observam uma característica marcante da narrativa: nas primeiras cinco pragas, lemos que o próprio Faraó endureceu o coração. Só mais tarde, durante as últimas cinco pragas, lemos sobre D-s agindo assim. A conclusão que eles tiraram, portanto, é que as últimas cinco pragas foram, então, uma punição pelas primeiras cinco recusas, feitas livremente pelo próprio Faraó. [2]

Uma segunda abordagem, precisamente na direção oposta, é que durante as últimas cinco pragas D-s interveio não para  endurecer,  mas para  fortalecer  o coração do Faraó. Ele agiu para garantir que o Faraó mantivesse sua liberdade e não perdesse sua determinação. Tamanho foi o impacto das pragas que, no curso normal dos eventos, um líder nacional não teria escolha a não ser ceder a uma força superior. Como os próprios conselheiros do Faraó disseram antes da oitava praga: “Você ainda não percebeu que o Egito está destruído?” (Ex. 10: 7 ) Ceder naquele ponto seria uma ação sob coação, não uma genuína mudança de coração. Essa é a abordagem de Yosef Albo [3]  e Ovadiah Sforno. [4]

Uma terceira abordagem questiona o próprio significado da frase: “D-s endureceu o coração do Faraó”. Num sentido profundo, D-s, Autor da história, está por trás de cada acontecimento, de cada ato, de cada rajada de vento que sopra, de cada gota de chuva que cai. Normalmente, porém, não atribuímos a ação humana a D-s. Nós somos o que somos porque é assim que escolhemos ser, mesmo que isso tenha sido escrito muito antes no roteiro Divino para a humanidade. O que atribuímos a um ato de D-s? Algo que é incomum, caindo tão fora das normas do comportamento humano que achamos difícil de explicar de outra forma senão dizer, certamente isso aconteceu para um propósito.

O próprio D-s diz sobre a obstinação do Faraó que permitiu a Ele demonstrar a toda a humanidade que mesmo o maior império é impotente contra a mão do Céu (Ex. 7: 5; 14:18). O Faraó agiu livremente, mas suas últimas recusas foram tão estranhas que ficou óbvio para todos que D-s havia antecipado isso. Era previsível, parte do roteiro. D-s havia realmente revelado isso a Abraham séculos antes, quando Ele disse a ele em uma visão assustadora que seus descendentes seriam estrangeiros em uma terra que não era deles.  (Gen. 15: 13-14)

Todas essas são interpretações interessantes e plausíveis. Parece-me, porém, que a Torá está contando uma história mais profunda, que nunca perde sua relevância. Filósofos e cientistas tendem a pensar em termos de abstrações e universais. Alguns concluíram que temos livre arbítrio, outros não. Não há espaço conceitual entre eles.

Na vida, entretanto, não é assim que a liberdade funciona. Considere o vício: nas primeiras vezes que alguém joga, bebe álcool ou usa drogas, pode fazê-lo livremente, sabendo dos riscos, mas os ignorando. O tempo passa e sua dependência aumenta até que o desejo se torna tão intenso que as pessoas são quase impotentes para resistir a ele. Em um determinado ponto, eles podem ter que ir para a reabilitação. Eles não têm mais a capacidade de parar sem suporte externo. Como diz o Talmud, “Um prisioneiro não pode se libertar da prisão”. (Brachot 5b)

O vício é um fenômeno físico, mas existem equivalentes morais. Por exemplo, suponha que em uma ocasião significativa você mentiu. As pessoas agora acreditam em algo sobre você que não é verdade. À medida que eles questionam você sobre isso, ou surge em uma conversa, você se vê tendo que contar mais mentiras para apoiar a primeira. “Oh, que teia emaranhada nós tecemos”, disse Sir Walter Scott, “quando pela primeira vez praticamos para enganar”.

Isso diz respeito aos indivíduos. Quando se trata de organizações, o risco é ainda maior. Digamos que um membro sênior da equipe cometeu um erro caro que, se exposto, ameaça todo o futuro da empresa. Eles farão uma tentativa de encobrir isso. Para fazer isso, eles devem contar com a ajuda de outros, que se tornam co-conspiradores. À medida que o círculo de engano se amplia, ele se torna parte da cultura corporativa, tornando cada vez mais difícil para as pessoas honestas dentro da organização resistirem ou protestarem. Ele então precisa da rara coragem de um delator para expor e deter o engano. Muitas dessas histórias têm acontecido nos últimos anos. [5]

Dentro das nações, especialmente as não democráticas, o risco é ainda maior. Em empresas comerciais, as perdas podem ser quantificadas. Alguém em algum lugar sabe quanto foi perdido, quantas dívidas foram ocultadas e onde. Na política, pode não haver esse teste objetivo. É fácil afirmar que uma política está funcionando e justificar os contra indicadores aparentes. Uma narrativa emerge e se torna a sabedoria recebida. O conto de Hans Christian Andersen, A roupa nova do Rei, é a parábola clássica desse fenômeno. Uma criança vê a verdade e na inocência a deixa escapar, quebrando a conspiração de silêncio por parte dos conselheiros do monarca e da população da cidade.

Perdemos nossa liberdade gradualmente, muitas vezes sem perceber. Isso é o que a Torá tem observando quase desde o início. A declaração clássica de livre-arbítrio aparece na história de Caim e Abel. Vendo que Caim está irado porque sua oferta não encontrou favor, D-s disse a ele: “Se você fizer o que é certo, não será aceito? Mas se você não fizer o que é certo, o pecado está se agachando à sua porta; deseja ter você, mas você deve governá-lo”. (Gen. 4: 7) A manutenção do livre-arbítrio, especialmente em um estado de alta emoção como a raiva, requer força de vontade. Como observamos antes nesses estudos, [6] o que Daniel Goleman chama de ‘sequestro da amígdala (cerebral)’ pode ocorrer em que a reação instintiva toma o lugar da decisão reflexiva e fazemos coisas que são prejudiciais para nós e também para os outros. [7]  Essa é a ameaça emocional à liberdade.

Então, há uma ameaça social. Após o Holocausto, uma série de experimentos pioneiros foram realizados para julgar o poder do conformismo e da obediência à autoridade. Solomon Asch conduziu uma série de experimentos em que oito pessoas estavam reunidas em uma sala e eram mostradas a uma linha, depois perguntadas qual das outras três tinha o mesmo comprimento. Desconhecido para a oitava pessoa, as outras sete eram associadas do experimentador e estavam seguindo suas instruções. Em várias ocasiões, os sete conspiradores deram uma resposta que era claramente falsa, mas em 75 por cento dos casos a oitava pessoa estava disposta a concordar com eles e dar uma resposta que sabia ser falsa.

O psicólogo de Yale Stanley Milgram mostrou que indivíduos comuns estavam dispostos a infligir o que pareciam ser choques elétricos devastadoramente dolorosos em alguém em uma sala adjacente, quando instruídos a fazê-lo por uma figura de autoridade, o experimentador. [8]  O Experimento da Prisão de Stanford, conduzido por Philip Zimbardo, dividiu os participantes nas funções de prisioneiros e guardas. Em poucos dias, os “guardas” estavam agindo cruelmente e, em alguns casos, de forma abusiva com os prisioneiros, e o experimento, planejado para durar quinze dias, teve de ser cancelado depois de seis dias. [9]

O poder do conformismo, como esses experimentos mostraram, é imenso. É por isso, creio eu, que Abraham recebeu ordens de deixar sua terra, seu local de nascimento e a casa de seu pai. Esses são os três fatores – cultura, comunidade e primeira infância – que circunscrevem nossa liberdade. Os judeus ao longo dos tempos estiveram na sociedade, mas não fizeram parte dela. Ser judeu significa manter uma distância calibrada da época e de seus ídolos. A liberdade precisa de tempo para tomar decisões reflexivas e de distância para não se deixar levar pela conformidade.

Mais tragicamente, existe a ameaça moral. Às vezes esquecemos, ou nem mesmo sabemos, que as condições de escravidão que os israelitas experimentaram no Egito foram muitas vezes sentidas pelos próprios egípcios ao longo de muitas gerações. A grande pirâmide de Gizé, construída mais de mil anos antes do Êxodo, antes mesmo do nascimento de Abraham, reduziu grande parte do Egito a uma colônia de trabalho escravo por vinte anos. [10]  Quando a vida se torna barata e as pessoas são vistas como um meio e não um fim, quando os piores excessos são desculpados em nome da tradição e os governantes têm poder absoluto, então a consciência é corroída e a liberdade perdida porque a cultura criou um espaço isolado em que o grito dos oprimidos não pode mais ser ouvido.

Isso é o que a Torá quer dizer quando afirma que D-s endureceu o coração do Faraó. Escravizando os outros, o próprio Faraó foi escravizado. Ele se tornou um prisioneiro dos valores que ele mesmo havia defendido. A liberdade no sentido mais profundo, a liberdade de fazer o que é certo e o que é bom, não é um dado adquirido. Nós o adquirimos ou perdemos gradualmente. No final, os tiranos causam sua própria destruição, enquanto aqueles com força de vontade, coragem e vontade de ir contra o consenso adquirem uma liberdade monumental. Isso é o Judaísmo: um convite à liberdade, resistindo aos ídolos e aos cantos de sereia da época.

 

 

NOTAS

[1] Três verbos diferentes são usados ​​na narrativa para indicar o endurecimento do coração:  k-sh-h ,  ch-zk  e  kbd . Eles têm nuances diferentes: o primeiro significa ‘endurecer’, o segundo, ‘fortalecer’ e o terceiro, ‘tornar pesado’.
[2] Maimônides,  Hilchot Teshuvá  6: 3.
[3] Albo,  Sefer Ikkarim , IV, 25.
[4] Ver o comentário de Ovadiah Sforno  para Ex. 7: 3.
[5] Na Enron, consulte Bethany McLean e Peter Elkind,  Os caras mais espertos da sala: The Amazing Rise and Scandalous Fall of Enron , Nova York: Portfolio, 2003.
[6] Veja Além da Natureza , um artigo sobre Covenant & Conversation sobre parshat Noach.
[7] Daniel Goleman,  Emotional Intelligence , New York: Bantam, 1995.
[8] Stanley Milgram,  Obedience to Authority: An Experimental View , Nova York: Harper & Row, 1974.
[9] Philip G. Zimbardo,  The Lucifer Effect: Understanding How Good People Turn Evil , Nova York: Random House, 2007.
[10] Toby Wilkinson, The Rise and Fall of Ancient Egypt , Londres: Bloomsbury, 2010, pp. 72-91. Foi calculado, com base em um dia de trabalho de dez horas, que um bloco gigante de pedra pesando mais de uma tonelada teria que ser transportado para o local a cada dois minutos todos os dias durante vinte anos.

 

Texto original “Freewill” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT MAIS RECENTES

EKEV

O Poder da Gratidão No início da década de 1990, ocorreu um dos grandes exercícios de pesquisa médica dos tempos modernos. Fi...

Leia mais →

VAETCHANAN

O Certo e o Bom Enterrado entre as passagens épicas do Vaetchanan – entre elas o Shemá e os Dez Mandamentos – está uma brev...

Leia mais →

DEVARIM

Por Que Existem Tantos Advogados Judeus? No início do livro de Devarim, Moisés recapitula a história da experiência dos israel...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS