VAYKRÁ

Posted on março 25, 2020

VAYKRÁ

A Visão Profética do Sacrifício

Os sacrifícios, tema da parashá desta semana, foram fundamentais para a vida religiosa do Israel bíblico. Vemos isso não apenas pelo simples espaço dedicado a eles na Torá, mas também pelo fato de eles ocuparem seu livro central, Vaykrá.

Não tivemos o serviço de sacrifício desde a destruição do Segundo Templo, quase 2000 anos atrás. O que é profundamente relevante hoje, no entanto, é a crítica dos sacrifícios que encontramos entre os Profetas do primeiro Templo. Essa crítica foi aguda e profunda e formou muitos de seus discursos mais poderosos. Um dos primeiros foi proferido pelo Profeta Samuel: “O Senhor se deleita com ofertas queimadas e sacrifícios, tanto quanto em obediência ao mandamento do Senhor? Certamente, é melhor obediência do que sacrifício, obediência do que a gordura dos carneiros”. (1 Sam. 15:22)

Amós disse em nome de D-s: “Se você Me oferecer holocaustos – ou suas ofertas de alimentos – Eu não os aceitarei; Eu não prestarei atenção aos seus dons de engorda… Mas a justiça brotará como a água, a justiça como uma corrente sem fim”. (Amós 5: 21-24) Da mesma forma Oseias: “Pois desejo a bondade, não o sacrifício; obediência a D-s, em vez de holocaustos.”(Oseias 6: 6)

Encontramos uma crítica semelhante em vários Salmos. “Se tivesse fome, Eu não precisaria te dizer, pois a Mim pertence o universo e tudo que há nele. Porventura Me alimento da carne dos novilhos ou do sangue dos cabritos?” (Sal. 50: 8-15) “Senhor, abre meus lábios e minha boca proferirá Teu louvor. Tu não desejas sacrifícios – pois, do contrário, eu os ofereceria -, nem Te comprazes com oferendas queimadas. O verdadeiro sacrifício ao Eterno é o coração contrito; o Eterno jamais desprezará um coração angustiado e pleno de arrependimento.” (Sal. 51: 17-19)

Jeremias parece sugerir que a ordem de sacrifício não era a intenção inicial de D-s: “Pois quando libertei vossos pais da terra do Egito, não falei com eles nem os ordenei sobre ofertas queimadas ou sacrifícios. Mas é isso que eu lhes ordenei: faça minha vontade, para que eu seja seu D-s e vocês sejam meu povo; andem apenas no caminho que vos ordeno, para que possa estar bem com vocês.” (Jer. 7: 22-23)

A mais forte de todas é a passagem no início do livro de Isaías que lemos no Shabat Chazon (antes de Tisha b’Av): “’Que necessidade tenho Eu de todos os seus sacrifícios?’ diz o Senhor. Tenho mais do que suficiente em ofertas queimadas de carneiros e gordura de gado engordado; não tenho prazer no sangue de touros, cordeiros e cabras. Quando você vem à minha presença, quem pediu isso de você, para pisar em Meus átrios? Não trareis mais ofertas queimadas vãs! O teu incenso é detestável para Mim’”. (Is 1: 11-13)

Toda essa linha de pensamento, tocada por muitas vozes e sustentada por séculos, é extraordinária. O povo estava sendo criticado não por desobedecer à lei de D-s, mas por obedecê-la. Sacrifícios foram ordenados. Sua oferta foi um ato sagrado realizado em um lugar sagrado. O que então despertou a ira e a repreensão dos Profetas?

Não era que eles se opunham ao sacrifício como tal. Jeremias previu o dia em que “O povo virá das cidades de Judá e dos arredores de Jerusalém… trazendo holocaustos e sacrifícios, ofertas de alimentos e incenso, e trazendo ações de graça à Casa do Senhor”. (Jer. 17:26)

Da mesma forma Isaías: “Eu os trarei para o Meu monte sagrado e farei com que eles se regozijem em Minha casa de oração. Seus holocaustos e sacrifícios serão aceitáveis no Meu altar, pois Minha casa será chamada casa de oração para todos os povos.” (Is. 56: 7)

Eles não estavam criticando a instituição dos sacrifícios. Eles estavam criticando algo tão real agora como era no tempo deles. O que os afligiu até o âmago de seu ser foi a ideia de que você poderia servir a Deus e, ao mesmo tempo, agir com desdém, crueldade, injustamente, com insensibilidade ou sem sentimentos com outras pessoas. “Enquanto eu estiver nas boas graças de D-s, isso é tudo o que importa.” Esse é o pensamento que tornou os profetas incandescentes de indignação. Se você pensa assim, eles parecem dizer, então você não entendeu nem D-s nem a Torá.

A primeira coisa que a Torá nos diz sobre a humanidade é que somos cada um à imagem e semelhança do próprio D-s. Portanto, se você engana um ser humano, está abusando da única criação no universo em que D-s colocou Sua imagem. Um pecado contra qualquer pessoa é um pecado contra D-s.

Na primeira declaração de missão do povo judeu, D-s disse sobre Avraham: “Pois Eu o escolhi para que ele instrua seus filhos e sua posteridade a seguir o caminho do Senhor, fazendo o que é justo e correto”. (Gên. 18: 19) O caminho do Senhor é agir com justiça e retidão em relação a seus semelhantes. No contexto, isso significava que D-s estava convidando Avraham a rezar em nome do povo de Sodoma, mesmo sabendo que eles eram maus e pecadores.

É especificamente no livro de sacrifícios, Vaykrá, que encontramos os mandamentos gêmeos de amar o próximo como a si mesmo e amar o estrangeiro (Lev. 19:18, 33-34). Os sacrifícios que expressam nosso amor e reverência a D-s devem levar ao amor do próximo e do estrangeiro. Deveria haver uma transição contínua de mandamentos entre nós e D-s para mandamentos entre nós e nossos companheiros humanos.

Amós, Oseias, Isaías, Miquéias e Jeremias testemunharam sociedades nas quais as pessoas eram meticulosas em levar suas ofertas ao Templo, mas nas quais havia suborno, corrupção, perversão da justiça, abuso de poder e exploração dos impotentes pelos poderosos. Os Profetas viram nisso uma contradição profunda e perigosa.

O próprio ato de trazer um sacrifício era repleto de ambiguidade. Nos tempos antigos, os judeus não eram os únicos a ter templos, sacerdotes e sacrifícios. Quase todo mundo fez. Foi precisamente aqui que a religião do antigo Israel se aproximou, exteriormente, das práticas de seus vizinhos pagãos. Mas os sistemas de sacrifício de outras culturas foram baseados em crenças totalmente diferentes. Em muitas religiões, os sacrifícios eram vistos como uma maneira de aplacar ou apaziguar os deuses. Os astecas acreditavam que as ofertas de sacrifício alimentavam os deuses que sustentavam o universo. Walter Burkert especulou que os gregos antigos experimentavam culpa quando matavam animais por comida, por isso ofereciam sacrifícios como uma maneira de apaziguar suas consciências.

Todas essas ideias são estranhas ao judaísmo. D-s não pode ser subornado ou apaziguado. Nem podemos trazer a Ele qualquer coisa que não seja Dele. D-s sustenta o universo: o universo não o sustenta. E erros corrigidos pelo sacrifício não desculpam outros erros. Portanto, intenção e atitude mental eram essenciais no sistema de sacrifício. O pensamento de que “se eu trouxer um sacrifício a D-s, Ele ignorará meus outros defeitos” – com efeito, a ideia de que eu posso subornar o Juiz de toda a terra – transforma um ato sagrado em pagão e produz exatamente o resultado oposto daquele pretendido pela Torá. Transforma o culto religioso de um caminho para o certo e o bom, para facilitar a consciência daqueles que praticam o errado e o mal.

Servir a D-s é servir à humanidade. Esse foi o ponto apontado de forma memorável por Miqueias: “Ele lhe disse, ó homem, o que é bom e o que o Senhor exige de você: fazer justiça, amar a bondade e andar humildemente com seu D-s.” (Miqueias 6 : 6-8). Jeremias disse sobre o rei Josias: “Ele julgou a causa dos pobres e necessitados; então estava tudo bem com ele: não é isto que significa conhecer-Me? diz o Senhor ”. (Jer. 22:16) Conhecer a D-s, disse Jeremias, significa cuidar dos necessitados.

Maimônides disse essencialmente o mesmo no final do Guia para os Perplexos (III, 54). Ele cita Jeremias: “Somente nesta glória deve haver: que eles tenham entendimento para Me conhecer, que eu sou o Senhor, que exerce bondade, justiça e retidão na terra, pois nisto me deleito”, diz o Senhor”. (Jer 9:23) Conhecer D-s é saber o que é agir com bondade, justiça e retidão.

O perigo do sistema de sacrifício, disseram os Profetas, é que ele pode levar as pessoas a pensar que existem dois domínios, o Templo e o mundo, servindo a D-s e cuidando dos semelhantes, e que eles estão desconectados. O judaísmo rejeita o conceito de dois domínios desconectados. De acordo com a Halachá eles são distintos, mas psicologicamente, ética e espiritualmente eles são parte de um único sistema indivisível.

Acredito que amar a D-s é amar nossos semelhantes. Honrar a D-s é honrar nossos semelhantes. Não podemos pedir a D-s que nos ouça se não estivermos dispostos a ouvir os outros. Não podemos pedir a D-s que nos perdoe se não estivermos dispostos a perdoar os outros. Conhecer D-s é procurar imitá-Lo, o que significa, segundo Jeremias e Maimônides, exercer a bondade, a justiça e a retidão na terra.

Shabat Shalom

 

Texto original “The Prophetic View of Sacrifice” por Rabino Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

EKEV

Liderar é Ouvir O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu ...

Leia mais →

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS