BEHAR-BECHUKOTAI

Posted on maio 12, 2020

BEHAR-BECHUKOTAI

O Poder De Uma Maldição

O livro de Vayikrá chega ao fim, descrevendo as bênçãos que se seguirão se o povo for fiel à sua aliança com D-s. Em seguida, descreve as maldições que ocorrerão se não form. O princípio geral é claro. Nos tempos bíblicos, o destino da nação espelhava a conduta da nação. Se as pessoas se comportassem bem, a nação prosperaria. Se eles se comportassem mal, eventualmente coisas ruins aconteceriam. Isso é o que os profetas sabiam. Como Martin Luther King parafraseou: “O arco do universo moral é longo, mas se inclina para a justiça”. [1] Nem sempre imediatamente, mas no final das contas, o bem é recompensado com o bem, o mal com o mal.

Nossa parashá estabelece os termos dessa equação: se você obedecer a D-s, haverá chuva em sua estação, o solo produzirá suas colheitas e as árvores seus frutos; haverá paz. As maldições, no entanto, são quase três vezes mais longas e muito mais dramáticas no idioma que usam:

“Mas se você não Me ouvir e cumprir todos esses mandamentos… então farei isso: Eu vou lhe trazer terror repentino, consumindo com doenças e febre que destruirão sua visão e minarão suas forças…

Vou quebrar seu orgulho teimoso e fazer o céu acima de você como ferro e o chão embaixo de você como bronze… Vou enviar animais selvagens contra você, e eles vão roubar seus filhos, destruir seu gado e torná-lo tão poucos em número que suas estradas ficarão desertas… Sua terra será assolada e suas cidades ficarão em ruínas…

Quanto aos que restarem, farei com que seus corações se amedrontem nas terras de seus inimigos, que o som de uma folha soprada pelo vento os levará a fugir. Eles correrão como se estivessem fugindo da espada e cairão, mesmo que ninguém os esteja perseguindo.” (Lev. 26: 14-37)

 Há uma eloquência selvagem aqui. As imagens são vivas. Há um ritmo pulsante nos versos, como se o destino cruel que atingisse a nação fosse inexorável, cumulativo e acelerado. O efeito é intensificado pelos repetidos golpes de martelo: “Se depois de tudo isso… se você permanecer hostil… se apesar dessas coisas… se apesar disso”. A palavra keri, chave de toda a passagem, é repetida sete vezes. Não aparece em nenhum outro lugar em todo o Tanach. Seu significado é incerto. Pode significar rebeldia, obstinação, indiferença, coração duro, relutância ou ser deixado ao acaso. Mas o princípio básico é claro. Se você agir em relação a Mim com keri, diz D-s, voltarei o mesmo atributo contra você e você ficará arrasado.

Há muito tempo é costume ler a tochachah, as maldições, aqui e na passagem paralela em Devarim 28, em voz baixa na sinagoga, que tem o efeito de roubar seu poder aterrorizante se pronunciadas em voz alta. Mas eles têm medo o suficiente, porém são lidos. E tanto aqui como em Devarim, a seção sobre maldições é mais longa e muito mais viva do que a seção sobre bênçãos.

Isso parece contradizer um princípio básico do judaísmo, que a generosidade de D-s para com aqueles que são fiéis a Ele excede em muito o castigo de quem não é. “O Senhor, o Senhor, D-s compassivo e gracioso, lento para irar-se, abundante em amor e fidelidade, mantendo amor a milhares… Ele castiga os filhos e seus filhos pelo pecado dos pais até a terceira e quarta geração.” (Ex 34: 6-7) Rashi faz a aritmética: “Segue-se, portanto, que a medida de recompensa é maior que a medida de punição em quinhentos a um, pois em relação à medida de bem diz: “mantendo amor a milhares” (significando pelo menos duas mil gerações), enquanto a punição dura no máximo quatro gerações.

Toda a ideia contida nos 13 Atributos da Compaixão é que o amor e o perdão de D-s são mais fortes do que Sua justiça e punição. Por que, portanto, as maldições na parashá desta semana são muito mais longas e mais fortes do que as bênçãos?

A resposta é que D-s ama e perdoa, mas com a condição de que, quando erramos, reconhecemos o fato, expressamos remorso, restituímos aqueles a quem prejudicamos e nos arrependemos. No meio dos Treze Atributos de Misericórdia, está a afirmação: “No entanto, Ele não deixa os culpados impunes”. (Ex. 34: 7) D-s não perdoa o pecador impenitente, porque, se o fizesse, tornaria o mundo um lugar pior, não melhor. Mais pessoas pecariam se não houvesse desvantagem em fazê-lo.

A razão pela qual as maldições são tão dramáticas não é porque D-s procura punir, mas exatamente o oposto. O Talmud nos diz que D-s chora quando Ele permite que um desastre atinja Seu povo: “Ai de Mim, que por causa de seus pecados eu destruí Minha Casa, queimei Meu Templo e os exilei [Meus filhos] entre as nações do mundo.” [2] As maldições foram feitas como um aviso. Elas pretendiam deter, assustar, desencorajar. Elas são como um pai avisando uma criança pequena para não brincar com eletricidade. Os pais podem intencionalmente assustar a criança, mas o fazem por amor, não por severidade.

O exemplo clássico é o livro de Jonas. D-s diz a Jonas, o Profeta, que vá a Nínive e avise o povo: “Em quarenta dias Nínive será destruída”. Ele faz isso. As pessoas o levam a sério. Eles se arrependem. D-s então se arrepende de Sua ameaça de destruir a cidade. Jonas reclama a D-s que Ele o fez parecer ridículo. Sua profecia não se tornou realidade. Jonas não conseguiu entender a diferença entre uma profecia e uma previsão. Se uma previsão se torna realidade, ela foi bem-sucedida. Se uma profecia se torna realidade, ela falha. O Profeta diz às pessoas o que acontecerá se elas não mudarem. Uma profecia não é uma previsão, mas um aviso. Ele descreve um futuro medroso para convencer as pessoas a evitá-lo. Isso é o que a tochachah é.

Em seu novo livro, The Power of Bad, [3] John Tierney e Roy Baumeister argumentam, com base em evidências científicas substanciais, que o mal tem muito mais impacto sobre nós do que o bem. Damos mais atenção às más notícias do que às boas. A má saúde faz mais diferença para nós do que a boa saúde. A crítica nos afeta mais do que elogios. Uma reputação ruim é mais fácil de adquirir e mais difícil de perder do que uma boa.

Os seres humanos são projetados – “conectados” – para perceber e reagir rapidamente à ameaça. Não perceber um leão é mais perigoso do que não notar um fruto amadurecido em uma árvore. Reconhecer a bondade de um amigo é bom e virtuoso, mas não tão significativo quanto ignorar a animosidade de um inimigo. Um traidor pode trair uma nação inteira.

Daqui resulta que o bastão é um motivador mais poderoso que a cenoura. É mais provável que o medo da maldição afete o comportamento do que o desejo pela bênção. Ameaça de punição é mais eficaz que promessa de recompensa. Tierney e Baumeister documentam isso em uma ampla gama de casos, desde a educação até as taxas de criminalidade. Onde existe uma clara ameaça de punição por mau comportamento, as pessoas se comportam melhor.

O judaísmo é uma religião de amor e perdão. Mas também é uma religião da justiça. Os castigos na Torá existem não porque D-s ama punir, mas porque Ele quer que ajamos bem. Imagine um país que tinha leis, mas não punições. As pessoas manteriam a lei? Não. Todos escolheriam ser um free-rider (clandestino), aproveitando os esforços dos outros sem contribuir com eles mesmos. Sem punição, não há lei efetiva e, sem lei, não há sociedade. Quanto mais poderosamente se apresenta o mal, maior a probabilidade de as pessoas escolherem o bem. É por isso que a tochachah é tão poderosa, dramática e indutora de medo. O medo do mal é o motivador mais poderoso do bem.

Acredito que ser avisado do mal nos ajuda a escolher o bem. Muitas vezes fazemos escolhas erradas porque não pensamos nas consequências. Foi assim que o aquecimento global aconteceu. É assim que as falhas financeiras acontecem. É assim que as sociedades perdem sua solidariedade. Muitas vezes, as pessoas pensam hoje, não depois de amanhã. A Torá, pintando nos detalhes mais vivos o que pode acontecer a uma nação quando perde sua orientação moral e espiritual, está falando conosco em todas as gerações, dizendo: Cuidado. Tome nota. Não aja no piloto automático. Quando uma sociedade começa a desmoronar, já é tarde demais. Evite o mal. Escolha o bem. Pense bem e escolha o caminho que leva às bênçãos.

Shabat Shalom

 

NOTAS
[1] Esta é uma citação que o Dr. King usou muitas vezes, inclusive durante a marcha de Selma em 1965, ao responder à pergunta: Quanto tempo levará para se ver a justiça social? Agora isso é amplamente aclamado como uma de suas citações mais famosas, embora King estivesse citando o ministro unitário do século 19 e o abolicionista Theodore Parker, de Massachusetts.
[2] Brachot 3a .
[3] John Tierney e Roy Baumeister, O Poder do Mal, Allen Lane, 2019.

 

Texto original “The Power of a Curse” por Rabino Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS