EMOR

Posted on maio 5, 2020

EMOR

Incerteza Radical

Há algo muito estranho na festa de Sucot, do qual nossa parashá é a fonte primária. Por um lado, é a festa supremamente associado à alegria. É a única festa em nossa parashá que menciona regozijo: “E você se alegrará diante do Senhor, seu D-s, sete dias”. (Lev. 23:40) Na Torá como um todo, a alegria não é mencionada em relação a Rosh Hashaná, Yom Kipur ou Pessach, uma vez em conexão com Shavuot e três vezes em relação a Sucot. Daí o seu nome: z’man simchatenu, a festa da nossa alegria.

No entanto, o que lembra é um dos elementos mais negativos dos anos do deserto: “Você viverá em cabanas sete dias; todos os cidadãos de Israel viverão em cabanas, para que as gerações futuras saibam que Eu fiz os israelitas viverem em cabanas quando os tirei da terra do Egito, Eu, o Senhor, seu D-s.” (Lev. 23: 42-43)

Por quarenta anos, os israelitas viveram sem lares permanentes, frequentemente em movimento. Eles estavam no deserto, na terra de ninguém, onde é difícil saber o que esperar e que perigos aguardam pelo caminho. Certamente, o povo vivia sob proteção divina. Mas eles nunca puderam ter certeza antecipada se isso aconteceria e que forma essa proteção poderia assumir. Foi um período prolongado de insegurança.

Como, então, devemos entender o fato de que Sucot de todas as festas se chama z’man simchatenu, a festa de nossa alegria? Teria sentido chamar Pessach – o aniversário da liberdade – a festa da alegria. Teria sentido chamar Shavuot – o dia da revelação no Sinai – a festa da alegria. Mas por que dar esse título para uma festa que comemora quarenta anos de exposição ao calor, frio, vento e chuva. Lembrando disso, por que devemos sentir alegria?

Além disso, qual foi o milagre? Pessach e Shavuot lembram milagres. Mas viajar pelo deserto apenas com lares temporários não era milagroso nem único. É isso que as pessoas que viajam pelo deserto fazem. Eles devem fazer. Eles estão em uma jornada. Eles só podem ter uma moradia temporária. A esse respeito, não havia nada de especial na experiência dos israelitas.

Foi essa consideração que levou o Rabino Eliezer [1] a sugerir que a sucá representa as Nuvens da Glória, ananei kavod, que acompanharam os israelitas durante aqueles anos, protegendo-os do calor e do frio, protegendo-os de seus inimigos e guiando-os a seguir em frente no caminho. Esta é uma solução bonita e imaginativa para o problema. Ele identifica um milagre e explica por que uma festa deve ser dedicada a lembrá-lo. É por isso que Rashi e Ramban tomam isso como o sentido claro do verso.

Mas é difícil, no entanto. Uma sucá não se parece em nada com as Nuvens da Glória. Seria difícil imaginar algo menos como as Nuvens da Glória. A conexão entre uma sucá e as Nuvens de Glória não vem da Torá, mas do livro de Isaías, referindo-se não ao passado, mas ao futuro:

Então o Senhor criará sobre todo o monte Sion e sobre os que ali se reúnem uma nuvem de fumaça durante o dia e um brilho de fogo flamejante durante a noite; sobretudo a glória será um dossel. Será uma sucá por sombra do calor durante o dia, e um abrigo e esconderijo contra a tempestade e a chuva. (Is 4: 5-6)

O Rabino Akiva discorda da visão do rabino Eliezer e diz que uma sucá é o que diz: uma cabana, uma tenda, uma habitação temporária. [2] Qual, segundo o Rabino Akiva, foi o milagre? Não há como saber a resposta. Mas podemos adivinhar.

Se uma sucá representa as Nuvens da Glória – a visão do Rabino Eliezer -, ela celebra o milagre de D-s. Se representa nada além de uma sucá – a visão do Rabino Akiva -, celebra o milagre humano de que Jeremias falou quando disse: “Assim disse o Senhor: Lembro-me da devoção de sua juventude, como noiva que você me amou e me seguiu no deserto, por uma terra não semeada”. (Jr 2: 2)

Os israelitas podem ter reclamado e se rebelado. Mas eles seguiram a D-s. Eles continuaram. Como Avraham e Sarah, eles estavam preparados para viajar para o desconhecido.

Se entendermos que esse é um milagre, podemos inferir uma verdade profunda sobre a própria fé. Fé não é certeza. A fé é a coragem de viver com a incerteza. Quase todas as fases do êxodo estavam repletas de dificuldades, reais ou imaginárias. É isso que torna a Torá tão poderosa. Não finge que a vida é mais fácil do que é. A estrada não é reta e a jornada é longa. Coisas inesperadas acontecem. Crises aparecem de repente. Torna-se importante incorporar na memória das pessoas o conhecimento de que podemos lidar com o desconhecido. D-s está conosco, nos dando a coragem que precisamos.

Cada sucá é como se D-s estivesse nos lembrando: não pense que você precisa de paredes sólidas para se sentir seguro. Guiei seus ancestrais pelo deserto, para que nunca esquecessem a jornada que tinham que fazer e os obstáculos que precisavam superar para chegar a essa terra. Ele disse: “Fiz os israelitas viverem em cabanas quando os tirei da terra do Egito”. (Lev. 23:43) Nessas cabanas, frágeis e abertas aos elementos, os israelitas aprenderam a coragem de viver com a incerteza.

Outras nações contaram histórias que comemoravam sua força. Eles construíram palácios e castelos como expressões de invencibilidade. O povo judeu era diferente. Eles carregavam consigo uma história sobre as incertezas e os perigos da história. Eles falaram da jornada de seus ancestrais através do deserto, sem lares, casas, proteção contra os elementos. É uma história de força espiritual, não força militar.

Sucot é uma prova da sobrevivência do povo judeu. Mesmo que perca sua terra e seja novamente lançado no deserto, não perderá o coração nem a esperança. Lembrará que passou seus primeiros anos como nação vivendo em uma sucá, uma habitação temporária exposta aos elementos. Saberá que no deserto, nenhum acampamento é permanente. Ele continuará viajando até mais uma vez alcançar a terra prometida: Israel, seu lar.

Não é por acaso que o povo judeu é o único a sobreviver a 2.000 anos de exílio e dispersão, com sua identidade intacta e energia inabalável. São as únicas pessoas que podem viver em uma cabana com folhas como um telhado e ainda assim se sentirem cercadas por nuvens de glória. São as únicas pessoas que podem viver em uma habitação temporária e ainda se alegrar.

O economista John Kay e o ex-governador do Banco da Inglaterra, Mervyn King, acabam de publicar um livro, Incerteza radical. [3] Nele, eles fazem a distinção entre risco, que é calculável, e incerteza, que não é. Eles argumentam que as pessoas confiaram demais nos cálculos de probabilidade enquanto negligenciam o fato de que o perigo pode aparecer de uma fonte completamente inesperada. O surgimento repentino do novo coronavírus, assim como o livro previu, provou o argumento. As pessoas sabiam que havia uma possibilidade de uma pandemia. Mas ninguém sabia como seria, de onde viria, com que rapidez se espalharia e qual seria o custo.

Mais importante do que o cálculo das probabilidades, dizem eles, é entender a situação, respondendo à pergunta: “O que está acontecendo?” [4] Isso, eles dizem, nunca é respondido por estatísticas ou previsões, mas pela narrativa, contando uma história.

É exatamente disso que Sucot trata. É uma história sobre incerteza. Diz-nos que podemos saber tudo o mais, mas nunca saberemos o que o amanhã trará. O tempo é uma jornada através de um deserto.

Em Rosh Hashaná e Yom Kipur, oramos para sermos inscritos no Livro da Vida. Em Sucot, nos alegramos porque acreditamos que recebemos uma resposta positiva à nossa oração. Mas, quando nos voltamos para o próximo ano, reconhecemos desde o início que a vida é frágil, vulnerável de uma dúzia de maneiras diferentes. Não sabemos qual será nossa saúde, qual será nossa carreira ou meio de vida ou o que acontecerá à sociedade e ao mundo. Não podemos escapar da exposição ao risco. Isso é o que a vida é.

A sucá simboliza viver com imprevisibilidade. Sucot é a festa da incerteza radical. Mas a coloca dentro da estrutura de uma narrativa, exatamente como Kay e King sugerem. Nos diz que, embora viajemos por um deserto, nós, como povo, chegaremos ao nosso destino. Se virmos a vida através dos olhos da fé, saberemos que estamos cercados por Nuvens de Glória. Em meio à incerteza, nos sentiremos capazes de nos alegrar. Não precisamos de castelos para proteção ou de palácios para a glória. Uma sucá humilde serve, pois quando nos sentamos dentro dela, sentamos embaixo do que o Zohar chama de “a sombra da fé”.

Acredito que a experiência de deixar a proteção de uma casa e entrar na exposição da sucá é uma maneira de domar nosso medo do desconhecido. É dito: Já estivemos aqui antes. Todos somos viajantes em uma jornada. A Presença Divina está conosco. Não precisamos ter medo. Essa é uma fonte da resiliência de que precisamos em nosso mundo interconectado, perigoso e radicalmente incerto.   

 

Shabat Shalom

 

Notas
[1] Sucá 11b.
[2] Sucá 11b.
[3] John Kay e Mervyn King, Incerteza Radical , Bridge Street Press, 2020.
[4] Os autores derivam essa ideia de Richard Rumelt, Good Strategy / Bad Strategy , Crown, 2011.

 

Texto original “Radical Uncertainty” por Rabino Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

EKEV

Liderar é Ouvir O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu ...

Leia mais →

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS