BEHAR – BEHUKOTAI

Posted on maio 16, 2017

BEHAR – BEHUKOTAI

Direitos das Minorias

Uma das características mais marcantes da Torá é sua ênfase no amor e na vigilância em relação ao ger, ao estrangeiro:

Não oprimir um estrangeiro; Vós mesmos sabeis como um estrangeiro se sente, porque foste estrangeiro no Egito. (Êx 23: 9)

Porque o Senhor teu D-us é D-us dos deuses e Senhor dos senhores, o grande D-us, poderoso e impressionante, que não mostra parcialidade e não aceita subornos. Ele defende a causa do órfão e da viúva, e ama o estrangeiro que reside entre vocês, dando-lhes comida e roupas. Você deve amar aqueles que são estrangeiros, pois vocês foram estrangeiros no Egito. (Deuteronômio 10: 17-19)

Os sábios chegaram ao ponto de dizer que a Torá chega a nos mandar em apenas um lugar para amar o nosso próximo, mas trinta e seis vezes para amar o estrangeiro (Baba Metsia 59b).

Qual é a definição de um estrangeiro? Claramente a referência é para quem não é judeu por nascimento. Poderia significar um dos habitantes originais da terra de Canaã. Poderia significar um da “multidão mista”, aquela que deixou o Egito com os israelitas. Poderia significar um estranho que entrou na terra procurando segurança ou um meio de subsistência.

Seja qual for o caso, um grande significado está ligado à maneira como os israelitas tratam um estranho. Isso era o que eles deveriam aprender com sua própria experiência de exílio e sofrimento no Egito. Eram estrangeiros. Eles foram oprimidos. Portanto, eles sabiam “como é ser um estrangeiro”. Eles não deveriam infligir aos outros o que uma vez lhes foi infligido.

Os Sábios sustentaram que a palavra ger poderia significar uma de duas coisas. Uma delas era um ger tzedek, convertido ao judaísmo, que havia aceito todos os seus mandamentos e obrigações. O outro era o ger toshav, o “estrangeiro residente”, que não havia adotado a religião de Israel, mas que vivia na terra de Israel. Behar detalha os direitos de tal pessoa. Especificamente:

Se algum de seus irmãos israelitas se tornar pobre e for incapaz de se sustentar entre vocês, ajude-os como se fosse um estrangeiro residente, para que ele possa continuar a viver entre vocês. (Levítico 25:35)

Em outras palavras, há uma obrigação de apoiar e sustentar um estrangeiro residente. Não só ele ou ela tem o direito de viver na Terra Santa, mas eles têm o direito de partilhar as suas disposições de bem-estar. Lembre-se de que esta é uma lei muito antiga, muito antes dos sábios formularem tais princípios como “os caminhos da paz”, obrigando os judeus a oferecerem caridade e cuidados aos não judeus, bem como aos judeus.

O que, então, era um ger toshav? Há três pontos de vista no Talmud. Segundo Rabi Meir, era alguém que se encarregava de não adorar ídolos. De acordo com os Sábios, era alguém que se comprometia a guardar os sete mandamentos de Noach. Uma terceira visão, mais rigorosa, sustentava que era alguém que se comprometera a guardar todos os mandamentos da Torá exceto um, a proibição da carne não abatida ritualisticamente (Avodah Zarah 64b).

A lei segue os sábios. Um ger toshav é, portanto, um não judeu que vive em Israel e aceita as leis de Noach vinculadas para todos.

Assim, Ger toshav é uma das primeiras formas de direitos das minorias. De acordo com o Rambam, há uma obrigação dos judeus em Israel de estabelecer tribunais para os estrangeiros residentes, permitindo-lhes resolver suas próprias disputas – ou disputas que eles têm com judeus – de acordo com as disposições da lei de Noach. O Rambam acrescenta: “Deve-se agir em relação aos estrangeiros residentes com o mesmo respeito e bondade como se faria com um companheiro judeu” (Hilkhot Melachim 10:12).

A diferença entre esta e mais tarde a legislação de “formas de paz” é que as formas de paz se aplicam a não judeus, independentemente de suas crenças ou práticas religiosas. Elas datam de uma época em que os judeus eram uma minoria em um ambiente predominantemente não judaico, não monoteísta. As “formas de paz” são regras essencialmente pragmáticas do que hoje chamaríamos boas relações comunitárias e cidadania ativa em uma sociedade multiétnica e multicultural. A legislação ger toshav é mais profunda. Baseia-se não no pragmatismo, mas no princípio religioso. De acordo com a Torá você não precisa ser judeu em uma sociedade judaica e terras judaicas para ter muitos dos direitos de cidadania. Você simplesmente tem que ser moral.

Uma vinheta bíblica retrata isto com poder enorme. O rei Davi se apaixonou e teve um relacionamento adúltero com Batsheva, esposa de um ger toshav, Uriah, o hitita. Ela ficou grávida. Uriah, entretanto, esteve longe de casa como soldado no exército de Israel.

Enquanto isso Uriah estava fora de casa como soldado do exercito de Israel. David, temendo que Uriah voltasse para casa, vendo que sua esposa está gravida, viesse a perceber que ela cometeu adultério, e descobrisse que o rei é o culpado.  Seu pretexto é que ele queria saber como a batalha está se desenrolando. Ele então diz a Uriah para ir para casa e dormir com sua esposa antes de retornar, de modo que ele mais tarde venha a assumir que ele é o pai da criança. O plano falha. Isto é o que acontece:

Quando Uriah veio a ele, Davi lhe perguntou como estava Joab , como eram os soldados e como a guerra estava se desenrolando. Então David diz a Uriah: “Desce a tua casa e lava os teus pés.” Então Urias deixou o palácio, e um presente do rei foi enviado mais tarde. Mas Uriah dormiu à entrada do palácio com todos os servos de seu senhor e não desceu à sua casa.

David foi informado: “Uriah não foi para casa.” Então ele perguntou a Uriah: “Você não veio de uma campanha militar? Por que não foi para casa?

Uriah disse a Davi: “A arca, Israel e Judá estão em tendas, e o meu comandante Joab e os homens de meu senhor estão acampados em campo aberto. Como eu poderia ir a minha casa para comer e beber e fazer amor com minha esposa? Tão certo quanto você está vivo, eu não farei tal coisa!” (2 Samuel 11: 6-11)

A lealdade absoluta de Uriah ao povo judeu, apesar de não ser ele mesmo judeu, contrasta com o rei David, que permaneceu em Jerusalém, não esteve com o exército e, em vez disso, teve um relacionamento com a esposa de outro homem. O fato de que o Tanach pode contar tal história em que um estrangeiro residente é o herói moral, e David, o maior rei de Israel, o malfeitor, nos diz muito sobre a moralidade do judaísmo.

Os direitos das minorias são o melhor teste para uma sociedade livre e justa. Desde os dias de Moisés, eles têm sido centrais para a visão do tipo de sociedade que D-us quer que criemos na terra de Israel. Como é vital, portanto, que os levemos a sério hoje atualmente.
Texto original: “Minority Rights” por Rabino Jonathan Sacks.
Tradução Rachel Klinger Azulay para a Sinagoga Edmond J. Safra – Ipanema

PARASHIOT MAIS RECENTES

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

MATOT – MASSEI

Resolução de Conflitos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS