Posted on janeiro 29, 2020

A Pesagem do Coração

Às vezes, outros nos conhecem melhor do que nós mesmos. No ano de 2000, um instituto de pesquisa judeu britânico apresentou uma proposta de que os judeus na Grã-Bretanha fossem redefinidos como um grupo étnico e não como uma comunidade religiosa. Foi um jornalista não judeu, Andrew Marr, quem afirmou o que deveria ter sido óbvio. Ele disse: “Tudo isso é água rasa, e quanto mais você anda, mais raso fica.”

Foi o que ele escreveu a seguir que achei inspirador: “Os judeus sempre tiveram histórias para o resto de nós. Eles tiveram sua Bíblia, uma das grandes obras imaginativas do espírito humano. Eles foram vítimas do pior que a modernidade pode fazer, um espelho da loucura ocidental. Acima de tudo, eles tiveram a história de sua sobrevivência cultural e genética do Império Romano até a década de 2000, tecendo e prosperando em meio a tribos europeias hostis e incompreensíveis.” [1]

Os judeus sempre tiveram histórias para o resto de nós. Eu amo esse testemunho. E, de fato, desde o início, a narrativa tem sido fundamental para a tradição judaica. Toda cultura tem suas histórias. (O falecido Elie Wiesel disse uma vez: “D-s criou o homem porque D-s ama histórias”). Certamente, a tradição remonta aos dias em que nossos ancestrais eram caçadores-coletores contando histórias em volta da fogueira à noite. Nós somos o animal de contar histórias.

Mas o que é verdadeiramente notável é a maneira pela qual, na parashá desta semana, à beira do êxodo, Moisés três vezes diz aos israelitas como eles devem contar a história a seus filhos nas gerações futuras.

  1. Quando seus filhos lhe perguntam: “O que essa cerimônia significa para você?” então diga a eles: “É o sacrifício da Páscoa para o Senhor, que passou sobre as casas dos israelitas no Egito e poupou nossas casas quando Ele abateu os egípcios”. (Êx 12: 26-27)
  2. Nesse dia, diga a seu filho: “Faço isso por causa do que o Senhor fez por mim quando saí do Egito”. (Êx 13: 8)
  3. “Nos próximos dias, quando seu filho lhe perguntar: ‘O que isso significa?’ diga: ‘Com uma mão poderosa, o Senhor nos tirou do Egito, da terra da escravidão. (Êx 13:14)

Os israelitas ainda não haviam deixado o Egito, e Moisés já estava dizendo a eles como contar a história. Esse é o fato extraordinário. Por que então? Por que essa obsessão com contar histórias?

A resposta mais simples é que somos a história que contamos sobre nós mesmos[2] Existe uma ligação intrínseca, talvez necessária, entre narrativa e identidade. Nas palavras do pensador que fez mais do que a maioria para colocar essa ideia no centro do pensamento contemporâneo, Alasdair MacIntyre, “o homem é em suas ações e práticas, bem como em suas ficções, essencialmente um animal que conta histórias”. [3] Conhecemos quem somos descobrindo de que história ou histórias fazemos parte.

Jerome Bruner argumentou de forma persuasiva que a narrativa é central para a construção do significado, e o significado é o que torna a condição humana, humana. [4] Nenhum computador precisa ser persuadido de seu propósito na vida antes de fazer o que deveria. Os genes não precisam de incentivo motivacional. Nenhum vírus precisa de um treinador. Não precisamos entrar na mentalidade deles para entender o que eles fazem e como fazem, porque não têm uma mentalidade para entrar. Mas os humanos têm. Agimos no presente por causa de coisas que fizemos ou que aconteceram conosco no passado e para alcançar um futuro procurado. Mesmo minimamente para explicar o que estamos fazendo, já é contar uma história. Pegue três pessoas comendo salada em um restaurante, uma porque ele precisa perder peso, a segunda porque ela é vegetariana de princípios, a terceira por causa de leis religiosas da dieta. São três atos aparentemente semelhantes, mas pertencem a histórias diferentes e têm significados diferentes para as pessoas envolvidas.

Por que contar histórias e o êxodo?

Uma das passagens mais poderosas que já li sobre a natureza da existência judaica está contida nas Considerações sobre o Governo da Polônia (1772) de Jean-Jacques Rousseau. Este é um lugar improvável para se encontrar informações sobre a condição judaica, mas está lá. Rousseau está falando sobre o maior dos líderes políticos. O primeiro deles, diz ele, foi Moisés que “formou e executou a surpreendente empresa de instituir como organismo nacional um enxame de fugitivos miseráveis ​​que não tinham artes, armas, talentos, virtudes, coragem e quem, desde que eles não tinham um centímetro de território próprio, eram uma tropa de estrangeiros na face da terra.”

Moisés, diz ele, “se atreveu a fazer desta tropa errante e servil um corpo político, um povo livre, e enquanto vagava pelo deserto sem nem mesmo uma pedra sobre a qual repousar a cabeça, deu-lhe a instituição duradoura, à prova contra o tempo, fortuna e conquistadores, que 5000 anos não foram capazes de destruir ou mesmo enfraquecer.” Essa nação singular, diz ele, tantas vezes subjugada e dispersa, “ainda se manteve até os nossos dias, espalhados entre os outras nações sem nunca se fundir com elas.” [5]

O gênio de Moisés, diz ele, estava na natureza das leis que mantinham os judeus como um povo separado. Mas isso é apenas metade da história. A outra metade está na parashá desta semana, na instituição da narrativa como um dever religioso fundamental, recordando e encenando os eventos do Êxodo todos os anos e, em particular, tornando as crianças centrais para a história. Observando que em três das quatro passagens para contar histórias (três em nossa parashá, a quarta em Va’etchanan), as crianças são referidas como fazendo perguntas, os Sábios sustentaram que a narrativa da noite do Seder deveria ser contada em resposta a uma pergunta feita por um criança sempre que possível. Se somos a história que contamos sobre nós mesmos, desde que nunca percam a história, nunca perderemos nossa identidade.

Essa ideia encontrou expressão há alguns anos em um encontro fascinante. O Tibete é governado pelos chineses desde 1950. Durante a revolta de 1959, o Dalai Lama, com sua vida em perigo, fugiu para Dharamsala na Índia, onde ele e muitos de seus seguidores vivem desde então. Percebendo que a permanência no exílio poderia ser prolongada, em 1992, ele decidiu pedir conselhos aos judeus, a quem considerava os especialistas mundiais em manter a identidade no exílio. Qual, ele queria saber, era o segredo? A história desse encontro de uma semana foi contada por Roger Kamenetz em seu livro O judeu no lótus. [6] Uma das coisas que eles disseram foi a importância da memória e da narrativa para manter viva a cultura e a identidade das pessoas. Eles falaram sobre Pessach e o serviço do Seder em particular. Assim, em 1997, rabinos e dignitários americanos realizaram um serviço especial do Seder em Washington DC com o Dalai Lama. Ele escreveu isso para os participantes:

“Em nosso diálogo com rabinos e estudiosos judeus, o povo tibetano aprendeu sobre os segredos da sobrevivência espiritual judaica no exílio: um segredo é o Seder de Pessach. Através dele por 2000 anos, mesmo em tempos muito difíceis, o povo judeu se lembra de sua libertação da escravidão para a liberdade e isso trouxe esperança a eles em tempos de dificuldade. Somos gratos aos nossos irmãos e irmãs judeus por terem acrescentado à sua celebração da liberdade o pensamento de liberdade para o povo tibetano.”

As culturas são moldadas pelo leque de histórias às quais dão origem. Algumas delas têm um papel especial na formação da autocompreensão de quem as conta. Nós as chamamos de narrativas-mestras. Eles são sobre grandes grupos de pessoas em andamento: a tribo, a nação, a civilização. Eles mantêm o grupo unido horizontalmente no espaço e verticalmente no tempo, proporcionando uma identidade compartilhada transmitida através das gerações.

Nenhuma foi mais poderosa do que a história do Êxodo, cuja estrutura e contexto estão expostos em nossa parashá. Ela deu aos judeus a identidade mais tenaz já promovida por uma nação. Nas eras da opressão, deu esperança de liberdade. Em tempos de exílio, prometeu retorno. Dizia a duzentas gerações de crianças judias quem eram e de que história faziam parte. Tornou-se a narrativa-mestre do mundo da liberdade, adotada por uma variedade impressionante de grupos, desde puritanos no século XVII a afro-americanos no século XIX e hoje aos budistas tibetanos.

Acredito que sou um personagem da história de nosso povo, com meu próprio capítulo para escrever, e todos nós também somos. Ser judeu é se ver como parte dessa história, torná-la viva em nosso tempo e fazer o possível para entregá-la àqueles que virão depois de nós.

 

Notas
[1] Andrew Marr, The Observer , domingo, 14 de maio de 2000.
[2] Ver Alasdair MacIntyre, After Virtue: A Study in Moral Theory , Londres, Duckworth, 1981; Dan P. McAdams , As Histórias em que Vivemos: Mitos Pessoais e a Criação do Self , Nova York, Guilford Press, 1997.
[3] MacIntyre, op. cit., 201.
[4] Jerome Bruner, Mentes reais, Mundos possíveis , Harvard University Press, 1986.
[5] Jean-Jacques Rousseau, The Social Contract e outros escritos políticos posteriores, Cambridge University press, 2010, 180.
[6] Roger Kamanetz, O Judeu no Lótus, HarperOne, 2007.

 

Texto original “The Story We Tell About Ourselves” por Rabino Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

KI TISSÁ

Como os Líderes Falham O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

TETZAVÊ

O Contraponto da Liderança O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, base...

Leia mais →

TERUMÁ

A Casa que Construímos Juntos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, b...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS