Posted on janeiro 16, 2024

A Marcha da Loucura

Há um momento fascinante no desenrolar da história das pragas que deveria nos fazer parar e prestar atenção. Na abertura da parashá desta semana, sete pragas atingiram o Egito. O povo está sofrendo. Várias vezes o Faraó parece amolecer, apenas para endurecer novamente o seu coração. Durante a sétima praga, granizo, ele até parece admitir seu erro.

“O Faraó convocou Moshe e Aharon. “Desta vez pequei”, disse-lhes ele. “O Senhor está certo, e eu e meu povo estamos errados.” (Ex. 9:27)

Mas assim que a praga passa, ele muda de ideia:

“Ele e seus oficiais”, diz a Torá, “endureceram seus corações” (Ex. 9:34)

E agora Moshe e Aharon vieram alertar sobre uma nova praga, potencialmente devastadora, uma praga de gafanhotos que, dizem, devorará todos os grãos que sobraram após o granizo, bem como os frutos das árvores. E pela primeira vez ouvimos algo que nunca ouvimos antes.

Os próprios conselheiros do Faraó lhe disseram que ele estava cometendo um erro:

Os oficiais do Faraó lhe disseram: “Até quando este homem será uma armadilha para nós? Deixe o povo ir, para que adore o Senhor seu D-s. Você ainda não percebe que o Egito está arruinado?” (Ex. 10:7)

Estas palavras transformam imediatamente a situação. Como assim?

Em 1984, a historiadora Barbara Tuchman publicou um livro famoso chamado The March of Folly. Nele, ela fez a grande pergunta: Como é que, ao longo da história, pessoas inteligentes tomaram decisões tolas que prejudicaram tanto a sua própria posição como a das pessoas que lideravam?

Com isto ela não quis dizer decisões que, em retrospecto, provaram ser erradas. Qualquer um pode cometer esse tipo de erro. Essa é a natureza da liderança e da própria vida. Somos chamados a tomar decisões em condições de incerteza. Com a sabedoria da retrospectiva, podemos ver onde erramos, devido a fatores que não conhecíamos na época.

O que ela estava falando eram decisões que as pessoas podiam ver na época como erradas. Houve avisos e eles foram ignorados. Um exemplo que ela dá é o da lenda do cavalo de madeira de Tróia. Os gregos sitiaram Tróia sem sucesso durante dez anos. Eventualmente, eles pareceram desistir e partir, deixando para trás um gigante cavalo de madeira. Os troianos transportaram o cavalo com entusiasmo para dentro da cidade como símbolo de sua vitória. Como sabemos, dentro do cavalo estavam trinta soldados gregos que, naquela noite, saíram do esconderijo e abriram os portões da cidade para o exército grego que havia retornado na calada da noite.

Foi uma estratégia brilhante. Laocoonte, o sacerdote troiano, adivinhou que se tratava de uma conspiração e avisou o seu povo, com as famosas palavras: “Temo os gregos mesmo quando eles vêm trazendo presentes”. Seu aviso foi ignorado e Tróia caiu.

Outro exemplo de Tuchman é o papado do século XVI, que se tornou corrupto, financeiramente e de outras formas. Houve muitos apelos à reforma, mas todos foram ignorados. O Vaticano considerava-se, tal como algumas instituições financeiras hoje, como grande demais para falir. O resultado foi a reforma e mais de um século de guerra religiosa em toda a Europa.

É nesse contexto que devemos ler a história do Faraó e dos seus conselheiros. Este é um dos primeiros casos registrados da marcha da loucura. Como isso acontece?

Há alguns anos, o estúdio DreamWorks fez um filme de animação sobre Moshe e a história do Êxodo, chamado O Príncipe do Egito. O produtor, Jeffrey Katzenberg, convidou-me para ver o filme quando ele estava pela metade, para ver se eu achava que era uma forma responsável e sensível de contar a história, o que eu achava que era.

O que me fascinou, e talvez eu devesse ter entendido isso antes, foi que retratava o Faraó não como um homem mau, mas como um homem profundamente conservador, encarregado de manter o que já era o império mais longevo do mundo antigo, e de não permitir que isso acontecesse, por assim dizer, a ser minado pela mudança.

Deixe os escravos serem libertados e quem sabe o que acontecerá a seguir? A autoridade real parecerá ter sido derrotada. Uma fratura apareceria na estrutura política. O edifício de poder aparentemente inabalável será visto como tendo sido abalado. E isso, para quem teme a mudança, é o começo do fim.

Nessas circunstâncias, é possível ver por que o Faraó se recusaria a ouvir os seus conselheiros. Aos seus olhos, eram fracos, derrotistas, cedendo à pressão, e qualquer sinal de fraqueza na liderança só leva a mais pressão e mais capitulação. Melhor ser forte e continuar a dizer “Não” e simplesmente suportar mais uma praga.

Vemos o Faraó como perverso e tolo, porque lemos o livro. Seus conselheiros puderam ver claramente que ele estava conduzindo seu povo ao desastre, mas ele pode muito bem ter sentido que estava sendo forte enquanto eles estavam apenas com medo. A liderança só é fácil e os seus erros só são claramente visíveis em retrospecto.

No entanto, o Faraó continua a ser um símbolo duradouro da incapacidade de ouvir os seus próprios conselheiros. Ele não conseguia ver que o mundo tinha mudado, que ele estava enfrentando algo novo, que a escravização de um povo não era mais tolerável, que a velha magia não funcionava mais, que o império que ele presidia estava envelhecendo e que o mais obstinado ele se tornava, mais perto estava de levar seu povo à tragédia.

Saber ouvir conselhos, como responder às mudanças e quando admitir que você errou continuam sendo três das tarefas mais difíceis da liderança. Rejeitar conselhos, recusar-se a mudar e recusar-se a admitir que está errado pode parecer uma força para alguns. Mas, geralmente, são o início de mais uma marcha de loucura.

 

Texto original “The March of Folly” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

TAZRIA

Otelo, WikiLeaks e paredes mofadas Foi a Septuaginta, a antiga tradução grega da Bíblia Hebraica, que traduziu tsara’at,...

Leia mais →

SHEMINI

Espontaneidade: Boa ou Ruim? Shemini conta a trágica história de como a grande inauguração do Tabernáculo, um dia sobre o qua...

Leia mais →

TZAV

Por Que as Civilizações Morrem Em The Watchman’s Rattle, com o subtítulo Thinking Our Way Out of Extinction, Rebecca Cos...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS