CHAYE SARAH

Posted on novembro 12, 2020

CHAYE SARAH

Começando a Jornada

O rabino Sacks z”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Um tempo atrás, um jornal britânico, The Times, entrevistou um membro proeminente da comunidade judaica e um membro da Câmara dos Lordes – vamos chamá-lo Senhor X – em seu 92º aniversário. O entrevistador disse: “A maioria das pessoas, quando chegarem ao seu 92º aniversário, começa a pensar em abrandar. Você parece estar acelerando. Por que?”

A resposta do Lorde X foi esta: “Quando você chega ao 92, você vê a porta começando a se fechar, e eu tenho tanto a fazer antes que a porta se feche que quanto mais velho fico, mais duro tenho que trabalhar.”

Temos uma impressão semelhante de Abraham na parashá desta semana. Sarah, sua companheira constante ao longo de suas viagens, morreu. Ele tem 137 anos. Nós o vemos lamentar a morte de Sarah e então ele entra em ação. Ele se envolve em uma elaborada negociação para comprar um terreno para enterrá-la. Como a narrativa deixa claro, esta não é uma tarefa simples. Ele confessa ao povo local, hititas, que é “um imigrante e residente entre vocês” (Gn 23: 4), o que significa que ele sabe que não tem o direito de comprar terras. Será necessária uma concessão especial da parte deles para que o faça. Os hititas educadamente, mas com firmeza, tentam desencorajá-lo. Ele não precisa comprar um cemitério: “Ninguém entre nós vai negar a você seu cemitério para enterrar seus mortos.” (Gen. 23: 6) Ele pode enterrar Sarah no cemitério de outra pessoa. De forma igualmente educada, mas não menos insistente, Abraham deixa claro que está determinado a comprar terras. No final, ele paga um preço altamente inflacionado (400 ciclos de prata) para fazer isso.

A compra da Caverna de Machpelah é evidentemente um evento altamente significativo, porque é registrado em grande detalhe e terminologia altamente legal, não apenas aqui, mas três vezes posteriormente em Gênesis (aqui em 23:17 e subsequentemente em 25:9; 49:30; e 50:13), sempre com a mesma formalidade. Aqui, por exemplo, está Yaacov em seu leito de morte, falando com seus filhos:

“Enterre-me com meus pais na caverna no campo de Efrom, o hitita, a caverna no campo de Machpelah, perto de Manre, em Canaã, que Abraham comprou junto com o campo como sepultura de Efrom, o hitita. Lá Abraham e sua esposa Sarah foram sepultados, lá Isaac e sua esposa Rebeca foram enterrados, e lá enterrei Léa. O campo e a caverna nele foram comprados dos hititas.” (Gen. 49: 29-32)

Algo significativo está sendo sugerido aqui, caso contrário, por que especificar, a cada vez, exatamente onde o campo está e de quem Abraham o comprou?

Imediatamente após a história da compra de terras, lemos: “Abraham era velho, bem avançado em anos, e D-s abençoou Abraham com tudo”. (Gên. 24: 1) Mais uma vez, isso soa como o fim de uma vida, não um prefácio para um novo curso de ação, e novamente nossa expectativa é confundida. Abraham dá início a uma nova iniciativa, desta vez para encontrar uma esposa adequada para seu filho Isaac, que a essa altura tem pelo menos 37 anos. Abraham instrui seu servo de maior confiança a ir “para minha terra natal, para o local do meu nascimento” (Gênesis 24: 2), para encontrar a mulher adequada. Ele quer que Isaac tenha uma esposa que compartilhe sua fé e estilo de vida. Abraham não estipula que ela deve vir de sua própria família, mas isso parece ser uma suposição pairando em segundo plano.

Tal como acontece com a compra do campo, este curso de eventos é descrito com mais detalhes do que quase qualquer outro lugar na Torá. Cada troca de conversação é gravada. O contraste com a história da Amarração de Isaac não poderia ser maior. Lá, quase tudo – os pensamentos de Abraham, os sentimentos de Isaac – não são ditos. Aqui, tudo é dito. Novamente, o estilo literário chama nossa atenção para o significado do que está acontecendo, sem nos dizer exatamente o que é.

A explicação é simples e inesperada. Ao longo da história de Abraham e Sarah, D-s promete a eles duas coisas: filhos e uma terra. A promessa da terra (“Levanta-te, anda na terra em todo o seu comprimento e largura, porque a darei a ti”, Gênesis 13:17) é repetida não menos do que sete vezes. A promessa de filhos ocorre quatro vezes. Os descendentes de Abraham serão “uma grande nação” (Gênesis 12:22), tantos quanto “o pó da terra” (Gênesis 13,16) e “as estrelas no céu” (Gênesis 15: 5); ele será o pai não de uma nação, mas de muitas (Gênesis 17: 5).

Apesar disso, quando Sarah morre, Abraham não tem um único centímetro de terra que possa chamar de seu, e ele tem apenas um filho que dará continuidade à aliança, Isaac, que atualmente é solteiro. Nenhuma das promessas foi cumprida. Daí o detalhe extraordinário das duas histórias principais em Chaye Sarah: a compra de terras e a descoberta de uma esposa para Isaac. Há uma moral aqui, e a Torá diminui a velocidade da narrativa à medida que acelera a ação, para que não percamos o ponto principal.

D-s promete, mas temos que agir. D-s prometeu a terra a Abraham, mas ele teve que comprar o primeiro campo. D-s prometeu a Abraham muitos descendentes, mas Abraham teve que garantir que seu filho fosse casado, e com uma mulher que compartilharia a vida da aliança, para que Abraham tivesse, como dizemos hoje, “netos judeus”.

Apesar de todas as promessas, D-s não faz e não fará sozinho. Pelo próprio ato de autolimitação (tzimtzum) através do qual Ele cria o espaço para a liberdade humana, D-s nos dá responsabilidade, e somente exercendo-a alcançamos nossa plena estatura como seres humanos. D-s salvou Noach do Dilúvio, mas Noach teve que fazer a Arca. Ele deu a terra de Israel ao povo de Israel, mas eles tiveram que lutar as batalhas. D-s nos dá força para agir, mas temos que fazer a ação. O que muda o mundo, o que cumpre nosso destino, não é o que D-s faz por nós, mas o que fazemos por D-s.

Isso é o que os líderes entendem e é o que fez de Abraham o primeiro líder judeu. Os líderes assumem a responsabilidade de criar as condições pelas quais os propósitos de D-s podem ser cumpridos. Eles não são passivos, mas ativos – mesmo na velhice, como Abraham na parashá desta semana. Na verdade, no capítulo imediatamente seguinte à história de como encontrar uma esposa para Isaac, para nossa surpresa, lemos que Abraham se casou novamente e tem mais oito filhos. O que quer que isso nos diga – e há muitas interpretações (a mais provável é que explica como Abraham se tornou “o pai de muitas nações”) – certamente transmite o ponto de que Abraham permaneceu jovem da maneira como Moisés permaneceu jovem: “Seus olhos eram intactos e sua energia natural inabalável”. (Deut. 34: 7) Embora a ação exija energia, ela nos dá energia. O contraste entre Noach na velhice e Abraham na velhice não poderia ser maior.

Talvez, porém, o ponto mais importante desta parashá é que grandes promessas – uma terra, incontáveis ​​filhos – se tornam reais por meio de pequenos começos. Os líderes começam com um futuro imaginado, mas também sabem que há uma longa jornada entre aqui e ali; só podemos alcançá-lo um ato de cada vez, um dia de cada vez. Não existe atalho milagroso – e se houvesse, não ajudaria. O uso de um atalho culminaria em uma conquista como a planta de Jonas, que cresceu durante a noite e morreu durante a noite. Abraham adquiriu apenas um campo e teve apenas um filho que continuaria com a aliança. Mesmo assim, ele não reclamou e morreu sereno e satisfeito. Porque ele havia começado. Porque ele deixou às gerações futuras algo sobre o qual construir. Toda grande mudança é obra de mais de uma geração,

Os líderes veem o destino, começam a jornada e deixam para trás aqueles que a continuarão. Isso é o suficiente para dotar uma vida com a imortalidade.

 

Texto original “Beginning the Journey” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

 

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

TETZAVÊ

O Contraponto da Liderança O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, base...

Leia mais →

TERUMÁ

A Casa que Construímos Juntos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, b...

Leia mais →

MISHPATIM

Visão e Detalhes O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS