VAYERÁ

Posted on novembro 3, 2020

VAYERÁ

Respondendo ao Chamado

O início da história da humanidade é apresentado na Torá como uma série de decepções. D-s deu liberdade aos seres humanos, que então eles usaram mal. Adam e Chava comeram o fruto proibido. Caim assassinou Abel. Em um tempo relativamente curto, o mundo antes do Dilúvio foi dominado pela violência. Toda carne perverteu seu caminho na terra. D-s criou a ordem, mas os humanos criaram o caos. Mesmo depois do Dilúvio, a humanidade, na forma dos construtores de Babel, era culpada de arrogância, pensando que as pessoas poderiam construir uma torre cujo cume “atinge o céu.” (Gênesis 11: 4)

Os humanos falharam em responder a D-s, e é onde Abraham entra em cena. Não temos certeza, no início, do que Abraham foi chamado a fazer. Sabemos que ele recebeu a ordem de deixar sua terra, local de nascimento e casa de pai e viajar “para a terra que Eu te mostrarei” (Gênesis 12: 1), mas o que ele deve fazer quando chegar lá, não sabemos. Sobre isso, a Torá está em silêncio. Qual é a missão de Abraham? O que o torna especial? O que o torna mais do que um bom homem em uma época ruim, como foi Noach? O que o torna um líder e pai de uma nação de líderes?

Para decodificar o mistério, temos que lembrar o que a Torá estava sinalizando antes deste ponto. Sugeri nas semanas anteriores que um – talvez o – tema principal é a falta de responsabilidade. Adam e Chava não têm responsabilidade pessoal. Adam diz: “Não fui eu; foi a mulher.” Chava disse: “Não fui eu, foi a serpente”. É como se negassem ser os autores de suas próprias histórias – como se não entendessem a liberdade ou a responsabilidade que ela acarreta.

Caim não nega responsabilidade pessoal. Ele não diz: “Não fui eu. Foi culpa de Abel por me provocar.” Em vez disso, ele nega a responsabilidade moral: “Sou o guardião do meu irmão?”

Noach falha no teste de responsabilidade coletiva. Ele é um homem virtuoso em uma época de vícios, mas não causa impacto em seus contemporâneos. Ele salva sua família (e os animais), mas ninguém mais. De acordo com a leitura simples do texto, ele nem sequer tenta.

Se entendemos isso, entendemos Abraham. Ele exerce responsabilidade pessoal. Na parashá Lech Lechá, uma disputa irrompe entre os pastores de Abraham e os de seu sobrinho Lot. Vendo que não se tratava de uma ocorrência aleatória, mas o resultado de eles terem gado demais para poderem pastar juntos, Abraham imediatamente propõe uma solução:

Abrão disse a Lot: “Não haja briga entre mim e você, nem entre os seus pastores e os meus, porque somos irmãos.  Não está toda a terra diante de você? Vamos nos separar. Se você for para a esquerda, irei para a direita; se você for para a direita, irei para a esquerda.” (Gênesis 13: 8-9)

Observe que Abraham não faz nenhum julgamento. Ele não pergunta de quem foi a culpa do argumento. Ele não pergunta quem ganhará com qualquer resultado particular. Ele dá a Lot a escolha. Ele vê o problema e age.

No próximo capítulo de Bereshit, somos informados sobre uma guerra local, como resultado da qual Lot está entre as pessoas capturadas. Imediatamente Abraham reúne uns homens, persegue os invasores, resgata Lot e com ele, todos os outros cativos. Ele retorna esses cativos em segurança para suas casas, recusando-se a receber qualquer um dos despojos da vitória que lhe foi oferecido pelo agradecido rei de Sodoma.

Esta é uma passagem estranha – retrata Abraham de maneira muito diferente do pastor nômade que vemos em outros lugares. A passagem é melhor compreendida no contexto da história de Caim. Abraham mostra que é o guardião de seu irmão (ou filho do irmão). Ele compreende imediatamente a natureza da responsabilidade moral. Apesar do fato de que Lot escolheu viver onde viveu com os riscos inerentes, Abraham não disse: “Sua segurança é responsabilidade dele, não minha”.

Então, na parashá de Vayerá desta semana, chega o grande momento: um ser humano desafia o próprio D-s pela primeira vez. D-s está prestes a julgar Sodoma. Abraham, temendo que isso significasse a destruição da cidade, disse:

“Você vai varrer o justo com o ímpio? E se houver cinquenta justos na cidade? Você realmente vai varrê-los e não poupar o lugar por causa das cinquenta pessoas justas nele? Longe de você fazer tal coisa – matar o justo com o ímpio, tratando o justo e o ímpio da mesma forma. Longe de você! O Juiz de toda a terra não fará justiça?” (Gênesis 18: 23-25)

Este é um discurso notável. Com que direito um mero mortal desafia o próprio D-s?

A resposta curta é que o próprio D-s sinalizou que deveria. Ouça o texto com atenção:

Então o Senhor disse: “Devo esconder de Abraham o que estou prestes a fazer? Abraham certamente se tornará uma grande e poderosa nação, e todas as nações da terra serão abençoadas por meio dele”… Então o Senhor disse: “O clamor contra Sodoma e Gomorra é tão grande e seus pecados tão graves que irei descer e ver se o que eles fizeram é tão ruim quanto o clamor que chegou até Mim”. (Gênesis 18: 17-21)

Essas palavras: “Devo esconder de Abraham o que estou prestes a fazer?” É uma indicação clara de que D-s deseja que Abraham responda; caso contrário, por que Ele o teria dito?

A história de Abraham só pode ser entendida tendo como pano de fundo a história de Noach. Lá também, D-s disse a Noach com antecedência que Ele estava prestes a punir o mundo.

Então D-s disse a Noach: “Vou acabar com todas as pessoas, porque a terra está cheia de violência por causa delas. Certamente vou destruir a eles e a terra.” (Gênesis 6:13)

Noach não protestou. Ao contrário, somos informados três vezes que Noach “fez como D-s lhe ordenou”. (Gênesis 6:22 ; 7: 5; 7: 9) Noach aceitou o veredicto. Abraham O desafiou. Abraham entendeu o terceiro princípio que estivemos explorando nas últimas semanas: responsabilidade coletiva.

O povo de Sodoma não era irmão e irmã de Abraham, então ele estava indo além do que fez para resgatar Lot. Ele orou por eles porque entendeu a ideia de solidariedade humana, imortalmente expressa por John Donne:

Nenhum homem é uma ilha,
Inteiro de si mesmo…
A morte de qualquer homem me diminui,
Pois estou envolvido com a humanidade. [1]

Mas uma questão permanece. Por que D-s chamou Abraham para desafiá-Lo? Havia algo que Abraham sabia que D-s não sabia? Essa ideia é absurda. A resposta é certamente esta: Abraham se tornaria o modelo e iniciador de uma nova fé, que não defenderia o status quo humano, mas o desafiaria.

Abraham precisava ter a coragem de desafiar a D-s se seus descendentes desafiassem os governantes humanos, como Moisés e os profetas fizeram. Os judeus não aceitam o mundo que existe. Eles o desafiam em nome do mundo que deveria ser. Este é um ponto crítico na história humana: o nascimento da primeira religião de protesto do mundo – o surgimento de uma fé que desafia o mundo em vez de aceitá-lo.

Abraham não era um líder convencional. Ele não governou uma nação. Ainda não havia nação para ele liderar. Mas ele era o modelo de liderança como o judaísmo o entende. Ele assumiu a responsabilidade. Ele agiu; ele não esperou que os outros agissem. De Noach, a Torá diz, “ele andou com D-s”. (Gênesis 6: 9) Mas para Abraham, D-s diz: “Ande diante de Mim” (Gênesis 17: 1), que significa: seja um líder. Vá em frente. Assuma a responsabilidade pessoal. Assuma responsabilidade moral. Assuma a responsabilidade coletiva.

O Judaísmo é o chamado de D-s para a responsabilidade.

Shabat Shalom

 

 

Nota
[1] John Donne, Devotions Upon Emergent Occasions , Meditation XVII.

 

Texto original “Answering the Call” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS