LECH LECHÁ

Posted on outubro 26, 2020

LECH LECHÁ

A Coragem de não se Conformar

Líderes lideram. Isso não quer dizer que eles não sigam. Mas o que eles seguem é diferente do que a maioria das pessoas segue. Eles não se conformam por se conformar. Eles não fazem o que os outros fazem simplesmente porque os outros estão fazendo. Eles seguem uma voz interior, uma chamada. Eles têm uma visão, não do que é, mas do que poderia ser. Eles pensam fora da caixa. Eles marcham em uma melodia diferente.

Isso nunca foi sinalizado de forma mais dramática do que nas primeiras palavras de D-s a Abraham, as palavras que puseram em movimento a história judaica: “Saí da sua terra, seu lugar de nascimento e a casa de seu pai e vá para a terra que Eu lhe mostrarei.” (Gen. 12: 1)

Por quê? Porque as pessoas não se conformam. Elas adotam os padrões e absorvem a cultura da época e do lugar em que vivem – “sua terra”. Em um nível mais profundo, eles são influenciados por amigos e vizinhos – “seu local de nascimento”. Mais profundamente ainda, eles são moldados por seus pais e pela família em que cresceram – “a casa de seu pai”.

Eu quero que você, diz D-s a Abraham, seja diferente. Não para ser diferente, mas para começar algo novo: uma religião que não vai adorar o poder e os símbolos do poder – pois isso é o que os ídolos realmente foram e são. Quero que você, disse D-s, “ensine depois a seus filhos e a sua casa a seguir o caminho do Senhor, fazendo o que é certo e justo”. (Gênesis 18:19)

Ser judeu é estar disposto a desafiar o consenso prevalecente quando, como tantas vezes acontece, as nações caem na adoração aos deuses antigos. Eles fizeram isso na Europa durante todo o século XIX e no início do século XX. Essa foi a era do nacionalismo: a busca pelo poder em nome do Estado-nação que levou a duas guerras mundiais e dezenas de milhões de mortes. É a época em que vivemos agora, quando a Coreia do Norte adquire e o Irã busca armas nucleares para que possam impor suas ambições pela força. É o que está acontecendo hoje em grande parte do Oriente Médio e da África, à medida que as nações caem na violência e no que Hobbes chamou de “a guerra de cada homem contra cada homem”. [1]

Cometemos um erro quando pensamos nos ídolos em termos de sua aparência física – estátuas, estatuetas, ícones. Nesse sentido, eles pertencem aos tempos antigos que há muito superamos. A maneira de pensar nos ídolos é em termos do que eles representam. Eles simbolizam poder. Isso é o que Rá era para os egípcios, Baal para os cananeus, Chemosh para os moabitas, Zeus para os gregos e o que mísseis e bombas são para terroristas e países considerados violadores do direito internacional e que representam uma ameaça à segurança de outras nações hoje.

O poder nos permite governar os outros sem seu consentimento. Como disse o historiador grego Tucídides: “Os fortes fazem o que desejam e os fracos sofrem o que devem”. [2] O judaísmo é uma crítica constante do poder. Essa é a conclusão a que cheguei depois de uma vida inteira estudando nossos textos sagrados. É sobre como uma nação pode ser formada com base no compromisso compartilhado e na responsabilidade coletiva. É sobre como construir uma sociedade que honre a pessoa humana como imagem e semelhança de D-s. É sobre uma visão, nunca totalmente realizada, mas nunca abandonada, de um mundo baseado na justiça e na compaixão, no qual “Eles não farão mal nem destruirão em toda a Minha montanha sagrada, pois a terra se encherá do conhecimento do Senhor como as águas cobrem o mar”. (Isaías 11: 9)

Abraham é sem dúvida a pessoa mais influente que já existiu. Hoje ele é reivindicado como o ancestral espiritual de 2,3 bilhões de cristãos, 1,8 bilhão de muçulmanos e 14 milhões de judeus, mais da metade das pessoas vivas hoje. Mesmo assim, ele não governou nenhum império, não comandou nenhum grande exército, não realizou milagres e não proclamou nenhuma profecia. Ele é o exemplo supremo em toda a história de influência sem poder.

Por que? Porque ele estava preparado para ser diferente. Como dizem os Sábios, ele era chamado ha-ivri, “o hebreu”, porque “todo o mundo estava de um lado (be-ever echad) e ele estava do outro”. [3] A liderança, como todo líder sabe, pode ser solitária. Mesmo assim, você continua a fazer o que tem de fazer porque sabe que a maioria nem sempre está certa e a sabedoria convencional nem sempre é sábia. Os peixes mortos acompanham o fluxo. Peixes vivos nadam contra a correnteza. Assim é com consciência e coragem. Assim é com os filhos de Abraham. Eles estão preparados para desafiar os ídolos da época.

Depois do Holocausto, alguns cientistas sociais ficaram preocupados com a questão de por que tantas pessoas estavam preparadas, seja por participação ativa ou consentimento silencioso, para seguir um regime que estava cometendo um dos grandes crimes contra a humanidade. Um experimento importante foi conduzido por Solomon Asch. Ele reuniu um grupo de pessoas, pedindo-lhes que realizassem uma série de tarefas cognitivas simples. Foram mostrados a eles dois cartões, um com uma linha nele, o outro com três linhas de comprimentos diferentes, e perguntado qual era o mesmo tamanho que a linha do primeiro. Sem o conhecimento de um participante, todos os outros foram instruídos por Asch a dar a resposta correta para os primeiros cartões e, em seguida, responder incorretamente para a maioria das demais. Em um número significativo de ocasiões, o sujeito experimental deu uma resposta que ele podia ver que era a errada, porque todo mundo tinha feito isso. Esse é o poder da pressão para se conformar: pode nos levar a dizer o que sabemos não ser verdade.

Mais assustador ainda foi o experimento de Stanford realizado no início dos anos 1970 por Philip Zimbardo. Aos participantes foram atribuídos aleatoriamente papéis como guardas ou prisioneiros em uma prisão simulada. Em poucos dias, os alunos escalados como guardas estavam se comportando de forma abusiva, alguns deles submetendo os “prisioneiros” à tortura psicológica. Os alunos escalados como prisioneiros aguentavam passivamente, chegando a ficar do lado dos guardas contra aqueles que resistiram. O experimento foi cancelado seis dias depois, quando até mesmo Zimbardo se viu atraído para a realidade artificial que havia criado. A pressão para se conformar aos papéis atribuídos é forte o suficiente para levar as pessoas a fazerem o que sabem ser errado.

É por isso que Abraham, no início de sua missão, foi instruído a deixar “sua terra, sua terra natal e a casa de seu pai”, para se livrar da pressão para se conformar. Os líderes devem estar preparados para não seguir o consenso. Um dos grandes escritores sobre liderança, Warren Bennis, escreve: “Quando alcançamos a puberdade, o mundo nos moldou muito mais do que imaginamos. Nossa família, amigos e sociedade em geral nos disseram – por palavras e exemplos – como ser. Mas as pessoas começam a se tornar líderes naquele momento em que decidem por si mesmas como ser.” [4]

Uma das razões pelas quais os judeus se tornaram, desproporcionalmente ao seu número, líderes em quase todas as esferas da atividade humana, é precisamente essa disposição de ser diferente. Ao longo dos séculos, os judeus foram o exemplo mais marcante de um grupo que se recusou a se assimilar à cultura dominante ou a se converter à fé dominante.

Uma outra descoberta de Solomon Asch é digna de nota. Ele observou que quando apenas uma outra pessoa estava disposta a apoiar o indivíduo que podia ver que os outros estavam dando a resposta errada, isso lhe deu forças para se levantar contra o consenso. É por isso que, por menor que seja seu número, os judeus criaram comunidades. É difícil liderar sozinho, mas muito menos difícil liderar na companhia de outras pessoas, mesmo se você for uma minoria.

O Judaísmo é a contra-voz na conversa da humanidade. Como judeus, não seguimos a maioria simplesmente porque é a maioria. Era após era, século após século, os judeus estavam preparados para fazer o que o poeta Robert Frost imortalizou:

Duas estradas divergiam em uma floresta, e eu,
Peguei a menos percorrida,
E isso fez toda a diferença. [5] É o que torna uma nação de líderes.

Shabat Shalom

 

 

Notas
[1] Thomas Hobbes, The Leviathan , ed. Richard Tuck (Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press, 1991), parte 1, cap. 13
[2] Tucídides, 5,89.
[3] Gênesis Rabá 42: 8
[4] Walter Bennis,  On Becoming a Leader  (Nova York: Basic Books, 1989), 49.
[5] Robert Frost, The Road Not Taken, Birches, and Other Poems (Nova York: H. Holt and Co., 1916), 10.

 

Texto original “The Courage not to Conform” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

EKEV

Liderar é Ouvir O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu ...

Leia mais →

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS