DEVARIM

Posted on julho 21, 2020

DEVARIM

Seguidores

No último mês de sua vida, Moisés reuniu o povo. Ele os instruiu sobre as leis que deveriam cumprir e os lembrou de sua história desde o Êxodo. Essa é a substância do livro de Devarim. No início desse processo, ele lembrou do episódio dos espiões – a razão pela qual foi negada aos pais destas pessoas a oportunidade de entrar na terra. Ele queria que a próxima geração aprendesse a lição desse episódio e a levasse sempre com eles. Eles precisavam de fé e coragem. Talvez isso sempre tenha sido parte do que significa ser judeu.

Mas a história dos espiões, como ele conta aqui, é muito diferente da versão de Shelach Lechá (Núm. 13-14), que descreve os eventos como ocorreram na época, quase 39 anos antes. As discrepâncias entre os dois relatos são evidentes e numerosas. Aqui eu quero focar apenas em duas.

Primeiro: quem propôs o envio dos espiões? Em Shelach, foi D-s quem disse a Moisés que o fizesse. “O Senhor disse a Moisés: ‘Envie homens…’ Em nossa parashá, foram as pessoas que o solicitaram: “Então todos vocês vieram a mim e disseram: ‘Vamos enviar homens…” Quem foi: D-s ou o povo? Isso faz uma enorme diferença na maneira como entendemos o episódio.

Segundo: qual era a missão deles? Em nossa parashá, o povo disse: “Vamos enviar homens para espionar [veyachperu] a terra por nós”. (Dt 1:22) Os doze homens “foram para a região montanhosa, foram ao barranco de Escol e o espiaram [vayeraglu]”. (Dt 1:24) Em outras palavras, nossa parashá usa os dois verbos hebraicos, lachpor e leragel, que significam espionar.

Mas, como apontei em meu Covenant & Conversation para Shelach Lechá, o relato ali conspicuamente não menciona espionagem. Em vez disso, treze vezes, usa o verbo latur, que significa percorrer, explorar, viajar, inspecionar. Mesmo em nossa parashá, quando Moisés está falando, não sobre os espiões, mas sobre D-s, ele diz que “vai adiante de você em suas jornadas – para procurar (latur) o lugar onde você deve acampar”. (Dt 1:33)

Segundo Malbim, latur significa procurar o que há de bom em um lugar. Lachpor e leragel pretendem procurar o que é fraco, vulnerável, exposto, indefeso. Turismo e espionagem são atividades completamente diferentes, então por que o relato em nossa parashá apresenta o que aconteceu como uma missão de espionagem, que o relato em Shelach enfaticamente não apresenta?

Essas duas perguntas combinam com uma terceira, motivada por uma extraordinária declaração de Moisés em nossa parashá. Tendo dito que os espiões e o povo foram punidos com não viverem para entrar na terra prometida, ele então diz:

Por sua causa, o Senhor também ficou furioso comigo e disse: você também não deve entrar. Josué, filho de Nun, que te assiste, ele entrará. Fortaleça-o, porque ele levará Israel a herdá-la. (Deut.1: 37-38)

Isso é realmente muito estranho. Não é comum a Moisés culpar os outros pelo que parece ser sua própria falha. Além disso, contradiz o testemunho da própria Torá, que nos diz que Moisés e Aharon foram punidos com não serem autorizados a entrar na terra por causa do que aconteceu em Cades quando o povo se queixou da falta de água. O que eles fizeram de errado é debatido pelos comentaristas. Moisés atingiu a rocha? Ou que ele perdeu a paciência? Ou alguma outra razão? Fosse o que fosse, foi quando D-s disse: “Porque você não confiou em mim o suficiente para me honrar como santo aos olhos dos israelitas, você não trará esta comunidade para a terra que eu lhes dou” (Núm. 20:12) Isso aconteceu cerca de 39 anos após o episódio dos espiões.

Quanto à discrepância entre os dois relatos dos espiões, R. David Zvi Hoffman argumentou que o relato de Shelach nos conta o que aconteceu. O relato em nossa parashá, uma geração depois, tinha como objetivo não informar, mas alertar. Shelach é uma narrativa histórica; nossa parashá é um sermão. Estes são gêneros literários diferentes com propósitos diferentes.

Quanto à observação de Moisés: “Por sua causa, o Senhor ficou furioso comigo”, Ramban sugere que ele estava simplesmente dizendo que, como os espiões e o povo, ele também foi condenado a morrer no deserto. Como alternativa, ele estava sugerindo que ninguém poderia dizer que Moisés evitou o destino da geração que liderou.

No entanto, Abarbanel oferece uma alternativa fascinante. Talvez a razão de Moisés e Aharon não terem permissão para entrar na terra não tenha sido por causa do episódio da água e da rocha em Cades. Isso tem como objetivo desviar a atenção de seus pecados reais. O verdadeiro pecado de Aharon foi o Bezerro de Ouro. O verdadeiro pecado de Moisés foi o episódio dos espiões. A dica de que isso foi assim está nas palavras de Moisés aqui: “Por sua causa, o Senhor também ficou furioso comigo”.

Como o episódio dos espiões pode ter sido culpa de Moisés? Não foi ele quem propôs enviá-los. Era D-s ou o povo. Ele não foi à missão. Ele não trouxe um relatório de volta. Ele não desmoralizou o povo. Onde então Moisés estava em falta? Por que D-s estava zangado com ele?

A resposta está nas duas primeiras perguntas: quem propôs o envio dos espiões? E por que há uma diferença nos verbos entre aqui e Shelach?

Seguindo Rashi, as duas contas, aqui e em Shelach, não são duas versões diferentes do mesmo evento. Eles são a mesma versão do mesmo evento, mas divididos em dois, metade contado lá, metade aqui. Foram as pessoas que solicitaram espiões (como indicado aqui). Moisés levou o pedido deles a D-s. D-s aderiu ao pedido, mas como uma concessão, não um comando: “Você pode enviar”, não “Você deve enviar” (como declarado em Shelach).

No entanto, ao conceder permissão, D-s fez uma disposição específica. O povo havia pedido espiões: “Vamos enviar homens à frente para espionar [veyachperu] a terra para nós”. D-s não deu a Moisés permissão para enviar espiões. Ele usou especificamente o verbo latur, ou seja, deu permissão para os homens percorrerem a terra, voltarem e testemunharem que é uma terra boa e fértil, fluindo com leite e mel.

O povo não precisava de espiões. Como Moisés disse, ao longo dos anos do deserto, D-s tem estado “à sua frente em sua jornada, no fogo à noite e nas nuvens durante o dia, procurando lugares para acampar e mostrando o caminho a seguir”. (Dt 1:33) Contudo, eles precisavam de testemunhas oculares da beleza e fecundidade da terra para a qual estavam viajando e pela qual teriam que lutar.

Moisés, no entanto, não deixou clara essa distinção. Ele disse aos doze homens: “Veja como é a terra e se as pessoas que vivem lá são fortes ou fracas, poucas ou muitas. Em que tipo de terra eles vivem? É boa ou ruim? Em que tipo de cidades eles vivem? Eles estão sem muros ou fortificados?” Isso soa perigosamente como instruções para uma missão de espionagem.

Quando dez dos homens voltaram com um relatório desmoralizante e o povo entrou em pânico, pelo menos parte da culpa estava em Moisés. O povo havia pedido espiões. Ele deveria ter deixado claro que os homens que ele estava enviando não deveriam ser espiões.

Como Moisés chegou a cometer esse erro? Rashi sugere uma resposta. Nossa parashá diz: “Então todos vocês vieram até mim e disseram: ‘Vamos enviar homens à frente para espionar a terra para nós’.” O português não transmite o sentimento de ameaça no original. Eles vieram, diz Rashi, “no meio da multidão”, sem respeito, protocolo ou ordem. Eles eram uma multidão e eram potencialmente perigosos. Isso reflete o comportamento das pessoas no início da história do Bezerro de Ouro: “Quando as pessoas viram que Moisés demorava tanto tempo a descer da montanha, reuniram-se contra Aharon e disseram-lhe…”

Diante de uma multidão enfurecida, um líder nem sempre está no controle da situação. A verdadeira liderança é impossível diante da loucura das multidões. O erro de Moisés, se a análise aqui estiver correta, foi muito sutil, a diferença entre uma missão de espionagem e um relato de testemunha ocular da terra que aumenta a moral. Mesmo assim, deve ter sido quase inevitável, dado o clima das pessoas.

Foi isso que Moisés quis dizer quando disse: “por sua causa, o Senhor também ficou furioso comigo”. Ele quis dizer que: “D-s estava zangado comigo por não demonstrar liderança mais forte, mas foram vocês – ou melhor, seus pais – que tornaram essa liderança impossível”.

Isso sugere uma verdade fundamental e contra-intuitiva. Há uma boa palestra do TED[1] sobre liderança. [1] Demora menos de 3 minutos para assistir e pergunta: “O que faz um líder?” Ele responde: “O primeiro seguidor”.

Há um ditado famoso dos Sábios: “Faça para si um professor e adquira para si um amigo”. [2] A ordem dos verbos parece errada. Você não faz um professor, você adquire um. Você não adquire um amigo, você faz um. De fato, porém, a afirmação está exatamente correta. Você faz um professor quando está disposto a aprender. Você faz um líder por estar disposto a segui-lo. Quando as pessoas não querem seguir, mesmo o maior líder não pode liderar. Foi o que aconteceu com Aharon na época do bezerro, e de uma maneira muito mais sutil a Moisés na época dos espiões.

Então, eu argumentaria que essa é uma das razões pelas quais Josué foi escolhido para ser o sucessor de Moisés. Havia outros candidatos ilustres, incluindo Pinchas e Caleb. Mas Josué, servindo a Moisés durante os anos do deserto, foi um exemplo do que é ser um seguidor. Isso, os israelitas precisavam aprender.

Eu acredito que ser seguidor é a grande arte negligenciada. Seguidores e líderes formam uma parceria de desafio e respeito mútuos. Ser um seguidor no judaísmo não é ser submisso, acrítico e cego. Questionar e discutir fazem parte do relacionamento. Com demasiada frequência, porém, condenamos a falta de liderança quando estamos realmente sofrendo de falta de seguidores.     

Shabat Shalom

 

Notas

[1] Derek Sivers, ‘Como iniciar um movimento’.

[2] Mishnah, Avot 1: 6.

 

Texto original “Followership” por Rabino Jonathan Sacks

[1]O TED é uma organização sem fins lucrativos, apartidária, dedicada à divulgação de idéias, geralmente sob a forma de palestras curtas e poderosas. O TED começou em 1984 como uma conferência em que Tecnologia, Entretenimento e Design convergiram e hoje abrange quase todos os tópicos – da ciência aos negócios e questões globais – em mais de 110 idiomas. Enquanto isso, os eventos TEDx executados de forma independente ajudam a compartilhar idéias em comunidades ao redor do mundo. (www.ted.com/)

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS