VAETCHANAN

Posted on julho 29, 2020

VAETCHANAN

O Jogo Infinito

O popular autor e palestrante do TED Simon Sinek publicou recentemente um livro intitulado The Infinite Game. [1] Com base na distinção primeiramente articulada por James P. Carse, [2] trata-se da diferença entre dois tipos de atividades. Um, um jogo finito, tem um ponto inicial e final. Obedece às regras, reconhece limites e tem vencedores e perdedores. A maioria dos esportes é assim. Frequentemente, também a política: há campanhas, eleições, regras e regulamentos, candidatos vencidos e derrotados. As empresas podem ser administradas dessa maneira, quando se concentram nos lucros trimestrais, no preço das ações, na participação de mercado e similares.

Mas também existem jogos infinitos. Eles não têm ponto de partida ou linha de chegada, vencedores e perdedores claros, regras ou limites acordados. A arte é assim. O mesmo acontece com música e literatura. Beethoven não venceu. Bach não perdeu. Grandes artistas mudam as regras. Foi isso que Beethoven, Schoenberg e Stravinsky fizeram; Van Gogh, Cézanne e Picasso também. A política pode ser assim quando se eleva acima das pesquisas de opinião e define sua visão sobre questões maiores de justiça, igualdade e saúde moral da sociedade. A educação é um jogo finito quando se concentra nos resultados e qualificações dos exames, ou pode ser um

jogo infinito quando se trata de amplitude e profundidade da compreensão e desenvolvimento do caráter.

Jogos finitos são jogados para ganhar. Jogos infinitos são jogados para seu próprio interesse. Jogos finitos geralmente são realizados na frente de uma audiência de algum tipo. Jogos infinitos são participativos. Nós nos envolvemos neles porque somos mudados por eles. Van Gogh não precisou vender pinturas para considerar a arte valiosa. Beethoven não estava buscando popularidade quando escreveu suas últimas sonatas e quartetos. James Joyce não estava buscando um best-seller quando escreveu Ulisses.

Jogos infinitos não são um meio para um fim: vencer o campeonato, vencer o mercado, vitória em uma eleição. Em vez disso, eles são o que os psicólogos chamam de autotélicos, ou seja, eles contêm seu propósito em si mesmos. Fazemos porque a atividade é inerentemente criativa, exigente, animadora e enobrecedora.

Agora deve ficar claro que esses não são apenas dois tipos de jogos. São duas maneiras diferentes de jogar um jogo. Se, em qualquer país a qualquer momento, a política é tratada como um jogo finito, no qual tudo o que importa são classificações de popularidade e resultados eleitorais, rapidamente se torna superficial, trivial e pouco inspiradora. A qualidade da liderança diminui. O público se torna cínico e desiludido. A confiança é corroída e o vínculo social se esgarça. Quando a política é elevada por um senso de história e destino por parte de seus líderes, quando se torna não a busca do poder, mas uma forma de serviço aos outros e responsabilidade social, quando é impulsionada por altos ideais e aspirações éticas, então a liderança se torna estadista e a própria política é um chamado nobre.

Isso não significa denegrir jogos finitos. Precisamos deles, porque em muitas esferas da vida precisamos de regras, limites e prazos. Mas também devemos ter espaço para jogos infinitos, porque eles estão entre as expressões mais elevadas do espírito humano.

Essas reflexões são motivadas por dois versículos na parashá de hoje:

Certifique-se de guardar os mandamentos, decretos e leis que o Senhor seu D-s ordenou sobre você. Faça o que é certo e bom aos olhos do Senhor. (Dt. 6: 17-18)

O problema aqui é que o primeiro versículo parece cobrir todas as 613 mitsvot da Torá. São mandamentos, decretos ou leis. Por que então a Torá acrescenta: “Faça o que é certo e bom aos olhos do Senhor”? Certamente, fazer o que é certo e bom não é mais nem menos que guardar os mandamentos, decretos e leis de D-s. Estas não são duas maneiras de dizer a mesma coisa?

No entanto, como o Talmud [3] explica: “E você fará o que é certo e bom aos olhos do Senhor” significa que não se deve realizar uma ação que não seja correta e boa, mesmo que se tenha o direito legal de fazer isso. Esta é a base de uma lei importante no judaísmo, dina debar metzra, “a lei da propriedade adjacente”. Quando um proprietário chega a vender um terreno, o proprietário do terreno adjacente tem o direito de comprá-lo. Se for vendido a outra pessoa, o comprador deve devolver a terra ao vizinho, que então a reembolsa pelo preço que pagou por ela. Esta lei não se refere à propriedade da terra como tal. Em geral, um proprietário de terras tem o direito de vender para quem quiser. Trata-se de fazer “o certo e o bom” – o que as pessoas às vezes chamam de menschlichkeit. Para o vizinho, a compra da terra é um bem imenso. Ele pode se expandir sem dissipar suas propriedades em diferentes locais. Para quem está de fora, perder essa compra não é uma perda significativa, porque ele pode adquirir outros campos em outros lugares. A lei do bar metzra se afasta dos princípios usuais do direito para alcançar um fim moral: ajudar o próximo.

Rashi, baseando-se nessa passagem talmúdica, diz que fazer o certo e o bem aos olhos do Senhor significa “compromisso, agindo além das rigorosas exigências da lei”. [4] Ramban concorda com isso, mas continua trazendo um ponto fascinante e fundamental:

E a intenção disso é que, desde o princípio, D-s disse para guardar os mandamentos, testemunhos e leis de D-s, como D-s lhes ordenou. E agora, diz: mesmo com relação ao que D-s não ordenou, preste atenção para fazer o que é bom e correto aos olhos de D-s, porque D-s ama a bondade e a justiça. Isso é importante porque é impossível mencionar na Torá todos os detalhes do comportamento das pessoas com vizinhos e amigos, ou conduta nos negócios ou ordenanças locais. A Torá menciona muitas dessas leis, tais como: “Não faça fofocas”, “Você não se vingará nem guardará rancor”, “Você não ficará ocioso com o sangue do seu próximo”, “Você não deve insultar os surdos”, “Você se levantará antes dos idosos”, e assim por diante. Agora, emgeral, afirma que se deve fazer o que é bom e certo em relação a tudo, incluindo compromisso e atuação além das rigorosas exigências da lei. [5]

Ramban parece concordar com Rashi, mas na verdade ele está fazendo um argumento um pouco diferente. Rashi está dizendo: cumpra a lei e vá além dela. Ramban está dizendo que há algumas coisas que não podem ser especificadas por lei: “porque é impossível mencionar na Torá todos os detalhes do comportamento das pessoas”. A Torá nos dá exemplos específicos: não fofoque, não se vingue e assim por diante. Mas o resto depende da situação, das circunstâncias e da pessoa ou pessoas com quem você está lidando.

Nos termos que encontramos no início deste ensaio: nem toda a Torá é um jogo finito. Muito dela é. Existem regras, comandos, decretos e leis. Existe a halachá. Existem limites: leite, carne, domínio público, domínio privado. Há inícios e finais: a primeira hora para dizer o Shema de manhã e a última hora. Há sucessos e derrotas: alguém faz ou não a completa contagem do Omer. Tudo isso é finito, mesmo que seja dedicado à Quem é Infinito.

O argumento de Ramban, no entanto (feito também por Maggid Mishneh [6]), é que existem áreas significativas da vida moral que não podem ser reduzidas a regras. Isso ocorre porque as regras lidam com generalidades e as vidas humanas são particulares. Nós somos todos diferentes. O mesmo acontece com todas as situações em que nos encontramos. As pessoas boas sabem quando falar, quando calar, quando louvar, quando desafiar. Eles ouvem a palavra não dita, sentem a dor oculta, concentram-se na outra pessoa e não em si mesmos, e são guiados por um senso moral profundamente internalizado que os afasta instintivamente de qualquer coisa

que não seja o certo e o bom. O “certo e o bom aos olhos do Senhor” é sobre a parte da vida moral que é um jogo infinito.

Há um excelente relato de uma pessoa assim no Salmo 15: “Aquele que anda sem culpa, que faz o que é justo, que fala a verdade de seu coração… que não faz mal a um vizinho e não despreza os outros;… que faz um juramento mesmo quando dói e não muda de ideia… Quem faz essas coisas nunca será abalado”.

Acredito que cometemos um erro fundamental quando pensamos que tudo o que precisamos saber e manter são as regras que regem as interações em adam le-chavero, entre nós e nossos companheiros. As regras são essenciais, mas também incompletas. Precisamos desenvolver uma consciência que não nos permita errar, prejudicar ou machucar alguém, mesmo que as regras nos permitam. [7] A vida moral é um jogo infinito que não pode ser reduzido a regras.

Precisamos aprender e internalizar um senso de “o certo e o bom”.

Shabat Shalom

 

Notas
[1] Simon Sinek, The Infinite Game, Portfolio Penguin, 2019.
[2] James P. Carse, jogos finitos e infinitos, Free Press, 1986.
[3] Baba Metzia 108a.
[4] Lifnim mishurat na verdade significa “dentro”; e não “além” das rigorosas exigências da lei. O significado é: tenho certos direitos legais, mas posso decidir não exercê-los, porque o bem-estar de outra pessoa pode ser prejudicado se eu o fizer. “Dentro” significa “Não vou ao limite ao pressionar minha reivindicação legítima. Eu escolho renunciar ao meu direito”.
[5] Comentário de Ramban a Deut. 6:18; veja também seu comentário a Lev. 19: 2 onde ele faz um caso semelhante.
[6] Ver Maggid Mishneh para Rambam, Hilchot Shechenim 14: 3.
[7] Ramban desenvolveu para este e outros casos semelhantes a ideia de bi-reshut naval ha-Torá. Veja o comentário dele a Lev. 19: 2.

 

Texto original “The Infinite Game” por Rabino Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

KI TISSÁ

Como os Líderes Falham O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

TETZAVÊ

O Contraponto da Liderança O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, base...

Leia mais →

TERUMÁ

A Casa que Construímos Juntos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, b...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS