EKEV

Posted on agosto 4, 2020

EKEV

A Aliança e o Amor

Uma frase interessante aparece no final da parashá da semana passada e no início da parashá desta semana, e estes são os únicos lugares onde aparece na Torá. A frase é ha-brit veha-chessed (Deuteronômio 7: 9) ou na parashá desta semana, et ha-brit ve-et ha-chessed (Dt 7:12).

Saiba, portanto, que o Senhor seu D-s é D-s; Ele é o D-s fiel, mantendo o brit e o chessed para mil gerações daqueles que O amam e guardam Seus mandamentos. (Dt 7: 9)

Se você prestar atenção a essas leis e tiver o cuidado de segui-las, o Senhor seu D-s manterá com você o brit e o chessed, como jurou a seus antepassados. (Dt 7:12)

A frase é estranha. O relacionamento entre D-s e Israel é definido pelo brit, aliança. Esse é essencialmente o conteúdo da Torá. Por que é então acrescentado pela palavra chessed?

Os tradutores têm um problema com isso. A tradução da Sociedade das Publicações Judaicas do verso de abertura da nossa parashá é: “E se você obedecer a essas regras e as observar com cuidado, o Senhor seu D-s manterá fielmente para você a aliança que Ele fez em juramento a seus pais”. Isso traduz o chessed como “fielmente” e o leva como uma qualificação do verbo “manter” ou “guardar”. Esta é uma tradução muito forçada.

Uma tradução não-judaica, a Nova Versão Internacional, traduz o ha-brit veha-chessed como “aliança de amor”. Esta é uma tradução muito cristã. O pacto firmado entre os israelitas e D-s era um pacto da lei, não apenas do amor.

Aryeh Kaplan, na Torá Viva, acertou quando a traduziu como “D-s, seu Senhor, manterá o aliança e o amor com os quais fez um juramento a seus pais”. Não “aliança de amor”, mas “aliança e amor”. Mas ainda: qual é a aliança e qual é o amor que é distinto da aliança?

Isso pode parecer uma questão menor, não fosse o fato de que essa frase, que é rara no Tanach, aparece em momentos importantes da história judaica. Por exemplo, figura na grande oração do rei Salomão na consagração do templo em Jerusalém:

“Senhor, D-s de Israel, não há D-s como Você no Céu acima ou na Terra abaixo – Você que mantém a aliança e o amor com Seus servos que continuam de todo o coração em seu caminho.” (1 Reis 8:23)

Quando, após o exílio babilônico, a nação se reuniu em torno de Esdras e Neemias em Jerusalém e renovou a aliança, eles disseram:

“Agora, portanto, nosso D-s, o grande D-s, poderoso e maravilhoso, que guarda Sua aliança e amor , não deixa toda essa dificuldade parecer insignificante aos Seus olhos – a dificuldade que nos atingiu, sobre nossos reis e líderes, sobre nossos Sacerdotes e Profetas, sobre nossos ancestrais e todo o Seu povo, desde os dias dos reis da Assíria até hoje. (Neh. 9:32)

Nesses momentos críticos, quando Moisés renovou a aliança nas margens do Jordão, quando Salomão consagrou o templo, e as pessoas no tempo de Ezra e Neemias se consagraram novamente, em que houve o cuidado de definir a relação entre D-s e as pessoas como um brit e chessed, aliança e amor. Parece que ambos são necessários, ou eles não teriam usado essa linguagem nessas três ocasiões determinantes com muitos séculos de diferença.

Qual é então o significado de chessed? Significativamente, Maimônides dedica o penúltimo capítulo do Guia dos Perplexos à análise de três palavras: chessed, tsedacá e mishpat. Em chessed, ele diz:

Em nosso Comentário sobre Pirkei Avot (5: 7), explicamos a expressão chessed como denotando excesso. É especialmente usado como extraordinária bondade. A bondade amorosa é praticada de duas maneiras: primeiro, mostramos bondade àqueles que não têm nenhuma reivindicação sobre nós; segundo, somos gentis com aqueles a quem isso é devido, em maior medida do que é devido a eles … O próprio ato da criação é um ato da bondade de D-s: “Eu disse: ‘O universo é construído em amor- bondade’” (Sl 89: 3)… [1]

A diferença entre os três termos é que eu tenho o direito legal de mishpat. Eu tenho moralmente direito a tsedacá. Mas para chessed, eu não tenho direito. Quando alguém age em minha direção com chessed, isso é um ato de pura graça. Eu não fiz nada para merecer isso.

Maimônides observa, citando a frase dos Salmos de que “o universo é construído com bondade”, que a criação era um ato de puro chessed. Ninguém nunca cria algo porque merece ser criado. Criações não existem antes de serem criadas.

Podemos definir isso em termos humanos com mais precisão. O livro de Ruth é conhecido como o trabalho, por excelência, de chessed: “O rabino Zeira disse: ‘Este livro não tem nada relacionado à impureza ou pureza, proibido ou permitido. Por que então foi escrito? Para ensinar-nos a grandeza da recompensa pelos atos de chessed.” [2]

Existem duas cenas principais no livro. A primeira ocorre quando Naomi, enlutada de seu marido e dois filhos, decide retornar a Israel. Ela diz às duas noras: “Volte, cada uma à casa de sua mãe. Que o Senhor lhe mostre bondade, como demonstrou bondade com seus maridos mortos e comigo…” Ela estava dizendo a elas que elas não tinham mais obrigações para com ela. Elas foram casadas com os filhos dela, mas agora eram viúvas. Naomi não tem outros filhos. Sendo mulheres moabitas, elas serão estrangeiras em Israel: não têm motivos para ir para lá. Vocês não me devem nada, ela está dizendo. Vocês foram gentis, foram boas noras, mas agora devemos seguir caminhos separados.

O segundo discurso ocorre quando Ruth sai para colher grãos no campo de Boaz, que a trata com muito cuidado e consideração. Ela pergunta a ele: “Por que encontrei tanto reconhecimento em seus olhos que você me notou – uma estrangeira?” As duas palavras-chave aqui são “reconhecimento” e “estrangeira”. “Reconhecimento” significa que você se comportou em relação a mim como se tivesse obrigações comigo. Mas “sou estrangeira”. A palavra usada aqui não é “forasteiro”, isto é, um estrangeiro residente a quem certos deveres são devidos. Significa, um completo estranho. Ruth está dizendo a Boaz: você não me deve nada.

É isso que faz de Ruth o livro supremo do chessed, ou seja, do bem feito a alguém que não tem nenhuma reivindicação sobre você. O que Ruth faz por Naomi, e o que Boaz faz por Ruth, não são mishpat ou tzedakah. É puro chessed.

Agora, voltemos à pergunta com a qual começamos. Por que Moisés, Salomão e Neemias definiram o relacionamento entre o povo judeu e D-s não em termos de um único conceito, aliança, mas acrescentaram a ela uma segunda ideia, denominada chessed, que significa um ato de amor.

A aliança é essencialmente recíproca. Duas pessoas ou entidades se comprometem uma com a outra, cada uma se comprometendo com uma responsabilidade. Isso é como foi definido por D-s no Monte Sinai: “Agora, se você me obedecer completamente e guardar a Minha aliança, então de todas as nações você será o meu tesouro, pois toda a terra é Minha”. (Êxodo 19: 5) Se você for o Meu povo, eu serei o seu D-s. Se você me servir, eu o abençoarei. Toda aliança tem uma qualidade se-então nela. Portanto, toda aliança é inerentemente vulnerável. Isso é o que Moisés enfatizou ao longo do Devarim. Não ache que a terra ou suas bênçãos estão garantidas. Se você se sair bem, as coisas correrão bem, mas se você se sair mal, grandes perigos estão à sua espera.

Essa é a aliança. O chessed, por outro lado, não tem qualidade se-então. É dado pela bondade do doador, independentemente do valor do recebedor. Quando Moisés, Salomão e Neemias se referiram ao chessed além da aliança, eles estavam fazendo um pedido implícito a D-s do significado mais fundamental. Mesmo que não consigamos honrar a aliança, por favor, D-s seja misericordioso conosco, pois Você é bom mesmo quando não somos, e Você faz o bem mesmo quando não o merecemos, quando não temos nenhum direito sobre Você, qualquer que seja – ki le-olam chasdo, pois Seu chessed é eterno.

Os versos em nossa parashá parecem condicionais: “Se você prestar atenção a essas leis… então o Senhor, seu D-s, manterá o brit e o chessed…” Isso sugere que nos será mostrada chessed se o merecermos, mas se não, não. Mas não é assim. No final das maldições em Bechukotai, D-s diz: “Apesar disso, quando eles estiverem na terra de seus inimigos, Eu não os rejeitarei ou os abominarei, a fim de destruí-los completamente, quebrando minha aliança com eles: Eu sou o Senhor, seu D-s”.

D-s nunca quebrará a aliança, mesmo que o façamos, por causa de Seu chessed. O Tanach descreve o relacionamento entre D-s e Israel de duas maneiras principais: como marido e mulher, e como pai e filho. Entre marido e mulher, pode haver um divórcio. Entre pai e filho não pode haver. Eles podem ser afastados, mas o pai ainda é o pai e o filho ainda é o filho. O casamento é uma aliança; paternidade não é. Não nos abandones, dizemos a D-s, porque apesar de tudo o que fizemos, Você é nosso pai e nós somos Seus filhos. Chessed é o tipo de amor que um pai ou mãe tem por um filho, se eles merecem ou não. Chessed é graça incondicional.

Acredito que chessed é a maior conquista da vida moral. Foi o que Ruth fez por Naomi e Boaz por Ruth, e dessa bondade veio David, o maior rei de Israel. O altruísmo recíproco – eu faço isso por você e você faz isso por mim – é universal entre os animais sociais. Chessed não é. Em chessed, D-s criou o universo. Em chessed, nós criamos momentos de beleza moral que trazem alegria e esperança onde havia trevas e desespero. 

Shabat Shalom

 

Notas
[1] O Guia para os Perplexos, III: 53.
[2] Ruth Rabbah 2:14.

 

Texto original “The Covenant and the Love” por Rabino Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

KI TISSÁ

Como os Líderes Falham O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

TETZAVÊ

O Contraponto da Liderança O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, base...

Leia mais →

TERUMÁ

A Casa que Construímos Juntos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, b...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS