HAAZINU

Posted on outubro 3, 2022

HAAZINU

O Arco do Universo Moral

Em linguagem majestosa, Moisés começa a cantar, investindo seu testamento final aos israelitas com todo o poder e paixão à sua disposição. Ele começa de forma dramática, mas gentil, chamando o céu e a terra para testemunhar o que ele está prestes a dizer, soando ironicamente muito como “A qualidade da misericórdia não é forçada”, o discurso de Portia em O Mercador de Veneza.

Ouça, céus, e eu falarei; Que a terra ouça as palavras da minha boca.
Que meu ensinamento caia como chuva
Deixe meu discurso cair como o orvalho;
Como chuva suave sobre plantas tenras,
Como chuvas sobre as ervas. (Deut. 32:1-2)

Mas este é um mero prelúdio para a mensagem central que Moisés quer transmitir. É a ideia conhecida como tzidduk haDin, reivindicando a justiça de D-s. A maneira como Moisés coloca é esta:

A Rocha, Sua obra é completa,
E todos os Seus caminhos são justiça.
Um D-s de fé que não erra,
Justo é Ele, e reto. (Deut. 32:4)

Esta é uma doutrina fundamental para o judaísmo e sua compreensão do mal e do sofrimento no mundo – uma doutrina difícil, mas necessária. D-s é justo. Por que então coisas ruins acontecem?

Ele agiu ruinosamente? Não, com Seus filhos está a culpa,
Uma geração deformada e distorcida. (Deut. 32:5)

D-s retribui o bem com o bem, o mal com o mal. Quando coisas ruins acontecem conosco, é porque nós mesmos somos culpados de fazer coisas ruins. A culpa não está em nossas estrelas, mas em nós mesmos.

Movendo-se para o modo profético, Moisés prevê o que ele já havia predito, mesmo antes de terem atravessado o Jordão e entrado na terra. Ao longo do livro de Deuteronômio, ele advertiu sobre o perigo de que, em sua terra, uma vez esquecidas as dificuldades do deserto e as lutas da batalha, o povo se tornará confortável e complacente. Eles atribuirão suas realizações a si mesmos e se desviarão de sua fé. Quando isso acontecer, eles trarão desastres sobre si mesmos:

Yeshurun ​​engordou e chutou
Você ficou inchado, bruto, grosseiro –
Eles abandonaram D-s que os fez
E rejeitaram a Rocha do seu resgate…
Você abandonou a Rocha que o carregava;
Você esqueceu o D-s que lhe deu à luz. (Deut. 32:15-18)

Este, o primeiro uso da palavra Yeshurun ​​na Torá – da raiz yashar, vertical – é deliberadamente irônico. Sublinha sua profecia de que Israel, que uma vez soube o que era ser justo, será desviado por uma combinação de riqueza, segurança e assimilação aos costumes de seus vizinhos. Trairá os termos da aliança e, quando isso acontecer, descobrirá que D-s não está mais com ele. Ele vai descobrir que a história é um lobo devorador. Separado da fonte de sua força, será dominado por seus inimigos. Tudo o que a nação uma vez desfrutou será perdido. É uma mensagem dura e aterrorizante.

No entanto, Moisés está aqui encerrando a Torá com um tema que está lá desde o início. D-s, Criador do universo, fez um mundo fundamentalmente bom: a palavra que ecoa sete vezes no primeiro capítulo do Gênesis. São os humanos, a quem foi concedido o livre-arbítrio como imagem e semelhança de D-s, que introduzem o mal no mundo e depois sofrem suas consequências. Daí a insistência de Moisés de que quando surgem problemas e tragédias, devemos buscar a causa dentro de nós mesmos, e não culpar a D-s. D-s é reto e justo. O defeito está em nós, Seus filhos.

Esta é talvez a ideia mais difícil em todo o judaísmo. Está aberto à mais simples das objeções, que soou em quase todas as gerações. Se D-s é justo, por que coisas ruins acontecem com pessoas boas? Esta é a pergunta feita não pelos céticos e duvidosos, mas pelos próprios heróis da fé. Ouvimos no apelo de Abraham: “Não fará justiça o Juiz de toda a terra?” Nós ouvimos isso no desafio de Moisés “Por que você fez mal a este povo?” Soa novamente em Jeremias:

“Senhor, você está sempre certo quando eu discuto com você. No entanto, devo defender meu caso diante de Ti: Por que os ímpios são tão prósperos? Por que as pessoas más são tão felizes?” (Jer. 12:1)

É uma discussão que nunca cessou. Ela continuou através da literatura rabínica. Foi ouvido novamente no kinot, os lamentos, motivados pela perseguição aos judeus na Idade Média. Soa na literatura produzida na esteira da expulsão espanhola, e ecoa ainda quando relembramos o Holocausto.

O Talmud diz que de todas as perguntas que Moisés fez a D-s, esta foi a que D-s não deu resposta. [1] A interpretação mais simples e profunda é dada no Salmo 92, “O cântico do dia de sábado”. Embora “os ímpios brotem como grama” (Ps. 92:7) eles serão eventualmente destruídos. Os justos, por outro lado, “florescem como uma palmeira e crescem como um cedro no Líbano”. (Ps. 92:13) O mal vence a curto prazo, mas nunca a longo prazo. Os ímpios são como a grama, os justos como uma árvore. A grama cresce da noite para o dia, mas leva anos para uma árvore atingir sua altura máxima. A longo prazo, as tiranias são derrotadas. Impérios declinam e caem. Bondade e retidão vencem a batalha final. Como Martin Luther King Jr. disse no espírito do Salmo: “O arco do universo moral é longo, mas se inclina para a justiça”. [2]

É uma crença difícil esse compromisso de ver a justiça na história sob a soberania de D-s. No entanto, considere as alternativas. Eles são três. A primeira opção é dizer que não há sentido algum na história. Homo hominis lupus est, “O homem é o lobo do homem”. Como Tucídides disse em nome dos atenienses: “Os fortes fazem o que querem, os fracos sofrem o que devem”. A história é uma luta darwiniana pela sobrevivência, e a justiça nada mais é do que o nome dado à vontade do mais forte.

A segunda, sobre a qual escrevo em meu livro Not in God’s Name, é o dualismo, a ideia de que o mal não vem de D-s, mas de uma força independente: Satanás, o Diabo, o Anticristo, Lúcifer, o Príncipe das Trevas e os muitos outros nomes dados à força que não é D-s, mas se opõe a Ele e aqueles que O adoram. Essa ideia, que surgiu em formas sectárias em cada um dos monoteísmos abraâmicos, bem como nos totalitarismos seculares modernos, é uma das mais perigosas de toda a história. Ele divide a humanidade entre o bem inabalável e o mal irremediavelmente, dando origem a uma longa história de derramamento de sangue e barbárie do tipo que vemos sendo decretado hoje em muitas partes do mundo em nome da guerra santa contra o maior e menor Satanás. Isso é dualismo, não monoteísmo, e os Sábios, que o chamavam de shtei reshuyot, “dois poderes” ou “domínios” [3], estavam certos em rejeitá-lo totalmente.

A terceira, amplamente debatida na literatura rabínica, é dizer que, em última análise, a justiça existe no mundo vindouro, na vida após a morte. No entanto, embora este seja um elemento essencial do judaísmo, é impressionante quão relativamente pouco o judaísmo recorreu a ele, reconhecendo que o impulso central do Tanach está neste mundo e na vida antes da morte. Pois é aqui que devemos trabalhar pela justiça, equidade, compaixão, decência, o alívio da pobreza e a perfeição, tanto quanto está ao nosso alcance, da sociedade e de nossas vidas individuais. Tanach quase nunca aceita essa opção. D-s não diz a Jeremias ou Jó que a resposta à sua pergunta existe no céu e eles a verão assim que terminarem sua estada na terra. A paixão pela justiça tão característica do judaísmo se dissiparia inteiramente se esta fosse a única resposta.

Por mais difícil que seja a fé judaica, ao longo da história ela teve o efeito de nos levar a dizer: se coisas ruins aconteceram, não culpemos ninguém além de nós mesmos e trabalhemos para torná-las melhores. Foi isso que levou os judeus, uma e outra vez, a emergir da tragédia, abalados, marcados, mancando como Jacob após seu encontro com o anjo, mas resolvidos a começar de novo, a nos dedicar novamente à nossa missão e fé, a atribuir nossas realizações a D-s e nossas derrotas para nós mesmos.

Acredito que dessa humildade nasce uma força importante.

 

NOTAS
[1] A discussão completa pode ser encontrada em Brachot 7a.
[2] “Out of the Long Night”, The Gospel Messenger, 8 de fevereiro de 1958, p. 14.
[3] Brachot 33b.

 

Texto original “The Arc of the Moral Universe” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

TAZRIA

Otelo, WikiLeaks e paredes mofadas Foi a Septuaginta, a antiga tradução grega da Bíblia Hebraica, que traduziu tsara’at,...

Leia mais →

SHEMINI

Espontaneidade: Boa ou Ruim? Shemini conta a trágica história de como a grande inauguração do Tabernáculo, um dia sobre o qua...

Leia mais →

TZAV

Por Que as Civilizações Morrem Em The Watchman’s Rattle, com o subtítulo Thinking Our Way Out of Extinction, Rebecca Cos...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS