KI TISSÁ

Posted on fevereiro 14, 2022

KI TISSÁ

Pode Haver Compaixão Sem Justiça?

No auge do drama do Bezerro de Ouro, uma cena vívida e enigmática acontece. Moisés garantiu o perdão para o povo. Mas agora, no Monte Sinai mais uma vez, ele faz mais. Ele pede a D-s para estar com o povo. Ele pede a Ele para “ensinar-me os Teus caminhos” e “mostrar-me a Tua glória”. (Ex. 33:13 , Ex. 18) D-s responde:

“Deixarei passar toda a Minha bondade diante de ti; e proclamarei o Meu Nome, o Senhor, em tua presença… Eu terei misericórdia de quem terei misericórdia, e terei compaixão de quem eu tiver compaixão. Mas, “Ele disse, “você não poderá ver Minha face, porque ninguém pode ver Minha face e viver.” Ex. 33:20

D-s então coloca Moisés em uma fenda na rocha, dizendo-lhe que ele será capaz de “ver Minhas costas”, mas não Sua face, e Moisés ouve D-s dizer estas palavras:

“O Senhor, o Senhor, o D-s compassivo e misericordioso, tardio em irar-se, abundante em amor e fidelidade, mantendo o amor a milhares e perdoando a maldade, a rebelião e o pecado. No entanto, Ele não deixa o culpado impune. Ex. 34:6-7

Esta passagem ficou conhecida como os “Treze Atributos da Misericórdia de D-s”.

Os Sábios entenderam este episódio como o momento em que D-s ensinou a Moisés, e através dele todas as gerações futuras, como orar ao expiar o pecado. (Rosh Hashanah 17b) O próprio Moisés usou essas palavras com pequenas variações durante a próxima crise, a dos espiões. Eventualmente, eles se tornaram a base das orações especiais conhecidas como Selichot, orações de penitência. Era como se D-s estivesse se obrigando a perdoar o penitente em cada geração por essa autodefinição. [1]  D-s é compassivo e vive em amor e perdão. Este é um elemento essencial da fé judaica.

Mas há uma ressalva. D-s acrescenta: “No entanto, Ele não deixa o culpado impune.” Há uma cláusula adicional sobre visitar os pecados dos pais sobre os filhos que exige atenção separada e não é nosso assunto aqui. A advertência nos diz que há perdão, mas também punição. Há compaixão, mas também justiça.

Por que então? Por que deve haver justiça e compaixão, punição e perdão? Os sábios disseram:

“Quando D-s criou o universo, Ele o fez sob o atributo da justiça, mas depois viu que não poderia sobreviver. O que ele fez? Ele acrescentou compaixão à justiça e criou o mundo”. (Veja Rashi para Gênesis 1:1)

Esta afirmação leva à mesma pergunta. Por que D-s não abandonou completamente a justiça? Por que apenas o perdão não é suficiente?

Algumas pesquisas recentes fascinantes em diversos campos, da filosofia moral à psicologia evolutiva, e da teoria dos jogos à ética ambiental, nos fornecem uma resposta extraordinária e inesperada.

O melhor ponto de entrada é o famoso artigo de Garrett Harding escrito em 1968 sobre “a tragédia dos comuns”. [2]  Ele nos pede para imaginar um bem sem dono específico: pastagens que pertencem a todos (os comuns), por exemplo, ou o mar e os peixes que contém. O ativo fornece um meio de subsistência para muitas pessoas, agricultores ou pescadores locais. Mas, eventualmente, atrai muitas pessoas. Há excesso de pastoreio ou pesca excessiva e o recurso está esgotado. A pastagem corre o risco de se tornar um terreno baldio. Os peixes estão em perigo de extinção. [3]

O que então acontece? O bem comum exige que todos daqui em diante pratiquem a contenção. Eles devem limitar o número de animais que pastam ou o número de peixes que capturam. Mas alguns indivíduos são tentados a não fazê-lo. Eles continuam a pastar animais demais ou pescar demais. Justificam a si mesmos que o ganho para eles é grande e a perda para os outros é pequena, pois é dividida por muitos. O interesse próprio tem precedência sobre o bem comum e, se um número suficiente de pessoas agir de acordo com esses instintos, o resultado é um desastre.

Esta é a tragédia dos comuns e explica como ocorrem as catástrofes ambientais e outros desastres. O problema é o carona, a pessoa que persegue seu próprio interesse sem arcar com sua parte no custo do bem comum. Devido à importância desse tipo de situação para muitos problemas contemporâneos, eles têm sido intensamente estudados por biólogos matemáticos como Anatol Rapoport e Martin Nowak e economistas comportamentais como Daniel Kahneman e o falecido Amos Tversky. [4]

Uma das coisas que eles fizeram foi criar situações experimentais que simulam esse tipo de problema. Aqui está um exemplo. Quatro jogadores recebem US$8 cada. Eles são informados de que podem optar por investir o quanto quiserem em um fundo comum. O experimentador recolhe as contribuições, soma-as, soma 50% (o ganho que o agricultor ou pescador teria feito usando os bens comuns) e distribui a soma igualmente para todos os quatro jogadores. Portanto, se cada um contribuir com US$ 8 para o fundo, cada um receberá US$ 12 no final. Mas se um jogador não contribuir com nada, o fundo totalizará US$ 24, que com 50% adicionados se torna US$ 36. Distribuídos igualmente significa que cada um receberá US$ 9. Assim, três terão ganho US$ 1, enquanto o quarto, o carona, terá ganho US$ 9.

Esta, porém, não é uma situação estável. À medida que o jogo é jogado repetidamente, os participantes começam a perceber que há um carona entre eles, mesmo que o experimento seja estruturado de forma que eles não saibam quem é. Uma de duas coisas então tende a acontecer. Ou todos param de contribuir para o fundo (ou seja, o bem comum) ou concordam, se tiverem escolha, em punir o carona. Muitas vezes, as pessoas desejam punir, mesmo que isso signifique que perderão com isso, um fenômeno às vezes chamado de “punição altruísta”.

Alguns ligaram os participantes a máquinas de ressonância magnética para ver quais partes do cérebro são ativadas por esses jogos. Curiosamente, a punição altruísta está ligada aos centros de prazer no cérebro. Como Kahneman coloca:

“Parece que manter a ordem social e as regras de justiça dessa maneira é sua própria recompensa. A punição altruísta pode muito bem ser a cola que mantém as sociedades unidas.” [5]

Esta, porém, dificilmente é uma situação feliz. O castigo é uma má notícia para todos. O ofensor sofre, mas também os punidores, que precisam gastar tempo ou dinheiro que poderiam usar para melhorar o resultado coletivo. E em estudos transculturais, acaba sendo as pessoas de países onde há carona generalizada que punem mais severamente. As pessoas são mais punitivas em sociedades onde há mais corrupção e menos espírito público. A punição, em outras palavras, é a solução de último recurso.

Isso nos leva à religião. Toda uma série de experimentos esclareceu o papel da prática religiosa em tais circunstâncias. Foram realizados testes nos quais os participantes têm a oportunidade de trapacear e ganhar com isso. Se, sem qualquer conexão com o experimento em questão, os participantes foram preparados para pensar pensamentos religiosos – ao serem mostradas palavras relacionadas a D-s, por exemplo, ou sendo lembrados dos Dez Mandamentos – eles trapaceiam significativamente menos. [6]  O que é particularmente fascinante sobre esses testes é que os resultados não mostram nenhuma relação com as crenças subjacentes dos participantes. O que faz a diferença não é acreditar em D-s, mas ser lembrado de D-s antes do teste. Pode ser por isso que a oração diária e outros rituais regulares são tão importantes. O que nos afeta em momentos de tentação não é tanto a crença de fundo, mas o ato de trazer essa crença à consciência.

De importância muito maior foram os experimentos projetados para testar o impacto de diferentes maneiras de pensar sobre D-s. Pensamos principalmente em termos de perdão divino, ou de justiça e punição divinas? Algumas vertentes dentro das grandes religiões enfatizam um, outras o outro. Existem pregadores do fogo do inferno e aqueles que falam com a voz mansa e delicada do amor. Qual é o mais eficaz?

Desnecessário dizer, quando os sujeitos experimentais são ateus ou agnósticos, não há diferença. Eles não são afetados de qualquer maneira. Entre os crentes, porém, a diferença é significativa. Aqueles que acreditam em um D-s punitivo enganam e roubam menos do que aqueles que acreditam em um D-s perdoador. Experimentos foram então realizados para ver como os crentes se relacionam com os aproveitadores em situações de bem comum como as descritas acima. Eles estavam dispostos a perdoar, ou puniram os aproveitadores mesmo com um custo para eles mesmos? Aqui os resultados foram reveladores. As pessoas que acreditam em um D-s punitivo punem menos as pessoas do que aquelas que acreditam em um D-s perdoador. [7] Aqueles que acreditam que, como diz a Torá, D-s “não deixa o culpado impune”, estão mais dispostos a deixar o castigo para D-s. Aqueles que se concentram no perdão divino são mais propensos a praticar retribuição ou vingança humana.

O mesmo se aplica às sociedades como um todo. Aqui os pesquisadores usaram termos não inteiramente pertinentes ao judaísmo: eles compararam países em termos de porcentagens da população que acreditava em céu e inferno. “As nações com os níveis mais altos de crença no inferno e os níveis mais baixos de crença no céu tiveram as menores taxas de criminalidade. Em contraste, as nações que privilegiavam o céu sobre o inferno eram campeãs do crime. Esses padrões persistiram em quase todas as principais religiões crentes nisto, incluindo várias religiões cristãs, hindus e sincréticas que são uma mistura de vários sistemas de crenças”. [8]

Esta foi uma descoberta tão surpreendente que as pessoas perguntaram: nesse caso, por que existem religiões que não enfatizam o castigo divino? Azim Shariff ofereceu a seguinte explicação:

“Porque embora o Inferno possa ser melhor para fazer as pessoas serem boas, o Céu é muito melhor para fazê-las se sentirem bem.” Então, se uma religião tem a intenção de converter, “é muito mais fácil vender uma religião que promete um paraíso divino do que uma que ameaça os crentes com fogo e enxofre”. [9]

Agora está claro por que, no exato momento em que Ele está declarando sua compaixão, graça e perdão, D-s insiste que Ele não deixa o culpado impune. Um mundo sem justiça divina seria aquele onde há mais ressentimento, punição e crime, e menos espírito público e perdão, mesmo entre os crentes religiosos. Quanto mais acreditamos que D-s pune os culpados, mais perdoadores nos tornamos. Quanto menos acreditamos que D-s pune os culpados, mais ressentidos e punitivos nos tornamos. Esta é uma verdade totalmente contra-intuitiva, mas que finalmente nos permite ver a profunda sabedoria da Torá em nos ajudar a criar uma sociedade humana e compassiva.

 

NOTAS
[1] O Talmud em Rosh Hashanah 17b  diz que D-s fez uma aliança com base nessas palavras, obrigando-se a perdoar aqueles que, em penitência, apelaram para esses atributos. Daí sua centralidade nas orações que levam a Rosh Hashaná e Yom Kippur, e no próprio Yom Kippur.
[2] Garrett Hardin, “A Tragédia dos Comuns”, Vol. Science  162, 13 de dezembro de 1968: não. 3859 pp. 1243-1248.
[3] Muito antes de Garrett Hardin, havia uma velha história hassídica sobre uma vila onde as pessoas eram convidadas a doar uma quantidade de vinho para encher um grande tonel para apresentar ao rei em sua próxima visita à vila. Cada aldeão contribuiu secretamente apenas com água em vez de vinho, argumentando consigo mesmo que uma diluição tão pequena não seria notada no grande presente. O rei chegou, os aldeões presentearam-no com o tonel, ele bebeu e disse: “É apenas água pura”. Acho que muitas tradições folclóricas têm histórias semelhantes. Esta é, em essência, a tragédia dos comuns.
[4] Ver Robert Axelrod, A Evolução da Cooperação. New York: Basic, 1984. Matt Ridley,  The Origins of Virtue , Penguin, 1996. Daniel Kahneman,  Thinking, Fast and Slow , Allen Lane, 2011. Martin Nowak e Roger Highfield,  Super Cooperators: Evolution, Altruism and Human Behavior or Why Precisamos uns dos outros para ter sucesso , Edimburgo: Canongate, 2011.
[5] Kahneman,  Pensando, Rápido e Lento , 308.
[6] Ara Norenzayan,  Big Gods: How Religion Transformed Cooperation and Conflict,  Princeton University Press, 2013, 34-35.
[7] Ibid., 44-47.
[8] Ibid., 46.
[9] Ibid.

 

Texto original “Can there be Compassion without Justice?” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT MAIS RECENTES

VAETCHANAN

O Certo e o Bom Enterrado entre as passagens épicas do Vaetchanan – entre elas o Shemá e os Dez Mandamentos – está uma brev...

Leia mais →

DEVARIM

Por Que Existem Tantos Advogados Judeus? No início do livro de Devarim, Moisés recapitula a história da experiência dos israel...

Leia mais →

MATOT–MASSEI

Juramentos e Votos A parashá de Matot começa com uma passagem sobre votos e juramentos e sua anulação. Usa vocabulário que ma...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS