MATOT–MASSEI

Posted on julho 26, 2022

MATOT–MASSEI

Juramentos e Votos

A parashá de Matot começa com uma passagem sobre votos e juramentos e sua anulação. Usa vocabulário que mais tarde seria adotado e adaptado para Kol Nidrei, a anulação dos votos na véspera do Yom Kipur. Sua posição aqui, porém – perto do final do livro de Números – é estranha.

A Torá descreve os últimos estágios da jornada dos israelitas para a Terra Prometida. A ordem foi dada para dividir a terra por sorteio entre as tribos. Moisés foi instruído por D-s a se preparar para sua morte. Ele pede a D-s que nomeie um sucessor, o que Ele faz. O papel vai para Josué, aprendiz de Moisés por muitos anos. A narrativa então se interrompe para dar lugar a um extenso relato dos sacrifícios a serem feitos nos vários dias do ano. Em seguida, vem a seção com a qual começa a parashá Matot, sobre votos e juramentos.

Por que está aqui? Há uma resposta superficial. Há uma ligação verbal com o penúltimo verso da parashá anterior:

“Estes oferecereis ao Senhor nas vossas festas, além dos vossos votos e das vossas ofertas voluntárias.” Número 29:39

Tendo mencionado os votos, a Torá agora declara as leis que se aplicam a eles. Essa é uma explicação.

No entanto, há outra resposta, que vai ao cerne do projeto em que os israelitas estavam prestes a embarcar, uma vez que cruzassem o Jordão e conquistassem a terra. Um problema, talvez o problema, para o qual a Torá é uma resposta é: liberdade e ordem podem coexistir na esfera humana? Pode haver uma sociedade que seja livre e justa ao mesmo tempo? A Torá nos apresenta as outras alternativas. Pode haver liberdade e caos. Esse era o mundo cheio de violência antes do Dilúvio. E pode haver ordem sem liberdade. Esse foi o Egito do qual os israelitas foram libertados. Existe uma terceira alternativa? E se sim, como é criada?

A resposta que a Torá dá tem a ver com a linguagem. Lembre-se que foi com a linguagem que D-s criou o mundo: “E D-s disse: Haja… e houve…” Um dos primeiros dons que D-s deu à humanidade foi a linguagem. Quando a Torá diz que “D-s formou o homem do pó da terra e soprou o fôlego da vida em suas narinas, e o homem se tornou um ser vivente” (Gn 2:7), o Targum traduz a última frase como “e o homem tornou-se um ser falante ”. Para o judaísmo, falar é a própria vida.

No entanto, o judaísmo está particularmente interessado em um uso incomum da linguagem. O filósofo de Oxford JL Austin chamou isso de “enunciado performativo”. [1] Isso acontece quando usamos a linguagem não para descrever algo, mas para fazer algo. Assim, por exemplo, quando um noivo diz à sua noiva sob a chupá: “Eis que você está noiva de mim”, ele não está descrevendo um casamento, ele está se casando. Quando nos tempos antigos o Beit Din declarava a Lua Nova, eles não estavam fazendo uma declaração de fato. Estavam criando um fato, estavam transformando o dia em Lua Nova.

O exemplo chave de um enunciado performativo é uma promessa. Quando eu te prometo que vou fazer alguma coisa, estou criando algo que não existia antes, ou seja, uma obrigação. Este fato, por menor que possa parecer, é o fundamento do judaísmo.

Uma promessa mútua – X se compromete a fazer certas coisas por Y, e Y se compromete a fazer outras coisas por X – é chamada de aliança, e o judaísmo é baseado em aliança, especificamente a aliança feita entre D-s e os israelitas no Monte Sinai, que os ligava e ainda hoje nos liga. Na história humana, é o caso supremo de um enunciado performativo.

Dois filósofos compreenderam o significado do ato de prometer à vida moral. Um deles foi Nietzsche. Isto é o que ele disse:

Criar um animal com a prerrogativa de prometer – não é precisamente essa a tarefa paradoxal que a natureza se colocou em relação à humanidade? Não é esse o verdadeiro problema da humanidade?… O próprio homem terá realmente que se tornar confiável, regular, necessário, até mesmo em sua própria imagem, para que ele, como alguém que faz uma promessa, seja responsável por seu próprio futuro! É precisamente isso que constitui a longa história das origens da responsabilidade. (Sobre a genealogia da moralidade) [2]

A outra foi Hannah Arendt, que em essência explicou o que Nietzsche queria dizer. Os assuntos humanos são repletos de imprevisibilidade. Isso porque somos livres. Não sabemos como as outras pessoas se comportarão ou como responderão a um ato nosso. Portanto, nunca podemos ter certeza das consequências de nossas próprias decisões. A liberdade parece roubar a ordem do mundo humano. Podemos dizer como os objetos inanimados se comportarão sob diferentes condições. Podemos estar razoavelmente seguros de como os animais se comportarão. Mas não podemos dizer de antemão como os humanos vão reagir. Como então podemos criar uma sociedade ordenada sem tirar a liberdade das pessoas?

A resposta é o ato de prometer. Quando prometo fazer algo, estou me colocando livremente na obrigação de fazer algo no futuro. Se sou o tipo de pessoa que é conhecida por manter sua palavra, removi um elemento de imprevisibilidade do mundo humano. Pode confiar em mim, já que dei minha palavra. Quando prometo, voluntariamente me comprometo. É essa capacidade dos humanos de se comprometerem voluntariamente a fazer ou deixar de fazer certos atos que gera ordem nas relações entre os seres humanos sem o uso de força coercitiva. [3]

“Quando um homem faz um voto ao Senhor ou faz um juramento vinculando-se a uma obrigação, ele não deve quebrar sua palavra; tudo o que ele fala, isso deve cumprir”. (Número 30:3) Não é por acaso que este, o segundo verso da parashá Matot, é declarado pouco antes de os israelitas se aproximarem da Terra Prometida. A instituição da promessa, da qual os votos e juramentos a D-s são exemplo supremo, é essencial para a existência de uma sociedade livre. A liberdade depende de as pessoas manterem sua palavra.

Um exemplo de como isso acontece na vida real aparece mais tarde na parashá. Duas das tribos, Rúben e Gad, decidem que preferem viver a leste do Jordão, onde a terra é mais adequada para o gado. Depois de uma conversa tensa com Moisés, que os acusa de se esquivar de suas responsabilidades com o resto do povo, eles concordam em ficar na linha de frente do exército até que a conquista da terra seja concluída. Tudo depende de eles manterem sua palavra.

Todas as instituições sociais em uma sociedade livre dependem da confiança, e confiança significa honrar nossas promessas, fazer o que dizemos que faremos. Quando isso falha, o próprio futuro da liberdade está em risco. Há um exemplo clássico disso no Tanach. Aparece no livro de Jeremias, onde o Profeta está descrevendo a sociedade de seu tempo, quando as pessoas não podiam mais confiar em manter sua palavra:

Eles dobram suas línguas como arcos;
Eles são valorosos na terra pela traição, não pela honestidade;
Eles avançam de mal em mal.
Eles não Me atendem – declara o Senhor.
Cuidado com seus amigos;
Não confie nem mesmo em um irmão,
Pois cada um deles é um enganador, e cada amigo um caluniador.
Amigo engana amigo, e ninguém fala a verdade.
Eles ensinaram suas línguas a mentir; eles se cansam com o pecado.
Você vive no meio do engano; em seu engano eles se recusam a Me atender – declara o Senhor. (Jer. 9:2–5)

Essa era a condição de uma sociedade que estava prestes a perder sua liberdade para os babilônios. Nunca se recuperou totalmente.

Se a confiança se rompe, as relações sociais se desfazem. A sociedade dependerá então das agências de aplicação da lei ou de algum outro uso da força. Quando a força é amplamente utilizada, a sociedade não é mais livre. A única maneira pela qual seres humanos livres podem formar relacionamentos colaborativos e cooperativos sem recorrer à força é pelo uso de compromissos verbais honrados por aqueles que os fazem.

A liberdade precisa de confiança. A confiança precisa que as pessoas mantenham sua palavra, e manter sua palavra significa tratar palavras como sagradas, votos e juramentos como sacrossantos. Somente sob circunstâncias muito especiais e formuladas com precisão você pode ser liberado de seus compromissos. É por isso que, quando os israelitas se aproximaram da Terra Santa, onde deveriam criar uma sociedade livre, eles tiveram que ser lembrados do caráter sagrado dos votos e juramentos.

A tentação de quebrar sua palavra quando é vantajoso fazê-lo às vezes pode ser esmagadora. É por isso que a crença em D-s – um D-s que supervisiona tudo o que pensamos, dizemos e fazemos, e que nos responsabiliza por nossos compromissos – é tão fundamental. Embora pareça estranho para nós agora, o pai da tolerância e do liberalismo, John Locke, sustentou que a cidadania não deveria ser estendida aos ateus porque, não acreditando em D-s, não se podia confiar neles para honrar sua palavra. [4]

Compreendendo isso, podemos agora apreciar que o aparecimento de leis sobre votos e juramentos no final do livro de Números, à medida que os israelitas se aproximam da terra de Israel, não é acidental, e a moral ainda é relevante hoje. Uma sociedade livre depende da confiança. A confiança depende de manter sua palavra. É assim que os humanos imitam D-s – usando a linguagem para criar. As palavras criam obrigações morais, e as obrigações morais, assumidas com responsabilidade e honradas com fidelidade, criam a possibilidade de uma sociedade livre. Portanto, nunca quebre uma promessa. Sempre faça o que você diz que vai fazer. Se não cumprirmos nossa palavra, eventualmente perderemos nossa liberdade.

 

NOTAS
[1] JL Austin, Como Fazer Coisas com Palavras (Oxford: Clarendon Press, 1975).
[2] Friedrich Nietzsche, Sobre a genealogia da mora , trad. Carol Diethe e ed. Keith Ansell-Pearson (Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press, 2007), pp. 35–36.
[3] Hannah Arendt, The Human Condition (Chicago: University of Chicago Press, 1958), pp. 243-44.
[4] John Locke, Uma carta sobre tolerância (1689).

 

Texto original “Oaths and Vows” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT MAIS RECENTES

EKEV

O Poder da Gratidão No início da década de 1990, ocorreu um dos grandes exercícios de pesquisa médica dos tempos modernos. Fi...

Leia mais →

VAETCHANAN

O Certo e o Bom Enterrado entre as passagens épicas do Vaetchanan – entre elas o Shemá e os Dez Mandamentos – está uma brev...

Leia mais →

DEVARIM

Por Que Existem Tantos Advogados Judeus? No início do livro de Devarim, Moisés recapitula a história da experiência dos israel...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS