MIKETZ

Posted on dezembro 15, 2020

MIKETZ

O Poder do Elogio

O rabino Sacks z”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Em uma das maiores transformações em toda a literatura, Yosef se move em um único salto de prisioneiro a primeiro-ministro. O que havia em Yosef – um completo estranho à cultura egípcia, um “hebreu”, um homem que vinha definhando na prisão sob uma falsa acusação de tentativa de estupro – que o destacou como líder do maior império do mundo antigo?

Yosef tinha três dons que muitos possuem isoladamente, mas poucos combinados. O primeiro é que ele teve sonhos. Inicialmente, não sabemos se seus dois sonhos de adolescente – dos feixes de seus irmãos se curvando para ele, e do sol, da lua e onze estrelas se curvando para ele – são um pressentimento genuíno de grandeza futura, ou apenas a imaginação hiperativa de uma criança mimada com delírios de grandeza.

Apenas na parashá Miketz desta semana descobrimos uma informação vital que foi ocultada de nós até agora. Yosef diz ao Faraó, que também teve dois sonhos: “A razão pela qual o sonho foi dado ao Faraó em duas formas é que o assunto foi decidido firmemente por D-s, e D-s o fará em breve”. (Gen. 41:32) Só em retrospecto percebemos que o sonho duplo de Yosef foi um sinal de que isso também não era mera imaginação. Yosef realmente estava destinado a ser um líder a quem sua família se curvaria.

Em segundo lugar, como Sigmund Freud muitos séculos depois, Yosef tinha o dom de interpretar os sonhos dos outros. Ele fez isso para o mordomo e o padeiro na prisão e, na parashá desta semana, para o Faraó. Suas interpretações não eram mágicas nem milagrosas. No caso do mordomo e do padeiro, ele lembrou que dentro de três dias seria o aniversário do Faraó. (Gen. 40:20) Era costume dos governantes fazer uma festa no dia de seu aniversário e decidir o destino de certos indivíduos. (Na Grã-Bretanha, as homenagens ao aniversário da rainha continuam essa tradição). Era razoável, portanto, supor que os sonhos do mordomo e do padeiro se relacionavam com esse evento e suas esperanças e medos inconscientes. [1]

No caso dos sonhos do Faraó, Yosef pode ter conhecido antigas tradições egípcias sobre a fome de sete anos. Nahum Sarna cita um texto egípcio do reinado do rei Djoser (cerca do século vinte e oito AEC):

Eu estava angustiado no Grande Trono, e aqueles que estão no palácio sofriam com o coração de um grande mal, já que o Nilo não havia subido em meu tempo por um espaço de sete anos. Os grãos eram escassos, as frutas secavam e tudo o que comiam era escasso. [2]

A conquista mais impressionante de Yosef, porém, foi seu terceiro presente, a capacidade de realizar sonhos, resolvendo o problema do qual eram um aviso prévio. Assim que ele falou sobre uma fome de sete anos, ele continuou, sem pausa, a fornecer uma solução:

“Que Faraó procure um homem perspicaz e sábio e o coloque no comando da terra do Egito. Que Faraó designe comissários sobre a terra para tomar um quinto da colheita do Egito durante os sete anos de abundância. Eles deveriam coletar toda a comida desses anos bons que estão chegando e armazenar os grãos sob a autoridade do Faraó, para serem mantidos nas cidades para alimentação. Este alimento deve ser mantido em reserva para o país, para ser usado durante os sete anos de fome que sobrevirá ao Egito, para que o país não seja arruinado pela fome.” (Gen. 41: 33-36)

Já vimos Yosef, o administrador brilhante, antes, tanto na casa de Potifar quanto na prisão. Foi esse dom, demonstrado no momento certo, que o levou a ser nomeado vice-rei do Egito.

Com Yosef, portanto, aprendemos três princípios. O primeiro é: sonhe sonhos. Nunca tenha medo de deixar sua imaginação voar. Quando as pessoas me procuram para pedir conselhos sobre liderança, digo a elas que se deem tempo, espaço e imaginação para sonhar. Nos sonhos, descobrimos nossa paixão, e seguir nossa paixão é a melhor maneira de viver uma vida gratificante. [3]

Sonhar é frequentemente considerado impraticável. Não tanto; é uma das coisas mais práticas que podemos fazer. Tem gente que passa meses planejando férias, mas não se dá um dia sequer para planejar sua vida. Eles se deixam levar pelos ventos do acaso e das circunstâncias. Isso é um erro. Os Sábios disseram: “Onde quer que [na Torá] encontramos a palavra vayehi, ‘E aconteceu’, é sempre o prelúdio da tragédia.” [4] Uma vida vayehi é aquela em que deixamos as coisas acontecerem passivamente. A vida yehi (“Haja”) é aquela em que fazemos as coisas acontecerem, e são os nossos sonhos que nos orientam.

Theodor Herzl, a quem mais do que qualquer outra pessoa devemos a existência do Estado de Israel, costumava dizer: “Se você quiser, não é um sonho”. Certa vez, ouvi uma história maravilhosa de Eli Wiesel. Houve uma época em que Sigmund Freud e Theodor Herzl viviam no mesmo distrito de Viena. “Felizmente”, disse ele, “eles nunca se encontraram. Você pode imaginar o que teria acontecido se eles tivessem se conhecido? Herzl teria dito: ‘Eu tenho um sonho de um estado judeu.’ Freud teria respondido: ‘Diga-me, Herr Herzl, há quanto tempo você tem esse sonho? Deite-se no meu sofá e vou psicanalisar você. Herzl teria sido curado de seus sonhos e hoje não haveria um estado judeu.” Felizmente, o povo judeu nunca foi curado de seus sonhos.

O segundo princípio é que os líderes interpretam os sonhos das outras pessoas. Eles articulam o incipiente. Eles encontram uma maneira de expressar as esperanças e medos de uma geração. O discurso “Eu tenho um sonho” de Martin Luther King Jr. foi sobre pegar as esperanças dos negros americanos e dar-lhes asas. Não foram os sonhos de Yosef que o tornaram um líder; eram os sonhos do Faraó. Nossos próprios sonhos nos orientam; mas são os sonhos de outras pessoas que nos dão oportunidade.

O terceiro princípio é: encontre uma maneira de realizar os sonhos. Primeiro veja o problema e depois encontre uma maneira de resolvê-lo. O Kotzker Rebe certa vez chamou a atenção para uma dificuldade na escrita de Rashi. Rashi (Ex. 18: 1) diz que Yitro recebeu o nome de Yeter (que significa “ele acrescentou”) porque “ele acrescentou uma passagem à Torá começando [com as palavras],” Escolha entre o povo…” (Ex. 18:21) Isso ocorreu quando Yitro viu Moisés liderando sozinho e disse a ele que o que ele estava fazendo não era bom: ele iria desgastar a si mesmo e ao povo até a exaustão. Portanto, ele deve escolher boas pessoas e delegar muito do fardo da liderança a elas.

O Kotzker apontou que a passagem que Yitro adicionou à Torá não começou realmente em “Escolha entre as pessoas.” Começou vários versículos antes, quando ele disse: “O que você está fazendo não é bom”. (Ex. 18:17) A resposta que o Kotzker deu foi simples. Dizer “O que você está fazendo não é bom” não é um acréscimo à Torá – é apenas declarar um problema. O acréscimo consistiu na solução: delegar.

Bons líderes são ou se cercam de solucionadores de problemas. É fácil ver quando as coisas estão dando errado. O que torna um líder é a capacidade de encontrar uma maneira de corrigi-las. A genialidade de Yosef não estava em prever sete anos de fartura seguidos de sete anos de fome, mas em conceber um sistema de armazenamento que garantisse o suprimento de alimentos nos anos magros e famintos.

Sonhos oníricos; compreender e articular os sonhos dos outros; e encontrar maneiras de transformar um sonho em realidade – esses três dons são liderança, o caminho de Yosef.

NOTAS
[1] Ibn Ezra 40:12 e Bechor Shor 40:12 fazem esta sugestão.
[2] Nahum Sarna, Understanding Genesis, New York, Schocken, 1966, 219.
[3] Um dos textos clássicos sobre o assunto é Ken Robinson, The Element: How Finding Your Passion Changes Everything (Nova York: Penguin Books, 2009).
[4] Meguilá 10b. 

Texto original “Three Approaches to Dreams” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS