VAYESHEV

Posted on dezembro 8, 2020

VAYESHEV

O Poder do Elogio

O rabino Sacks z”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Reuben poderia ter sido o líder, mas nunca foi. Ele era o primogênito de Jacob. Jacob disse sobre ele em seu leito de morte: “Reuben, você é meu primogênito, meu poder, o primeiro sinal de minha força, excelente em honra, excelente em poder.” (Gên. 49: 3) Este é um tributo impressionante, sugerindo presença física e comportamento autoritário.

Mais significativamente, em seus primeiros anos, Reuben parecia consistentemente o mais moralmente sensível dos filhos de Jacob. Ele era filho de Leah e sentiu profundamente a decepção de sua mãe por ela não ser a favorita de Jacob. Aqui está a primeira descrição dele quando criança:

Durante a colheita do trigo, Reuben foi ao campo e encontrou algumas mandrágoras, que trouxe para sua mãe Leah. (Gen. 30:14)

As mandrágoras eram consideradas afrodisíacas. Reuben sabia disso e imediatamente pensou em sua mãe. Foi um gesto comovente, mas falhou porque ele as deu a Leah na presença de Rachel e sem querer causou uma discussão entre elas.

O próximo episódio em que vemos Reuben é muito mais preocupante:

Rachel morreu e foi sepultada a caminho de Efrat, isto é, Belém… Enquanto Israel vivia naquela região, Reuben entrou e dormiu [vayishkav] com a concubina de seu pai Bilah… (Gn 35: 19-22)

Se entendido literalmente, isso equivaleria a um pecado grave. Dormir com a concubina de seu pai não era apenas um crime sexual; foi um ato imperdoável de deslealdade e traição, como descobrimos mais tarde em Tanach, quando Absalão decide se rebelar contra seu pai David e substituí-lo como rei. Ahitofel dá-lhe o seguinte conselho:

“Durma com as concubinas de seu pai, que ele deixou para cuidar do palácio. Então todo Israel ouvirá que você se tornou desagradável para seu pai, e as mãos de todos com você serão mais resolutas.” (2 Samuel 16:21)

De acordo com os Sábios, o texto sobre Reuben não deve ser entendido literalmente. [1] Depois que Rachel morreu, Jacob mudou sua cama para a tenda de Bilah, a serva de Rachel. Isso, sentiu Reuben, era uma humilhação intolerável para sua mãe. Foi difícil para Leah suportar o fato de que Jacob amava mais sua irmã. Teria sido totalmente insuportável para ela descobrir que ele até preferia a criada de Rachel. Então Reuben mudou a cama de Jacob da tenda de Bilah para a de Leah. O verbo vayishkav deve, portanto, ser traduzido não como “dormiu com”, mas “mudou a disposição de dormir”.

Nesse ponto, entretanto, o texto faz uma coisa estranha. Diz: “Reuben entrou e dormiu com [ou mudou a disposição de dormir da] concubina de seu pai, Bilah, e Israel ouviu falar disso…” e então sinaliza uma quebra de parágrafo no meio da frase. A frase termina: “Jacob teve doze filhos”. Isso é realmente muito incomum. O que isso sugere é um silêncio audível. A comunicação foi completamente quebrada entre Jacob e Reuben. Se os Sábios estiverem corretos em sua interpretação, então esta é uma das maiores tragédias de todo o Gênesis. Jacob acreditava claramente que Reuben tinha dormido com a sua concubina Bilah. Ele o amaldiçoou por isso em seu leito de morte:

Instável como a água, você não se sobressairá, pois subiu na cama de seu pai, no meu sofá, e o sujou. (Gen. 49: 4)

No entanto, de acordo com os Sábios, isso não aconteceu. Se Jacob estivesse disposto a falar com Reuben, ele teria descoberto a verdade, mas Jacob cresceu em uma família que carecia de comunicação franca e aberta (como vimos algumas semanas atrás, durante nossa discussão sobre parshat Toldot). Assim, por muitos anos Reuben foi suspeitado por seu pai de um pecado que não havia cometido – tudo porque ele se importava com os sentimentos de sua mãe.

O que nos leva ao terceiro episódio da vida de Reuben, o mais trágico de todos. Jacob favoreceu Yosef, filho de sua amada Rachel, e os outros irmãos sabiam disso. Quando ele deu a Yosef um sinal visível de favoritismo, a capa ricamente bordada, os irmãos ficaram ainda mais ressentidos. Quando Yosef começou a sonhar com o resto da família se curvando a ele, a animosidade dos irmãos atingiu o ponto de ebulição. Quando eles estavam longe de casa, cuidando dos rebanhos, e Yosef apareceu ao longe, o ódio deles os fez decidir ali mesmo matá-lo. Reuben sozinho resistiu:

Quando Reuben ouviu isso, ele tentou resgatá-lo [Yosef] das mãos deles. “Não vamos tirar a vida dele”, disse ele. “Não derramem sangue. Joguem-no nesta cisterna aqui no deserto, mas não coloquem a mão nele.” Reuben disse isso para resgatá-lo deles e levá-lo de volta para seu pai. (Gênesis 37: 21-22)

O plano de Reuben era simples. Ele persuadiu os irmãos a não matar Yosef, mas a deixá-lo morrer, deixando-o morrer de fome em um buraco. Ele pretendia voltar mais tarde, quando os irmãos tivessem partido, para resgatá-lo. Quando ele voltou, porém, Yosef não estava mais lá. Ele foi vendido como escravo. Reuben ficou arrasado.

Reuben tentou ajudar três vezes, mas apesar de suas melhores intenções, seus esforços falharam. Ele foi o responsável por uma briga registrada entre Leah e Rachel. Seu pai erroneamente suspeitou que ele cometia um pecado grave e o amaldiçoou em seu leito de morte. Ele falhou em salvar Yosef. Reuben sabia quando as coisas não estavam certas e tentou agir para fazer mudanças para melhor, mas de alguma forma faltou-lhe a prudência, a confiança ou a coragem para alcançar o resultado desejado. Ele deveria ter esperado Leah ficar sozinha antes de dar a ela as mandrágoras. Ele deveria ter protestado diretamente com seu pai sobre seus arranjos de dormir. Ele deveria ter fisicamente levado Yosef com segurança de volta para casa.

O que aconteceu com Reuben para deixá-lo sem confiança? A Torá dá uma dica pungente e inconfundível. Ouça estes versículos que descrevem o nascimento dos primeiros dois filhos de Leah (e Jacob):

Quando o Senhor viu que Leah não era amada, Ele a permitiu conceber, mas Rachel permaneceu sem filhos. Leah engravidou e deu à luz um filho. Ela o chamou de Reuben, pois disse: “É porque o Senhor viu meu tormento. Certamente meu marido vai me amar agora.” Ela concebeu novamente e, quando deu à luz um filho, disse: “Porque o Senhor ouviu que eu não sou amada, Ele me deu este também.” Então ela o chamou de Simeon. (Gen. 29: 32-33)

Nas duas vezes, foi Leah, não Jacob, que deu o nome à criança – e ambos os nomes foram um grito para Jacob notá-la e amá-la – se não por ela mesma, pelo menos porque ela lhe deu filhos. Jacob evidentemente não percebeu.

Reuben se tornou o que ele se tornou porque – assim o texto parece sugerir – a atenção de seu pai estava em outro lugar; ele não se importava nem com Leah nem com seus filhos (o próprio texto diz: “o Senhor viu que Leah não era amada”). Reuben sabia disso e sentia intensamente a vergonha da mãe e a aparente indiferença do pai.

As pessoas precisam de encorajamento para liderar. É fascinante contrastar o hesitante Reuben com o confiante – até mesmo superconfiante – Yosef, que era amado e favorecido por seu pai. Se quisermos que nossos filhos tenham confiança para agir quando uma ação for necessária, devemos capacitá-los, incentivá-los e elogiá-los.

Há uma Mishná fascinante em Ética dos Pais:

Rabban Yochanan ben Zakkai tinha cinco (preeminentes) discípulos, nomeadamente Rabbi Eliezer ben Hyrcanus, Rabbi Yehoshua ben Chananya, Rabbi Yose, o Sacerdote, Rabbi Shimon ben Netanel e Rabbi Elazar ben Arach. Ele costumava recontar seus elogios: Eliezer ben Hyrcanus – um poço engessado que nunca perde uma gota. Joshua ben Chananya – feliz aquele que o deu à luz. Yose the Priest – um homem piedoso. Shimon ben Netanel – um homem que teme o pecado. Elazar ben Arach – uma fonte sempre fluente. (Mishná Avot 2: 10-11)

Por que a Mishná, cujo objetivo é nos ensinar verdades duradouras, nos dá esse relato aparentemente trivial dos alunos de Rabban Yochanan ben Zakkai e como ele costumava elogiá-los? A resposta, eu acredito, é que a Mishná está nos dizendo como formar discípulos, como ser um treinador, mentor e guia: usando o louvor focado.

A Mishná não diz simplesmente que Yochanan ben Zakkai disse coisas boas sobre seus alunos. Ele usa uma locução incomum: “Ele costumava contar [moneh] seus elogios”, ou seja, seus comentários positivos eram precisos e direcionados com precisão. Ele disse a cada um de seus discípulos qual era sua força específica.

Eliezer ben Hyrcanus tinha uma memória notável. Numa época em que a Lei Oral ainda não havia sido escrita, ele conseguia se lembrar dos ensinamentos da tradição melhor do que qualquer outra pessoa. Elazar ben Arach era criativo, capaz de apresentar um fluxo interminável de novas interpretações. Quando seguimos nossas paixões e dons particulares, contribuímos para o mundo com o que só nós podemos dar.

No entanto, o fato de termos um dom excepcional também pode significar que temos deficiências evidentes. Ninguém tem todas as forças. Suficiente se tivermos uma. Mas também devemos saber o que nos falta. Eliezer ben Hyrcanus tornou-se tão obcecado pelo passado que resistiu à mudança, mesmo quando ela foi decidida pela maioria de seus colegas. Por fim, ele foi excomungado por não aceitar a decisão de seus colegas. (Baba Metzia 59b)

O destino de Elazar ben Arach foi ainda mais triste. Após a morte de Yochanan ben Zakkai, ele se separou de seus colegas. Eles foram para Yavneh; ele foi para Hamat (Emaús). Era um lugar agradável para morar e era onde morava a família de sua esposa. Aparentemente, ele estava tão confiante em seus dons intelectuais que acreditava que poderia manter seu conhecimento sozinho. Por fim, ele esqueceu tudo o que havia aprendido. (Avot de-Rabbi Natan 14: 6) O homem mais talentoso do que seus contemporâneos acabou morrendo sem fazer quase nenhuma contribuição duradoura para a tradição.

Existe um equilíbrio delicado entre a negligência que leva alguém a perder a confiança para realizar a ação necessária e o elogio ou favoritismo excessivo que cria excesso de confiança e a crença de que você é melhor do que os outros. Esse equilíbrio é necessário se quisermos ser a luz do sol que ajuda os outros a crescer.

 

NOTAS
[1] Ver Shabat 55a-b

 

Texto original “The Power of Praise” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

 

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS