MISHPATIM

Posted on janeiro 25, 2022

MISHPATIM

Curando o Coração das Trevas

Jobbik, também conhecido como Movimento por uma Hungria Melhor, é um partido político húngaro ultranacionalista que foi descrito como fascista, neonazista, racista e antissemita. Acusou os judeus de fazerem parte de uma “cabala de interesses econômicos ocidentais” tentando controlar o mundo: o libelo também conhecido como Protocolos dos Sábios de Sião, uma ficção criada por membros do serviço secreto czarista em Paris no final de 1890 e revelado como uma falsificação pelo The Times em 1921. [1] Em uma ocasião, o partido Jobbik pediu uma lista de todos os judeus no governo húngaro. Perturbadoramente, nas eleições parlamentares húngaras em abril de 2014 obteve mais de 20 por cento dos votos, tornando-se o terceiro maior partido.

Até 2012, um de seus principais membros era um político de quase 20 anos, Csanad Szegedi. Szegedi era uma estrela em ascensão no movimento, amplamente considerado como seu futuro líder. Até um dia em 2012. Esse foi o dia em que Szegedi descobriu que era judeu.

Alguns dos membros do Jobbik queriam impedir seu progresso e passaram algum tempo investigando seus antecedentes para ver se conseguiam encontrar algo que pudesse prejudicá-lo. O que eles descobriram foi que sua avó materna era uma judia sobrevivente de Auschwitz. Assim como seu avô materno. Metade da família de Szegedi foi morta durante o Holocausto.

Os oponentes de Szegedi começaram a compartilhar informações sobre ascendência judaica on-line. Logo o próprio Szegedi descobriu o que estava sendo dito e decidiu verificar se as alegações eram verdadeiras. E foram. Depois de Auschwitz, seus avós, antes judeus ortodoxos, decidiram esconder completamente sua identidade. Quando sua mãe tinha 14 anos, seu pai lhe contou o segredo, mas ordenou que ela não o revelasse a ninguém. Szegedi agora sabia a verdade sobre si mesmo.

Szegedi decidiu se demitir do partido e descobrir mais sobre o judaísmo. Ele foi a um rabino do Chabad local, Slomó Köves, que a princípio pensou que estava brincando. Mesmo assim, ele conseguiu que Szegedi assistisse a aulas de judaísmo e fosse à sinagoga. No início, diz Szegedi, as pessoas ficaram chocadas. Ele foi tratado por alguns como “um leproso”. Mas ele persistiu. Hoje ele frequenta a sinagoga, mantém o Shabat, aprendeu hebraico, chama a si mesmo de Dovid e em 2013 foi circuncidado (com um mohel ultraortodoxo).

Quando ele admitiu pela primeira vez a verdade sobre sua ascendência judaica, um de seus amigos do partido Jobbik disse: “A melhor coisa seria se nós atirássemos em você, para que você possa ser enterrado como um húngaro puro”. Outro incitou-o a fazer um pedido público de desculpas. Foi esse comentário, diz ele, que o fez sair do partido. “Pensei, espere um minuto, devo me desculpar pelo fato de minha família ter sido morta em Auschwitz?” [2]

À medida que a percepção de que ele era judeu começou a mudar sua vida, também transformou sua compreensão do mundo. Hoje, diz ele, seu foco como político é defender os direitos humanos para todos. “Estou ciente da minha responsabilidade e sei que terei que corrigir isso no futuro.” [3]

A história de Szegedi não é apenas uma curiosidade. Leva-nos ao âmago da natureza estranha e carregada de nossa existência como seres morais. O que nos torna humanos é o fato de sermos racionais, reflexivos, capazes de pensar nas coisas. Sentimos empatia e simpatia, e isso começa cedo. Até bebês recém-nascidos choram quando ouvem outra criança chorar. Temos neurônios-espelho no cérebro que nos fazem estremecer quando vemos alguém com dor. O Homo sapiens é o animal moral.

No entanto, grande parte da história humana tem sido uma história de violência, opressão, injustiça, corrupção, agressão e guerra. Tampouco, historicamente, fez uma diferença significativa se os atores desta história eram bárbaros ou cidadãos de uma alta civilização.

Os gregos da antiguidade, mestres da arte, arquitetura, drama, poesia, filosofia e ciência, desperdiçaram-se na guerra do Peloponeso entre Atenas e Esparta no último quartel do século V aeC. Eles nunca se recuperaram totalmente. Era o fim da idade de ouro da Grécia. Fin de siècle à Paris e Viena na década de 1890 foram os principais centros da civilização europeia. No entanto, eles também foram os líderes mundiais em antissemitismo, Paris com o Caso Dreyfus, Viena com seu prefeito anti-semita, Karl Lueger, que Hitler mais tarde citou como sua inspiração.

Quando somos bons, somos pouco inferiores aos anjos. Quando somos maus, somos inferiores às feras. O que nos torna morais? E o que, apesar de tudo, torna a humanidade capaz de ser tão desumana?

Platão pensava que a virtude era o conhecimento. Se sabemos que algo está errado, não o faremos. Todo vício é resultado da ignorância. Ensine às pessoas o verdadeiro, o bom e o belo e elas se comportarão bem. Aristóteles sustentava que a virtude era um hábito, aprendido na infância até se tornar parte de nosso caráter.

David Hume e Adam Smith, dois gigantes intelectuais do Iluminismo escocês, pensavam que a moralidade vinha da emoção, do sentimento de companheirismo. Hume disse que a característica mais notável da natureza humana é a “propensão que temos a simpatizar com os outros”. [4] Adam Smith começou sua Teoria dos Sentimentos Morais com as palavras: “Por mais egoísta que se suponha que o homem possa ser, evidentemente existem alguns princípios em sua natureza, que o interessam na fortuna dos outros, e tornam sua felicidade necessária para ele, embora ele não obtenha nada disso, exceto o prazer de vê-lo.” [5] Immanuel Kant, o racionalista supremo, acreditava que a própria racionalidade era a fonte da moralidade. Um princípio moral é aquele que você está disposto a prescrever para todos. Portanto, por exemplo, mentir não pode ser moral porque você não deseja que os outros mintam para você.

Todos os cinco pontos de vista têm alguma verdade neles, e podemos encontrar sentimentos semelhantes na literatura rabínica. No espírito de Platão, os Sábios falaram do tinok shenishba, alguém que faz o mal porque não foi educado para saber o que é certo. [6]  Maimônides, como Aristóteles, pensava que a virtude vinha da prática repetida. Halachá cria hábitos do coração. Os rabinos diziam que os anjos da bondade e da caridade defendiam a criação do homem porque naturalmente sentimos pelos outros, como argumentaram Hume e Smith. O princípio de Kant é semelhante ao que os sábios chamavam de sevarah, “razão”.

Mas esses insights só servem para aprofundar a questão. Se o conhecimento, a emoção e a razão nos levam a sermos morais, por que os humanos odeiam, ferem e matam? Uma resposta completa levaria mais do que uma vida inteira, mas a resposta curta é simples. Somos animais tribais. Nós nos formamos em grupos. A moralidade é causa e consequência desse fato. Em relação às pessoas com quem estamos ou nos sentimos relacionados, somos capazes de altruísmo. Mas em relação a estrangeiros sentimos medo, e esse medo é capaz de nos transformar em monstros.

A moralidade, na frase de Jonathan Haidt, liga e cega. [7]  Ela nos une aos outros em um vínculo de altruísmo recíproco. Mas também nos cega para a humanidade daqueles que estão fora desse vínculo. Ele une e divide. Divide porque une. A moralidade transforma o “eu” do interesse próprio no “nós” do bem comum. Mas o próprio ato de criar um “nós” cria simultaneamente um “eles”, as pessoas que não gostam de nós. Mesmo as religiões mais universalistas, fundadas em princípios de amor e compaixão, muitas vezes veem aqueles que estão fora da fé como Satanás, o infiel, o anticristo, o filho das trevas, o não redimido. Grandes grupos de seus seguidores cometeram atos de brutalidade indescritíveis em nome de D-s.

Nem o conhecimento platônico nem o senso moral de Adam Smith nem a razão kantiana curaram o coração das trevas na condição humana. É por isso que duas frases brilham na parashá de hoje como o sol emergindo de trás de nuvens espessas:

Você não deve maltratar ou oprimir o estrangeiro de forma alguma. Lembrem-se, vocês mesmos já foram estrangeiros na terra do Egito. (Ex. 22:21)

Você não deve oprimir o estrangeiro. Você sabe como é ser um estrangeiro, pois vocês mesmos já foram estrangeiros na terra do Egito. (Ex. 23:9)

Os grandes crimes da humanidade foram cometidos contra o estrangeiro, o forasteiro, aquele que não é como nós. Reconhecer a humanidade do estrangeiro tem sido o ponto fraco histórico na maioria das culturas. Os gregos viam os não-gregos como bárbaros. Os alemães chamavam os judeus de vermes, piolhos, um câncer no corpo da nação. Em Ruanda, os hutus chamavam os tutsis inyenzi, baratas. Desumanizar o outro e todas as forças morais do mundo não nos salvarão do mal. O conhecimento é silenciado, a emoção anestesiada e a razão pervertida. Os nazistas se convenceram (e a outros) de que, ao exterminar os judeus, estavam prestando um serviço moral à raça ariana. [8]  Os homens-bomba estão convencidos de que estão agindo para a maior glória de D-s. [9] Existe algo chamado mal altruísta.

É isso que torna esses dois comandos tão significativos. A Torá enfatiza o ponto repetidamente: os rabinos disseram que a ordem para amar o estrangeiro aparece trinta e seis vezes na Torá. A lei judaica está aqui confrontando diretamente o fato de que cuidar do estrangeiro não é algo para o qual podemos confiar em nossos recursos morais normais de conhecimento, empatia e racionalidade. Normalmente podemos, mas em situações de alto estresse, quando sentimos nosso grupo ameaçado, não podemos. As próprias inclinações que trazem o melhor de nós – nossa inclinação genética para fazer sacrifícios por causa de amigos e parentes – também podem trazer à tona o pior em nós quando tememos o estrangeiro. Somos animais tribais e somos facilmente ameaçados pelos membros de outra tribo.

Observe que esses comandos são dados logo após o Êxodo. Neles está implícita uma ideia muito radical, de fato. O cuidado com o estrangeiro é o motivo pelo qual os israelitas tiveram que experimentar o exílio e a escravidão antes que pudessem entrar na Terra Prometida e construir sua própria sociedade e Estado. Você não conseguirá cuidar do estrangeiro, conclui D-s, até que você mesmo saiba em seus próprios ossos e tendões como é ser um estrangeiro. E para que você não esqueça, eu já ordenei que você lembre a si mesmo e a seus filhos do sabor da aflição e da amargura todos os anos em Pessach. Aqueles que esquecem o que é ser um estrangeiro, eventualmente vêm oprimir estrangeiros, e se os filhos de Abraham oprimem estrangeiros, por que eu os fiz Meus parceiros de Aliança?

Empatia, simpatia, conhecimento e racionalidade costumam ser suficientes para nos deixar viver em paz com os outros. Mas não em tempos difíceis. Sérvios, croatas e muçulmanos viveram pacificamente juntos na Bósnia durante anos. Assim como os hutus e tutsis em Ruanda. O problema surge em momentos de mudança e ruptura, quando as pessoas estão ansiosas e com medo. É por isso que defesas excepcionais são necessárias, e é por isso que a Torá fala de memória e história – coisas que vão ao cerne de nossa identidade. Temos que lembrar que já estivemos do outro lado da equação. Já fomos estrangeiros: os oprimidos, as vítimas. Recordar o passado judaico nos força a passar por uma inversão de papéis. No meio da liberdade, temos que nos lembrar de como é ser um escravo.

O que aconteceu com Csanad, agora Dovid, Szegedi, foi exatamente isso: inversão de papéis. Ele era um hater que descobriu que pertencia aos odiados. O que o curou do antissemitismo foi sua descoberta de inversão de papéis de que ele era judeu. Isso, para ele, foi uma descoberta que mudou sua vida. A Torá nos diz que a experiência de nossos ancestrais no Egito deveria ser uma mudança de vida também. Tendo vivido e sofrido como estrangeiros, nos tornamos o povo ordenado a cuidar de estrangeiros.

A melhor maneira de curar o antissemitismo é fazer com que as pessoas experimentem como é ser um judeu. A melhor maneira de curar a hostilidade com estrangeiros é lembrar que nós também – da perspectiva de outra pessoa – somos estrangeiros. A memória e a inversão de papéis são os recursos mais poderosos que temos para curar a escuridão que às vezes pode obstruir a alma humana.

 

NOTAS
[1] Marcin Goettig e Christian Lowe, “Relatório Especial: Da Hungria, partido de extrema-direita espalha ideologia, tática”, Reuters, http://www.reuters.com/article/us-europe-farright-special-report- idUSBREA380IU20140409#PUagU6ZvCiQtZgD8.99 (acessado em 22 de dezembro de 2015).
[2] Ofer Aderet, “Ex-líder húngaro antissemita agora mantém o Shabat”, Haaretz , 21 de outubro de 2013.
[3] Dale Hurd, “Crise de consciência: o antissemita aprende que é judeu”, Christian Broadcasting Network, 6 de dezembro de 2013, http://www.cbn.com/cbnnews/world/2013/August/Crisis-of -Consciência-Anti-Semita-Aprende-Ele-Ele-um-judeu/.
[4] De Orgulho e Humildade , parte I., seção XI, T 2.1.11.2. 112
[5] Teoria dos sentimentos morais (CreateSpace, 2013), 9.
[6] Veja Shabat 68b; Maimônides,  Mishnê Torá, Hilchot Mamrim 3:3. Isso certamente se aplica às leis rituais; se se aplica aos morais também pode ser um ponto discutível.
[7] Jonathan Haidt,  The Righteous Mind: Why Good People Are Divided by Politics and Religion (Nova York: Pantheon, 2012).
[8] Veja Claudia Koonz,  The Nazi Conscience . Cambridge, MA: Belknap, 2003.
[9] Ver Scott Atran,  Talking to the Enemy: Faith, Brotherhood, and the (Un) Making of Terrorists (Nova York: Ecco, 2010). O texto clássico é Eric Hoffer,  The True Believer: Thoughts on the Nature of Mass Movements (Nova York: Harper and Row, 1951).

 

Texto original “Healing the Heart of Darkness” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

BEHAR

A Economia da Liberdade O livro best-seller mais surpreendente em 2014 foi Capital in the Twenty-First Century do economista franc...

Leia mais →

EMOR

Santificando o Nome Nos últimos anos, muitas vezes nos sentimos atormentados por relatos de líderes israelenses e judeus cujas a...

Leia mais →

KEDOSHIM

Do Sacerdote ao Povo Algo fundamental acontece no início desta parashá e a história é uma das maiores, embora raramente reconh...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS