NOACH

Posted on outubro 4, 2021

NOACH

Além da Natureza

Somos naturalmente bons ou naturalmente maus? Sobre isso, grandes mentes têm argumentado por um longo tempo, de fato. Hobbes acreditava que temos naturalmente “um desejo perpétuo e inquieto de poder após poder, que só cessa na morte”. [1] Somos maus, mas os governos e a polícia podem ajudar a limitar os danos que causamos. Rousseau, ao contrário, acreditava que somos naturalmente bons. É a sociedade e suas instituições que nos tornam maus. [2]

A discussão continua até hoje entre os neodarwinistas. Alguns acreditam que a seleção natural e a luta pela sobrevivência nos tornam, geneticamente, falcões em vez de pombas. Como Michael T. Ghiselin coloca, “Arranhe um ‘altruísta’ e observe um ‘hipócrita’ sangrar.” [3] Em contraste, o naturalista Frans de Waal em uma série de livros deliciosos sobre primatas, incluindo seu favorito, os bonobos, mostra que eles podem ser empáticos, atenciosos e até altruístas [4] o que nós, por natureza, somos.

E. Hulme chamou isso de divisão fundamental entre Românticos e Classicistas ao longo da história. Os românticos acreditavam que “o homem era bom por natureza, que apenas as leis e os costumes ruins o reprimiam. Remova tudo isso e as possibilidades infinitas do homem teriam uma chance.” [5] Os classicistas acreditavam no oposto, que “o homem é um animal extraordinariamente fixo e limitado, cuja natureza é absolutamente constante. É apenas por tradição e organização que qualquer coisa decente pode ser tirada dele.” [6]

No Judaísmo, de acordo com os Sábios, essa era a discussão entre os anjos quando D-s os consultou sobre se Ele deveria ou não criar os humanos. Os anjos eram o “nós” em “Façamos a humanidade”. (Gênesis 1:26) Um Midrash nos diz que os anjos de chessed e tzedek disseram “Que ele seja criado porque os humanos praticam atos de bondade e justiça.” Os anjos de shalom e emet disseram: “Que ele não seja criado porque conta mentiras e luta em guerras.” O que D-s fez? Ele criou os humanos de qualquer maneira e tinha fé que gradualmente nos tornaríamos melhores e menos destrutivos. [7] Isso, em termos seculares, é o que o neurocientista de Harvard Steven Pinker também argumenta. [8] Como um todo e com exceções óbvias, nos tornamos menos violentos com o tempo.

A Torá sugere que somos tanto destrutivos como construtivos, e a psicologia evolucionária nos diz o porquê. Nascemos para competir e cooperar. Por um lado, a vida é uma luta competitiva por recursos escassos – portanto, lutamos e matamos. Por outro lado, sobrevivemos apenas formando grupos. Sem hábitos de cooperação, altruísmo e confiança, não teríamos grupos e não sobreviveríamos. Isso é parte do que a Torá quer dizer quando afirma: “Não é bom para o homem ficar sozinho”. (Gênesis 2:18) Portanto, somos agressivos e altruístas: agressivos com estranhos, altruístas com os membros de nosso grupo.

Mas a Torá é profunda demais para deixá-la no nível da velha piada do Rabino que, ouvindo os dois lados de uma discussão doméstica, diz ao marido: “Você está certo”, e à esposa “Você está certa”, e quando seu discípulo diz: “Eles dois não podem estar certos”, responde: “Você também está certo”. A Torá afirma o problema, mas também fornece uma resposta não óbvia. Esta é a pista que nos ajuda a decodificar um argumento muito sutil que percorre a parashá da semana passada e desta.

A estrutura básica da história que começa com a Criação e termina com Noach é esta: Primeiro D-s criou um universo de ordem. Ele então criou seres humanos que criaram um universo de caos: “a terra estava cheia de violência”. Então D-s, por assim dizer, excluiu a criação trazendo um Dilúvio, devolvendo a terra como era no início, quando “a terra era sem forma e vazia, as trevas cobriam a superfície das profundezas e o espírito de D-s pairava sobre as águas.” (Gênesis 1: 2) Ele então começou novamente com Noach e sua família como o novo Adam e Eva e seus filhos.

Gênesis 8-9 é, portanto, uma espécie de segunda versão de Gênesis 1-3, com duas distinções significativas. A primeira é que em ambos os relatos uma palavra-chave aparece sete vezes, mas é uma palavra diferente. Em Gênesis 1, a palavra é “bom”. Em Gênesis 9, é “aliança”. A segunda é que em ambos os casos, é feita referência ao fato de que os humanos são à imagem de D-s, mas as duas frases têm implicações diferentes. Em Gênesis 1, somos informados de que “D-s criou a humanidade à sua imagem, à imagem de D-s os criou, homem e mulher os criou”. (Gênesis 1:27) Em Gênesis 9 lemos: “Todo aquele que derramar sangue de homem, pelo homem terá o seu sangue derramado, porque D-s fez a humanidade à imagem de D-s”.  (Gênesis 9: 6)

A diferença é marcante. Gênesis 1 me diz que “eu” sou a imagem de D-s. Gênesis 9 me diz que “Você”, minha vítima potencial, é a imagem de D-s. Gênesis 1 nos fala sobre o poder humano. Somos capazes, diz a Torá, “governar os peixes do mar e as aves do céu”. Gênesis 9 nos fala sobre os limites morais do poder. Nós podemos matar, mas não devemos. Temos o poder, mas não a permissão.

Lendo a história de perto, parece que D-s criou os humanos na fé de que eles escolheriam naturalmente o certo e o bom. Eles não precisariam comer o fruto da “Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal”, porque o instinto os levaria a se comportar como deveriam. Cálculo, reflexão, decisão – todas as coisas que associamos ao conhecimento – não seriam necessários. Eles agiriam como D-s queria que agissem, porque foram criados à Sua imagem.

Não foi assim que aconteceu. Adam e Chava pecaram, Caim cometeu assassinato e, em poucas gerações, o mundo foi reduzido ao caos. É quando lemos que “O Senhor viu quão grande se tornara a maldade da raça humana sobre a terra, e que toda inclinação dos pensamentos do coração humano era somente má o tempo todo. O Senhor se arrependeu de ter feito o homem na Terra, e isso O afligiu profundamente.” (Gênesis 6: 6) Tudo o mais no universo era tov, “bom”. Mas os humanos não são naturalmente bons. Esse é o problema. A resposta, de acordo com a Torá, é aliança.

A Aliança introduz a ideia de uma lei moral. Uma lei moral não é o mesmo que uma lei científica. As leis científicas são regularidades observadas na natureza: deixe um objeto cair e ele cairá. Uma lei moral é uma regra de conduta: não roube, nem furte, nem engane. As leis científicas descrevem, ao passo que as leis morais determinam.

Quando um evento natural não está de acordo com o estado atual da ciência, quando ele “infringe” a lei, é um sinal de que há algo errado com a lei. É por isso que as leis de Newton foram substituídas pelas de Einstein. Mas quando um ser humano infringe a lei, quando as pessoas roubam, furtam ou enganam, a culpa não está na lei, mas na ação. Portanto, devemos guardar a lei e condenar e, às vezes, punir a ação. As leis científicas nos permitem prever. As leis morais nos ajudam a decidir. As leis científicas se aplicam a entidades sem livre arbítrio. As leis morais pressupõem o livre-arbítrio. É isso que torna os humanos qualitativamente diferentes de outras formas de vida.

Assim, de acordo com a Torá, uma nova era começou, centrada não na ideia de bondade natural, mas no conceito de aliança, isto é, lei moral. A civilização começou com a passagem do que os gregos chamavam de physis, natureza, para nomos, lei. É isso que torna o conceito de ser “à imagem de D-s” completamente diferente em Gênesis 1 e Gênesis 9. Gênesis 1 é sobre natureza e biologia. Somos a imagem de D-s no sentido de que podemos pensar, falar, planejar, escolher e dominar. Gênesis 9 é sobre lei. Outras pessoas também são à imagem de D-s. Portanto, devemos respeitá-los, proibindo o assassinato e instituindo a justiça. Com este movimento simples, a moralidade nasceu.

O que a Torá está nos dizendo sobre moralidade?

Primeiro, que é universal. A Torá coloca a aliança de D-s com Noach e através dele toda a humanidade antes de Sua aliança particular com Abraham, e Sua aliança posterior com os descendentes de Abraham no Monte Sinai. Nossa humanidade universal precede nossas diferenças religiosas. Esta é uma verdade de que precisamos profundamente no século XXI, quando tanta violência recebeu justificativa religiosa. Gênesis nos diz que nossos inimigos também são humanos.

Esta pode muito bem ser a contribuição isolada mais importante do monoteísmo para a civilização. Todas as sociedades, antigas e modernas, tiveram alguma forma de moralidade, mas geralmente dizem respeito apenas às relações dentro do grupo. A hostilidade para com estranhos é quase universal tanto no reino animal quanto no humano. Entre estranhos, regras de poder. Como os atenienses disseram aos melienses: “Os fortes fazem o que querem, enquanto os fracos fazem o que devem”. [9]

A ideia de que mesmo as pessoas que não são como nós têm direitos e que devemos “amar o estrangeiro” (Deut. 10:19), teria sido considerada totalmente estranha pela maioria das pessoas na maioria das vezes. Foi preciso reconhecer que existe um D-s soberano sobre toda a humanidade (“Não temos todos um pai? Não nos criou um só D-s?”; Mal. 2:10) para criar o importante avanço para a ideia de que existem morais universais, entre eles a santidade da vida, a busca da justiça e o estado de direito.

Em segundo lugar, o próprio D-s reconhece que não somos naturalmente bons. Depois do Dilúvio, Ele diz: “Nunca mais amaldiçoarei a terra por causa da humanidade, embora a inclinação de suas mentes seja o mal desde a infância.” (Gênesis 8:21) O antídoto para o  yetzer, a inclinação para o mal, é a aliança.

Agora conhecemos a neurociência por trás disso. Nosso cérebro contém um córtex pré-frontal que evoluiu para permitir aos humanos pensar e agir reflexivamente, considerando as consequências de seus atos. Mas isso é mais lento e mais fraco do que a amígdala cerebral (o que os místicos judeus chamam de nefesh habehamit, a alma animal) que produz, mesmo antes de termos tempo para pensar, as reações de luta ou fuga sem as quais os humanos antes da civilização simplesmente não teriam sobrevivido.

O problema é que essas reações rápidas podem ser profundamente destrutivas. Frequentemente, eles levam à violência: não apenas a violência entre espécies (predador e presa) que faz parte da natureza, mas também à violência mais gratuita que é uma característica da vida da maioria dos animais sociais. Não é que fazemos apenas o mal. Empatia e compaixão são tão naturais para nós quanto o medo e a agressão. O problema é que o medo está logo abaixo da superfície da interação humana e pode dominar todos os nossos outros instintos.

Daniel Goleman chama isso de sequestro de amígdala. “As emoções nos fazem prestar atenção no agora – isso é urgente – e nos dão um plano de ação imediato, sem ter que pensar duas vezes. O componente emocional evoluiu muito cedo: eu como ou ele me come?” [10] A ação impulsiva costuma ser destrutiva porque é realizada sem pensar nas consequências. É por isso que Maimônides argumentou que muitas das leis da Torá constituem um treinamento na virtude, fazendo-nos pensar antes de agirmos. [11]

Portanto, a Torá nos diz que naturalmente não somos nem bons nem maus, mas temos capacidade para ambos. Temos uma inclinação natural para a empatia e simpatia, mas temos um instinto ainda mais forte para o medo, que pode levar à violência. É por isso que, na mudança de Adam para Noach, a Torá muda da natureza para a aliança, de tov para brit, do poder para os limites morais do poder. Os genes não são suficientes. Também precisamos da lei moral.

 

NOTAS
[1] Hobbes, Leviathan (Cambridge: Cambridge University Press, 1996), 48.
[2] Ver Rousseau, Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens (Discours sur l’origine et les fondements de l’inégalité parmi les hommes), 1754.
[3] Ghiselin, The Economy of Nature and the Evolution of Sex (Berkeley: University of California Press, 1974), 247.
[4] Ver as descobertas de Frans de Waal em, por exemplo, Good-Natured: The Origins of Right and Wrong in Humans and Other Animals (Harvard University Press, 1996); Primates and Philosophers: How Morality Evolved (Princeton University Press, 2006); Chimpanzee Politics (Johns Hopkins University Press, 2007); The Age of Empathy : Nature’s Lessons for a Kinder Society (Broadway Books, 2009); O Bonobo e o Ateu (WW Norton, 2013); Somos inteligentes o suficiente para saber como os animais são inteligentes ? (WW Norton, 2016).
[5] TE Hulme, “Romantismo e Classicismo”, em TE Hulme: Selected Writings, ed. Patrick McGuiness (Nova York: Routledge, 2003), 69.
[6] Ibidem, 70.
[7] Ver Bereishit Rabá 8: 5 .
[8] Steven Pinker,  The Better Angels of our Nature, Nova York: Viking, 2011 .
[9] Tucídides, A Guerra do Peloponeso 5.89.
[10] Daniel Goleman, Emotional Intelligence (London: Bloomsbury, 1996), 13ss.
[11] Mishneh Torah, Hilchot Temurah  4:13.

 

Texto original “Beyond Nature” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS