PINCHAS

Posted on junho 29, 2021

PINCHAS

Lições de um Líder

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

A parashá de Pinchas contém uma aula magistral sobre liderança, quando Moisés confronta sua própria mortalidade e pede a D-s que indique um sucessor. Os grandes líderes se preocupam com a sucessão. Na parashá Chayê Sarah vimos Abraham instruir seu servo a encontrar uma esposa para seu filho Isaac, de modo que a família da aliança continuasse. O rei David escolheu Salomão. Elias, por ordem de D-s, designou Eliseu para continuar sua obra.

No caso de Moisés, os Sábios sentiram uma certa tristeza ao perceber que ele não seria sucedido por nenhum de seus filhos, Gershom ou Eliezer. [1] Esse é o caso com Keter Torá, a coroa invisível da Torá usada pelos Profetas e Sábios. Ao contrário das coroas do sacerdócio e da realeza, não passa dinasticamente de pai para filho. O carisma raramente o faz. O que é instrutivo, porém, é a linguagem que Moisés usa ao formular seu pedido:

“Que o Senhor, D-s dos espíritos de toda a carne, escolha uma pessoa sobre a congregação que saia antes deles e entre antes deles, que os conduza para fora e os traga para dentro, para que a congregação do Senhor não seja como ovelhas sem pastor.” (Num. 27:16)

Existem três lições básicas de liderança a serem aprendidas com essa escolha de palavras. A primeira, observada por Rashi, está implícita na descrição incomumente longa de D-s como “o Senhor, D-s dos espíritos de toda a carne”. Isso significa, Rashi explica, “Mestre do universo, o caráter de cada pessoa é revelado a Você, e não há dois iguais. Designe sobre eles um líder que suportará cada pessoa de acordo com seu caráter individual.” [2]

O Rambam diz que esta é uma característica básica da condição humana. O Homo sapiens é a mais diversa de todas as formas de vida. Portanto, a cooperação é essencial – porque cada um de nós é diferente, os outros são fortes onde somos fracos e vice-versa – mas a coesão também é difícil, porque cada um de nós responde aos desafios de maneiras diferentes. É isso que torna a liderança necessária, mas também exigente:

Essa grande variedade e a necessidade da vida social são elementos essenciais da natureza humana. Mas o bem-estar da sociedade exige que haja um líder capaz de regular as ações de cada pessoa; devem completar todas as lacunas, remover todos os excessos e prescrever a conduta de todos, de modo que a variedade natural seja contrabalançada pela uniformidade da legislação e a ordem da sociedade seja bem estabelecida. [3]

Os líderes respeitam as diferenças, mas, como o maestro de uma orquestra, integram-nas, garantindo que os diversos instrumentos desempenhem seu papel em harmonia com os demais. Os verdadeiros líderes não procuram impor uniformidade. Eles honram a diversidade.

A segunda lição está contida na palavra ish, “uma pessoa” sobre a congregação, à qual D-s responde: “Tome para si Josué, uma pessoa [ish] de espírito (v. 18). A palavra ish aqui indica algo diferente de gênero. Isso pode ser visto nos dois lugares onde a Torá usa a frase ha-ish Moshe, “o homem Moisés”:

Uma está no Êxodo:

O homem Moisés era muito respeitado [gadol me’od, literalmente “muito grande”] na terra do Egito, aos olhos dos servos de Faraó e do povo. (Ex. 11: 3)

A segunda está em Números:

Ora, o homem Moisés era muito humilde [anav me’od], mais do que qualquer outra pessoa na face da terra. (Num. 12: 3)

Observe as duas características, aparentemente opostas – grande e humilde – ambas as quais Moisés tinha em alto grau (me’od, “muito”). Esta é a combinação de atributos que Rabi Yochanan atribuiu ao próprio D-s: “Onde quer que você encontre a grandeza de D-s, aí você encontrará Sua humildade”. [4] Aqui está um de seus textos-prova: “Porque o Senhor teu D-s é D-s dos deuses e Senhor dos senhores, o grande D-s, poderoso e terrível, que não mostra parcialidade e não aceita subornos. Ele defende a causa do órfão e da viúva, e ama o estrangeiro que reside entre vocês, dando-lhes comida e roupas”. (Deut. 10: 17-18)

Um ish no contexto da liderança não é um homem, mas sim alguém que é um mensch, uma pessoa cuja grandeza é levemente desgastada, que se preocupa com as pessoas que os outros muitas vezes ignoram, “o órfão, a viúva e o estrangeiro”, que gasta tanto tempo com as pessoas marginalizadas como com as elites, que é cortês com todos igualmente e que recebe respeito porque respeita.

A verdadeira perplexidade, porém, está na terceira lição: “Escolha uma pessoa entre a congregação  que saia antes deles e entre antes deles, que os conduzirá para fora e os trará para dentro.” Isso soa como dizer a mesma coisa duas vezes, o que a Torá tende a não fazer. O que isto significa?

A Torá está sugerindo aqui um dos aspectos mais desafiadores da liderança, a saber, tempo e ritmo. A primeira frase é simples: “quem sairá antes deles e entrará antes deles”. Isso significa que um líder deve liderar pela frente. Não podem ser como a observação apócrifa de um político britânico: “Claro que sigo o partido. Afinal, eu sou o líder deles.” [5]

É a segunda frase que é vital: “quem os conduzirá para fora e os trará para dentro”. Isso significa: um líder deve liderar pela frente, mas não deve estar tão à frente que, ao se virar, descubra que ninguém está seguindo. Ritmo é essencial. Às vezes, um líder pode ir rápido demais. É quando ocorrem tragédias.

Para citar dois exemplos muito diferentes: quando Margaret Thatcher era primeira-ministra, ela sabia que teria que enfrentar o sindicato dos mineiros em uma luta longa e amarga. Em 1981, eles entraram em greve por um aumento de salário. A Sra. Thatcher imediatamente fez perguntas sobre o tamanho dos estoques de carvão. Ela queria saber quanto tempo o país poderia sobreviver sem novos suprimentos de carvão. Assim que descobriu que os estoques estavam baixos, ela na verdade concedeu a vitória aos mineiros. Ela então, muito silenciosamente, providenciou para que o carvão fosse armazenado. O resultado foi que, quando os mineiros entraram em greve novamente em 1983, ela resistiu às suas demandas. Houve uma greve prolongada e, desta vez, foram os mineiros que concederam a derrota. Uma batalha que ela não conseguiu vencer em 1981, ela foi capaz de vencer em 1983.

O exemplo muito diferente foi o do primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin. O processo de paz que ele travou com os palestinos entre 1993 e 1995 foi profundamente controverso, dentro e fora de Israel. Houve algum apoio, mas também muita oposição. A tensão aumentou em 1995. Em setembro daquele ano, escrevi um artigo na imprensa dando-lhe meu apoio pessoal. Ao mesmo tempo, no entanto, escrevi-lhe em particular dizendo que estava profundamente preocupado com a oposição interna ao plano e instando-o a passar tanto tempo negociando com seus concidadãos israelenses – especificamente os sionistas religiosos – quanto com os palestinos. Não recebi resposta.

No Motsei Shabat, 4 de  novembro de 1995, ouvimos a notícia de que o primeiro-ministro Rabin havia sido assassinado em um comício pela paz por um jovem religioso sionista. Assisti ao funeral em Jerusalém. Voltando no dia seguinte, fui direto do aeroporto ao embaixador de Israel para sentar-me com ele e conversar sobre o funeral, ao qual ele não pôde comparecer, tendo que ficar em Londres para tratar da mídia.

Quando entrei em seu escritório, ele me entregou um envelope, dizendo: “Isso acaba de chegar para você na mala diplomática”. Foi a resposta de Yitzhak Rabin à minha carta – uma das últimas cartas que ele escreveu. Foi uma comovente reafirmação de sua fé, mas tragicamente, quando foi entregue, ele não estava mais vivo. Ele havia buscado a paz, como somos ordenados a fazer, mas foi rápido demais para aqueles que ainda não estavam preparados para ouvir.

Moisés sabia disso pelo episódio dos espiões. Como Maimônides diz em O Guia, [6] a tarefa de travar batalhas e conquistar a terra era demais para uma geração nascida na escravidão. Isso só poderia ser feito por seus filhos, aqueles nascidos em liberdade. Às vezes, uma jornada que parece pequena no mapa leva quarenta anos.

Respeito pela diversidade, cuidado com os humildes e impotentes, bem como com os poderosos e grandes, e uma vontade de não ir mais rápido do que as pessoas podem suportar – esses são os três atributos essenciais de um líder, como Moisés sabia por experiência, e como Josué aprendeu por meio de longo aprendizado com o próprio grande homem.

 

NOTAS
[1] Essa é a implicação da declaração de que “Moisés anseia morrer como Aarão”, Sifrei, Pinchas, 136, sv  vayomer.
[2] Rashi para Num. 27:16, baseado em Tanchuma, Pinchas, 11.
[3] Maimônides,  The Guide for the Perplexed , livro 2, capítulo 40.
[4] Da liturgia do sábado à noite. A fonte é Pesikta Zutreta, Eikev.
[5] Esta declaração foi atribuída a Benjamin Disraeli, Stanley Baldwin e Alexandre Auguste Ledru-Rollin.
[6] O Guia para os Perplexos , Livro 3, capítulo 32.

Texto original “Lessons of a Leader” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt´l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS