ROSH HASHANÁ 5784

Posted on setembro 13, 2023

ROSH HASHANÁ 5784

Tempos Turbulentos

Em momentos como a atual recessão, precisamos mais do que nunca refletir sobre as questões que Rosh Hashaná e Yom Kipur nos colocam. Para que vivemos? Quais são os nossos valores e como os traduzimos para a vida? O que daremos aos nossos filhos e àqueles que viverão depois de nós? Pelo que desejamos ser lembrados? Que capítulo escreveremos no Livro da Vida?

É fácil sermos atraídos pelo canto da sereia de uma sociedade de consumo e acreditarmos que o que importa é quanto ganhamos e quanto podemos pagar. Ao nosso redor há promessas de felicidade se comprarmos isto, adquirirmos aquilo.

No entanto, o consenso esmagador da investigação psicológica é que, para além do mínimo básico de que necessitamos, há pouca correlação entre riqueza e felicidade, entre o que possuímos e a forma como nos sentimos. Mesmo aqueles que ganharam grandes somas na loteria não ficam, em média, mais felizes um ano depois do que estavam antes de ganhar. A excitação e o deleite das coisas materiais duram muito pouco.

Ainda mais isso se aplica dentro da família. Certa vez, sentei-me com um dos empresários mais bem-sucedidos da Grã-Bretanha enquanto ele me contava como era injusto que seu casamento tivesse fracassado. Ele havia, disse ele, dado tudo à esposa; no entanto, estava claro que o que ele lhe dera eram bens. O que ele não lhe deu foi tempo. Ele estava tão obcecado pelo trabalho que não conseguia entender o quanto negligenciada ela se sentia.

Perco a conta de quantos pais me contaram uma história semelhante sobre seus filhos. “Eu dei muito a eles”, dizem eles. “Como eles puderam ser tão ingratos?” Mas você não pode comprar o carinho de uma criança. Isso precisa de algo completamente diferente: cuidado, atenção, reconhecimento, tempo gasto conversando, fazendo coisas juntos e, sim, estudando juntos.

O Judaísmo é um conjunto extraordinário de disciplinas para viver uma vida significativa – e é o significado, e não a fama ou o sucesso, que está no cerne da felicidade. Convidanos, através das bênçãos que recitamos todas as manhãs, a agradecer simplesmente por estarmos vivos num universo cheio de beleza e maravilhas. Obriga-nos, um dia em cada sete, a descansar e desfrutar o que temos, em vez de nos preocuparmos com as coisas que ainda não temos. No Shabat renovamos o amor dentro da família. Celebramos fazer parte de uma comunidade – o lugar onde as nossas alegrias são duplicadas e a nossa dor é reduzida pela metade ao sermos partilhados com outros.

Nas festas revivemos a história do nosso povo, a história mais marcante de qualquer nação do planeta. Através da cashrut santificamos o ato de comer. Através do mikvê nas leis da pureza familiar gravamos a nossa relação mais íntima com o carisma da santidade. Passando tempo estudando os textos de nossa tradição, dotamos de significado religioso a vida da mente. Na oração conversamos com D-s, alinhando-nos com a energia moral do universo, tornando-nos parte da sinfonia de quatro mil anos da alma judaica. Podemos perder bens materiais, mas os bens espirituais – o bem que fazemos, o amor que inspiramos – nunca perdemos, e é por isso que são os maiores investimentos que podemos fazer. Que possamos, neste próximo ano, dedicar mais tempo às coisas que importam, às coisas que o Judaísmo nos ensina a valorizar, e que D-s inscreva todos nós no Livro da Vida.

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

TAZRIA

Otelo, WikiLeaks e paredes mofadas Foi a Septuaginta, a antiga tradução grega da Bíblia Hebraica, que traduziu tsara’at,...

Leia mais →

SHEMINI

Espontaneidade: Boa ou Ruim? Shemini conta a trágica história de como a grande inauguração do Tabernáculo, um dia sobre o qua...

Leia mais →

TZAV

Por Que as Civilizações Morrem Em The Watchman’s Rattle, com o subtítulo Thinking Our Way Out of Extinction, Rebecca Cos...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS