SHELACH

Posted on junho 13, 2023

SHELACH

Dois Tipos de Medo

Um dos discursos mais poderosos que já ouvi foi dado pelo Lubavitcher Rebe, Rabi Menachem Mendel Schneerson, na parashá desta semana: a história dos espiões. Para mim, foi nada menos que uma mudança de vida.

Ele fez as perguntas óbvias. Como dez dos espiões puderam voltar com um relatório derrotista e desmoralizante? Como eles poderiam dizer, não podemos vencer, o povo é mais forte que nós, suas cidades são bem fortificadas, eles são gigantes e nós somos gafanhotos?

Eles viram com seus próprios olhos como D-s enviou uma série de pragas que colocaram o Egito, o mais forte e mais longevo de todos os impérios do mundo antigo, de joelhos. Eles tinham visto o exército egípcio com sua tecnologia militar de ponta, a carruagem puxada por cavalos, se afogar no Mar Vermelho enquanto os israelitas passavam por ele em terra seca. O Egito era muito mais forte do que os cananeus, perrizitas, jebuseus e outros reinos menores que teriam de enfrentar na conquista da terra. Tampouco era uma memória antiga. Acontecera pouco mais de um ano antes.

Além disso, eles já sabiam que, longe de serem gigantes enfrentando gafanhotos, o povo da terra estava apavorado com os israelitas. Eles mesmos o haviam dito enquanto cantavam a Canção do Mar:

Os povos ouviram; eles tremem;
As dores apoderaram-se dos habitantes da Filístia.
Agora os chefes de Edom estão desanimados;
O tremor apodera-se dos líderes de Moabe;
Todos os habitantes de Canaã desapareceram.
Terror e pavor caem sobre eles;
Por causa da grandeza do teu braço, eles estão parados como uma pedra. (Ex. 15:14-16)

O povo da terra estava com medo dos israelitas. Por que então os espiões tinham medo deles?

Além disso, continuou o Rebe, os espiões não eram pessoas escolhidas aleatoriamente entre a população. A Torá afirma que eles eram “todos aqueles homens que eram chefes do povo de Israel”. Eles eram líderes. Eles não eram pessoas dadas levianamente ao medo.

As perguntas são diretas, mas a resposta que o Rebe deu foi totalmente inesperada. Os espiões não tinham medo do fracasso, disse ele. Eles tinham medo do sucesso.

Qual era a situação deles agora? Eles estavam comendo o maná do céu. Eles estavam bebendo água de um poço milagroso. Eles estavam cercados por Nuvens de Glória. Eles estavam acampados ao redor do Santuário. Eles estavam em contato contínuo com a Shechiná. Nunca um povo viveu tão perto de D-s.

Qual seria a situação deles se eles entrassem na terra? Eles teriam que travar batalhas, manter um exército, criar uma economia, cultivar a terra, se preocupar se haveria chuva suficiente para produzir uma colheita e todas as outras mil distrações que vêm de viver no mundo. O que aconteceria com a proximidade deles com D-s? Eles estariam preocupados com atividades mundanas e materiais. Aqui eles poderiam passar suas vidas inteiras aprendendo Torá, iluminados pelo esplendor do Divino. Lá eles não seriam mais do que uma nação a mais em um mundo de nações, com o mesmo tipo de problemas econômicos, sociais e políticos com os quais toda nação tem de lidar.

Os espiões não tinham medo do fracasso. Eles tinham medo do sucesso. O erro deles foi o erro de homens muito santos. Eles queriam passar suas vidas o mais próximo possível de D-s. O que eles não entenderam foi que D-s busca, na frase hassídica, “uma morada nos mundos inferiores”. Uma das grandes diferenças entre o judaísmo e as outras religiões é que, enquanto outras buscam elevar as pessoas ao céu, o judaísmo busca trazer o céu para a terra.

Grande parte da Torá trata de coisas que não são convencionalmente vistas como religiosas: relações trabalhistas, agricultura, provisões de bem-estar, empréstimos e dívidas, propriedade da terra e assim por diante. Não é difícil ter uma intensa experiência religiosa no deserto, ou num retiro monástico, ou num ashram. A maioria das religiões tem lugares sagrados e pessoas sagradas que vivem longe do estresse e das tensões da vida cotidiana. Havia uma dessas seitas judaicas em Qumran, conhecida por nós através dos Manuscritos do Mar Morto, e certamente havia outras. Sobre isso não há nada incomum.

Mas esse não é o projeto judaico, a missão judaica. D-s queria que os israelitas criassem uma sociedade modelo onde os seres humanos não fossem tratados como escravos, onde os governantes não fossem adorados como semideuses, onde a dignidade humana fosse respeitada, onde a lei fosse administrada imparcialmente para ricos e pobres, onde ninguém fosse destituído, nenhum ser abandonado ao isolamento, ninguém estava acima da lei e nenhum reino da vida era uma zona livre de moralidade. Isso requer uma sociedade, e uma sociedade precisa de uma terra. Requer uma economia, um exército, campos e rebanhos, trabalho e empreendimento. Tudo isso, no judaísmo, torna-se uma forma de trazer a Shechiná para os espaços compartilhados de nossa vida coletiva.

Os espiões temiam o sucesso, não o fracasso. Foi o erro de homens profundamente religiosos. Mas foi um erro.

Esse é o desafio espiritual do maior evento em dois mil anos da história judaica: o retorno dos judeus à terra e ao estado de Israel. Talvez nunca antes e nunca houve um movimento político acompanhado de tantos sonhos como o sionismo. Para alguns, foi o cumprimento de visões proféticas, para outros, a conquista secular de pessoas que decidiram fazer a história com as próprias mãos. Alguns viram isso como uma reconexão semelhante a Tolstoi com a terra e o solo, outros uma afirmação nietzschiana de vontade e poder. Alguns o viram como um refúgio do antissemitismo europeu, outros como o primeiro florescimento da redenção messiânica. Todo pensador sionista tinha sua versão de utopia e, em um grau notável, todas elas se concretizaram.

Mas Israel sempre foi algo mais simples e básico. Os judeus conheceram praticamente todos os destinos e circunstâncias entre a tragédia e o triunfo nos quase quatro mil anos de sua história e viveram em quase todas as terras da Terra. Mas em todo esse tempo só houve um lugar onde eles poderiam fazer o que foram chamados a fazer desde o início de sua história: construir sua própria sociedade de acordo com seus ideais mais elevados, uma sociedade que seria diferente de seus vizinhos e tornar-se um modelo de como uma sociedade, uma economia, um sistema educacional e a administração do bem-estar podem se tornar veículos para trazer a presença divina à terra.

Não é difícil encontrar D-s no deserto, se você não comer do trabalho de suas mãos e se confiar em D-s para lutar suas batalhas por você. Dez dos espiões, de acordo com o Rebe, procuraram viver dessa forma para sempre. Mas isso, sugeriu o Rebe, não é o que D-s quer de nós. Ele quer que nos envolvamos com o mundo. Ele quer que curemos os enfermos, alimentemos os famintos, combatamos a injustiça com todo o poder da lei e combatamos a ignorância com educação universal. Ele quer que mostremos o que é amar o próximo e o estranho e digamos, com o rabino Akiva: “Amada é a humanidade porque cada um de nós foi criado à imagem de D-s”.

A espiritualidade judaica vive no meio da própria vida, da vida da sociedade e de suas instituições. Para criá-lo, temos que lutar contra dois tipos de medo: o medo do fracasso e o medo do sucesso. O medo do fracasso é comum; o medo do sucesso é mais raro, mas não menos debilitante. Ambos vêm da relutância em assumir riscos. A fé é a coragem de correr riscos. Não é certeza; é a capacidade de viver com a incerteza. É a capacidade de ouvir D-s nos dizendo como disse a Abraham: “Ande na minha frente”. (Gn 17:1)

O Rebe viveu o que ensinou. Ele enviou emissários a praticamente todos os lugares da terra onde havia judeus. Ao fazer isso, ele transformou a vida judaica. Ele sabia que estava pedindo a seus seguidores que corressem riscos, indo a lugares onde todo o ambiente seria desafiador em muitos aspectos, mas ele tinha fé neles e em D-s e na missão judaica cujo lugar é na praça pública onde compartilhamos nossa fé com os outros e fazê-lo de maneira profundamente prática.

É um desafio deixar o deserto e sair pelo mundo com todas as suas provações e tentações, mas é aí que D-s quer que estejamos, trazendo Seu espírito para a forma como administramos uma economia, um sistema de bem-estar, um judiciário, um sistema de serviço de saúde e um exército, curando algumas das feridas do mundo e trazendo, para lugares muitas vezes envoltos em trevas, fragmentos da luz divina.

 

Texto original “Two Kinds of Fear” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

TAZRIA

Otelo, WikiLeaks e paredes mofadas Foi a Septuaginta, a antiga tradução grega da Bíblia Hebraica, que traduziu tsara’at,...

Leia mais →

SHEMINI

Espontaneidade: Boa ou Ruim? Shemini conta a trágica história de como a grande inauguração do Tabernáculo, um dia sobre o qua...

Leia mais →

TZAV

Por Que as Civilizações Morrem Em The Watchman’s Rattle, com o subtítulo Thinking Our Way Out of Extinction, Rebecca Cos...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS