TAZRIA – METSORÁ

Posted on abril 13, 2021

TAZRIA – METSORÁ

Como Elogiar

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Os Sábios foram eloquentes sobre o assunto de lashon hará, linguagem maldosa, o pecado que consideravam ser a causa de tsara’at. Mas há um princípio meta-haláchico: “Do negativo você pode inferir o positivo”. [1] Assim, por exemplo, da gravidade da proibição contra Chillul Hashem, profanar o nome de D-s, pode-se inferir a importância do oposto, Kidush Hashem, santificar o nome de D-s.

Segue-se, portanto, que ao lado do pecado grave de lashon hará, deve, em princípio, haver um conceito de lashon hatov, boa fala, e deve ser mais do que uma mera negação de seu oposto. A maneira de evitar lashon hará é praticar o silêncio e, de fato, os Sábios foram eloquentes sobre a importância do silêncio. [2] O silêncio nos salva das palavras más, mas por si só não alcança nada de positivo. O que é então lashon hatov?

Uma das tarefas mais importantes de um líder, pai ou amigo é o elogio focalizado. Discutimos essa ideia pela primeira vez na parshat Vayeshev, onde examinamos o texto clássico sobre isso – uma Mishná em Tractate Avot (2:11) em que Rabban Yochanan ben Zakkai enumera os elogios de seus cinco amados alunos:

Eliezer ben Hyrcanus: um poço revestido que nunca perde uma gota. Yoshua ben Chananya: feliz aquele que o deu à luz. Yose, o sacerdote: um homem piedoso. Shimon ben Netanel: um homem que teme o pecado. Elazar ben Arach: uma fonte sempre fluente.

Cada rabino tinha discípulos. O imperativo, “Levante muitos discípulos” [3] é um dos mais antigos ensinamentos rabínicos registrados. O que a Mishná está nos dizendo aqui é como criar discípulos. Não é difícil criar seguidores. Frequentemente, um bom professor irá, com o tempo, perceber que eles desenvolveram um grande número de seguidores, alunos que são devotos acríticos – mas como encorajar esses seguidores a se tornarem intelectos criativos por conta própria? É muito mais difícil criar líderes do que criar seguidores.

Rabban Yochanan ben Zakkai foi um grande professor porque cinco de seus alunos se tornaram gigantes por seus próprios méritos. A Mishná está nos contando como ele fez isso: com elogio focalizado. Ele mostrou a cada um de seus alunos onde residia sua força particular. Eliezer ben Hyrcanus, o “poço revestido que nunca perde uma gota”, era dotado de uma memória soberba – uma habilidade importante em uma época em que os manuscritos eram raros e a Lei Oral ainda não estava comprometida com a escrita. Shimon ben Netanel, o “homem que teme o pecado”, pode não ter o brilho intelectual dos outros, mas sua natureza reverente era um lembrete para os outros de que eles não eram meramente estudiosos, mas também homens santos empenhados em uma tarefa sagrada. Elazar ben Arach, a “fonte sempre fluente”, tinha uma mente criativa constantemente dando origem a novas interpretações de textos antigos.

Descobri o poder transformador do elogio focalizado de uma das pessoas mais notáveis ​​que já conheci, a falecida Lena Rustin. Lena era fonoaudióloga, especializada em ajudar crianças que lutavam contra a gagueira. Eu a conheci por meio de um documentário para a televisão que estava fazendo para a BBC sobre a situação da família na Grã-Bretanha. Lena acreditava que as crianças pequenas que ela atendia – tinham, em média, cerca de cinco anos – deviam ser entendidas no contexto de suas famílias. As famílias tendem a desenvolver um equilíbrio. Se uma criança gagueja, todos os membros da família se adaptam a isso. Portanto, para que a criança perca a gagueira, todos os relacionamentos dentro da família terão que ser renegociados. Não só a criança deve mudar. Também todos os outros.

Em geral, tendemos a resistir à mudança. Estabelecemos padrões de comportamento à medida que se tornam mais e mais confortáveis, como uma poltrona ou um par de sapatos muito usados. Como você cria uma atmosfera dentro de uma família que incentiva a mudança e a torna não ameaçadora? A resposta que Lena descobriu foi o elogio. Ela disse às famílias com as quais estava trabalhando que todos os dias eles deveriam notar cada membro da família fazendo algo certo e dizer isso – especificamente, de forma positiva e feliz.

Ela não deu explicações profundas, mas ao vê-la trabalhar comecei a perceber o que ela estava fazendo. Ela estava criando, dentro de cada casa, uma atmosfera de consideração mútua e reforço positivo contínuo. Ela queria que os pais criassem um ambiente de respeito próprio e autoconfiança, não apenas para a criança que gagueja, mas para todos os membros da família, de modo que toda a atmosfera da casa fosse aquela em que as pessoas se sentissem seguras para mudar e ajudar aos outros para que o façam.

De repente, percebi que Lena havia descoberto uma solução não apenas para a gagueira, mas para a dinâmica de grupo como um todo. Minha intuição logo se confirmou de maneira surpreendente. Houve tensões entre a equipe de televisão com a qual trabalhei. Várias coisas deram errado e havia uma atmosfera de recriminação mútua. Depois de filmar uma sessão de Lena Rustin ensinando os pais a dar e receber elogios, a equipe também começou a elogiar uns aos outros. Instantaneamente, a atmosfera foi transformada. A tensão se dissipou e as filmagens voltaram a ser divertidas. O elogio dá às pessoas a confiança para abandonar os aspectos negativos de seu caráter e atingir seu potencial máximo.

Existe no elogio uma profunda mensagem espiritual também. Achamos que religião tem a ver com fé em D-s. O que eu não tinha entendido totalmente antes era que a fé em D-s deveria nos levar a ter fé nas pessoas, pois a imagem de D-s está em cada um de nós, e temos que aprender como discerni-la. Então entendi que a frase repetida em Gênesis 1, “E viu D-s que isso era bom”, estava ali para nos ensinar a ver o bem nas pessoas e nos eventos e, assim fazendo, ajudar a fortalecer essa bondade. Eu também entendi por que D-s brevemente puniu Moisés virando sua mão para tsara’at – porque ele disse sobre os israelitas: “Eles não acreditarão em mim”. (Ex. 4: 1) Moisés estava aprendendo uma lição fundamental de liderança: Não importa se eles acreditam em você. O que importa é que você acredita neles.

Foi com outra mulher sábia que aprendi outra lição importante sobre o elogio. A psicóloga de Stanford Carol Dweck, em seu livro Mindset [4], argumenta que faz uma diferença decisiva se acreditamos que nossas habilidades são inatas e determinadas de uma vez por todas (a mentalidade “fixa”), ou se podemos assumir que o talento é algo que alcançamos com o tempo, por esforço, prática e persistência (a mentalidade de “crescimento”). As pessoas que adotam a primeira abordagem tendem a ser avessas ao risco, com medo de que, se falharem, isso mostre que não são tão boas quanto pensavam ser. O último grupo abraça o risco porque considera o fracasso uma experiência de aprendizagem a partir da qual podem crescer. Segue-se que há elogios bons e elogios ruins. Pais e professores não devem elogiar as crianças em termos absolutos: “Você é talentoso, brilhante, uma estrela!” Eles devem elogiar o esforço: “Você se esforçou, deu o seu melhor e posso ver a melhoria!” Eles devem encorajar uma mentalidade construtiva, não fixa.

Talvez isso explique as tristes consequências na vida dos dois alunos mais talentosos de Rabban Yochanan ben Zakkai. A Mishná imediatamente após a citada acima afirma:

Ele [Rabban Yochanan ben Zakkai] costumava dizer: Se todos os Sábios de Israel estivessem em uma escala de equilíbrio e Eliezer ben Hyrcanus na outra, ele superaria todos eles. No entanto, Abba Saul disse em seu nome: Se todos os Sábios de Israel, incluindo Eliezer ben Hyrcanus, estivessem em uma escala de equilíbrio, e Elazar ben Arach na outra, ele superaria todos eles. (Avot 2:12)

Tragicamente, o rabino Eliezer ben Hyrcanus acabou sendo excomungado por seus colegas por não aceitar a opinião da maioria sobre uma questão de lei judaica. [5] Quanto ao Rabino Elazar ben Arach, ele se separou de seus colegas. Quando eles foram para a academia em Yavneh, ele foi para Emaús, um lugar agradável para se viver, mas sem outros estudiosos da Torá. Eventualmente, ele esqueceu seu aprendizado e tornou-se uma pálida sombra de seu antigo eu. [6] Pode ser que elogiando seus alunos por suas habilidades inatas ao invés de seu esforço, Rabban Yochanan ben Zakkai inadvertidamente encorajou seus dois alunos mais talentosos a desenvolver uma mentalidade fixa em vez de se envolver com os colegas e permanecer aberto ao crescimento intelectual.

O elogio, e como o administramos, é um elemento fundamental na liderança de qualquer tipo. Reconhecendo o que há de bom nas pessoas e afirmando isso, ajudamos a concretizar o potencial das pessoas. Elogiar seus esforços ao invés de seus dons inatos ajuda a encorajar o crescimento, sobre o qual Hillel costumava dizer: “Aquele que não aumenta o seu conhecimento, perde-o”. (Mishná Avot 1:13) O tipo certo de elogio muda vidas. Esse é o poder de Lashon Hatov. A fala ruim nos diminui; a boa fala pode nos elevar a grandes alturas. Ou como WH Auden disse em um de seus belos poemas:

Na prisão de seus dias
Ensine o homem livre a elogiar. [7]

 

 

NOTAS
[1] Nedarim 11a .
[2] Ver, por exemplo, Mishnah Avot 1:17 ; 3:13.
[3] Mishná Avot 1: 1 .
[4] Carol Dweck, Mindset , Ballantine Books, 2007.
[5] Bava Metzia 59b .
[6] Shabat 147b .
[7] WH Auden, “In Memory of WB Yeats”, Another Time (Nova York: Random House, 1940).

 

Texto original “How to Praise” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

 

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS