TOLEDOT

Posted on novembro 2, 2021

TOLEDOT

Jacob estava certo em receber as bênçãos?

Jacob estava certo em aceitar a bênção de Esaú disfarçada? Ele estava certo em enganar seu pai e tirar de seu irmão a bênção que Isaac procurava dar a ele? Rebeca estava certa em conceber o plano em primeiro lugar e encorajar Jacob a executá-lo? Essas são questões fundamentais. O que está em jogo não é apenas a interpretação bíblica, mas a própria vida moral. A maneira como lemos um texto molda o tipo de pessoa que nos tornamos.

Aqui está uma maneira de interpretar a narrativa. Rebeca estava certa em propor o que ela fez e Jacob estava certo em fazer isso. Rebeca sabia que seria Jacob, não Esaú, quem continuaria a aliança e levaria a missão de Abraham para o futuro. Ela sabia disso por dois motivos distintos. Primeiro, ela ouviu do próprio D-s, no oráculo que ela recebeu antes de os gêmeos nascerem:

“Duas nações estão em seu ventre,
e dois povos de dentro de você serão separados;
um povo será mais forte do que o outro,
e o mais velho servirá ao mais jovem.” (Gen. 25:23)

Esaú era o mais velho, Jacob o mais jovem. Portanto, seria Jacob quem emergiria com maior força, Jacob que foi escolhido por D-s.

Em segundo lugar, ela tinha visto os gêmeos crescerem. Ela sabia que Esaú era um caçador, um homem violento. Ela tinha visto que ele era impetuoso, inconstante, um homem de impulso, não de reflexão calma. Ela o vira vender seu direito de primogenitura por uma tigela de sopa. Ela observou enquanto ele “comia, bebia, levantava-se e ia embora. Então Esaú desprezou seu direito de primogenitura”. (Gen. 25:34) Ninguém que despreza seu direito de primogenitura pode ser o guardião de confiança de uma aliança destinada à eternidade.

Terceiro, pouco antes do episódio da bênção, lemos: “Quando Esaú tinha quarenta anos, casou-se com Judite, filha de Beeri, o hitita, e também com Basemath, filha de Elon, o hitita. Elas foram uma fonte de tristeza para Isaac e Rebeca.” (Gênesis 26:34) Isso também foi evidência da falha de Esaú em entender o que o pacto exige. Ao se casar com mulheres hititas, ele provou ser indiferente aos sentimentos de seus pais e ao autodomínio na escolha do cônjuge que era essencial para ser herdeiro de Abraham.

A bênção tinha que ir para Jacob. Se você tivesse dois filhos, um indiferente à arte, o outro um amante da arte e estética, para quem você deixaria o Rembrandt que faz parte do patrimônio da família há gerações? E se Isaac não entendesse a verdadeira natureza de seus filhos, se ele fosse “cego” não só fisicamente, mas também psicologicamente, não seria necessário enganá-lo? Ele já estava velho, e se Rebeca havia falhado nos primeiros anos em fazer com que ele visse a verdadeira natureza de seus filhos, seria provável que ela pudesse ver agora?

Afinal, isso não era apenas uma questão de relacionamento dentro da família. Era sobre D-s, destino e vocação espiritual. Era sobre o futuro de um povo inteiro, já que D-s havia repetidamente dito a Abraham que ele seria o ancestral de uma grande nação que seria uma bênção para a humanidade como um todo. E se Rebeca estava certa, então Jacob estava certo em seguir suas instruções.

Esta era a mulher que o servo de Abraham havia escolhido para ser esposa do filho de seu senhor, porque ela era boa, porque no poço ela tinha dado água a um estranho e também aos seus camelos. Rebeca não era Lady Macbeth, agindo por favoritismo ou ambição. Ela era a personificação da bondade amorosa. E se ela não tinha outra maneira de garantir que a bênção fosse para alguém que a estimasse e vivesse, então, neste caso, o fim justifica os meios. Esta é uma forma de ler a história e é adotada por muitos dos comentaristas.

No entanto, não é o único caminho. [1]  Considere, por exemplo, a cena que aconteceu imediatamente depois que Jacob deixou seu pai. Esaú voltou da caça e trouxe a Isaac a comida que ele havia pedido. Então, lemos isto:

Isaac tremeu violentamente e disse: ‘Quem era, então, aquele que abateu a caça e a trouxe para mim? Eu comi pouco antes de você chegar e o abençoei – e de fato ele será abençoado!’

Quando Esaú ouviu as palavras de seu pai, ele soltou um grito alto e amargo e disse a seu pai: ‘Abençoe-me – a mim também, meu pai!’

Mas ele disse: ‘Seu irmão veio enganosamente [be-mirma] e recebeu sua bênção.’

Esaú disse: ‘Ele não é corretamente chamado de Jacob? É a segunda vez que ele se aproveita de mim: tirou meu direito de primogenitura e agora tirou minha bênção! ‘ Então ele perguntou: ‘Você não reservou nenhuma bênção para mim?’ (Gênesis 27: 33-36)

É impossível ler Gênesis 27 – o texto como está sem comentários – e não sentir simpatia por Isaac e Esaú em vez de Rebeca e Jacob. A Torá é econômica no uso da emoção. É completamente silencioso, por exemplo, sobre os sentimentos de Abraham e Isaac enquanto viajavam juntos em direção ao teste da Amarração. Frases como “tremeu violentamente” e “explodiu com um grito alto e amargo” não podem deixar de nos afetar profundamente. Aqui está um homem idoso que foi enganado por seu filho mais novo, e um jovem, Esaú, que se sente roubado do que era seu por direito. As emoções desencadeadas por esta cena permanecerão por muito tempo conosco.

Em seguida, considere as consequências. Jacob teve que ficar longe de casa por mais de vinte anos, temendo por sua vida. Ele então sofreu um engano quase idêntico praticado contra ele por Labão quando ele substituiu Rachel por Leah. Quando Jacob gritou “Por que me enganaste [rimitani]” Labão respondeu: “Não é  costume em nosso lugar  colocar a mais jovem antes da mais velha”. (Gênesis 29: 25-26) Não apenas o ato, mas mesmo as palavras implicam em uma punição, medida por medida. “Engano”, do qual Jacob acusa Labão, é a própria palavra que Isaac usou sobre Jacob. A resposta de Labão soa como uma referência virtualmente explícita ao que Jacob fez, como se dissesse: “Não fazemos em nosso lugar o que você acabou de fazer no seu.”

O resultado do engano de Labão trouxe tristeza para o resto da vida de Jacob. Havia tensão entre Leah e Rachel. Havia ódio entre seus filhos. Jacob foi enganado mais uma vez, desta vez por seus filhos, quando eles trouxeram para ele o manto manchado de sangue de Yosef: outro engano de um pai por seus filhos envolvendo o uso de roupas. O resultado foi que Jacob foi privado da companhia de seu filho mais amado por vinte e dois anos, assim como Isaac foi de Jacob.

Questionado pelo Faraó quantos anos ele tinha, Jacob respondeu: “Poucos e maus foram os anos da minha vida”. (Gen. 47: 9) Ele é a única figura na Torá a fazer uma observação como esta. É difícil não ler o texto como uma declaração precisa do princípio de medida por medida: assim como você fez com os outros, os outros farão com você. O engano trouxe grande tristeza a todos os envolvidos, e isso persistiu na geração seguinte.

Minha leitura do texto é, portanto, esta. [2]  A frase no oráculo de Rebeca, Ve-rav ya’avod tsair (Gen. 25:23), é de fato ambíguo. Pode significar: “O mais velho servirá ao mais jovem”, mas também pode significar: “O mais jovem servirá ao mais velho”. Era o que a Torá chama de chiddah (Números 12: 8), ou seja, uma comunicação opaca e deliberadamente ambígua. Isso sugeria um conflito contínuo entre os dois filhos e seus descendentes, mas não quem venceria.

Isaac entendeu completamente a natureza de seus dois filhos. Ele amava Esaú, mas isso não o cegou para o fato de que Jacob seria o herdeiro da aliança. Portanto, Isaac preparou dois conjuntos de bênçãos, um para Esaú e outro para Jacob. Ele abençoou Esaú (Gn 27: 28-29) com os dons que ele sentiu que apreciaria: “Que D-s lhe dê o orvalho do céu e as riquezas da terra – uma abundância de grãos e vinho novo” – isto é, riqueza. “Que as nações o sirvam e os povos se curvem diante de você. Seja o senhor de seus irmãos, e que os filhos de sua mãe se curvem a você” – isto é, poder. Essas não são as bênçãos da aliança.

As bênçãos da aliança que D-s deu a Abraham e Isaac foram completamente diferentes. Eles eram sobre crianças e uma terra. É esta bênção que Isaac mais tarde deu a Jacob, antes que ele saísse de casa (Gn 28: 3-4): “Que D-s Todo-Poderoso o abençoe e o torne fecundo e aumente seu número até que se tornem uma comunidade de povos” – isto é, crianças. “Que Ele dê a você e a seus descendentes a bênção dada a Abraham, para que você possa tomar posse da terra onde agora reside como estrangeiro, a terra que D-s deu a Abraham” – isto é, uma terra. Esta foi a bênção que Isaac havia planejado para Jacob o tempo todo. Não havia necessidade de engano e disfarce.

Jacob finalmente veio a entender tudo isso, talvez durante sua luta com o anjo durante a noite antes de seu encontro com Esaú após seu longo afastamento. O que aconteceu naquela reunião é incompreensível, a menos que entendamos que Jacob estava devolvendo a Esaú as bênçãos que ele erroneamente tirou dele. A enorme doação de ovelhas, gado e outros animais representava “o orvalho do céu e a riqueza da terra”, ou seja, a riqueza. O fato de que Jacob se curvou sete vezes a Esaú foi sua maneira de cumprir as palavras: “Que os filhos de sua mãe se curvem a você”, isto é, poder.

Jacob deu a bênção de volta. Na verdade, ele disse isso explicitamente. Ele disse a Esaú: “Por favor, aceite a bênção [birkati] que foi trazida a você, pois D-s foi misericordioso comigo e eu tenho tudo de que preciso”. (Gn 33:11) Nesta leitura da história, Rebeca e Jacob cometeram um erro, um erro perdoável, um erro compreensível, mas um erro, no entanto. A bênção que Isaac estava prestes a dar a Esaú não era a bênção de Abraham.  Ele pretendia dar a Esaú uma bênção apropriada para ele. Ao fazer isso, ele estava agindo com base no precedente. D-s abençoou Ismael com as palavras “Eu o farei uma grande nação.” (Gênesis 21:18) Este foi o cumprimento de uma promessa que D-s havia dado a Abraham muitos anos antes, quando lhe disse que seria Isaac, não Ismael, quem continuaria a aliança:

Abraham disse a D-s: “Se ao menos Ismael pudesse viver sob a Sua bênção!” Então D-s disse: “Sim, mas sua esposa Sara dará à luz um filho, e você o chamará de Isaac. Estabelecerei Minha aliança com ele como uma aliança eterna para seus descendentes depois dele. Quanto a Ismael, já te ouvi; certamente o abençoarei; Vou torná-lo frutífero e aumentarei muito seu número. Ele será o pai de doze governantes, e eu o farei uma grande nação.” (Gen. 17: 18-21)

Isaac certamente sabia disso porque, de acordo com a tradição midráshica, ele e Ismael se reconciliaram mais tarde na vida. Nós os vemos juntos no túmulo de Abraham. (Gênesis 25: 9) Pode ser que isso fosse um fato que Rebeca não sabia. Ela associou a bênção à aliança. Ela pode não saber que Abraham queria que Ismael fosse abençoado, embora ele não herdasse a aliança, e que D-s havia acedido ao pedido.

Nesse caso, então é possível que todas as quatro pessoas tenham agido corretamente ao compreender a situação, mas mesmo assim a tragédia ocorreu.  Isaac estava certo ao desejar que Esaú fosse abençoado, assim como Abraham procurou para Ismael. Esaú agiu com honra para com seu pai. Rebeca procurou salvaguardar o futuro da aliança. Jacob sentiu escrúpulos, mas fez o que sua mãe disse, sabendo que ela não teria proposto um engano sem uma forte razão moral para fazê-lo.

Temos aqui uma história com duas interpretações possíveis? Talvez, mas essa não é a melhor maneira de descrevê-lo. O que temos aqui, e há outros exemplos em Gênesis, é uma história que entendemos de uma maneira na primeira vez que a ouvimos, e de uma maneira diferente quando descobrimos e refletimos sobre tudo o que aconteceu depois. Só depois de lermos sobre o destino de Jacob na casa de Labão, a tensão entre Leah e Rachel e a animosidade entre Yosef e seus irmãos é que podemos voltar e ler Gênesis 27, o capítulo da bênção, em um novo leve e com maior profundidade.

Existe um erro honesto, e é uma marca da grandeza de Jacob que ele o reconheceu e fez as pazes com Esaú. No grande encontro, vinte e dois anos depois, os irmãos distantes se encontram, se abraçam, se separam como amigos e seguem caminhos separados. Mas primeiro, Jacob teve que lutar com um anjo.

É assim que é a vida moral. Aprendemos cometendo erros. Vivemos a vida para a frente, mas a entendemos apenas olhando para trás. Só então vemos as curvas erradas que fizemos inadvertidamente. Essa descoberta às vezes é nosso maior momento de verdade moral.

Para cada um de nós existe uma bênção que é nossa. Isso era verdade não apenas para Isaac, mas também para Ismael, não apenas para Jacob, mas também para Esaú. A moral não poderia ser mais poderosa. Nunca busque a bênção de seu irmão. Esteja contente com a sua. [3]

 

 

NOTAS
[1] Leituras críticas da conduta de Rebeca ou Jacob aparecem em várias obras midrashicas:  Bereishit Rabbah, Tanhuma (Buber), Yalkut Reuveni , Midrash ha-Neelam e Midrash Socher Tov (para Salmo 80: 6). Entre os comentaristas críticos estão R. Eliezer Ashkenzi, Tzeda le-Derech e R. Yaakov Zvi Mecklenberg, Ha-Ktav veha-Kabbalah. Todas essas interpretações são baseadas nas pistas textuais citadas a seguir.
[2] Para uma explicação mais detalhada, consulte Jonathan Sacks, Covenant and Conversation Genesis: The Book of Beginnings, Maggid Books, 2009, 153-158, 219-228.
[3] Este mais tarde se tornou o décimo dos Dez Mandamentos.

 

Texto original “Was Jacob Right to Take the Blessings?” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

MIKETZ

Aparência e Realidade Depois de vinte e dois anos e muitas reviravoltas, Yossef e seus irmãos finalmente se encontraram. Sentimo...

Leia mais →

VAYESHEV

O Heroísmo de Tamar Esta é uma história verídica que aconteceu na década de 1970. O rabino Dr. Nahum Rabinovitch, então Dir...

Leia mais →

VAYSHLACH

A Parábola das Tribos Do início ao fim, Gênesis capítulo 34 conta uma história assustadora. Dinah, filha de Jacob – a ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS