VAERA

Posted on janeiro 13, 2021

VAERA

Superando Contratempos

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

No início, a missão de Moisés parecia ter sucesso. Ele temia que o povo não acreditasse nele, mas D-s lhe dera sinais para agir, e a seu irmão Aaron para falar em seu nome. Moisés “executou os sinais perante o povo e eles creram. E quando eles ouviram que o Senhor estava preocupado com eles e tinha visto sua miséria, eles se prostraram e adoraram.” (Ex. 4: 30-31)

Mas então as coisas começam a dar errado e continuam dando errado. A primeira aparição de Moisés perante o Faraó é desastrosa. O Faraó se recusa a reconhecer a D-s e rejeita o pedido de Moisés de deixar o povo viajar para o deserto. Então ele piorou a vida dos israelitas. Eles ainda devem fazer a mesma cota de tijolos, mas agora também devem coletar sua própria palha. O povo se volta contra Moisés e Aaron: “Que o Senhor olhe para vocês e os julgue! Você nos tornou detestáveis ​​para o Faraó e seus oficiais e colocou uma espada em suas mãos para nos matar.” (Ex. 5:21)

Moisés e Aaron voltam ao Faraó para renovar seu pedido. Eles realizam um ato milagroso – transformam um bastão em cobra – mas o Faraó não se impressiona. Seus próprios mágicos podem fazer o mesmo. Em seguida, eles trazem a primeira das dez pragas, mas novamente o Faraó não se comove. Ele não vai deixar os israelitas irem. E assim continua, nove vezes. Moisés faz tudo ao seu alcance para fazer o Faraó ceder e descobrir que nada faz diferença. Os israelitas ainda são escravos.

Sentimos a pressão sob a qual Moisés está. Depois de seu primeiro revés no final da parashá da semana passada, ele se voltou para D-s e perguntou amargamente: “Por que, Senhor, por que Você trouxe problemas a este povo? É por isto que Você me enviou? Desde que fui ao Faraó para falar em Seu nome, ele tem causado problemas a este povo, e Você não resgatou o Seu povo de forma alguma.” (Ex. 5: 22-23)

Na parashá de Vaera desta semana, mesmo quando D-s o tranquiliza de que ele acabará tendo sucesso, ele responde: “Se os israelitas não me ouvirem, por que o Faraó me ouviria, já que falo com lábios vacilantes?” (Ex. 6:12).

Há uma mensagem duradoura aqui. A liderança, mesmo na mais alta ordem, costuma ser marcada pelo fracasso. Os primeiros impressionistas tiveram que organizar sua própria exposição de arte porque seu trabalho foi rejeitado pelos salões estabelecidos em Paris. A primeira apresentação de The Rite of Spring de Stravinsky causou tumulto, com o público vaiando o tempo todo. Van Gogh vendeu apenas uma pintura em sua vida, apesar do fato de seu irmão, Theo, ser negociante de arte.

Assim é com os líderes. Lincoln enfrentou incontáveis ​​contratempos durante a Guerra Civil. Ele foi uma figura profundamente divisora, odiada por muitos em sua vida. Gandhi falhou em seu sonho de unir muçulmanos e hindus em uma única nação. Nelson Mandela passou vinte e sete anos na prisão, acusado de traição e considerado um agitador violento. Winston Churchill era considerado uma força gasta na política na década de 1930, e mesmo depois de sua liderança heroica durante a Segunda Guerra Mundial, ele foi afastado do cargo nas primeiras Eleições Gerais, uma vez que a guerra acabou. Só em retrospecto os heróis parecem heroicos e os muitos contratempos que enfrentaram se revelam como degraus no caminho para a vitória.

Em nossa discussão sobre a parashá Vayetse, vimos que em cada campo – alto ou baixo, sagrado ou secular – os líderes são testados não por seus sucessos, mas por seus fracassos. Às vezes, pode ser fácil ter sucesso. As condições podem ser favoráveis. O clima econômico, político ou pessoal é bom. Quando há um boom econômico, a maioria dos negócios floresce. Nos primeiros meses após uma eleição geral, o líder bem-sucedido carrega consigo o carisma da vitória. No primeiro ano, a maioria dos casamentos é feliz. Não é necessária nenhuma habilidade especial para ter sucesso em tempos bons.

Mas então o clima muda. Eventualmente, constantemente acontece. É quando muitas empresas, políticos e casamentos fracassam. Há momentos em que até mesmo as pessoas mais importantes tropeçam. Nesses momentos, o caráter é testado. Os grandes seres humanos não são aqueles que nunca falham. São aqueles que sobrevivem ao fracasso, que seguem em frente, que se recusam a ser derrotados, que nunca desistem ou cedem. Eles continuam tentando. Eles aprendem com cada erro. Eles tratam o fracasso como uma experiência de aprendizado. E a cada recusa em serem derrotados, eles se tornam mais fortes, mais sábios e mais determinados. Essa é a história da vida de Moisés tanto na parashá Shemot quanto na parashá Vaera.

Jim Collins, um dos grandes escritores sobre liderança, coloca isso bem:

A assinatura do verdadeiramente grande versus o meramente bem-sucedido não é a ausência de dificuldade, mas a capacidade de voltar de contratempos, até mesmo catástrofes cataclísmicas, mais forte do que antes… O caminho para fora da escuridão começa com aqueles indivíduos irritantemente persistentes que são constitucionalmente incapazes de capitulação. Uma coisa é sofrer uma derrota impressionante… e outra totalmente diferente é desistir dos valores e aspirações que fazem a luta prolongada valer a pena. O fracasso não é tanto um estado físico quanto um estado de espírito; o sucesso é cair e se levantar mais uma vez, sem fim. [1]

Rabino Yitzhak Hutner certa vez escreveu uma carta poderosa a um discípulo que havia se tornado desanimado por seu fracasso repetido em dominar o aprendizado talmúdico:

Uma falha que muitos de nós sofremos é que, quando nos concentramos nas grandes realizações de grandes pessoas, discutimos como elas são completas nesta ou naquela área, enquanto omitimos a menção das lutas internas que antes ocorriam dentro delas. Um ouvinte ficaria com a impressão de que esses indivíduos saíram das mãos de seu criador em estado de perfeição… O resultado desse sentimento é que quando um jovem ambicioso de espírito e entusiasmo encontra obstáculos, cai e desmorona, ele se imagina como um indigno de ser “plantado na casa de D-s” (Ps. 92:13)… Saiba, porém, meu caro amigo, que sua alma não está enraizada na tranquilidade da boa inclinação, mas na batalha da boa inclinação… A expressão em inglês, “Perde uma batalha e vence a guerra”, se aplica. Certamente você tropeçou e tropeçará novamente, e em muitas batalhas você cairá coxo. Eu prometo a você, porém, que depois dessas campanhas perdedoras você sairá da guerra com os louros da vitória sobre sua cabeça… O mais sábio dos homens disse: “Um homem justo cai sete vezes, mas se levanta novamente”. (Provérbios 24:16) Os tolos acreditam que a intenção do versículo é nos ensinar que o homem justo cai sete vezes e, apesar disso, ele se levanta. Mas os conhecedores estão cientes de que a essência da ressurreição do homem justo é por causa de suas sete quedas. [2]

O que o Rabino Hutner quer dizer é que a grandeza não pode ser alcançada sem fracasso. Existem alturas que você não pode escalar sem primeiro ter caído.

Por muitos anos, mantive em minha mesa uma citação de Calvin Coolidge, enviada por um amigo que sabia como é fácil ficar desanimado. Dizia:

“Nada neste mundo pode substituir a persistência. Não o talento: nada é mais comum do que homens talentosos malsucedidos. Não o gênio: gênio não recompensado é quase um provérbio. Não a educação: o mundo está cheio de abandonados instruídos. Somente a persistência e a determinação, sozinhas, são onipotentes.”

Eu apenas acrescentaria: “E seyata diShmaya, a ajuda do Céu”. D-s nunca perde a fé em nós, mesmo que às vezes percamos a fé em nós mesmos.

O modelo supremo é Moisés que, apesar de todos os contratempos narrados na parashá da semana passada e na desta semana, acabou se tornando o homem de quem se dizia que ele tinha “cento e vinte anos quando morreu, mas seus olhos não escureciam e sua energia era inabalável.” (Deut. 34: 7)

Derrotas, atrasos e decepções doem. Eles doem até para Moisés. Portanto, se há momentos em que nós também nos sentimos desanimados e desmoralizados, é importante lembrar que mesmo as pessoas mais importantes falharam. O que os tornou excelentes é que eles seguiram em frente. O caminho para o sucesso passa por muitos vales de fracasso. Não há outro caminho.

 

 

NOTAS
[1] Jim Collins, How the Mighty Fall: And Why Some Companies Never Give In (New York, Harper Collins, 2009), 123.
[2] Rabino Yitzhak Hutner, Sefer Pachad Yitzchak: Iggerot u-Ketavim (Gur Aryeh, 1981), no. 128, 217-18.

 

 

Texto original “Overcoming Setbacks” por Rabbi Lord Jonathan Sacks.

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

KI TISSÁ

Como os Líderes Falham O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

TETZAVÊ

O Contraponto da Liderança O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, base...

Leia mais →

TERUMÁ

A Casa que Construímos Juntos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, b...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS