VAETCHANAN

Posted on julho 21, 2021

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos

O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

Escondida discretamente na parashá desta semana está uma frase curta com potencial explosivo, fazendo-nos pensar novamente sobre a natureza da história judaica e a tarefa judaica no presente.

Moisés estava lembrando a nova geração, os filhos daqueles que deixaram o Egito, da história extraordinária da qual eles são herdeiros:

Alguma coisa tão grande como essa já aconteceu, ou algo parecido já foi ouvido? Alguma outra pessoa ouviu a voz de D-s falando do fogo, como você, e viveu? Algum D-s já tentou tirar para si uma nação de outra nação, por testes, por sinais e maravilhas, pela guerra, por uma mão poderosa e um braço estendido, ou por grandes e terríveis feitos, como todas as coisas que o Senhor seu D-s fez por você no Egito diante de seus próprios olhos? (Deut. 4: 32-34)

Os israelitas ainda não cruzaram o Jordão. Eles ainda não começaram sua vida como nação soberana em sua própria terra. No entanto, Moisés tem certeza, com uma certeza que só poderia ser profética, que eles eram um povo como nenhum outro. O que aconteceu com eles é único. Eles foram e são uma nação convocada para a grandeza.

Moisés os lembra da grande Revelação no Monte Sinai. Ele lembra os Dez Mandamentos. Ele entrega o mais famoso de todos os resumos da fé judaica: “Ouça, Israel: O Senhor nosso D-s, o Senhor é um.” (Deut. 6: 4) Ele emite o mais majestoso de todos os mandamentos: “Ama o Senhor teu D-s com todo o teu coração e com toda a tua alma e com todas as tuas forças”. (Deut. 6: 5) Duas vezes ele diz ao povo para ensinar essas coisas a seus filhos. Ele lhes dá sua declaração de missão eterna como nação: “Vocês são um povo santo para o Senhor vosso D-s. O Senhor, seu D-s, os escolheu dentre todos os povos da face da terra para ser o Seu povo, Seu tesouro.” (Deut. 7: 6)

Então ele diz o seguinte:

O Senhor não colocou o Seu carinho em você e não o escolheu porque você era mais numeroso do que os outros povos, pois você é o menor de todos os povos. (Deut. 7: 7)

O menor de todos os povos? O que aconteceu com todas as promessas de Bereishit, de que os filhos de Abraão seriam numerosos, incontáveis, tantos quanto as estrelas do céu, a poeira da terra e os grãos de areia em uma praia? O que dizer da declaração do próprio Moisés no início de Devarim?

“O Senhor, seu D-s, aumentou o seu número, de modo que hoje você é tão numeroso quanto as estrelas do céu” (Deut. 1:10)

A resposta simples é esta. Os israelitas eram realmente numerosos em comparação com o que já foram. O próprio Moisés coloca desta forma na parashá da próxima semana: “Seus ancestrais que desceram ao Egito eram setenta ao todo, e agora o Senhor seu D-s os tornou tão numerosos quanto as estrelas no céu”. (Deut. 10:22) Eles já foram uma única família, Abraão, Sara e seus descendentes, e agora eles se tornaram uma nação de doze tribos.

Mas – e este é o ponto de Moisés aqui – em comparação com outras nações, eles ainda eram pequenos. Quando o Senhor, seu D-s, o traz para a terra em que você está entrando para possuir e expulsar muitas nações – os hititas, girgaseus, amorreus, cananeus, perizeus, heveus e jebuseus, sete nações maiores e mais fortes do que você…” (Deut. 7: 1) Em outras palavras, não apenas os israelitas eram menores do que os grandes impérios do mundo antigo. Eles eram menores ainda do que as outras nações da região. Em comparação com suas origens, eles cresceram exponencialmente, mas em comparação com seus vizinhos permaneceram minúsculos.

Moisés então diz a eles o que isso significa:

Você pode dizer a si mesmo: “Essas nações são mais fortes do que nós. Como podemos expulsá-las?” Mas não tenha medo deles; lembra-te bem do que o Senhor teu D-s fez ao Faraó e a todo o Egito. (Deut. 7: 17-18)

Israel seria a menor das nações por um motivo que vai ao cerne de sua existência como nação. Eles vão mostrar ao mundo que um povo não precisa ser grande para ser imponente.  Não precisa ser numeroso para derrotar seus inimigos. A história única de Israel mostrará que, nas palavras do Profeta Zacarias (4: 6), “’Não por força nem por poder, mas pelo Meu espírito’, diz o Senhor Todo-Poderoso.”

Em si mesmo, Israel seria testemunha de algo maior do que ele mesmo. Como disse o ex-filósofo marxista Nicolay Berdyaev:

Lembro-me de como a interpretação materialista da história, quando tentei na minha juventude verificá-la aplicando-a aos destinos dos povos, fracassou no caso dos judeus, onde o destino parecia absolutamente inexplicável do ponto de vista materialista… Sua sobrevivência é um fenômeno misterioso e maravilhoso que demonstra que a vida desse povo é regida por uma predeterminação especial, transcendendo os processos de adaptação expostos pela interpretação materialista da história. A sobrevivência dos judeus, sua resistência à destruição, sua resistência sob condições absolutamente peculiares e o papel fatídico desempenhado por eles na história: tudo isso aponta para os fundamentos particulares e misteriosos de seu destino. [1]

A declaração de Moisés tem imensas implicações para a identidade judaica. A proposição implícita ao longo do Covenant & Conversation deste ano é que os judeus tiveram uma influência desproporcional ao seu número porque todos nós somos chamados a ser líderes, a assumir responsabilidades, contribuir, fazer a diferença na vida dos outros, para trazer a Presença Divina ao mundo. Precisamente porque somos pequenos, cada um de nós é chamado à grandeza.

Y. Agnon, o grande escritor hebreu, compôs uma oração para acompanhar o Kadish do Enlutado. Ele observou que os filhos de Israel sempre foram poucos em número em comparação com outras nações. Ele então disse que quando um monarca governa sobre uma grande população, eles não percebem quando um indivíduo morre, pois há outros para tomar seu lugar. “Mas nosso Rei, o Rei dos Reis, o Santo, bendito seja Ele… nos escolheu, e não porque somos uma grande nação, pois somos uma das menores das nações. Somos poucos e, pelo amor com que nos ama, cada um de nós é, para Ele, uma legião inteira. Ele não tem muitos substitutos para nós. Se um de nós está faltando, o céu não permita, então as forças do Rei são reduzidas, como consequência Seu reino está enfraquecido, por assim dizer. Uma de Suas legiões se foi e Sua grandeza diminuiu.[2]

Margaret Mead disse uma vez: “Nunca duvide de que um pequeno grupo de cidadãos atenciosos e comprometidos pode mudar o mundo. Na verdade, é a única coisa que já aconteceu.” Gandhi disse: “Um pequeno grupo de espíritos determinados, movidos por uma fé inextinguível em sua missão, pode alterar o curso da história”. [3] Essa deve ser nossa fé como judeus.

Podemos ser o menor de todos os povos, mas quando atendemos ao chamado de D-s, temos a capacidade, comprovada muitas vezes em nosso passado, de consertar e transformar o mundo.

 

NOTAS
[1] Nicolay Berdyaev,  The Meaning of History , Transaction Publishers, 2005, 86.
[2] Citado em Leon Wieseltier,  Kaddish , London: Picador, 1998, 22-23.
[3] Harijan, 19 de novembro de 1938.

 

Texto original “The Fewest of All Peoples” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

EKEV

Liderar é Ouvir O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu ...

Leia mais →

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS